Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Dilma: as razões da queda brusca

30 de junho de 2013 6

Do jornalista José Roberto de Toledo, no Estadão, sobre as causas do derretimento da popularidade de Dilma Rousseff:

“Não há precedente na curta história desde a redemocratização brasileira de uma queda tão abrupta da popularidade de um presidente quanto a experimentada por Dilma Rousseff nas últimas três semanas. Considerado apenas o saldo da avaliação do governo (ótimo+bom descontado de ruim+péssimo), a presidente perdeu 2 pontos por dia entre 7 e 28 de junho, segundo o Datafolha.

A velocidade da queda da popularidade de Dilma tem sido 3 vezes mais rápida do que foi a vivida por Luis Inácio Lula da Silva entre agosto e setembro de 2006, por causa do mensalão. É 3,8 vezes mais intensa do que a de Fernando Collor após o confisco da poupança, e 4,5 mais acelerada do que a de Fernando Henrique Cardoso após a desvalorização do real no começo de 1999.

Chega-se à mesma conclusão analisando-se a série histórica de pesquisas do Ibope, que inclui também o governo de José Sarney. Em nenhum período da história do Brasil desde março de 1986, quando há o primeiro registro de pesquisa de avaliação presidencial, um governante do país perdeu tantos pontos de popularidade em tão poucos dias. É um recorde.

Isso não significa, porém, que a atual presidente esteja tão impopular quanto tornou-se, por exemplo, FHC após desvalorizar o real, ou Sarney e Collor ao final de seus mandatos. Nem que sua queda foi maior que a deles. Dilma ainda tem saldo positivo de cinco pontos no Datafolha. Por outro lado, é cedo para saber se o mergulho de sua popularidade chegou ao fundo do poço. Só novas pesquisas dirão se a queda persiste.

A causa da queda recorde da popularidade de Dilma é econômica. Os protestos de rua serviram apenas para catalisar uma insatisfação mais profunda e que pode ser aferida pelo mergulho de outro indicador: o que mede a confiança do consumidor. O INEC (Índice Nacional de Expectativas do Consumidor) registrou em junho sua maior queda desde a crise de 2009.”

Comentários

comments

Comentários (6)

  • Do Sul diz: 30 de junho de 2013

    O único motivo é a corrupção geral, a bandalheira no governo!
    Tudo virou pó, com cheiro de estrume.

  • Dias da Silveira diz: 30 de junho de 2013

    Acabou-se o governo da Dilma (PT) e junto foi o desgoverno de Raimundus Columbus(PSD)!

  • Décio diz: 30 de junho de 2013

    Dilma e sua turma do PT podem enganar, porem nao conseguirao enganar sempre. Outro fato que temos notado e que o falastrao, e o maior responsável pelo momento vivido pelo BRASIL, LULA, anda escondidinho, tomou DORIL. Volto a afirmar OU O BRASIL ACABA COM O PT E SUA COMPANHEIRADA, ou eles VAO ACABAR COM O BRASIL.

  • Brasiliense diz: 30 de junho de 2013

    A ultima do governinho safado do PT da Dilma!
    O Lulinha, filho do sapo barbudo Lula (não sabe de nada), passou pelo Caribe semana passada a bordo de um super jato Gulftream avaliado em 5o milhões de dólares.
    Mais um milionário as custas de todos nós!
    Vagabundos, safados, ordinários, ladrões !
    POVO NAS RUAS!

  • gualberto cesar dos santos – fln/sc diz: 1 de julho de 2013

    https://www.facebook.com/gcesarsantos
    Olha os comentários – alguns daqui.
    Parece que são de miopes.
    Que nada entendem de “política” e jogam para fora a emotividade sem reflexão.
    Aprofundem-se – em que país do primeiro mundo e dos emergentes que não tem crises?
    E nós aqui surfando nela.
    Façam um nova pesquisa em outubro/novembro e depois voltem aqui para redimirem-se.
    O colunista é experte – sabe lidar com os títulos e com os temas.
    De certa forma sabe levar para onde quer, para os “berrantes e ou para os aplausos.
    Lida bem.
    Também, ao longo de todos esses anos na mídia, agradando a “gregos e a troianos”.
    Sabe jogar com os seus enunciados.
    Respeitosamente.

  • Parabólica diz: 1 de julho de 2013

    Eu que não fico só com um lado das coisas fui buscar algo mais, aqui está o PHA:

    Diante do Datafalha – “Datafalha, Dilma não caiu” -, o ansioso blog procurou reunir alguns pedaços de analise, consultou o Tirésias, o Oráculo de Delfos, o Vasco e outros confiáveis intérpretes, e se permitiu algumas observações:

    Era impossível que, depois do “terremoto neopolítico”, engendrado na “doença infantil do transportismo” não ocorresse uma queda na avaliação da presidenta e de todos políticos, sem exceção.

    Porém, Dilma reúne condições para se recuperar por causa dos seus atributos pessoais, do seu governo – o Lulilma – e do campo político do qual faz parte, onde desponta Lula.

    Alguns aspectos:

    TÉCNICOS

    1. Mesmo com a grande queda, o índice ainda é positivo :

    a) o número maior é de regular (43%)

    b) o segundo é de ótimo e bom (30%)

    c) o terceiro ruim e péssimo (25%)

    2. Foi mantida a tendência de o aumento do regular ser maior que o do ruim e péssimo;

    3. A avaliação por nota continua boa : agora é 5,8 quando antes era de 7,1 (queda de apenas 1,3);

    4. Curiosamente, a Folha mais uma vez omite a aprovação pessoal da presidenta (que deve estar
    acima de 50% – como, normalmente, existe uma proporcionalidade entre a nota e a aprovação, este índice pode estar girando entre 55% a 58% ;

    5. Mesmo com toda a queda, este momento de inflexão de Dilma é maior do que o ponto mais baixo de Lula (28%) e de FHC (13%);

    6. E O MELHOR, DO PONTO DE VISTA POLÍTICO : 68% APROVAM A IDÉIA DO PLEBISCITO E 73% ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE .