Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Luiz Henrique homenageia falecida esposa de Ibsen Pinheiro

31 de outubro de 2013 5

Ao lamentar o falecimento hoje a tarde de Laila Lontra Pinheiro, o senador Luiz Henrique (PMDB-SC) disse ter certeza que ela morreu de “metástase política” pela injusta cassação de seu marido, o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Ibsen Pinheiro.

Falando em nome do Senado, Luiz Henrique declarou na Comissão de Relações Exteriores que “Laila morreu duas vezes”: na instauração do processo e na cassação do mandato político de Ibsen Pinheiro – “ a maior indignidade política desta República”.

O senador lembrou ter alertado da tribuna da Câmara dos Deputados que “a Casa iria cometer o maior erro da história brasileira recente ao cassar por dez anos os direitos políticos de um dos homens públicos mais íntegros do Congresso Nacional.”

- Eu e Nelson Jobim, então presidente do Senado, clamamos no deserto. Ibsen foi cassado. Interrompia-se, assim, uma trajetória que, certamente, o teria levado à presidência da república”, lamentou Luiz Henrique.

 

Comentários

comments

Comentários (5)

  • Mané Estrangeiro diz: 31 de outubro de 2013

    Pouquíssimas vezes concordo com as opiniões do Senador Luiz Henrique. Mas essa, não há como discordar. A injustiça cometida com Ibsen Pinheiro foi irreparável.

  • Sandra diz: 31 de outubro de 2013

    Nem nesta hora estes caras deixam de pensar no poder?

  • Artesão diz: 31 de outubro de 2013

    Que senador atuante!

  • Aloisio Antoni diz: 1 de novembro de 2013

    Subscrevo integralmente as palavras do senador Luiz Henrique. Ibsen foi e é um símbolo da pureza política . Foi vítima de vinganças rasteiras e a meu juízo muitos votos a favor de sua cassação foram comprados . Que Laila descanse em paz e Ibsem tenha coragem de se manter na política na qual homens deste gabarito atualmente são raros.

  • Carlos Henrique diz: 1 de novembro de 2013

    De fato, Ibsen Pinheiro era presidente da Câmara Federal à época do processo de impeachment do Collor e era nome fortíssimo para as eleições vindouras. Não sei qual foram os interesses que se moveram para interromper sua trajetória, o que sei é que a presidência acabou caindo no colo do FHC.