Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Eduardo Campos: "Reforma agora é golpe"

31 de agosto de 2013 1

O cenário desenhado pelo governador Eduardo Campos para as eleições presidenciais de 2014 está claro. Devem ser candidatos, além dele pelo PSB com uma nova aliança, a presidente Dilma Rousseff(PT), o senador Aécio Neves(PSDB) e a ex-senadora Marina Silva (Rede). Descarta a hipótese da candidatura Lula, sob alegação de que Dilma não abrirá mão da reeleição.
O presidente nacional do PSB não tem dúvidas de que a eleição será decidida no segundo turno. Por isso, vem conversando com todos os candidatos. Chegou em Florianópolis as 3,30 da madrugada de sexta-feira, depois de longa reunião com Aécio Neves em Recife. Selaram “o pacto do bom senso”, isto é, vão trabalhar pela responsabilidade fiscal, por uma campanha madura e elevada que não comprometa a Democracia, a estabilidade econômica e os avanços sociais. “Pensando no futuro do Brasil”.
Falou sobre os dois projetos que tramitam no Congresso, sob inspiração do PT e aliados, de reforma das regras eleitorais para 2014. Foi incisivo: “Mudança agora é golpe”. Um dos projetos prevê redução da campanha para apenas dois meses, além de restrições da propaganda no rádio e na TV.
O líder socialista não vê problemas em que quatro secretários de Raimundo Colombo estejam no comando do novo PSB catarinense. Ou que o presidente Paulinho Bornhausen feche com seu projeto presidencial e com a reeleição do governador. Tem pesquisas indicando que parcela expressiva do eleitorado que elegeu Raimundo Colombo não votará em Dilma.
Na palestra, nos contatos, nas entrevistas, Eduardo Campos tem falado muito em gestão eficaz no serviço público, diálogo com a população e administração mais moderna e eficiente.

Comentários

comments

Comentários (1)

  • Delícias Culinárias diz: 31 de agosto de 2013

    Esse homem sabe a diferença entre azeitona preta e caganita de cabra ?
    Por ventura já tomou um aperitivo no Box 32, cujas mesinhas invadem o espaço público ?
    Não seria muito quimérico e alquímico adivinhar quem vota em quem nesta altura do campeonato ?
    Qual a diferença entre um sapo barbudo ensopado e uma rã à milanesa ?
    Lula à dore não acaba sendo melhor do que capim picado da caatinga dos seus campos ?
    Queijo de leite das tetas federais não é mais saboroso do que afinal bater o ponto e trabalhar sem vinho francês ?