Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Campos: "Quem produz mais tem que ganhar mais"

30 de agosto de 2013 2

Durante palestra na Faesc, o governador Eduardo Campos fala sobre a importancia de gestão moderna no serviço público e as medidas que adotou em Pernambuco, quebrando paradigmas e acabando com o corporativismo.
Disse que o governo de seu estado tem controle das escolas, índices de aproveitamento, de desempenho dos alunos, assim como dados atualizados sobre produtividade nos hospitais e postos de saúde.
Adotou o critério do mérito, pagando por produção. Revelou que há professores que recebem até tres vezes o valor do salário quando atingem 100% das metas. Enfatizou: “Quem produz mais tem que ganhar mais”.
Foi aplaudido pela platéia.

Comentários

comments

Comentários (2)

  • liaseal diz: 30 de agosto de 2013

    Socialismo de resultados… Vamos ver:
    a) O professor pode escolher só os melhores alunos para chegar a 100% de resultados das metas? como os colégios federais e militares que escolhem só os bons?
    b) como atingir 100% em salas de aulas com abissais diferenças de tudo: estrutura familiar, condições econômicas, talentos e diferentes capacidades de aprendizagem, etc.? O percentual de ‘inclusão’, alunos que não podem e não conseguem seguir o padrão nivelado por cima, serão descontados da produtividade do professor? Numa sala de 30 alunos, sendo 5 portadores de deficiências cognitivas severas, como atingir 100% das metas? Nunca professores vão conseguir.
    c) Digamos que até se consiga 100% de produtividade em sala de aula, ao se aposentar o professor leva os 100% para a aposentadoria? como medir produtividade de inativos, tanto professores quanto de outros servidores?
    d) 100% de produtividade em Ed. Física vale o mesmo que 100% de produtividade nas matérias cobradas no PISA? Porque nem todas são cobradas…
    e) No caso da Segurança, 100% seria zero bandido na rua? No Judiciário é zero processo engavetado?
    f) Na Saúde, 100% de produtividade é curar quantos pacientes com câncer? Os médicos que lidam com doenças sem cura e/ou de pacientes terminais, terão % por pacientes mortos? !00% de cancerosos que morreram ou que se salvaram?
    No Cepon, por exemplo, nas internações apenas paliativas pois nada mais há para fazer a não ser aliviar as dores, qual vai ser o critério de produtividade? entram os que são mandados para morrer em casa, nas suas cidades, ou só os que morrem internados? E acidentados? 40 acidentados num desastre e ônibus, todos graves, metade morre nos hospitais, de quanto foi a meta? os que morreram foi falta de empenho dos médicos, deles e dos auxiliares? quem vai ganhar menos pelo ineficiência? quem vai ser o acusado por não chegarem aos 100% de sucesso? coveiros, nessa toada, vão ganhar mais de enterrarem mais? Para isso tem de crescer o número de mortos, né não?

    “socialismo” aí é exatamente de que tipo? O chinês do ‘morra trabalhando se quiser ganhar mais, beirando à escravidão’? Uai, não tá mais para capitalismo selvagem não? Nem a dama de ferro do capitalismo, Margaret Thatcher cobrou isso de professores…

    Pelo sim, pelo não, vamos a alguns padrões socialistas para refletir.

    http://www.youtube.com/watch?v=IwZV0vl7GiE

    Ah! as maravilhas e glórias da produtividade socialista… Quem produz mais, ganha mais, nem que seja a ‘gloria de servir a seu país’… A do vídeo ganhou mesmo: acaba se ser fuzilada em praça pública, apesar de cantar feliz pela ‘produtividade’ demonstrada. Não levou dinheiro, nem uma coroa de louros ¬¬

    Aí, professorada, cada aluno um fuso no tear, cada rolo de pano o resultado da eficiência… Cansou? Mas sorria, nada como ganhar com suor do rosto.

    Ou o Socialismo do Campos é a moda ‘europeia’ da tal social-democracia? França? Suécia? Finlândia? Qual delas? Onde mais professores ganham ‘mais’ por produtividade? Em quais estados americanos, em quais países europeus?

    Se o pagamento da produtividade fosse pago automaticamente por estatísticas de aprovação[ todos aprovados e todos ganham], mas não é assim…
    Em SP, o valor é de acordo com o desemprenho no Saresp. E tem a injustiça de todos na escola ganharem, mesmo sem fazer nada para transformar pedra em gente que é coisa cobrada APENAS de quem está em sala de aula. Vale dizer: os professores se ralam nas ostras para aulas mágicas transformando pedra em gente, mas até porteiro da escola leva uns trocos da ‘produtividade e das metas’. Sugiro que mandem porteiros, merendeiras, serventes, administrativos e diretores para as salas de aula e façam eles os milagres porque quando o relatório vem dizendo que a escola não atingiu as metas só os professores são cobrados, o assédio moral é TODO em cima dos professores… Nem todos, claro, só os de matemática, português, química, física, biologia e os alfabetizadores das séries iniciais.

    Esse Campos vai chamar para ministro da Educação o Gustavinho Ioschpe? O ricaço que só estudou fora porque PAGOU para isso e que tem verdadeira paranoia contra professores? Ele deveria resolver o problema dele contras os professores ruins que teve em algum divã. Mas leva grande chance de virar ministrinho bananeiro já que sempre se posicionou como de ‘esquerda’…

  • Fábio diz: 2 de setembro de 2013

    O presidenciável se mostra hábil com discursos, mas inconsistência com propostas. Este filme já foi visto há pouco mais de vinte anos atrás.