Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de janeiro 2014

Ainda sobre Índios

31 de janeiro de 2014 2

Do jornalista Homero Gastaldi Buzzi, via e-mail:

“Lendo Vossa coluna d’hoje (21) INVASÕES ILEGAIS E POLÍTICAS, ocorreu-me que na Terra Indígena de Ibirama – no município de José Boiteux, vale do rio Hercílio(ou Itajaí do Norte) há xóklengs (botocudos) do clã Laklaño; os seus ‘primos’ kaingangues – que vieram pralí, para o então (1917) Posto Indígena Duque de Caxias, trazidos pelo pacificador dos botocudos, o tenente do extinto SPI, Eduardo de Lima e Silva Hoerahn, como polícia indígena; mamelucos descendentes de índias xóklengs e kaingangues com brancos foragidos da Lei desde 1930, com colonos vizinhos e com funcionários do extinto SPI e da Funai; e caboclos foragidos da Guerra do Contestado, conforme constatou in loco o antropólogo que mais estudou tais indígenas, o saudoso Sílvio Coelho; além de guaranis provenientes do Paraguai e do Rio Grande do Sul desde 1940, o que tornou-se numa barafunda interminável. A área índia original é de 14 mil hectares, doada pela colonizadora Hansa Hamonnia(Sellin/Odebrecht) e certificada pelo governo Getúlio Vargas. A expansão da reserva índia para 34 mil hectares – uma balela improvável antropológica e históricamente, assinada pelo então ministro Thomás Bastos, servirá apenas aos madeireiros que sempre exploraram esta área, e aproximarão os índios de reservas florestais de sassafrás e dos últimos pinheirais de araucárias remanescentes. Outra disputa é em definir os limites da área de segurança da Barragem Norte e aquela destinada à comunidade. Os indios reivindicam 724 hectares como parte de convênio de 1981 entre o DNOS e a Funai, enquanto aguardam regularização fundiária há mais de trinta anos. O Deinfra responde que a parte reclamada corresponde à área de segurança da barragem, já que muitas vezes os índios vandalisaram a barragem como modo de pressão reivindicatória. Uma comissão formada pela Secretaria do Patrimônio da União, Deinfra e Funai, estuda o caso. Enquanto isto os colonos afetados gastam R$ 600 mil com advogados e índios vindos ninguém sabe de onde – nem eles próprios(!) trancam estradas, impedem obras, e afugentam colonos regularizados desde 1920 da região, usando criancinhas e velhas como escudo, ajudados por Ongs e o mau caratismo e a dissimulação de defensores das causas humanitárias perdidas. Todos os grupos alí residentes já estão aculturados – nem a língua Jê(tapuia/ñengatú) falam mais. E a qualquer hora, de supino, assim, do dia pra noite, poderemos ter reconhecida esta grande farsa em pról dos madeireiros de sempre, para perda da sociedade catarinense e prejuízo dos descendentes dos colonizadores de tais áreas em Itaiópolis, Dr. Pedrinho, José Boiteux e Vitor Meireles. Como dizem o Mané e o Fritz alí da esquina:” Se bobear os botocudos logo estarão reivindicando Blumenau pra venderem pro setor imobiliário”.

Invasão criminosa: perguntas sem respostas

31 de janeiro de 2014 10

De Mirani Massaneiro Melo, Secretária Executiva e futura mãe, via e-mail, condenando a invasão criminosa de propriedade particular na SC-401:

: Não há dúvidas que essa invasão/favelização às margens da SC 401 é uma afronta às leis e ao processo civilizatório e um deboche diário aos cidadãos que trabalham para pagar seus impostos e viver de acordo com às leis. 

É uma pena a inércia (para não dizer “falta de coragem”) do Poder Público: Judiciário, Executivo e Legislativo. E junto o Ministério Público.
Quem disse que o direito de algumas dezenas de oportunistas deve se sobrepor ao direito de milhares de cidadãos e trabalhadores que vivem de acordo e contribuem com a ordem?
Florianópolis tem mais de 400 mil habitantes, se a anarquia de uma minoria se sobrepor ao direito da maioria, de nada adiantará uma Prefeitura, uma Câmara de Vereadores, um Juiz, todos terão o direito de viver e pagar como bem quiserem (adeus Plano Diretor, adeus IPTU, adeus aprovação – $$ – de projetos arquitetônico e hidrossanitário, adeus Ordem e Progresso).
Poderia discorrer por horas sobre a revolta e a impotência que inúmeros trabalhadores sentem ao voltar para suas casas (próprias ou alugadas), após um longo dia de trabalho, muitos em pé nos transportes públicos lotados, e ver aquele cenário modelo da impunidade e do oportunismo
Mas neste texto o foco é outro. 
Quer se saber quais os prejuízos a irresponsabilidade desses partidos políticos (PCB, PT, PSTU, PSOL, conforme citado em matéria no Diário Catarinense), desses “estudantes” e desses “líderes” de massa manipulada trará para as crianças e os adolescentes que são obrigados por seus “responsáveis” a servir de escudo e manobra para sensibilização do Poder Público e da população?
Onde estão o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, o Conselho Tutelar, o serviço de Assistência Social (CRAS e CREAS), o Ministério Público para defender os direitos dessas crianças e desses adolescentes tirados de suas casas para viver de maneira insalubre, no meio de artimanhas políticas de alguns partidos e alpinistas políticos?
Comecei a pensar sobre isso quando vi um menino indígena – sozinho – vendendo artesanatos (fotos anexas) em restaurante na praia, em Canasvieiras, dia 17/1/2014, às 23h20. Isso não é trabalho infantil? Essa criança não deveria estar em casa, de banho tomado e dormindo, e não correndo risco nas ruas?
Como sabemos todos, índios do Rio Grande do Sul vislumbraram a oportunidade de vender artesanato em Florianópolis e se juntaram aos invasores do terreno às margens da rodovia SC 401. É muito provável que esse menino seja uma das crianças obrigadas a estar nessa invasão. 
Aí me perguntei: como estarão vivendo as acrianças e os adolescentes que foram obrigados por seus responsáveis a abandonar seus lares, suas camas, seus chuveiros, sua água encanada (mesmo que em casas alugadas) para viverem sob as intempéries do tempo e o anarquismo de seus pais?
Será que enquanto seus pais “militam”, esses meninos e meninas trabalham para sustentar quem alega invadir para viver de maneira “autossustentável”, da “subsistência”?  Pelo menos é isso que essas pessoas manipuladas estão sendo induzidas a acreditar.Vejam o que um pai que tirou seus 6 filhos de casa disse ao DC (21/1/2014, página 28): “[...] é um bom lugar para eles, onde vão aprender sobre a terra, vamos conseguir os alimentos da lavoura.”
Quem vai fazer alguma coisa pelos direitos das crianças e dos adolescentes que lá estão? 
Não é papel de crianças sair de seus lares para militar por “terra, trabalho e teto” e “fazer reforma agrária do meio da cidade” (DC, 21/1/2014, pág. 28). Essas crianças não têm escolhas, e se aqueles que deveriam escolher por elas não tem discernimento sequer para cumprir as leis, que exemplo elas terão?
Essa invasão é mais um exemplo de que, apesar de estarmos no século XXI, sempre existirá um líder(s) talentoso(s) a manipular pessoas para que alimentem suas vaidades Mas crianças não deveriam ser envolvidas nisso.”

Academia lamenta morte de Sepetiba

31 de janeiro de 2014 1

A Academia de Letras de Biguaçu emitiu nota oficial lamentando o falecimento do acadêmico João Francisco Vaz Sepetiba,ocorrido hoje em São Paulo.   O velório está acontecendo no Jardim da Paz, onde ocorrerá o sepultamento hoje as 17 horas.

Além de ser uma grande figura humana, Sepetiba era um excepcional revisor de livros, atividade que exerceu com brilhantismo durante décadas em que atuou como zeloso servidor da Imprensa Universitária da Ufsc.

Era, também, um incentivador dos escritores, sugerindo obras, pesquisas e publicação de trabalhos sobre aspectos da história e da conjuntura catarinense.

O novo comando do Tribunal de Justiça

31 de janeiro de 2014 2

Será hoje, as 17 h, a posse dos novos dirigentes do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.  O novo presidente, desembargador Nelson Schaefer definiu a equipe.       Os coordenadores do Tribunal de Justiça serão:  Desembargadores Sérgio Heil(Infância e Adolescência), Salete Somariva (Proteção da Mulher) Vitor Ferreira(Juizados Especiais).  A coordenação de magistrados continuará com o juiz Marcelo Pizzolatti. Atuarao como assessores os juízes Silvio Franco, Vitoraldo Bridi e André Happke.

Fiesc apoia movimento contra aumento do IPTU

31 de janeiro de 2014 7

O presidente da Fiesc, Glauco José Corte, manifestou apoio às entidades que contestam o impactante reajuste do IPTU em Florianópolis. Durante conversa com o presidente do Sinduscon, Hélio Bairros, anunciou que a Federação enviará um diretor para a audiência que as entidades terão  em Brasilia com o ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo.

A posição da Federação foi reiterada:  é contra aumento de impostos em todos os níveis- municipal, estadual e federal.

Piriquito vai percorrer SC defendendo candidatura própria do PMDB

31 de janeiro de 2014 8

A rigor, a festa politica de aniversário do prefeito Edison Piriquito, do PMDB, teve apenas duas estrelas:  o presidente Eduardo Moreira e o ex-senador Jaison Barreto.    O evento teve muitos populares.  Piriquito entra de férias para percorrer o Estado. Sua campanha:  “Eu quero votar no 15 para governador”.

Vinicius Lummertz indicado Ministro do Turismo

31 de janeiro de 2014 3

O catarinense Vinicius Lummertz está sendo indicado para ocupar o cargo de ministro do Turismo, sucedendo o atual ministro Gastão Vieira, que vai deixar o cargo para concorrer nas próximas eleições.  Lummertz foi indicado em dezembro pelo PMDB catarinense. Agora, a presidente Dilma Rousseff tem pedido de todo o trade turístico nacional.

Oficio assinado pelo empresário Guilherme Paulus, da CVC, do Conselho Econômico e Social da Presidência da República, justifica a indicação de Lummertz para o Ministério do Turismo.  É o atual Secretário Nacional de Turismo e daria continuidade aos megaeventos que acontecerão este ano no Brasil.  Várias entidades subscrevem a indicação.

Falta luz: a Celesc na berlinda

31 de janeiro de 2014 12

Duas histórias que se espalham pelas redes sociais revelam o tom das críticas dos usuários da Casan e consumidores da Celesc com a qualidade da prestação de serviços públicos.

A primeira  é conhecida.  A água faltou no norte da Ilha de Santa Catarina.  A Casan responsabilizou a Celesc.  Faltou energia e o sistema de bombeamento parou.   Passada a semana do réveillon, a Casan regularizou a distribuição de água. Aí, a Celesc entrou em cena.  Multiplicaram-se no oeste e no planalto norte as queixas pelos cortes no fornecimento de energia.  Protestos ocorreram em vários municípios.   O presidente da Celesc, Cleverson Sieverdt, chegou a viajar ao planalto norte para se reunir com os consumidores, empresários e fumicultores.   Acionou a área técnica e encontrou solução emergencial.

Nos últimos dias, a luz tem faltado em vários pontos da Ilha e de municípios da região.  Surgiu a segunda história, em forma de anedota:  tubos da Casan estouraram,  causando o desligamento das redes elétricas.   Ficção, claro, revelando o bom humor do ilhéu.  A água acaba por falta de luz;  e a luz desaparece por excesso de água.

O ineditismo ocorreu ontem no Centro Administrativo na SC-401.  Os funcionários foram dispensados as 13 horas.  Por falta de energia elétrica.

O presidente Cleverson Sieverdt alegou defeito no alimentador.  Em relação a outras ocorrências, debitou ao consumo elevado.  Crescia média de 4% a 5%.  Em janeiro passou para 11%.  Em Florianópolis a demanda saltou para 18%.

Questões ambientais também travam obras e serviços. Subestações contratadas estão paradas em Santo Amaro e no planalto norte.

Só falta fecharam hospitais para proteção do meio ambiente.

PCdB vai propor revogação do aumento do IPTU da Capital

30 de janeiro de 2014 4

O PCdoB  apresentará projeto de lei na Câmara para revogar o aumento do IPTU de Florianópolis.  A formalização caberá ao vereador Mateus Felipe de Castro.  Decisão tomada na primeira reunião da Executiva Municipal com a direção estadual.  O PCdoB abriu processo de expulsão do vereador Ricardo Vieira, por infidelidade. Assumiu a presidência da Comcap.

Claro, apenas jogo politico, pois o prefeito Cesar Souza Junior comanda a Câmara de Florianópolis.

Pesar pela morte de Norberto Stroisch

30 de janeiro de 2014 1

“Estimado Amigo Moacir,

“Deus que ressuscitou o Senhor, também nos ressuscitará a nós pelo
poder (1 Coríntios 6, 14).”
Recebo com muita emoção e tristeza a infausta notícia do falecimento  do querido Amigo Norberto Stroicsh Filho. Norbert…o foi um dos meus   primeiros amigos aqui em Santa Catarina. Nos tratávamos como irmãos,   ele me chamava de ?Amigo Maranhão?. Norberto era dotado de grande  inteligência, tinha o poder da lógica argumentativa, da dialética e  sua retórica era convincente.
Norberto era Engenheiro Civil, mas foi na política que, como Vereador  e Deputado, ganhou grande projeção.
Com a morte de Norberto, a Ilha fica um pouco menor. Quando morre um  amigo, vai um pouco da gente.
O que nos conforta é saber que a morte é o grande início do reencontro  definitivo com o Criador. Santo Agostinho nos lembra que a vida é para  conhecer a Deus, a morte para glorificá-Lo e a eternidade para  adorá-Lo. Um dia estaremos juntos, meu irmão Norberto, nesta  maravilhosa aventura que é adorar o Criador na sua eternidade. Que o   Pai te acolha na luz de sua glória.
Receba um fraterno abraço.
Georgino Melo e Silva.”