Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Amin admite candidatura ao Governo ou Senado

30 de junho de 2014 16

Durante inflamado discurso o deputado federal Esperidião Amin colocou seu nome a disposição para o governo e para o senado numa aliança com o PSDB.
O PP tem assim três opções para composições futuras: Jorge Boeira, Joares Ponticelli e Esperidião Amin.

Comentários

comments

Comentários (16)

  • Angela Capistrana diz: 30 de junho de 2014

    Tô esperando sentada o troco do PP no traidor e Desgovernador Raimundo Colombo.

    AMIN para Governador.

  • Décio diz: 30 de junho de 2014

    Muito correta a deliberação do PP. O negócio é melar a eleição de RAIMUNDO COLOMBO no 1º turno como pretende o seu mentor Rei LHS. No segundo turno é uma nova eleição. O espaço de propaganda praticamente será o mesmo, com oportunidade de mostrar os desmandos administrativos praticados pelo atual desgoverno de Santa Catarina à praticamente 12 anos. Santa Catarina não suporta mais COLOMBO, PMDB, LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA, SECRETARIAS REGIONAIS, DARIO BERGER.

  • artesão diz: 30 de junho de 2014

    Putz, ainda bem que tem a alternativa do Vignati (PT)!

  • jr diz: 30 de junho de 2014

    Agora sim. Amin governador. Esse e’ o partido que eu quero. Longe do pmdb e de mensaleiros.

  • Jaime diz: 30 de junho de 2014

    Moacir

    Conclusão sobre estas noticias de convenções partidárias :ANULAR O VOTO.

    Pelo amor de Deus que corja.

  • Magda Cláudio Cipriani diz: 30 de junho de 2014

    CONCORDO COM AS TOMADAS DAS DELIBERAÇÕES DO PP,MAS DE MANEIRA NENHUMA CONCORDO QUE SE MANTENHA O NOME DO MAIOR TRAIDOR DO PP,O SENHOR JOARES PONTICELLI DE MANTER O SEU NOME COMO SENADOR,NÃO ACREDITO QUE O PSDB,DE A VAGA DE CANDIDATO A GOVERNADOR PARA O AMIM E AINDA A VAGA AO SENADO,SENDO QUE O PSDB JÁ LANÇOU O SEU CANDIDATO PARA GOVERNADOR E PARA SENADOR,MAS É ESPERAR PRA VER.BOA SORTE PP.

  • Cesar diz: 30 de junho de 2014

    A jogada de mestre de LHS botou o PP fora do jogo, até porque não se esqueçam os senhores que Paulo Bauer é amigo pessoal e de confiança de Luiz Henrique. Amim não volta mais pois tem uma rejeição enorme, assim como Ângela Amim, não tendo condições de compor chapa com Paulo Bauer, tendo em vista que se tiver condições eles colocam a família inteira em cargos.

    O Governador será Raimundo Colombo sem esforço e sem adversários, e o Senador será Paulo Borhausen que levará apoio do PP, PSDB, PSB, o PSD de Colombo e dissidentes do PMDB que apoiados por fortes lideranças elegerão Paulinho Senador.

    O tiro foi na mosca e em uma jogada de mestre o PP e o PT foram encaçapados em Santa Catarina. Subestimaram a capacidade de um homem super inteligente, preparado e articulado.

  • Fernanda Rodrigues diz: 30 de junho de 2014

    Será uma jogada de MESTRE!!! ESPERIDIÃO AMIM, acredito ter maior índice de aceitação, dentre todos os candidatos ao governo catarinense. A FÊNIX não terá outra oportunidade como essa para ressurgir. AMIM a hora é agora!!! Verdadeiramente por toda SC

  • Santos kestribg diz: 30 de junho de 2014

    Tende ser o Amim, para bater de frente, com os traidores Colombo Que e Orientado por LHS

  • Sérgio diz: 30 de junho de 2014

    Vai Amin,vai !!!Mas,por favor,deixe o Ponticelli de fora.Ele provou ser um grande traidor. Ele merece o Raimundo Colombo.Não aguentamos mais o Colombo!

  • Nelson diz: 30 de junho de 2014

    Estava mais que na hora de mudar, chega de mesmice nesse Estado. Apareceu o nome certo Amim para Governo, Paulo Bauer vice, Paulinho Bornhausen para senador. Uma bancada forte com Ponticelli e Pavan liderando e articulando. Adeus Raimundo Colombo! Vamos para a campanha, vamos buscar voto a voto, mostrar que as SDRs não passam de cabides de empregos, que podem ser substituídas pelos deputados estaduais que são eleitos para representarem suas regiões e ai sim descentralizar o poder. Viva a democracia. Abaixo a ditadura imposta nesse Estado.

  • Irineu diz: 30 de junho de 2014

    Estas candidaturas, nem chegam dar cócegas na reeleição de Raimundo Colombo, que será reeleito já no primeiro turno.

  • pindica ramos diz: 30 de junho de 2014

    Decio tens coragem de dizer que santa catarina ,nao suporta mais Dario,Colombo ,Luiz henrique,etc.mais tu votas em quem? no novato do amin.Ai tu estas substimando todos os leitores dessa materia.amin tem que ir é para um museu,e nao ser candidato.

  • Jorge diz: 30 de junho de 2014

    A candidatura de Paulo Bauer é imposta pelo plano federal diante do compromisso partidária em fornecer um palanque para o candidato a presidente Aécio Neves, em contraponto a candidatura de situação. Sem dúvida apresenta boa condição de evolução eleitoral, diante da baixa aprovação dos Governos, federal e estadual, porém não é genuinamente um fato novo, o que deverá ser compensado com a sua experiência política e administrativa.
    Neste momento, o atual Governador não apresenta uma boa desenvoltura administrativa, seus resultados na saúde e segurança pública são extremamente negativos, e em especial, na educação, as unidades de ensino vivem sob interdição dos órgão administrativos em razão das péssimas condições sanitárias e estruturais. O Pacto por Santa Catarina tem severas dificuldades de execução em razão da ausência de um adequado planejamento, manifestada na falta de projetos e de capacidade operacional e técnica do Estado – pequena disponibilidade de recursos humanos especializados. A referida situação determina a lentidão do programa e compromete a credibilidade dos seus resultados e objetivos.
    Há um quadro muito singular em Santa Catarina, onde o panorama eleitoral ainda está indefinido e aberto. O correto, para aumentar as chances de vitória da oposição, consiste no lançamento da candidatura pura dos progressista, com um nome novo, a exemplo da ex prefeita, Ângela Amin, ou de João Pizzolatti, e com um candidato a vice forte, de Hugo Biehl ou Silvio Dreveck, devendo ainda ser mantidas as demais candidaturas, do PSDB e do PT.
    Porém, acima de todas as conjunturas, há também de se considerar a supremacia do Senador Luiz Henrique que ostenta expressivo prestígio eleitoral e que acabou de unir o PMDB, sendo que já impôs duas significativas derrotas a família Amin, sem contar as vitórias que conquistou juntamente com Dario Berger. Certamente o único nome capaz de vencer as eleições em primeiro turno atende pelo nome de LHS, especialmente pelo sua habilidade política e em razão do seu exitoso Governo que ficou marcado pelo número expressivo de realizações, porém, que igualmente detém responsabilidade política pelo gestão do seu sucessor. Aqui está a força eleitoral do Governador, é neste prestígio eleitoral do Senador, na musculatura vigorosa do PMDB e na força da máquina administrativa que o Governador aposta todas as suas fichas e tentará buscar a sua reeleição.

  • Carlos Antônino Siqueira diz: 1 de julho de 2014

    Se fosse um iniciante, perder 2 vezes faz parte da caminhada, mas ao ex-dono do PP, político de carteirinha e muito desgastado Amin, já sem poder de convencimento, não é fato normal. As derrotas demonstram que passou do prazo, passou da hora de deixar os demais filiados crescerem.
    Chô coisa ruim !

  • Luciano diz: 1 de julho de 2014

    Décio, tens razão em dizer que o importante é levar a eleição pro segundo turno. Com o rearranjo as duas chapas terão que convencer os eleitores, mas há duas coisas que você desconsiderou:
    1 O Bauer não tem moral para atacar o esquema politico do LHS/Colombo, pois foi este esquema que o elegeu senador. Para poder atacar, só se o cabeça de chapa fosse outro, como o Amin ou alguém de peso que não tivesse sido beneficiário, como não é o caso até porque o Ponticelli tentava entrar pro esquema do LHS, o negócio da chapa Bauer-Ponticelli terá que ser fazer propostas e planos de governo e mostrar na mídia. Com o Paulinho na chapa, querendo ou não trarão toda a experiência e conhecimento do Jorge Bornhausen na política e isto é importante até porque conhecem bem o funcionamento do sistema do LHS e pegar os pontos fracos e torna-los tópicos de uma proposta de governo alternativo. Junte a isso a experiência do Amin, que além ter que preocupar-se com sua candidatura a deputado federal, praticamente terá que conduzir junto com o Jorge a orientação da campanha da chapa. Esperidião e Jorge Bornhausen terão que trabalhar nesta eleição como se fossem eles os cabeças de chapa para derrotar o Colombo, cria do Jorge mas vodurizado pelo LHS.
    2 Há um grande desencanto do eleitorado com a política em geral e a quantidade de votos em branco e nulos poderá ser grande. Por isso, que o Bauer e o Ponticelli – que têm justificadamente a classe dos professores como algoz – tem que batalhar muito para conquistar os votos principalmente dos mais novos e acho até que o Paulinho Bornhausen pode ajudar porque está trabalhando em cima do crescimento do estado através da capacitação dos jovens. Outara coisa, mas voltando aos professores, creio que na campanha o Bauer e o Ponticelli por questão de humildade terão que ir a público fazer um “mea culpa” com magistério, e apresentar algum plano para desfazer as c*gadas que cometeram com esta influente classe de formadores de opinião.
    Esta chapa pode ser promissora, mas terão uma trabalho árduo e duro pela frente e tem chance de vitória.