Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de junho 2013

Jorginho Mello sugere maquiagem no PR

30 de junho de 2013 17

O jornalista Ilimar Franco, de O Globo, deu uma informação inusitada sobre o deputado federal Jorginho Mello (PR). Diz que ele convocou uma reunião da bancada para discutir nome, cores e número do partido. Com uma numeróloga, Jorginho tentava convencer os colegas que os atuais não dão perspectiva de poder. Sugeriu “cores verde claro, azul e branco; PRD (Partido Republicano Democrático); e, número 33”.

Foi ignorado.

Ideli em reunião extra do Ministério Dilma

30 de junho de 2013 14

A ministra Ideli Salvati participa neste momento de reunião interministerial, convocada pela presidente Dima Rousseff. Na pauta, as manifestações que continuam pelo país e, sobretudo, os desconcertantes índices das últimas pesquisas, especialmente, do Datolha.  Foi uma convocação extraordinária.

A reunião começou há poucos instantes.

"Chega": os protestos na música de Seu Jorge

30 de junho de 2013 12

Letra de Gabriel Moura, “Chega” (Não é pelos vinte centavos), o novo video clipe de Seu Jorge.  Candidato a liderança entre as músicas preferidas no Brasil.


Chega de impunidade
Chega de desigualdade
Chega
Todo mundo está enxergando
Não é pelos vinte centavos que estamos lutando
Chega de não ter casa pra morar
Chega de não ter grana pra pagar
Chega
O povo não está brincando
Não é pelos vinte centavos que estamos lutando
Chega
Todo mundo vai pra rua
Chega
Você vai ficar na sua
Chega
É uma falta de respeito
Canta forte pelos seus direitos
Brasil, tá na tua hora
Brasil, tem que ser agora
Não é só pelos vinte centavos que estamos lutando
Brasil, pinta a sua cara
Brasil, é uma chance rara
Não é só pelos vinte centavos que estamos lutando
Chega
Todo mundo quer saúde
Chega
Vamos mudar de atitude
Chega
Não estamos aguentando
Não é pelos vinte centavos que estamos lutando
Chega
Diga não à violência
Chega
Diga não ao vandalismo
Chega
Não estamos aprovando
É pela paz no país que estamos marchando
Chega
Precisamos de escola
Chega
Não se vive só de bola
Chega
É o povo brasileiro que sustenta o país inteiro
Brasil, tá na tua hora
Brasil, tem que ser agora
Não é só pelos vinte centavos que estamos lutando
Brasil, pinta a sua cara
Brasil, é uma chance rara
Não é só pelos vinte centavos que estamos lutando
Você está muito enganado se é isso que está pensando”

Médicos: a importação e a realidade do SUS

30 de junho de 2013 13

A médica Juliana M. da Fonseca Cardoso, cirurgiá do Hospital Estadual Azevedo Lima, do Rio, assinou um depoimento comovente e realista sobre a situação da saúde e do SUS no Brasil.  Lavrou seu protesto contra a decisão do governo de importar médicos estrangeiros.  Confira:

“Há alguns meses eu fiz um plantão em que chorei. Não contei à ninguém (é nada fácil compartilhar isso numa mídia social). Eu, cirurgiã-geral, ‘do trauma’, médica ‘chatinha’, preceptora ‘bruxa’, que carrego no carro o manual da equipe militar cirúrgica americana que atendia no Afeganistão, chorei.

Na frente da sala da sutura tinha um paciente idoso internado. Numa cadeira. Com o soro pendurado na parede num prego similiar aos que prendemos plantas (diga-se: samambaias). Ao seu lado, seu filho. Bem vestido. Com fala pausada, calmo e educado. Como eu. Como você. Como nós. Perguntava pela possibilidade de internação do seu pai numa maca, que estava há mais de um dia na cadeira. Ia desmaiar. Esperou, esperou, e toda vez que abria a portinha da sutura ele estava lá. Esperando. Como eu. Como você. Como nós. Teve um momento que ele desmoronou. Se ajoelhou no chão, começou a chorar, olhou para mim e disse “não é para mim, é para o meu pai, uma maca”. Como eu faria. Como você. Como nós.

Pensei ‘meudeusdocéu, com todos que passam aqui, justo eu… Nãoooo….. Porque se chorar eu choro, se falar do seu pai eu choro, se me der um desafio vou brigar com 5 até tirá-lo daqui’.

E saí, chorei, voltei, briguei e o coloquei numa maca retirada da ala feminina.

Já levei meu pai para fazer exame no meu HU. O endoscopista quando soube que era meu pai, disse ‘por que não me falou, levava no privado, Juliana!’ Não precisamos, acredito nas pessoas que trabalham comigo. Que me ensinaram e ainda ensinam. Confio. Meu irmão precisou e o levei lá. Todos os nossos médicos são de hospitais públicos que conhecemos, e, se não os usamos mais, é porque as instituições públicas carecem. Carecem e padecem de leitos, aparelhos, materiais e medicamentos.

Uma vez fiz um risco cirúrgico e colhi sangue no meu hospital universitário. No consultório de um professor ele me pergunta: ‘e você confia?’.

‘Se confio para os meus pacientes tenho que confiar para mim.’

Eu pratico a medicina. Ela pisa em mim alguns dias, me machuca, tira o sono, dá rugas, lágrimas, mas eu ainda acredito na medicina. Me faz melhor. Aprendo, cresço, me torna humana. Se tenho dívidas, pago-as assim. Faço porque acredito.

Nesses últimos dias de protestos nas ruas e nas mídias brigamos por um país melhor. Menos corrupto. Transparente. Menos populista. Com mais qualidade. Com mais macas. Com hospitais melhores, mais equipamentos e que não faltem medicamentos. Um SUS melhor.

Briguei pelo filho do paciente ajoelhado. Por todos os meus pacientes. Por mim. Por você. Por nós. O SUS é nosso. Não tenho palavras para descrever o que penso da ‘Presidenta’ Dilma. (Uma figura que se proclama ‘a presidenta’ já não merece minha atenção).

Mas hoje, por mim, por você, pelo meu paciente na cadeira, eu a ouvi.

A ouvi dizendo que escutou ‘o povo democrático brasileiro’. Que escutou que queremos educação, saúde e segurança de qualidades. ‘Qualidade’… Ela disse.

E disse que importará médicos para melhorar a saúde do Brasil….

Para melhorar a qualidade…?

Sra ‘presidenta’, eu sou uma médica de qualidade. Meus pais são médicos de qualidade. Meus professores são médicos de qualidade. Meus amigos de faculdade. Meus colegas de plantão. O médico brasileiro é de qualidade.

Os seus hospitais é que não são. O seu SUS é que não tem qualidade. O seu governo é que não tem qualidade.

O dia em que a Sra ‘presidenta’ abrir uma ficha numa UPA, for internada num Hospital Estadual, pegar um remédio na fila do SUS e falar que isso é de qualidade, aí conversaremos.

Não cuspa na minha cara, não pise no meu diploma. Não me culpe da sua incompetência.

Somos quase 400 mil, não nos ofenda. Estou amanhã de plantão, abra uma ficha, eu te atendo. Não demora, não.

Não faltam médicos, mas não garanto que tenha onde sentar. Afinal, a cadeira é prioridade dos internados.

Hoje, eu chorei de novo.


Dilma: as razões da queda brusca

30 de junho de 2013 6

Do jornalista José Roberto de Toledo, no Estadão, sobre as causas do derretimento da popularidade de Dilma Rousseff:

“Não há precedente na curta história desde a redemocratização brasileira de uma queda tão abrupta da popularidade de um presidente quanto a experimentada por Dilma Rousseff nas últimas três semanas. Considerado apenas o saldo da avaliação do governo (ótimo+bom descontado de ruim+péssimo), a presidente perdeu 2 pontos por dia entre 7 e 28 de junho, segundo o Datafolha.

A velocidade da queda da popularidade de Dilma tem sido 3 vezes mais rápida do que foi a vivida por Luis Inácio Lula da Silva entre agosto e setembro de 2006, por causa do mensalão. É 3,8 vezes mais intensa do que a de Fernando Collor após o confisco da poupança, e 4,5 mais acelerada do que a de Fernando Henrique Cardoso após a desvalorização do real no começo de 1999.

Chega-se à mesma conclusão analisando-se a série histórica de pesquisas do Ibope, que inclui também o governo de José Sarney. Em nenhum período da história do Brasil desde março de 1986, quando há o primeiro registro de pesquisa de avaliação presidencial, um governante do país perdeu tantos pontos de popularidade em tão poucos dias. É um recorde.

Isso não significa, porém, que a atual presidente esteja tão impopular quanto tornou-se, por exemplo, FHC após desvalorizar o real, ou Sarney e Collor ao final de seus mandatos. Nem que sua queda foi maior que a deles. Dilma ainda tem saldo positivo de cinco pontos no Datafolha. Por outro lado, é cedo para saber se o mergulho de sua popularidade chegou ao fundo do poço. Só novas pesquisas dirão se a queda persiste.

A causa da queda recorde da popularidade de Dilma é econômica. Os protestos de rua serviram apenas para catalisar uma insatisfação mais profunda e que pode ser aferida pelo mergulho de outro indicador: o que mede a confiança do consumidor. O INEC (Índice Nacional de Expectativas do Consumidor) registrou em junho sua maior queda desde a crise de 2009.”

Etelvino Vidal Vieira: 76 anos sem multas

30 de junho de 2013 5

Etelvino Vidal Vieira, de 93 anos, é um exemplo de cidadania e direção responsável. Dirige automóveis desde 1937, data de sua primeira carteira de motorista – que até hoje guarda com orgulho. Nestes 76 anos, não recebeu nenhuma multa ou pontos na carteira. Dono do Joia Posto, no Bairro Estreito, em Florianópolis, Etelvino ganhou uma homenagem especial do jornal O Monatran, do Movimento Nacional de Educação no Trânsito.

PMDB elege nova Executiva quinta-feira

29 de junho de 2013 12

O novo Diretório Estadual do PMDB vai se reunir na quinta-feira, as 15 horas, na sede do partido, em Florianópolis para eleger a nova Executiva Regional. Segundo o secretário Adélcio Machado dos Santos, as chapas indicarão membros dos órgãos, na medida da proporcionalidade de votação, excluídas as vagas destinadas as membros natos do Diretório Estadual, os ex-presidentes e os que figuram em primeiro lugar na nominata: Adelcio Machado dos Santos, Casildo Maldaner, Eduardo Moreira, Luiz Henrique da Silveira, Neuto de Conto e Paulo Afonso Vieira.
Está sendo elaborada a Resolução nº 005, para submeter à deliberação, que consolidará os resultados destes cálculos.
Complementa que está convocada reunião do novo Diretório Estadual, para a próxima quinta-feira, às 15:00 horas, na sede estadual, para constituição da Comissão Executiva e do Conselho Fiscal.
A Comissão Executiva Estadual se comporá de 13 (treze) membros: Presidente, 1º, 2º e 3º Vices-Presidentes, Secretário-Geral, Secretário-Adjunto,1º e 2º Tesoureiro e 4 (quatro) Vogais. Além disso, serão eleitos 4 (quatro) suplentes da Comissão Executiva. Todos dirigentes deverão ser membros efetivos do Diretório Estadual.
Quanto ao Conselho Fiscal, serão 3 (três) titulares e 3 (três) suplentes, podendo ser membro ou não do Diretório Estadual.

Transferida eleição da Executiva Estadual do PMDB

29 de junho de 2013 10


A eleição da nova Executiva Estadual do PMDB ficou para ser definida na próxima quinta-feira durante reunião do Diretório Regional. Programada para acontecer logo após a Convenção Estadual, a decisão foi transferida porque o grupo que apoia o deputado federal Mauro Mariani não concordou em participar do acordo.
A Chapa Ulisses Guimarães, presidida por Mariani, conquistou 42% dos votos e, portanto, mais de 20%, assegurando o direito de indicar representantes na Executiva.

Reeleito, Moreira faz discurso da "unidade partidária"

29 de junho de 2013 4

Depois da proclamação do resultado final da Convenção Estadual do PMDB, o presidente reeleito Eduardo Pinho Moreira ocupou a tribuna por rápidos minutos para agradecer a presença de todos os convencionais e a vitória.
– Não há vencidos ou vencedores – enfatizou Moreira, ao destacar o valor da unidade partidária e a disposição de caminharem todos juntos em 2014.
Mauro Mariani, que acompanhou na mesa diretora junto Eduardo, o processo de apuração, também mostrou-se satisfeito. Não venceu, mas teve uma surpreendente votação. Os líderes que apoiavam Moreira anunciavam durante a votação que ele venceria por uma margem de 70% a 30%. Deu 60% a 40%.
Politicamente, Mauro Mariani sai fortalecido dentro e fora do PMDB.

PMDB: resultado final

29 de junho de 2013 5

O vice-governador Eduardo Pinho Moreira foi rreleito presidente do Diretório Estadual do PMDB, ao conquistar 318 votos, contra 231 votos de Mauro Mariani. O deputado federal perdeu a eleição mas é considerado vitorioso politicamente.