Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Morre professor Valmir Martins

30 de novembro de 2012 9

Faleceu esta madrugada no Hospital SOS Cárdio o professor Valmir Martins. Estava internado há cerca de 40 dias. Valmir Martins nasceu em Florianópolis, foi professor no Departamento de História da Universidade Federal de Santa Catarina e destacou-se por forte atuação política em Santa Catarina. Participou ativamente da luta contra a ditadura militar, da fundação do Partido dos Trabalhadores e foi membro do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), sendo candidato a Governador do Estado nas eleições de 2010.
Seu velório acontece na capela B do Cemitério do Itacorubi até às 15h e será cremado em Balneário Camboriu, às 18h.
Coincidencia: Valmir Martins falece no mesmo dia em que transcorrem 33 anos da Novembrada, movimento politico que deu inicio ao fim do regime militar, ocorrido em Florianópolis em 1979, e que teve em Valmir Martins um dos ativos organizadores e incentivadores.

Comentários

comments

Comentários (9)

  • Duda Vieira diz: 30 de novembro de 2012

    A politica catarinense e brasileira fica empobrecida com a passagem para o plano espiritual do querido Professor Walmir Martins. Íntegro, honesto e fiel aos seus príncipios fez da politica um instrumento libertário contra os ditames da Ditadura, emoldurado pela sua forte atuação no espisódio da “Novembrada”.
    Um dos fundadores do Partido dos trabalhadores, foi decisivo, junto com outros companheiros” em contribuir para que um trabalhador chegasse a Presidência da República.
    Professor Valmir, assim carinmhosamente chamado por correligionários, alunos, amigos e parentes.
    A torcida Avaina também diminuiu, pois eis que perdemos um avaiano de “quatro costados”.
    A família os nossos sentimentos.

  • Nilo Bidone Kolling diz: 30 de novembro de 2012

    Pêsames ao mundo acadêmico e ao Político catarinense!

  • Dilma diz: 30 de novembro de 2012

    A queda da ditadura militar e a falsa impressão que o PT deixou no país de que: venceu o bem, e os socialistas foram os heróis; seria emocionante se os seus dissidentes, que graças a Deus ainda vivem, a tempo mostrar suas verdadeiras caras, ou seja; lutaram por seus interesses e luxos como todo medíocre político. Não serei leviana a ponto de opinar sobre quem não conheço, mas espero que este senhor, tenha “partido” com a honradez de alguém que tenha feito sua luta valer.

  • Sergio Luiz diz: 30 de novembro de 2012

    Coincidência: na mesma semana em que fez-se homenagem na ALESC ao ex-governador “nomeado” pelo regime militar (em exercício na Novembrada).

    Homenagens sinceras ao Professor Walmir!

  • Giffoni diz: 30 de novembro de 2012

    Outra coincidência: morre logo após terem dado ao Bornhausen o título de cidadão catarinense: ou seja, logo aquele que chorava as pitangas sobre o presidente Figueiredo nunca mais ir à Floripa em função da “novembrada”. Mas, entre um e outro, com certeza, os ínclitos deputados alesqueanos ficam com o JKB, sem ao menos lembrar da existência do professor. E, para quem já esqueceu, o JKB foi o chefe da casa civil no (des)governo Collor. Lastimável.

  • MIRO AVAIANO diz: 30 de novembro de 2012

    É…OS SENHORES TEM RAZÃO… DO JEITO QUE O PAÍS ESTÁ É QUE ESTÁ BOM!!! NINGUÉM MAIS PODE SER PUNIDO POR COMETER DELITO, DROGA É SÓ MAIS UMA DIVERSÃO INOFENSIVA DE ALGUNS, ROUBAR É CONSEQÜENCIA DE IMPULSOS INVOLUNTÁRIOS, ETC ETC ETC…

  • Rogerio Mario Koerich diz: 30 de novembro de 2012

    E lembrar que ao lado do ditador Figueiredo estava o governador à época, sr. Bornahusen. Esse quando for, não deixará saudades, fazia tude o que a ditadura queria. Vão se os bons e os péssimos ficam ou demoram a ir. Tive desprivilégio de conhecer J.Bornhasen.. Viva a nobembrada, o povo da capital disse a que veio e o JB querendo colocar panos quentes. Não tenho partido e nunca terei. Os petistas de hoje estão camuflados. Voto na pessoa… e pronto… É confiável, voto, não é, não voto.!!!

  • José Carlos da Silveira diz: 30 de novembro de 2012

    Pena que o apelo que fiz ontem não encontrou ressonância diante da dramática ordem natural das coisas. Desordem, contudo, quando tantos que nem deveriam ter nascidos persistem teimosos e saudáveis assacando tantas maledicências contra a humanidade. A morte, profundamente lamentável, de Valmir Martins resume a antítese dessa “ordem natural”.

  • marcelocardosodasilva diz: 1 de dezembro de 2012

    …PARABÉNS!!! Mestre Valmir Martins; por uma vida de “LUTAS”!!!…….Descanse em “PAZ”!!!…….Suas “AULAS” seguirão; nas vidas; “D MUITOS”!!!