Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Policiais e governo: diálogo mantido

31 de julho de 2013 30

O presidente do Sinpol, Anderson Amorim, reagiu com serenidade ao ser informado da decisão do Tribunal de Justiça, decretando a ilegalidade da greve dos policiais civis. Mesmo sem ter sido intimado, orientou os líderes do movimento para que, retornem ao trabalho a partir desta quarta. Ele passou o dia no Detran, em Florianópolis, onde se encontravam cerca de 150 policiais. Começaram a ocupação pacífica por volta das 7,k30h. Os grevistas fecharam também as unidades do Detran espalhadas pelo Estado.
O governo estadual recorreu a Justiça numa ação fulminante. Entrou com pedido de ilegalidade no Tribunal e obteve manifestação favorável do relator, desembargador Luiz Cesar Medeiros. O magistrado fixou uma posição forte, com multas diárias e a determinação de imediato retorno ao trabalho, alegando que devia prevalecer a segurança da população.
O clima entre governo e sindicalistas não mudou. De um lado, o secretário Antônio Gavazzoni, dizendo que o diálogo continua aberto e que a proposta do governo – que considera boa – está mantida para novas negociações. De outro, o presidente Anderson Amorim anunciou a divulgação de uma nota oficial e convocou uma reunião da Diretoria para hoje, quando serão examinadas novas estratégicas.
Os policiais continuam defendendo aplicação dos vencimentos para a carreira técnico-jurídica, alegando que 90% do quadro tem curso superior. Isto representaria, segundo o secretário, um reajuste diferenciado que repercutiria nas finanças do Estado e sobre a estrutura militar.
Nos bastidores, há informações de que os delegados tendem a um acordo e que há a mesma sinalização em relação aos praças e oficiais da Policia Militar.

Comentários

comments

Comentários (30)

  • Carlos Alberto da Silva diz: 31 de julho de 2013

    A brilhante justiça brasileira decreta:

    TRABALHADOR VOCÊ PODE SER SUBVALORIZADO, NÃO HÁ PROBLEMA, ALÉM DO MAIS, NESTE PAÍS TIDO COMO DEMOCRÁTICO, ACABAMOS POR DESCOBRIR QUE A DEMOCRACIA NÃO É PARA TODOS.

    A Justiça deveria se pautar pela justeza de seus mandados, mas ela é tão injusta a maioria das vezes.
    vejam que qualquer ação de qualquer Cidadão que busca seus direitos junto aos Fóruns, Tribunais, Superiores e Supremos, já sabe que sua demanda vai “demandar” tempo, em alguns casos, mais tempo que o Cidadão terá de vida, mas vá o patrão buscar o direito contra os trabalhadores, a posição é imediata e a balança pendente.
    Ao Juiz cabe a possibilidade de mandar e o que se espera deste magistrado é que ele tenha um minimo de coerência nos seus atos, que ele seja equilibrado, entre o que se busca e o que se manda, mas triste sina a nossa, temos um judiciário que vive a reboque de governos que decidem o quanto terão para se manter, nem que a situação não seja tão caótica assim financeiramente, para a administração das estruturas dos tribunais, mas as regalias pessoais pedem que não se excedam em suas decisões contra os gestores de suas pretensas verbas. E ai, contra, é que as decisões jamais serão.

    O que o magistrado disse hoje em sua decisão é que um Servidor, Operador de Segurança, mantenedor da Ordem, pode sim receber menos que o seu reles auxilio moradia de R$ 4.000,00, ele não se importa com isso, disse mais, disse que este mesmo servidor, pode receber quase igual ao seu minguado vale alimentação (que inclusive recebeu retroativo recentemente algo em torno de R$ 60.000,00), que chega a casa dos R$ 1.200,00, mas afirmou, cago e ando se um Policial Civil, ganha R$ 2.000,00 pra andar armado e fazer a segurança de um Estado que lhe vira as costas.

    Até quando, Até quando????????????

  • luiz diz: 31 de julho de 2013

    proposta boa só se for pra eles, aumentar 20% cada ano até 2016, tirando beneficios, faria o salario ser menor do que é agora.

  • Marcelo diz: 31 de julho de 2013

    Sua nota está errada caro colunista, se os Oficiais e Delegados afirmam haver uma sinalização de aceitação, o mesmo não ocorre com a Aprasc, que ainda esta em negociação e nada está definido para os praças até o presente momento. Muita calma nessa hora.

    O Sinpol deve recorrer, até mesmo para formar jurisprudência. Cadê os “Constitucionalistas” da PC que esbravejavam sobre a inconstitucionalidade da equiparação com a PM, a constituição aceita interpretação analógica restritiva de um direito constitucional como a GREVE?

  • marcos diz: 31 de julho de 2013

    Na minha opinião deveria ser dado para os policiais civis um auxilio moradia de R$ 4.000,00 e um auxílio alimentação de R$ 4.000,00. Deveriam receber este valor retroativo a 2009. Se alguns podem, porque eles tambem não podem.

  • Paulo Cezar diz: 31 de julho de 2013

    pelo que vejo, os delegados irão aceitar..como no passado, enquanto os agentes receberam $500,00 de abonos, os Delegados receberam R$2.000,00. Faz de conta que minhas necessidades básicas são diferenciadas, o remédio alimentos é 75% menor..Isto é democracia

  • Max Magno Vieira diz: 31 de julho de 2013

    A pseuda “Têmis” nos ceifou um direito fundamental. Iremos em busca da verdadeira Deusa Grega, já que se trata de uma decisão monocrática. Nesse momento, a impressão que fica é que BANDIDO TEM DIREITOS, POLICIAIS CIVIS NÃO.

  • Carlos Alberto da Silva diz: 31 de julho de 2013

    Moacir, o que o Luiz coloca, o faz com propriedade e já comentei em outro post teu fazendo esta contemplação, os percentuais oferecidos são até interessantes, porém deixam de ser, quando na mesma proporção, direitos são retirados, então chegaremos em janeiro de 2016 ganhando menos que em dezembro de 2015, Além do que, o caminho para chegar a dezembro de 2015, será como estar patinando na lama, estaremos a cada 20% inseridos, com algo muito próximo sendo retirado, não estaremos saindo do lugar.

  • FABRICIO diz: 31 de julho de 2013

    Caro Moacir, você está lamentavelmente desinformado, ou quiçá foi enganado(não duvido pois eles mentem), por este “desgoverno de cabides políticos regionais”. A uma, porque os percentuais variam de acordo com os níveis na carreira. A duas, porque a proposta é de abono, ou seja, não é reajuste. Só faltava você achar boa uma proposta cujo o início do pagamento se dará no final de 2014, em parcelas de 20%, não obstante o fato de vir de um governo que não cumpre nem a data base anual, uma lei de iniciativa do próprio governador, o qual não cumpre o próprio papel que assina. Depois não venha aqui reclamar de ônibus queimado, caos na segurança, etc., mesmo porque o RDD não é para sempre.
    Em relação ao comentarista Marcelo, falta estudar um pouco mais Direito Constitucional, pois a doutrina e jurisprudência são quase unânimes em proibir equiparação salarial entre carreiras diferentes, pois a única coisa que a PM se iguala a PC é o nome POLICIA, pois de resto difere em tudo, tal como o regime jurídico, a função constitucionalmente exercida, etc. Lembrando que não faz muito tempo que o STF decidiu uma ADIN de Santa Catarina, em que julgou inconstitucional a equiparação salarial entre as duas polícias.
    Moacir, faça um favor pela sociedade de Santa Catarina, corra atrás dos números oficiais do efetivo da PC, pois o governador disse em entrevista para o nosso repórter do quadro IMPOSTOR, que houve contratação de 800 policiais civis em seu governo, mas na verdade não houve incremento de efetivo(eles mentem), o que houve foi a diminuição de policiais civis. Cerca de 1000(mil) deixaram a instituição desde 2007, motivados pelo baixo salário.
    Uma vergonha!

  • Ramom Cardoso diz: 31 de julho de 2013

    Moacir,
    A proposta é de ABONO de 60% em cima do vencimento base, que hoje é próximo de R$ 1.300,00. Ou seja, 20% por ano a partir de meados de 2014, o que equivale a um acréscimo de R$ 225,00, que somente seria pago daqui a um ano. Tal abono não incide para férias, 13º, afastamentos médicos e aposentadorias.
    Moacir, não propale MENTIRAS. Informe-se, é a sua obrigação profissional!

  • nicolau diz: 31 de julho de 2013

    Caro Moacir, a conta que se diz é uma mas conta que se faz é outra. Te explico. Serão 20% em meados de 2014, digamos, sobre um vencimento de R$1.000,00, logo serão R$200,00. O proximo reajuste de 20% não será sobre R$1.200,00 e sim sobre R$1.000,00 e o mesmo acontecerá com o último reajuste de 20%, também sobre R$1.000,00. Analise, os salários já estão defasados e esses “reajustes” no final, vão fechar uma triste conta, vai ficar tudo como está. Mudarão os valores, mas serão apenas aparências, haja vista que o ganho real será praticamente nulo, a inflação comerá tudo…

  • Walteu diz: 31 de julho de 2013

    Senhor Marcelo,

    tratar as diversas instituições que compõe a SSP da mesma maneira é tratar desiguais nivelando-os sempre por baixo, fato que na verdade não ocorre. Pois vejamos, os policiais civis, já obteriam acréscimo salarial se recebessem o mesmo tratamento dado a PMSC. Quer seja, auxilio para a compra de roupas, alimentação, a incorporação do adicional de 5%, na hora de ir para a casa, quando da aposentadoria após os 30 anos de serviço, soldo da graduação superior a que esta no momento da aposentadoria, efetivo pagamento do adicional vintenário, pois os civis não estão recebendo e os PMSC estão. Além de outras vantagens pecuniárias que no momento não recordo e que se algum leitor se lembrar, peço que faça o favor de postar. Se os Civis passassem a receber essas vantagens, acredito que poderíamos a falar em pé de igualdade.

  • Walmor diz: 31 de julho de 2013

    Moacir perguntar não ofende, se existe uma flagrante falta de efetivo tanto na Polícia Militar como na Polícia Civil, porque então tem tantos policiais lotados no Detran da Capital e nas Ciretrans. Não seria o caso desse policiais retornarem as suas atividades fins para a qual foram preparados, ou seja para prestarem serviços de segurança a população, em vez de ficarem em desvio de função em serviços burocráticos.

  • Beatriz Costa Alvarez diz: 31 de julho de 2013

    Sobre a ilegalidade da greve da Polícia Civil de Santa Catarina: É certo que greve foi declarada ilegal pelo poder judiciário. Não esperávamos algo diferente numa comunidade onde a imoralidade se impõe sobre a humanidade e a ilegalidade pró poder está tão impregnada nos modos e maneiras que se colocar contra isto parece ser algo irreal. Observando de dentro e de fora os desdobramentos de nosso movimento digo que estamos ganhando e muito. Dentro deste modo civilizado de vida as polícias cumprem um papel, assim como todas as outras instituições públicas. A Policial Civil, desde o advento da Constituição Federal de 1988, veio sofrendo um desaparelhamento total e absoluto, contratações ínfimas de pessoal, condições precárias de trabalho, trabalho escravo (sim há trabalho escravo na Polícia Civil, se trabalha muito além do número de horas extras pagas pelo estado sob pena de punição), treinamento ineficiente, inconstante e ineficaz, defasagem salarial gigantesca (mais de dez anos sem reposição salarial), engessamento total e absoluto das funções desta instituição, descaso absoluto com o sistema prisional. Em contrapartida a isto observamos um forte investimento em contratação de Policiais Militares e em falsa propaganda de um pacto com a segurança pública. Algumas pistas estão dadas. Por que disto? Olhando mais atentamente, a postura do ente governamental e da sociedade que insiste em não se envolver em debates a cerca da segurança pública em nosso país, fica claro para mim que não há qualquer intenção em se viver em um estado Democrático de Direito. Explico. Em sendo a Policia Civil a polícia responsável por fazer cumprir a lei penal embasada em uma cultura democrática, tendo como norte o respeito aos direitos e garantias fundamentais, aliada aos princípios dos Direitos Humanos, seria mais do que lógico o interesse de uma comunidade democrática que este órgão policial estivesse fortalecido em sua base para que, efetivamente, os ditames legais da Constituição Federal de 1988 fossem cumpridos, em sua integralidade, em sua plenitude. Falamos tanto em viver em uma sociedade humanitária, mas esquecemos de olhar para nossa família humana. Em dez anos de Polícia Civil, acompanho de perto o crescimento interno dos debates a cerca de nossa função dentro de um estado Democrático de Direito e a forma como viemos sendo sistematicamente impelidos a entramos num limbo existencial, nos encolhermos, sob pena de agirmos de forma arbitrária e ilegal. É de se espantar a inércia de uma população, que vem as ruas e tanto se queixa da postura da polícia frente aos movimentos sociais, frente ao maior e gritante estado fascista constituído, o qual se usa de artimanhas legais para garantir a sua manutenção ilegal. Me parece muito simples notar que em se mantendo a polícia que deve garantir a manutenção e implementação do estado Democrático de Direito em situação aterradora, o poder constituído se mantenha de forma opressora e manifestamente ilegal sem que nada seja feito. Como uma polícia, a qual é composta por seres humanos, que não tem seus direitos básicos respeitados pode fazer valer a lei, os Direitos Humanos e a Democracia? Não pode! Ainda sobre a declaração de ilegalidade da greve feita por nosso Tribunal de Justiça, fica a certeza de que nosso judiciário está infinitamente servindo a interesses adversos ao clamor social, ao determinar que os serviços sejam restabelecidos em sua integralidade na forma em que está, aceitando os parcos argumentos do Governo do Estado de Santa Catarina, deixa de olhar, ou finge que não vê, que estes serviços há muito já estão defasados e eivados de ilegalidade, mantém, mais uma vez um estado de coisas falacioso. Deixa, mais uma vez o judiciário de olhar as reais razões do movimento grevista, o qual vai muito além da defasagem salarial, o qual está inserido em um contexto de impossibilidade absoluta de uma instituição prestar seus serviços, de caráter fundamental em um estado Democrático de Direito. É de conhecimento de todo o judiciário que a Polícia Civil está impedida de cumprir seu papel constitucional, é de conhecimento do judiciário que as condições de trabalho são desumanas e degradantes, que os salários são parcos e levam a uma situação de vida precária fomentando toda a sorte de doença e perversão. Há que se lembrar que as demandas trabalhistas da classe policial civil, em sua maior parte das vezes, tem seus pleitos negados pelo judiciário catarinense tendo como justificativa a possível “quebra do estado”. Fato é que vivemos um grande faz de conta e que enquanto a verdade não for o norte de toda a humanidade não acordaremos deste sonho inebriante e sofredor. Falamos muito em liberdade, em democracia, esquecemos de olhar e agir de forma liberta e democrática. De minha parte continuo com meus trabalhos internos, cuidando para não entrar nesta doença generalizada. De minha parte sou feliz em ver meus colegas policiais civis, querendo com todas as suas forças, agir com a verdade como norte cada vez mais. Em dez anos nesta instituição aprendi muito mais sobre democracia do que em todos os anos de estudos de sociologia, história, ciência política e de qualquer outro movimento político que eu já tenha participado, desde os grêmios escolares, até todos os debates da classe artística. Em dez anos nesta instituição aprendi e aprendo diariamente que pessoas são pessoas em qualquer lugar e que o desejo de uma comunidade humana para se viver é um ideal a ser trabalhado dia a dia. Você pode estranhar este escrito de uma Policial Civil, entendo, o preconceito está arraigado em toda a parte e é difícil demais romper os padrões estabelecidos historicamente. De minha parte acredito que estamos crescendo enquanto humanidade, pois, finalmente, podemos debater de público o que aflige a todos, igualmente. Hoje voltamos ao trabalho, estamos lutando para poder trabalhar, estamos querendo implementar a democracia, estamos querendo a humanidade como norte e queremos com verdade e vamos conseguir! Sabemos que a batalha é longa, pois muito mais do que ganharmos valorização salarial, lidamos com a quebra de paradigmas. Mas sabemos também que é este o momento. Voltamos ao trabalho com aquele sensação de que fomos traídos por quem deveria garantir a legalidade, por quem deveria garantir a humanidade. Voltamos ao trabalho sabendo que continuamos não cumprindo nossa função, em razão da manutenção de um estado de coisas que esta impregnado em uma cultura social de medo e preconceito, de casa do senhor, senzala e seus jagunços. Sei que é somente uma etapa, estamos certos de que estamos quebrando os paradigmas e não iremos parar, pois acreditamos numa mudança real. Voltamos ao trabalho, e mais uma vez frustrados, pois nada podemos fazer para cumprir nossa missão constitucional, mais uma vez não conseguiremos investigar, mais uma vez estaremos fadados a trabalhar desumanamente, mais uma vez estaremos afirmando de alguma maneira que a democracia não funciona e a liberdade não pode ser alcançada, mas isto tudo é só um momento, pois o movimento está forte coeso e sabemos que queremos mudança. Somos todos humanos e o desejo da mudança está latente em todos nós. façamos uma polícia que seja realmente democrática, humanitária, é possível e necessário, façamos segurança pública com verdade! Aos meus colegas policiais civis digo não desanimem a batalha é longa e estamos caminhando a passos largos.A todos os amigos que não são policiais peço que olhem para nosso momento histórico e entendam que a luta por uma sociedade democrática e humanitária passa, necessariamente, pela reestruturação de suas forças de segurança pública, pela desmilitarização das polícias, pela reestruturação do sistema prisional, pela descriminalização, pela valorização e capacitação do profissional de segurança pública. Um estado que se diz democrático não pode querer jagunços e guarda particular em suas polícias. A nossa luta é de toda a comunidade. Ótimo dia de mudança a todos nós!

  • Darlan diz: 31 de julho de 2013

    Caro Moacir Pereira,
    .
    IMPORTANTE SALIENTAR que esse aumento de 66% referido pelo Governo é sobre um abono de referência sobre o respectivo vencimento apenas. Ou seja um percentual alto para fins de impacto midiático e que não reflete de maneira real para os policiais civis.
    .
    E sobre este valor de abono não incide nada sobre ele, não é um aumento de fato sobre o vencimento.
    .
    Além do mais, o pagamento atirado para 2015 é um absurdo, pois é uma promessa para o próximo governo, que pode não querer cumprir ou encontrar inúmeras desculpites.
    .
    Seria prudente e possível por parte do Governo antecipar o pagamento das integralizações dos abonos – faltam 3 parcelas, o que daria um aumento mínimo de 24% sobre o valor do vencimento. Dessa forma, sinalizando este ano e atendendo até no máximo final do ano que vem poderia dar o aumento de fato requerido pela categoria e atender a nova forma de remuneração.
    .
    Sobre isso, o Governo precisa atender o ordenamento Constitucional Estadual e Federal que determina pagamento sobre a forma de subsídio. Dessa forma, se tiver 66% de aumento sobre valor de subsídio seria outra história…
    .
    Att

  • Carlos diz: 31 de julho de 2013

    A Policia Civil catarinense é uma instituição acostumada a enfrentar bandidos de alta periculosidade diariamente, portanto, deveria ter a coragem de enfrentar também os bandidos de Toga, e quem disse que tem bandido de toga foi um cidadã da suprema corte brasileira.
    Perde o sindicato a oportunidade de fazer valer os direitos dos seus representados. Fica a reflexão. Mobilizar uma categoria fundamental na segurança do cidadão catarinense e retroagir por uma decisão monocrática de um togado.

  • Alisson Rachadel diz: 31 de julho de 2013

    Caro Moacir,

    O colega Luiz está corretíssimo em sua colocação, veja bem: “aumentar 20% cada ano até 2016″… 20% em 2014 + 20% em 2015 + 20% em 2016. Foi o senhor que interpretou mal o texto. Mesmo somando um total de 60%, tal valor pago em 3 anos é rapidamente corroído pela inflação, sem mencionar o IR e IPREV dos estatutários. O colega Luiz está correto, esses 60% irão virar no máximo uns R$500 de aumento real, isso em 3 anos?!?! Absurdo… enquanto isso as SDR’s, cargos comissionados, aux. moradias estratosféricos, etc, etc… vem sangrando os cofres públicos do Estado a anos! o Gov. Colombo era contra as SDR’s e agora está amando elas! Por que será??? VERGONHA!!! A saúde, a educação e a segurança de SC com efetivo precário, falta de atendimento a população, e êxodo funcional nas categorias de base do Estado para outras profissões que valorizam mais os trabalhadores.
    Que futuro……..

  • José Calisto diz: 31 de julho de 2013

    O ABONO vai ser de 720,00 reais, dividido em três parcelas, até final de 2015…ou seja…início de 2016…e tem que esclarecer pra POPULAÇÃO que a proposta é sobre o VENCIMENTO: cerca de 1200,00 para o policial civil. E não sobre a REMUNERAÇÃO. E trata-se de mais um ABONO (penduricalho na remuneração). Na negociação passada foi uma luta para os Policiais conseguirem a incorporações de abonos ao vencimento, agora, o governo quer dar ABONO novamente?????? A constituição é clara, policiais tem que receber por SUBSÍDIO, que é uma parcela única, sem penduricalhos, igual judiciário, por exemplo. É clara também quando ela trata de vedação de vinculação com salários de outras carreiras, ou seja, PM, PC, IGP, etc, cada um tem sua remuneração de acordo com suas funções, precisa desenhar??? DATA base, que também é constitucional, NÃO FOI PAGA, foi dado calote no servidor. Concluindo, temos um Estado que é pronto em negociar com BANDIDOS, cuja justiça é subserviente a eles, basta ver que certas decisões são INCRIVELMENTE céleres, enquanto muitos coitados a aguardam por decisão do judiciário…este sim….ganhando mais do que merecem. Estão querendo manipular as pessoas: não são honestos/corajosos o suficiente para expor a verdade.

  • Jefferson roberto da Silva diz: 31 de julho de 2013

    Prezado moacir.
    Esse secretário é um desinformado, porque é evidente que devemos ter salário diferenciado com relação a PM. Somos a polícia judiciária do Estado de Santa Catarina. Não temos nenhuma relação institucional com a PM. Meu DEusss!!!!!
    Até quando as pessoas irão relacionar a Polícia Civil Com a Polícia militar.
    Tem que ser muito burro e desinformado para equiparar as duas instituições.

  • marcus mazzucco diz: 31 de julho de 2013

    se são 3 parcelas de 20% entao temos 60 5 e não 66%…acontece que o governo ja esta devendo a data base desse ano 2013 de 8%, 2014 8% e 2015 8%..agora diminui isso do 60% e diminui a inflaçao também ai vais ver o que sobra…NAO SOBRA QUASE NADA SR MOACIR!!!!! SE FOR ESSA PROPSTA É MELHOR DEIXAR COMO ESTÁ QUE EM JAN DE 2016 ESTAREMOS RECEBENDO QUASE O MESMO QUE O GOVERNO ESTA PROPONDO!!!!!

  • Policial Civil diz: 31 de julho de 2013

    Prezado Moacir,

    Respondendo ao Luiz você se ateve em constar os dados divulgados pelo governo. O que você desconhece é que a reposição está sendo calculada pelo vencimento, sendo retirados abonos, horas-extras e adicionais noturnos, ou seja, a verdade “real” é que no caso de um policial que está no nível IV, intermediário na carreira, ao final do “excelente” plano receberá um incremento de aproximadamente R$ 700,00 em sua folha.
    Considerando que os índices de inflação extra-oficiais apontam pelo menos 10% ao ano nos próximos anos, qual será a vantagem para nós?
    Ainda, como o governo pode fazer previsão de gastos para um futuro em que ele não sabe se ainda estará governando?
    Se já não pagou nem os 8% de reposição este ano, como ele quer que confiemos nessa proposta com prazo tão elástico?

  • Vitor diz: 31 de julho de 2013

    Caro Marcelo, na PC só tem burro de trabalhar no plantão, ficar no expediente, fazer investigação, serviços cartorários e ainda ganhar apenas 40 HE. Se duvida que isso ocorre, ande pelo Estado de santa Catarina e veja. A PC não se constitui de uma ou duas delegacias, como vejo alguns comentários dando a ideia de que a PC não trabalha, para aqueles que acham isso, andem pelas Delegacias do Estado e vejam.

  • Agente diz: 31 de julho de 2013

    Recebo líquido R$ 2.900 com adicional de pós (13%). Desse valor R$ 523 são hora extra que se faz obrigatoriamente, seja porque não se quer perder esse valor ou por falta de efetivo para se fazer a escala. Muitos policiais fazem a escala ILEGAL de 24h por 48h. Faça os cálculos e verá que passa e muito das horas extras pagas. O policial trabalha de graça!!!! Isso tem que acabar. Quem disse que quero fazer hora extra???? Alguém perguntou???? Que se façam concursos para suprir e fazer uma escala mais humana como a 24 X 72. Em São Paulo chega-se a fazer 24 X 96.
    O Governo não cumpriu a data base esse ano então nosso salário perdeu o poder aquisitivo em aproximadamente 6%. Se não cumprir a lei da data base em 2014 e 2015 um dos aumentos de 20% pode ser jogado fora pq seria engolido pela inflação!!!!! Se não cumprir em 2016 então o aumento seria de 35% e não 66%. Outra coisa a Lei complementar 254 de 2003 afirma em seu artigo 27 que a relação entre a maior e a menor remuneração será de 4 vezes. Ok. Se for fazer o cálculo foi exatamente isso o que ofereceram, MAAAASSSSS a Lei é de 2003, ano em que ainda havia cargos de NÍVEL MÉDIO!!!! Então, se ainda houvesse algum cargo de nível médio na Polícia Civil estaria completamente correto o que o Governo oferece. Acontece que NÃO ENTRA MAIS NINGUÉM DE NÍVEL MÉDIO NA POLÍCIA CIVIL. Então esse cálculo está defasado. Mais uma coisa, se o governo não cumpriu a lei da data base porque cumpriria um pagamento em dezembro de 2015, qual a garantia? Agora em se falando de TJ qualquer calouro de qualquer faculdade de direito sabe que as decisões do nosso TJ são completamente atreladas à política. COMPLETAMENTE. Se pesquisarmos as jurisprudências de nosso vizinho Rio Grande do Sul verificamos que estamos com um TJ com a cabeça da década de 60, 70. Eles estão muito a frente dos pensamentos retrógrados que se mostra por aqui…

  • Juliana diz: 31 de julho de 2013

    Moacir, é preciso esclarecer que o 60% a que se refere o governo corresponde ao salário-base, que atualmente é menos da metade da remuneração recebida pela maioria dos policiais. Ao final deste acréscimo “60%” serão retiradas as Horas extras, adicionais noturnos e outros acionais (como de pós graduação) resultando em uma remuneração inferior do que a atual, em dezembro de 2015.

  • PROFESSOR diz: 31 de julho de 2013

    Este governo não cumpre com nada.Funcinário público pra ele é coisa(objeto).Cadê a revitalização do plano de carreira do magistério que ele acabou?

  • Jean Soares Lima diz: 31 de julho de 2013

    Excelentíssimo Governador estamos muito próximos do período eleitoral, ainda quero ver você e sua cúpula a pedir nosso voto.

    Nunca mais Colombo pro inferno.

  • Agente diz: 31 de julho de 2013

    Só para complementar meu vencimento não é R$ 2.900,00 é de apenas R$ 1.287,17. E é somente o vencimento que se recebe no caso de aposentadoria ou doença. Os aumentos falsos que serão dados não entrarão no vencimento. Uma atitude no mínimo estranha, já que estão incorporando todos os abonos até março de 2014 e logo em agosto criarão outro penduricalho. Tiram um e criam outro. Coloca tudo no vencimento que aí a conversa se inicia. Outra coisa o STF já julgou inconstitucional a equiparação entre as polícias, mas Santa Catarina é um estado que adora ser inconstitucional, nem pagar como subsídio pagam… Agora vão os policiais civis (3 mil e poucos) carregar nas costas a PM (12.000). Eles não possuem o caráter técnico-jurídico, então como fazer um pacotão???Eles não querem subsídio, o problema é deles, nós queremos, eles querem compactar para 6 níveis. Nós queremos 4.

  • Agente diz: 1 de agosto de 2013

    Dados oficiais sobre desligamentos e ingressos na Polícia Civil:
    2007 – 96 admissões; 121 desligamentos (-121)
    2008 – 228 admissões; 216 desligamentos (+12)
    2009 – 176 admissões; 148 desligamentos (+28)
    2010 – 241 admissões; 97 desligamentos (+144)
    2011 – 18 admissões; 113 desligamentos (-95)
    2012 – 416 admissões; 166 desligamentos (+250)
    2013 – 42 admissões; 65 desligamentos (-23)
    Dados atualizados até dia 31/07/2013
    O aumento de efetivo de 2007 até o dia 31/07/2013 foi de 291 policiais. Como estamos ainda no mês de agosto esse número ainda vai diminuir…
    Por óbvio que grande parte dos desligamentos ocorreram pelo baixo salário.
    Qualquer dado diferente desse é mentiroso. Esses são os números oficiais.

  • Márcio diz: 1 de agosto de 2013

    Juízes e Promotores ganham somente com auxílio moradia mais de 4500,00 reais!!!
    Em uma turma de recursos do Oeste deste estado, temos que um dos juízes julga mais de 100 processos em um mês, os outros todos não chegam a 12 processos.
    Trabalha quem quer, todos ganham!!
    É hora de o povo acordar para o verdadeiro rombo do estado!!
    E o policial tem que viver com 1200 reais por mês, e o PROFESSOR ???
    MEU DEUS!!

  • Rodnei diz: 1 de agosto de 2013

    Vamos considerar que cada servidor consegue arrumar dois ou três votos (no mínimo).
    Multiplica-se esse número pelo total de servidores que existem no Estado (saúde, educação e segurança).
    Não é difícil imaginar que nas próximas eleições, este governador e todos que o apoiam, não conseguirão se eleger. Será a vez da oposição!
    A contagem regressiva já começou…