Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Professor Sérgio Colle metralha professor Paulo Pinheiro Machado

31 de março de 2014 58

O professor e engenheiro Sérgio Colle, do Centro Tecnológico da Ufsc, é um dos colaboradores mais assíduos do DC e um dos maiores críticos dos partidos de esquerda e seus líderes em Santa Catarina. Posicionou-se claramente sobre a ação de estudantes e professores contra as investigações da Policia Federal no “campus” e, sobretudo, contra a invasão da Reitoria pelos estudantes e integrantes do MST, bem como do hasteamento da bandeira vermelha no lugar da Bandeira do Brasil.
Distribuiu na INternet carta enviada ao professor Paulo Pinheiro Machado, Diretor do Centro deFilosofia e Ciências Humanas, com críticas pesadas a sua atuação e da professor Sônia Maluf, vice-diretora do Centro:

“Senhor Pinheiro,

Tive o desprazer de flagrar Vossa Senhoria sendo entrevistado em um programa de televisão da RBS, cujos entrevistadores, a meu ver, não fizeram as perguntas apropriadas (geralmente não a fazem). Minha reflexão sobre o episódio envolvendo Vossa Senhoria e uma tal de Profa. Sonia na contenda entre a Polícia Federal e os meliantes da UFSC, são resumidas nas conclusões que seguem:

1. A Polícia Federal agiu dentro da lei ao abordar os vagabundos que fumavam num ambiente de exposição de crianças do colégio da Aplicação e do NDI além do que, daqueles que reprovam essa ilegal atitude de fumar maconha em público.

2. Vosso conselho a tal Profa. Sonia para que ela ganhasse tempo junto aos credenciados policiais, de que resultou a molecagem dessa senhora de sentar-se no capô do veículo, para impedir que o mesmo se deslocasse, convenhamos, é coisa de baderneiro.

3. Vossa Senhoria não estava autorizado a interferir na ação policial, uma vez que o representante credenciado dessa Universidade junto a sociedade é a reitora, a menos que a mesma lhe conferiu tal função, o que, penso eu, não o fez.

4. A depredação violenta da propriedade pública perante os policiais, iniciada com a agressão dos estudantes meliantes, foi a causa principal da reação policial. Essa reação não seria diferente em qualquer democracia que mereça esse nome no mundo.

5. Os prejuízos causados ao patrimônio público, decorrentes dos meliantes esquerdistas que tomaram para si o direito de ocupar o espaço universitário, é de vossa responsabilidade e de vossos colegas subversivos de esquerda, que pactuaram com os meliantes.

6. A remoção do Pavilhão Nacional do mastro da UFSC e sua substituição por uma bandeira vermelha, mais ainda quando esta representa o que há de mais sórdido, retrógrado e corrupto na política brasileira, foi um ato de subversão a ordem, que deveria ser imediatamente respondido pela Administração da UFSC, de modo a reverter a situação e ato contínuo, proceder um inquérito para responsabilizar os meliantes responsáveis e pô-los na rua.

7. A tomada do prédio da reitoria pelos meliantes que produziram a desordem escandalosa que ridicularizou a UFSC no Brasil e no exterior, é um ato de violência contra a liberdade, além do que, apropriação de espaço público, contravenções tipificadas em lei.

8. As imagens comprovam que um meliante pertencente ao grupo invasor da propriedade privada contígua a SC-401 estava presente no recinto do prédio da reitoria, o que se constitui num ato grave de invasão, uma vez que no espaço universitário, somente devem circular pessoas relacionadas a instituição ou anunciadas, neste caso, na agenda daqueles que trabalham nela. Uma simples olhadela na deletéria figura, é suficiente para se concluir que tal indivíduo procura assemelhar-se ao criminoso cubano Chê Guevara (aquele valentão, herói de muitos idiotas latino-americanos, que executou meninos de menor idade e borrou-se nas calças ao implorar para não ser executado quando foi preso na Bolívia, expediente humilhante que deve ter motivado mais ainda os soldados a fuzilá-lo – assim pacificou-se aquela parte da América Latina ameaça pela corrente política em extinção que Vossa Senhoria parece abraçar).

9. Tentando resgatar a dignidade institucional ferida e ao mesmo tempo recuperar sua desgastada imagem perante a sociedade brasileira, sábia e acertadamente, estudantes do CTC hastearam o brasão da república na torre de instrumentos do laboratório que coincidentemente coordeno.

10. Em questão de algumas horas, cerca de 1300 mensagens circulavam no facebook, em apoio a esse ato patriótico e ordeiro.

11. Fiquei sabendo às 11:00h da manhã de hoje, através de colegas do CTC, que cerca de 2000 alunos iriam promover uma manifestação pública no campus, a partir das 14:00 horas de hoje, precisamente com o objetivo de expulsar os meliantes do prédio da reitoria.

12. Coincidência ou não, a Administração e os meliantes chegaram a um acordo, com concessões da reitora que poucos sabem quais são, de que resultou a decisão de eles se retirarem do recinto. Arrisco-me a conjeturar que se eles não o tivessem feito, seriam defenestrados a força pelos estudantes que estão na universidade muito mais para estudar e muito menos para fazer baderna.

13. Diz o ditado que quem cria serpente dentro de casa pode morrer envenenado. Essa Administração, com vossa complacência e porque não dizer cooperação, criou serpentes, quais sejam, prestigiou alunos medíocres, ignorantes, alinhados a vossa corrente política, que se provam contraventores e mais ainda, visíveis ameaças a integridade física do patrimônio público, além do que, promotores da desordem o do escândalo institucional.

14. A propósito de escândalos, a UFSC tem sido pródiga. Com efeito, o convite para que o terrorista assassino comunista Cesar Battisti figurasse nessa instituição como palestrante pago com verbas públicas deve ter sido o único caso dessa natureza no mundo. A revista Veja tem divulgado nacionalmente notícias de disparates produzidos por professores de currículo mediano, tais como as Jornadas Bolivarianas e eventos que tentam interpretar o direito segundo a ótica marxista (uma obscenidade jurídica), mesmo que o marxismo, pelo menos a luz do conhecimento formal organizado, foi rejeitado científica, econômica e socialmente, até porque ele só produziu desgraça.

15. Concluindo, a UFSC torna-se mais notória nacional e internacionalmente pela contravenção e fiasco, que pela dimensão dos trabalhos técnico-científicos realizados por aqueles que aqui trabalharam ou ainda trabalham, em comprovado regime de tempo integral e dedicação exclusiva.

Recomendo a Administração da UFSC que resgate a entrevista que o Prof. Dr. José Goldenberg concedeu a rádio CBN Diário de hoje, a propósito do rebaixamento da classificação da USP na lista das 300 melhores universidades do mundo. Enquanto que a principal preocupação da administração da USP é melhorar seu desempenho de modo a subir na classificação global, a administração da UFSC parece contentar-se como o fato de nossa instituição estar remotamente distanciada das 500 melhores universidades do planeta. Deve ser a razão pela qual a administração despende tanto tempo a fazer política partidária dentro do campus e pouco para endereçar as questões emergenciais, que não resolvidas, endereçam nossa instituição para o fosso da mediocridade.

Saudações universitárias,

Prof. Sergio Colle.”

Comentários

comments

Comentários (58)

  • Jorge diz: 31 de março de 2014

    Que feio!!!
    Estou boquiaberto…
    O “professor” Paulo Pinheiro Machado poderia dormir sem essa. Que lavada, meu…
    A saída pelos fundos e um pedido de transferência para Havana seria a saída mais honrada, pois não poderá mais encarar de frente seus idiotas pupilos lobotomizados.
    Na real: BEM FEITO!!!

  • João Pacheco de Souza diz: 31 de março de 2014

    Este tal de professor Sergio Colle é de uma arrogância que só quem tem postura de direita se porta desta maneira.
    Sabichão e autossuficiente diireitão que cospe na luta dos que entregam seus dias e sonhos por uma sociedade mais justa e humana.
    Não venha dar lição em ninguém, quem se arroga dono da verdade mas não coloca a mão na massa para ver dias melhores para o todo da sociedade.
    A sua excelência deve de um intelectualoide que olha os outros por cima e com menosprezo. Tal professor não se sinta maior que ninguém e não se dirija a quem não conhece com menosprezo.O seu vezo mesquinho só diminui a prepotencia e a postura de tudo saber. A sua militância deve ser a favor da pena de morte, do autoritarismo que mede o ser humano e o trata como fez o nazismo e tantos ismos. Não queremos paladinos da verdade. Sua manifestações me enojam por sua arrogância desmedida. Tenha a sua opinião como uma e não acima de ninguem. Seja juiz de sua própria consciencia e lembre que a qualquer hora estamos sujeitos a situações em que a humildade nos ajudará a enfrentar as situações. Imagine um reitor com a sua postura!

  • Jaime diz: 31 de março de 2014

    Professor e Engenheiro Sérgio Colle sempre muito brilhante em suas colocações. Parabéns Professor. Apoio total.

  • Giffoni diz: 31 de março de 2014

    Assim, caro Colunista: “metralha” não seria incitamento à violência? Pois é…
    Esse dito professor a quem você distingue pela quantidade de colaborações, em si, nada metralha, a não ser o raciocínio lógico na tentativa de mais um “assassinato de reputação”. Aliás, como membro docente da UFSC, tem a sua disposição meios regulares para levar adiante as suas reclamações (diatribes, na minha visão). No mais, apenas o senso comum de sempre, pródigo nessa pequena burguesia de direita facilmente influenciável. Nenhum argumento lógico: futricas e futricas e seu sectarismo conservador. Pelo visto, tirando seu doutorado, nada acrescenta. Mas, digamos assim: o professor Pinheiro e a professora Maluf (que também devem ser doutores acadêmicos, não?) foram eleitos pelo grupo de professores, alunos e servidores, não? Já o engenheiro, chegou a ser candidato? Lastimável.

  • gilmar bnu diz: 31 de março de 2014

    A PF poderia identificar quem destruiu moralmente o símbolo nacional, e meter uns 5 anos de cadeia, e suspender qualquer atividade em escola publica.
    O símbolo nacional não é um pano de chão para ser tratado com desrespeito.
    Se o cara faz isso na minha frente sai todo quebrado.

  • FERNANDO DA CUNHA WAGNER diz: 31 de março de 2014

    Parabéns pelo teu comentário. Aquela bandeira vermelha ainda me dá nojo. E , pior, ninguém tomará nenhuma providência para punir os débeis mentais que a hastearam. A resposta do sr. João Pacheco de Souza é como sempre samba de uma nota só. Defina, sr. João, o que é direita e direitismo, antes de mais nada. Não sabe né, é aluno de História? Então deveria conhecer um pouco da Revolução Francesa. Outra coisa que tal gastar o tempo: ESTUDANDO e, não escrevendo bobagens.

  • Eduardo Bastos diz: 31 de março de 2014

    Os vagabundos drogados já mancharam a reputação da UFSC. Lamento pelos estudantes de verdade, pessoas que se esforçam para se tornarem os melhores, os mais brilhantes, terem sido depreciados pelos medíocres da instituição.

  • GAÚCHO diz: 31 de março de 2014

    Onde assino??? Parabéns professor Colle. Disse tudo. Já apareceu um vagabundo defendendo deu lider, esse tal João Pacheco. Um reitor com a postura do professor Colle, acabaria com o antro que envergonha a UFSC. Esses vermelhinhos de uma figa que comprem uma passagem só de ida para Cuba e fiquem para sempre lá. A militância do professor não é pela pena de morte como o vagabundo diz. quem não lembra dos fuzilamentos dos idolos dele em Cuba. Alem de vagabundo é miolo mole.

  • GAÚCHO diz: 31 de março de 2014

    Onde assino??? Parabéns professor Colle. Disse tudo. Já apareceu um vagabundo defendendo deu lider, esse tal João Pacheco. Um reitor com a postura do professor Colle, acabaria com o antro que envergonha a UFSC. Esses vermelhinhos de uma figa que comprem uma passagem só de ida para Cuba e fiquem para sempre lá. A militância do professor não é pela pena de morte como o vagabundo diz. Quem não lembra dos fuzilamentos realizados pelos idolos dele em Cuba. Alem de vagabundo é miolo mole.

  • Pedro diz: 31 de março de 2014

    kkkkk… o sujeito ainda citou a veja no fim da fala pra piorar a densidade suas falas falaciosa! Esse cara está com saudades da era ditatorial mesmo, ficou claro no seu apoio a violência! É pena que um retrogrado desse ministra aulas para os alunos de centros que não tem oportunidades de debates político-sociais na sua grade horaria diária, acaba por alimentar a ignorância de seus alunos nessas questões ligadas às ciências humanas.

  • Douglas diz: 31 de março de 2014

    Moacir, publicar qualquer coisa desse senhor no dia 31 de março é um desrespeito a nossa história. Ao que parece, para ele ainda estaríamos sendo liderados pelos militares e fuzilando os que pensavam diferente. Apesar de ele ter razão em algumas coisas neste texto, é de uma arrogância ímpar. Lembra o Paulo Francis! Ainda bem que esses dinossauros estão desaparecendo….

  • Alguém diz: 31 de março de 2014

    “cospe na luta dos que entregam seus dias e sonhos por uma sociedade mais justa e humana.”

    Pessoal, tá explicado, o povo do CFH só quer um mundo melhor!

    Nós, liberais da direita, não queremos nada disso. Queremos mesmo é fulizar e matar crianças. Queremos a nossa própria ilha no Caribe. Queremos o culto à personalidade da grande Republica DEMOCRATICA POPULAR da Coreia do Norte.

    Opa, perai, acho que trocamos alhos por bugalhos

  • Sérgio Aragonês diz: 31 de março de 2014

    João Pacheco de Souza…com todo o respeito …..vai morder o Stalin na bunda!

  • Darlan diz: 31 de março de 2014

    A colocação do “professor” Sérgio Colle é recheada de uma arrogância e de uma prepotência que imaginava não mais existir. Mostra claramente uma postura autoritária, reacionária e inconsequente. É o tipo de postura que não cabe a um professor da UFSC. Pense melhor e mais sabiamente antes de sair propagando ignomínias aos ventos meu caro “professor”. Deprimente seu ato. Respeite caso queira merece-lo.

  • Patrick Abdalla diz: 31 de março de 2014

    O Prof. Colle disse o que a maioria DECENTE da UFSC pensa. Simples assim. O resto, que se mude para Cuba!

  • carlos gomes diz: 31 de março de 2014

    João Pacheco de Souza, tua militância perdeu de lavada, saiu humilhada deste episódio, a maioria da população e dos acadêmicos ficou contra essa retorica barata e atrasada que vocês pregam. aprenda alguma coisa de util deste episodio. devias te calar!

  • juca diz: 31 de março de 2014

    Sergio Colle, dás um banho

  • Buarque diz: 31 de março de 2014

    Medíocre me parece o posicionamento do Prof. Colle. Moralista arrogante, retrógrado, limitado, proclamador da razão absoluta. O que é que faz, de fato, para o bem da sociedade um ser desses?

  • Max diz: 31 de março de 2014

    Ufa! Nem tudo está perdido. Ainda existem pessoas com algum senso crítico e noção de como as coisas funcionam mundo afora. Sim, pois o Brasil está se transformando num caso único de esquizofrenia política, social e econômica.
    - Talvez por isso mesmo continuaremos sem um único Prêmio Nobel, nenhum Oscar de melhor filme estrangeiro e quase nada do que possamos realmente nos orgulhar.
    - E não são só as pessoas físicas que estão se mudando. Empresas nem tão globalizadas assim, estão montando fábricas, imaginem até no Paraguai. Por que? Porque a energia custa 30% menos, os impostos são menores, o custo da mão de obra é menor e a escolaridade média do operário está acima da média do operário brasileiro.

  • Fernando diz: 31 de março de 2014

    Moacir, veja neste link o que alunos da UFSC comentaram dessa carta do professor Colle.

    https://www.facebook.com/groups/480398705306616/784998024846681/

  • Eduardo diz: 31 de março de 2014

    De todos os posicionamentos que li até agora, esse foi o mais medonho. Mal informado sobre os fatos, o sujeito aí está mais preocupado em atacar e agredir os esquerdistas do que qualquer outra coisa. Não sou de esquerda, mas o discurso desse sujeito é extremamente arrogante, moralista e preconceituoso. Chega a ser sádico no parágrafo em que se refere ao fuzilamento de Chê Guevara. Nunca vi tanta asneira em um texto só que, além de tudo, está mal escrito.

  • Paulo diz: 1 de abril de 2014

    Parabéns pelas palavras! A Comunidade, os Cidadãos de bem contigo estão, como o Sr. pensam! Só alguns hipócritas fingem que não vêem…
    Valem-se da velha desculpa da Ditadura para pilhar, dilapidar e destruir nosso patrimônio, nosso, de toda comunidade, de quem paga a conta, calado.
    E assim vão sangrando os cofres públicos, fazendo lavagem cerebral em nossos universitários, entretendo com pão e circo nossos pobres, extorquindo a classe média e subornando os abastados…
    E ainda falam em sociedade justa e humana, onde a maior obra de um governo fica em outro país, acordemos em quanto há tempo cidadãos de bem!

  • Gualter diz: 1 de abril de 2014

    Perfeito e na veia. E dizer que um dia estudei nessa outrora brilhante universidade, capitaneada , na época, pelos brilhantes stemmer e bayer. Hj, o comando é aquele do atraso, de cuba, dos comunas ( que só existem aqui)e dos comparsas da corrupçao do pt.

  • Carlos Fernando Collares diz: 1 de abril de 2014

    Prezado João Pacheco de Souza. Concordo com você de que ninguém deve ser arrogante. Ao mesmo tempo, noto suas tentativas de ligar à direita tudo o que não presta, como arrogância, autoritarismo e nazismo e arrogar para si e seu lado o monopólio da luta por uma “sociedade mais justa e humana” ao colocar “a mão na massa para ver dias melhores para o todo da sociedade.

    Pois bem. Acusar o outro do que você mesmo faz é parte da cartilha da esquerda e não da direita. Ao colocar a esquerda como a única capaz de ter bondade, quem está agindo como dono da verdade?

    Atualmente, tanto governos de direita quanto de esquerda tem demonstrado um viés autoritário. Mas em termos de violação de direitos humanos, quem está indo melhor? Cuba? China? Coreia do Norte? Nesse aspecto acredito que EUA e Europa, capitalistas, são mais livres que os países socialistas citados.

    E claro, sempre tem a acusação de que a direita é nazista e/ou fascista. Olha, até tem mesmo uns aloprados (oh, wait!) que ainda acreditam na ditadura militar como solução. O que não se pode negar é que o socialismo (ou mesmo o “trabalhismo”) tem uma ligação com o nazismo em sua origem, tendo em vista até o nome do partido nazista: Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, ou, em português. “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães”.

    Portanto, meu caro, antes de acusar os outros do que você mesmo faz, ao se achar superior, vá estudar um pouco e se informar mais antes de sair por aí falando asneiras. Vai te fazer bem e te ajudar a julgar menos os outros, coisa que você mesmo falou que condena, pelo que eu entendi.

    Paz e bem,

    Carlos

  • Marcus diz: 1 de abril de 2014

    É joao pacheco de souza… aquele comunista que deu a triste entrevista deve ser o exemplo de serenidade e humildade que o senhor exige do professor Colle ne?

  • Leonardo Brognoli diz: 1 de abril de 2014

    O discurso em tom raivoso, não agrega ao debate. Citar democracia no texto, sem lembrar que isso, em essência, significa aceitar o diferente; a harmônica vivência no mesmo espaço de pensamentos distintos, de nada servem.
    Não creio que tornar o embate ao maniqueísmo proposto pela mídia servirá para avançar, na questão central que é o papel da universidade no contexto da sociedade, especificamente a UFSC para Florianópolis, ou Santa Catarina.

  • Leonardo diz: 1 de abril de 2014

    É isso aí João Pacheco. Desfira golpes contra o interlocutor e não contra o seu texto. Típico esquerdista que não sabe dialogar e discutir ideias sem se arvorar no pseudo direito de atacar pessoas. O engenheiro atacou fatos, nomeando pessoas. Não atacou formação profissional e intelectual. Mas você, ao contrário, quer tentar refutar ideias com ataques pessoais. Resuma-se a discutir ideias. Pare de atacar pessoas. Seja ao menos digno de discutir ideias. Parabéns engenheiro!

  • Mariana diz: 1 de abril de 2014

    Fiquei pasma com as colocações do professor Sérgio Colle.
    Não se constrói um mundo melhor detonando ideologias de outrem, ainda mais com tanta arrogância, e em público.
    E isto vale para os dois lados da questão!
    Ou será que o referido bastião da moralidade e dos bons costumes está totalmente imune a cometer erros?
    A humanidade carece de pessoas sensatas, estamos fartos de tanto preconceito com aqueles que são diferentes.
    Concordo com algumas colocações, mas não precisavam ser colocadas desta forma.
    O diálogo, a discussão sadia em torno dos acontecimentos, a opinião bem fundamentada e de forma elegante, cala muito mais fundo do que a postura antiquada e inútil de “enfiar goela abaixo” a sua própria opinião.
    E isto vale para os dois lados da questão!

  • Dinho diz: 1 de abril de 2014

    Perfeitas as considerações do Professor Sergio Colle. Infelizmente, na UFSC hoje temos não somente alunos dos cursos regulares mas “alunos” dos MST, “alunos” da ocupação amarildo, alunos “bolivarianos” ou “guevaristas” etc…

    Quanto à professora (?) Maluf, sugiro que ao lembrar que exerce sua profissão há 28 anos (se não me engano) liste suas contribuições acadêmicas recentes. Afinal, diz a lei “não importa que tenhas 100 anos de experiência, o que me importa é o que fizeste nos últimos 2 anos”.

    Por fim, qualquer cidadão, não apenas o brasileiro, entende que pode e deve usar os símbolos nacionais com respeito e alegria. Retirá-la e substituí-la por um pano vermelho deve ser considerado crime.

  • Carlos Henrique diz: 1 de abril de 2014

    Está explicado porque o prof. Sérgio é um dos mais assíduos colaboradores do DC. Na visão dele, ainda estamos na época da Guerra Fria e os comunistas comedores de criancinhas estão por aí, espreitando… Intolerância em estado bruto!

  • Sérgio Brasil diz: 1 de abril de 2014

    Parabéns professor Sérgio Colle pelas colocações.

  • Pedro Paulo de Miranda diz: 1 de abril de 2014

    Bom dia!

    A tentativa em “resolver” o imbróglio pelas redes sociais é deselegante, como se não bastasse, um desserviço à Instituição. Insensato, pois procura “apagar o incêndio com gasolina”. Acredito que basta, pois o bom termo exige compostura, serenidade e, sobretudo, resoluções internas e não esta exposição vexatória.

    Obrigado!

  • Marco Antônio diz: 1 de abril de 2014

    Atualmente sou aluno da UFSC e me faço representado pelo professor Sérgio Colle. Perfeito discurso. Estamos vivendo uma INVERSÃO DE VALORES dentro da UFSC, onde depredadores de patrimônio e usuários de intorpecentes estão sendo – aparentemente – recompensados com a impunidade. Quem estuda, trabalha, cria material científico de verdade ganha o que? Amar a pátria na UFSC ganhou o que (quando hastearam outra vez a bandeira)? Vaias!
    O movimento pró-baderna pedindo a impunidade dos envolvidos e querendo caçar somente a polícia que tanto chamam de facistas, mas querem agir como regime autoritário de esquerda; falam de um lado mas não olham para o próprio umbigo. A quem ler: LEI É PARA TODOS E AUTONOMIA ADMINISTRATIVA NÃO É ANARQUIA!!!
    Quer falar de senso social? Comece sendo social, vá trabalhar e contribuir para o desenvolvimento de nosso país, vá fazer um trabalho voluntário, ajude não atrapalhando quem trabalha pela coletividade, não obstrua espaços públicos essenciais para muita gente…

    ABRAÇO!

  • mario diz: 1 de abril de 2014

    Vai sair um navio levando a turma toda para Cuba. Ainda temos vagas . Quem se habilita ? Claro que os comunistas brasileiros não vão querer embarcar neste navio , afinal de contas ser comunista no Brasil é a melhor coisa do mundo. Comida de primeira, tv a cabo, viagens com diárias polpudas, bons vinhos, verbas de gabinete, carros do ano … Assim fica muito fácil gritar que somos ( eles) comunistas. Quero ver é viver em Cuba com aquela miséria toda .

  • André diz: 1 de abril de 2014

    Professor e Engenheiro Sérgio Colle, sempre muito direitoso em suas colocações. Que falta de respeito, professor. Acho bom o senhor se posicionar a respeito da “malandragem” do departamento do qual o senhor já fez parte. Talvez não fumem maconha, mas com certeza charutos com notas de cem, conseguidos pelos falaciosos projetos de pesquisa, pagos pelo povo, que estão enriquecendo professores, hoje incomodados pela reitora professora Dra Roselane. Esta sim, uma pessoa séria que vem abalando os chupins na UFSC. Abram os olhos. Toda esta questão da UFSC, a tentativa de desmoralizar a instituição e a reitora, tem ligação com os incomodados.

  • Walmor diz: 1 de abril de 2014

    Concordo com o Professor Cole, a Universidade é mantida com o dinheiro dos impostos que todos nós pagamentos diariamente neste país, para os alunos estudarem e os professores ensinarem, e não ficarem fazendo apologias a ideologias externas que não deram certo em lugar nenhum do mundo. Será que esse pessoal está preocupado com o nível de ensino praticado na UFSC. Agem como se fossem donos da Universidade, quando ela pertence a todos que pagam os seus impostos, portanto as Leis e as regras estabelecidas devem ser cumpridas, invasão de instalações, depredações, consumo e comércio de drogas no Campus não fazem parte da vida universitária normal.

  • SIDNEY BRASILIA diz: 1 de abril de 2014

    Vergonha para a universidade e para a categoria dos professores. Professor Colle, peço que não se reproduza e contribua para uma sociedade mais justa e igualitária. O senhor tem uma aparente inteligência técnica porem é totalmente desprovido de inteligencia emocional. Seu monologo me faz lembrar os professores da criatura monstruosa da ditadura meliante chamada Educação Moral e Cívica.
    A minha maior alegria é ver o desespero das viúvas da ditadura em saber que nunca mais voltarão ao poder, não adianta chorar, reclamar, espernear. Acordem idiotas, acabou já faz muito tempo a festa da elite podre, o povo não é mais idiota. Esses velhos militares que mancharam a história do nosso pais estão todos morrendo. Viva a democracia e morte a elite nazista.

  • Catarina diz: 1 de abril de 2014

    Não vale a pena levar em consideração postura tão destemperada como esta do professor Colle.

  • Carlos diz: 1 de abril de 2014

    Professor é muito fácil criticar, eu mesmo concordo com vários de seus argumentos!
    Mas acho que deverias ocupar seu tempo melhor como por exemplo:
    1) Dar uma aula de termodinâmica decente.
    2) Ser um bom pesquisador não garante ser bom professor.
    3) As aulas de termodinâmica são para a termodinâmica e não para politica.
    4) Politica fica para fora da aula e não na hora da aula.
    5) Professor deve ser um incentivador, não uma pessoa que parece estar em um pedestal como o senhor.

    Vamos cada um fazer a sua parte certinho que no final tudo vai se ajeitar.

    De seu aluno querido Carlos

  • Naim Lais diz: 1 de abril de 2014

    De fato, a força não é o caminho para solução de problemas, e quem utilizou a força foi o grupo que defendia o estudante usuário de maconha. Alunos foram chamados das salas de aula para comparecer ao bosque. Querem dizer que não foram intransigentes mas eles só deram uma opção para polícia: não levar o estudante. O bosque virou selva, e não podemos confundir intervenção da polícia com repressão militar, que viagem!
    Nem vou entrar no embate ideológico, que para mim é fuga dos fatos,
    o que eu proponho é esquecer esta vergonha e partir para ideais mais comunitários sem esquecer que a UFSC não é território de alguns, é um espaço destinado a busca do conhecimento e da ciência.

  • Déborah Almada diz: 1 de abril de 2014

    Sou mãe de um aluno de Administração da UFSC (que por sinal não participou dos eventos), e fico decepcionada com o tom dessa discussão. A UFSC não merece isso. E lembrem que um país não se faz só com engenheiros. Se faz também com filósofos, sociólogos, cientistas sociais, jornalistas. A universidade não se resume ao CTC e precisa de ideias diferentes para estimular o pensamento crítico. E faz parte da gênese dos movimentos sociais apoiar manifestações de outros grupos. Não vejo porque a surpresa que causa um participante do movimento dos sem terra, sem teto ou coisa parecida em manifestação de estudantes. Chega de intolerância, por favor!

  • andre sousa lima diz: 1 de abril de 2014

    Professor e os programas piratas que sao usados CTC??????

  • Celso Dalagnol diz: 1 de abril de 2014

    Quero me congratular com este professor,eu nunca vi tamanho desrespeito a polícia, e ao mais sagrado dos nossos símbolos “Pavilhão Nacional”.Substituir por essa nojeira deste pano vermelho, isso precisa ser apurado e punidos estes delinquentes animais.Reclamar da ação da polícia federal e militar! isso é realmente uma falta de preparo para gerir esta instituição que nos deu tanto orgulho e ainda dará. Ao Delegado da PF que muito bem caraterizou o episódio e os atores envolvidos meus cumprimentos é preciso ordem para haver progresso.

  • Antônio Fernandes diz: 1 de abril de 2014

    Penso estar de conclamar todos os setores da sociedade para retomar a dignidade administrativa da USFC. A identificação de todos os baderneiros de sua executiva torna-se urgente. O Ministério Público Federal deve manifestar-se publicamente, tomando iniciativas para coibir e punir tais atos. Parabenizo o Professor Sérgio Colle e o Jornalista Moacir Pereira pela honradez em publica a carta. Penso também que os pais que acreditam na UFSC devam se manifestar a Reitoria. Quanto a Polícia, fez o seu papel corretamente .

  • GioMB diz: 1 de abril de 2014

    Excelente texto Professor Sérgio Colle!
    Esses baderneiros apenas sujam a imagem da UFSC.
    Os crimes praticados na UFSC estão sendo apurados e todos os responsáveis serão punidos.

  • artesão diz: 1 de abril de 2014

    Impressionante a simpatia do sr. Moacir pereira e da RBS por tudo aquilo que é de direita e ditadura, principalmente quando bate duro na esquerda! Como se a história e os fatos não lhes dissessem nada além de meras palavras ditas e escritas por alguém. Seus pares jornalistas presos, torturados, mortos não lhe dizem respeito. Vladimir Herzog se enforcou!!! Ninguém precisou lutar pela democracia, ela veio naturalmente!!!

  • Marcelo Carvalho diz: 1 de abril de 2014

    Lamentável o que vimos na UFSC. Estudantes pertencentes a organizações comunistas, não satisfeitos em substituir nossa bandeira sagrada por um trapo vermelho, ainda vaiavam o hino nacional cantado pelos outros estudantes enquanto hasteavam a bandeira.

    E o que defendem esses comunistas? Um sistema opressor comandado por um partido único cujos dirigentes exploram o povo que continua submetido a condições miseráveis. É isso a tal sociedade melhor que eles dizem lutar?

    Agora, esses estudantes aprendem isso nas universidades em cursos que se tornaram um mero centro de formação de militantes marxistas. É preciso dar um basta nisso, todos nós vemos que esses estudantes que substituiram nossa bandeira por um pano vermelho não tem o menor compromisso com a nação.

  • Kremer diz: 1 de abril de 2014

    Parabéns pela coragem professor Colle.
    Há com certeza na UFSC outros professores de direita (não há nenhum problema nisto!), pena não se manifestarem também.
    E como sempre, os revolucionarios (donos da futura sociedade melhor…) fugindo do campo das argumentações e indo para o campo do xingamento e ataque pessoal com suas frases feitas.

  • Guilherme Wagner diz: 1 de abril de 2014

    Como estudante da UFSC apenas falar que as colocações do professor Colle não condizem nem de perto com a realidade, em toda a realidade dos fatos Paulo Pinheiro foi um dos únicos a tratar todas as questões com ponderações e calma.

    Esse professor de caráter ditatorial, conservador, tradicionalista não representa a opinião da UFSC. Só temos a agradecer por isso.

  • Carlos Paier diz: 1 de abril de 2014

    “Mesmo que o marxismo, pelo menos a luz do conhecimento formal organizado, foi rejeitado científica, econômica e socialmente, até porque ele só produziu desgraça”.

    (seria bom que um prof. de engenharia se limitasse a tecer comentários científicos acerca de sua área de domínio, para não passar vergonha)

    Esse é o tipo de afirmação ignorante que desloca o eixo da crítica, que poderia até ser coerente, para a generalização preconceituosa e tendenciosa. Este senhor não quer apenas criticar maconheiros. Quer instaurar a “democracia restrita aos homens de bem” – isto é, homens bons segundo o seu exclusivo e brilhante julgamento…

    Faltou o 16o. ponto em que ele certamente diria: “infelizmente a revolução de 64 chegou ao fim, pois se ainda estivesse vigente, não haveria lugar para esses meliantes”.

    Olha, faz tempo que a direita não apresenta mentes capazes de instaurar um debate aguerrido, original, digno de ser combatido. É só uma repetição das mesmas idéias ultrapassadas. A derrocada do socialismo estatal, em todo o mundo, serviu ao menos para renovar os pensadores e os pensamentos. Mas a direita… está cada veza mais jurássica.

  • Isabel diz: 2 de abril de 2014

    A esse pessoal que costuma perguntar aos que se manifestam contra a ditadura, ¨por que não vão morar em Cuba?¨ pergunto: por que os defensores da extrema direita não vão morar em Londres, Paris, Alemanha, Suíça ou nos Estados Unidos? Consigam o visto de permanência e fiquem por lá já que não gostam do Brasil. E seria muito interessante saber se alguns desses adoradores do governo dos generais presidentes não tem umas caixas de charutos cubanos em alguma gaveta de casa ou do escritório.

  • Madalena diz: 2 de abril de 2014

    Sobre a carta do professor Colle, só uma coisa a comentar: professor, estude mais, seu cargo exige isso. Sobre os comentários: alguém aí sabe exatamente o que é comunismo? Sinceramente, o grande problema da direita e dos conservadores não é nem as ideias mirabolantes e autoritárias, mas a burrice generalizada. Não é à toa que os maiores intelectuais do mundo não se alinham a esse tipo de pensamento. A direita é truculenta e o mais perigoso, é muito burra.

  • thiago Rodrigo da Silva diz: 2 de abril de 2014

    Prezados Leitores.
    Eu fui aluno, em três disciplinas, do professor Paulo Pinheiro Machado na UFSC. Atualmente, eu sou professor na FURB e na Uniasselvi, no departamento de História. Fui soldado do Exército Brasileiro e tenho artigo publicado na última edição da Revista Brasileira de História Militar. Portanto, NÃO SOU VAGABUNDO, ou outro sinônimo que o valha. Assim como a família, a igreja e o serviço militar prestado no Exército, o CFH me ensinou noções de civismo, preocupação com o próximo e a importância do bem público. O CFH da UFSC é uma instituição que realiza um trabalho sério em prol do Brasil, instituição na qual sinto orgulho em nela ter me formado. O professor Paulo não merece as críticas que o fazem como alguém que não honra a bandeira nacional. O Prof. Dr. Paulo Pinheiro Machado é um dos mais profundos conhecedores, em Santa Catarina, das instituições militares e policiais, tendo realizado pesquisas do AHEx. Alguém que é recebido no Arquivo Histórico do Exército, com certeza não é um homem conivente com marginais como o estão tipificando.
    Atenciosamente.
    Prof. MSc Thiago Rodrigo da Silva

  • Berloque Gomes diz: 2 de abril de 2014

    Esse professor Sérgio Cóllera não se emenda. Critica os professores que fazem apologia da esquerda em suas aulas. Eu também critico, aliás. Mas o incoerente faz exatamente a mesma coisa, só que fazendo apologia da direita. Mas o Cóllera é velho conhecido na UFSC. Quase folclórico, por suas posições ultraconservadoras e seu olhar sempre cheio de ódio. É o Bolsonaro da UFSC. Tem mais diplomas do que o Bolsonaro original, mas é tão limitado, truculento e bitolado quanto. Não tenho simpatia nenhuma pelos professores que insuflaram os alunos e que defenderam a absurda invasão da reitoria. Mas daí a dar crédito e levar a sério o Bolsonaro ilhéu já seria demais.

  • Tiago diz: 2 de abril de 2014

    Professor, deixe política para quem sabe, estude mais para dar uma aula melhor na sua área, pois o senhor como professor é um ótimo pesquisador.

  • Décio diz: 2 de abril de 2014

    Mais uma vez parabéns Professor Sérgio Colle pela coragem de dizer aquilo que a maioria do povo Brasileiro decente queria dizer. A sua manifestação serviu para alvoraçar a tropa de choque composta principalmente por idiotas do PT. SE a Reitora omissa incompetente não renunciar juntamente com aquele bando de xiitas vermelhos, vamos convocar os verdadeiros Estudantes, Professores e principalmente a população para manifestações na UFSC exigindo a sua saída. O lugar da reitora e de seus acessores é CUBA.

  • Henrique de Melo Lisboa diz: 3 de abril de 2014

    Parebéns ao prof Colle pela força e coragem das suas palavras, que bem representam a indignação da grande maioria da comunidade universistária da UFSC.
    Vivenciamos o absurdo de ver a UFSC praticamente governada por um bando de baderneiros, dentre os quais consumidores de drogas e possíveis traficantes. Ao esbulho da lei, e de forma agressiva, invadiram a Reitoria e passaram a fazer exigências descabidas para de lá sair. Antes disto, foram protagonistas de uma cena dantesca: na proteção do direito de consumir drogas no Campus da UFSC, tentaram impedir a ação da polícia e destruiram 2 viaturas de propriedade do Governo Federal, incluindo uma viatura do corpo de segurança da UFSC. Efetivamente, que foram incentivados pela direção do CFH que extrapolou sua função ao incentivar e à resistência ao cumprimento da lei pela polícia.

    Uma vez encastelados no prédio da Reitoria, obtiveram a condescendência da Reitora, que praticamente tornou-se uma incentivadora de ações violentas de tal porte por parte de grupelhos de estudantes. Chegaram inclusive a retirar a bandeira nacional e em seu lugar colocar um pano vermelho, que deixava claro o seu desprezo pelos valores democráticos e nacionais. Tudo isto contribuiu para que a UFSC mais uma vez brilhasse nos noticiários nacionais por ações que em nada acrescentam à qualidade que deveria almejar uma instituição universitária – não é a toa que a UFSC sequer aparece entre as melhores 600 universidades do Mundo, nos melhores rankings.

    A origem de tudo isto está no processo eleitoral vigente na UFSC, onde o toma lá dá cá é a moeda em vigor, sendo que a Reitoria que aí se encontra deve sua eleição aos estudantes da UFSC, que com todo o respeito que merecem, não deveriam ter esta prerrogativa – neste sentido, favor lerem a próxima mensagem que postarei, muito elucidativa.

    Entendeu erroneamente a Reitora, que ao tratar esta revolta dos drogados da UFSC com o respeito que deveria dar a um movimento legítimo, organizado e altamente participativo da parte dos estudantes (pensando certamente em agradar o seu eleitorado para as próximas eleições para a Reitoria) tomou o bonde errado ….

    … para júbilo dos democratas e daqueles que acreditam na qualidade dos estudantes desta Universidade, eis que na tarde da última sexta feira caiu a máscara do fascismo travestido de movimento estudantil … eis que de forma organizada e legítima, os estudantes da UFSC desqualificaram os invasores da Reitoria, clamando por segurança e exigindo a presença da polícia na garantia da ordem dentro do campus da UFSC …

    … observem na mensagem abaixo o peso e medidas diferenciadas da Reitora de plantão aos dois movimentos estudantis que eclodiram nesta semana … imperdível a leitura.

    Observo que fascismo é impedir o trabalho da imprensa e desconsiderar o desejo da maioria ao menosprezar a democracia em sua forma plena : os verdadeiros fascisnas não eram a polícia, como apontavam os cartazes postados na frente da Reitoria pelos alunos (ou marginais) que a invadiram. O fascismo estava dentro da Reitoria, com os invasores … o fascista que se encondia dentro da reitoria (isto eu pude pessoalmente constatar, ao entrar no recinto, mesmo sob constrangimento físico de não poder fazê-lo, pelos invasores que ali se encontravam) … o fascista que lá se encontrava usava boné do MST, boina do Che Guevara e defendia ideias marxistas e uma sociedade anárquica, ideal para o sucesso do tráfico de entorpecentes …

    Foi com enorme emoção que presenciei a chega da multidão de estudantes da UFSC, cantando o hino nacional e empunhando as bandeiras do Brasil e de SC. De forma ordenada, encararam os invasores da Reitoria e jogaram por terra qualquer resquício de legitimidade ao movimento que exigia o impedimento da entrada da polícia no Campus, movimento este que só beneficia os usuários e traficantes de droga e demais bandidos que pela UFSC circulam impunemente.

    A estes valentes alunos que afrontaram a estupidez, rendo minhas homenagens. Lembrei dos épicos momentos da luta contra a ditadura …

    Atenciosamente

    Prof Henrique de Melo Lisboa

  • Carlos H. diz: 3 de abril de 2014

    Como em tudo no Brasil ultimamente, muita gente falando e pouca gente fazendo. É um papelão toda essa situação sobre o ocorrido UFSC. Todos estão em certo ponto errados.
    Essa polarização, direita esquerda, que esta se tentando impor no discurso, politica e partidariamente não existem no Brasil, aqui tudo acontece em nome da governabilidade e manutenção dos mesmos no poder. Vergonhoso.