Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pedro Simon: "Partidos se esvaíram; o último foi o PT"

06 de agosto de 2014 7

A assessoria do senador Pedro Simon(PMDB-RS) envia a seguinte nota sobre a crise dos partidos e a desmoralização das CPIs:

“”Partidos se esvaíram, o último foi o PT”, diz senador

As comissões parlamentares de inquérito perderam a seriedade, lamentou nesta quarta-feira (6), em Plenário, o senador Pedro Simon (PMDB-RS). O Brasil vive o fim de um ciclo, os partidos se esvaíram, o último foi o PT”, desabafou.

Segundo o parlamentar, a desmoralização do instituto das CPIs está provada com as últimas comissões que foram instaladas , como a do Cachoeira que, resultou num acordo entre governo e oposição para não punir ninguém, e agora as duas da Petrobras, que também não devem resultar em nada.

Simon lembrou que antes não era assim. Para Simon, esse quadro de descrédito das CPIs é reflexo do troca-troca de legendas e na política do toma-lá-dá-cá para beneficiar os muitos partidos, o que para ele atingiu seu ápice com a criação de 39 ministérios, durante o governo de Dilma Rousseff.

- CPI era coisa séria. Até estes [últimos] quatro anos de Parlamento era coisa séria, que afastou um presidente, que saiu desta Casa democraticamente, pelo voto daqueles que achavam que ele deveria sair. Era coisa séria, com a CPI dos Anões do Orçamento, que tirou desta Casa uma série de parlamentares por equívocos graves que cometeram. Era coisa séria, quando aparece o mensalão e a Justiça determinou que CPI funcionasse. Porque esta Casa, na hora de criar uma CPI, se transformava no Poder Judiciário – lembrou Simon. (Assessoria de Imprensa/Agência Senado)

Do twitter do senador Pedro Simon (@simonimprensa):

* Simon: PT e outros partidos pensaram em afastar a presidenta, contrariados com a linha dura contra mal feitos.

* Simon: Dilma tentou mudar a forma de governar no Brasil. Ministros foram demitidos. Mas esse estilo não foi adiante.

* Simon: O país precisa de um governo que busque a seriedade, principalmente nas relações com o Congresso, sem fisiologismo.

* “Será o caos, se o Brasil continuar a ser governado como agora”, diz Simon.

* Simon: Plano Real foi aprovado no Congresso sem troca-troca de favores e votos. Mudou o país.

* Simon lembra estilo Itamar Franco, que reuniu partidos ao assumir o governo e definiu uma forma de diálogo direto.

* Simon: Candidatos deveriam fazer um pacto sobre as reformas para o próximo ano, começando pela tributária, com novo pacto federativo.

* “Ganhe quem ganhar as eleições, será difícil governar o Brasil de forma diferente a partir do ano que vem”, desabafa Simon.

* “O toma lá dá cá tem caracterizado a política brasileira nos últimos anos. São 33 partidos, 39 ministérios”, critica Simon.

* “Estamos vivendo o fim de um ciclo no país. Os partidos se esvaíram, o último foi o PT”, avalia Simon.

* Simon estranha que fornecedores da Petrobras fiquem de fora da CPI, por acerto entre governistas e oposicionistas.

* Simon lembra descrédito em que caíram as CPIs, com acertos entre governo e oposição para abafar investigações.

* Simon comenta acirramento do ambiente político no país. Cita as CPIs da Petrobras e o nível da discussão no Senado entre oposição e governo.”

Comentários

comments

Comentários (7)

  • Luciano diz: 6 de agosto de 2014

    Olha que interessante:

    JORNAIS DA R B S EM SANTA CATARINA TAMBÉM REGISTRAM DEMISSÕES

    Desligamentos serão realizados até o final da tarde

    As 130 demissões anunciadas pelo presidente do Grupo R B S, Eduardo Melzer, na última segunda-feira, 4, alcançam também os veículos de Santa Catarina. De acordo com informações obtidas por Coletiva.net, o editor assistente do jornal Hora, André Pinheiro, e a editora de Geral do Diário Catarinense (DC), Sicilia Vechi, não integram mais as equipes dos veículos.

    Sicilia Vechi estava no Grupo R B S desde 2004, onde foi repórter do Jornal de Santa Catarina, subeditora e editora de Geral, chefe de reportagem e de produção do Jornal Hora de Santa Catarina. Já André Pinheiro era editor assistente do Hora havia um ano e fazia a curadoria do blog ‘Frente e versos’, publicação online do jornal sobre poesias.

    As informações ainda dão conta de que as áreas de Arte, e as editorias de Política e Economia do DC também registram desligamentos.

    No Rio Grande do Sul, outra dispensa confirmada é a de Eduardo Nunes, repórter de Notícias de Zero Hora.

    http://www.conversaafiada.com.br/economia/2014/08/06/e-grave-a-crise-na-globo-do-sul/#comment-1574790

  • Giffoni diz: 6 de agosto de 2014

    Mais demoralizado do que esse (até que enfim, no fim) Pedro Simon, impossível. Passou sua vida pública, primeiro, com a condescendência dos golpistas-miliquentos (um dia alguém contará a “estória” dessa oposição consentida que nunca “foi pro pau”), depois, na redemocratização, numa jogada da RBS e Caldas Jr, deu-se por vencido na primeira hora e, quando se deu conta, a contagem (fraudulenta) havia terminado; como governador foi zero à esquerda (salvou-se apenas a reedição das obras do Álvaro Moreyra); como senador, desafio a quem quer que seja que mostre qualquer projeto de relevância por ele apresentado em, sei lá, mais de 24 anos de tribuna: nadica de nada; politicamente, atrasado desde sempre: reacionário, covarde, oportunista, aproveitador; anunciava discursos que derrubariam a república, paria ratos; passou a vida reclamando do PMDB, mas, sempre lá estava aproveitando as boquinhas; agora, diz-se desiludido com a política? Ora, ora e ora: foi escanteado para novo mandato (ou com medo de enfrentar o “novo” candidato da RBS e o ex-governador Olívio Dutra) e, tão desiludido (tadinho) que “apresentou” seu filho como candidato à deputação estadual. Qualquer idiota seria – sempre – melhor do que ele: pior, em 2010, traiu o PMDB e apoiou o Serra e a Ana Amélia pro senado; agora, apoia o Aécio e a Ana Amélia (pro governo), mesmo tendo o PMDB candidato próprio. E se bota a falar mal do governo federal: sempre sonhado e nunca alcançado. Gostaria que (ainda) senadorzinho parasse de dizer besteiras-factóides e, se tiver altura, estatura, ética e moral, dissesse, com todas as letras (ah, todas as letras!) a que efetivamente está se referindo: um rola-bostas desses dizer que “Será o caos, se o Brasil continuar a ser governado como agora”, e se negar a dizer o que acontece agora é, em si, medida de covardia a toda prova. Esse senhor (argh) é o atraso generalizado: aliás, não sei como ainda dão crédito e espaço a essa anta. Pela democracia, que tanto discursa o sr. Simon, mesmo que nunca tenha feito nada por ela, por favor, caro Colunista, publique meu comentário-desabafo.

  • Carlos diz: 6 de agosto de 2014

    Mais uma figura emblemática do Congresso que se aposenta e cada vez mais a malandragem ocupa seu espaço na política

  • Luiz Fernando diz: 6 de agosto de 2014

    Jamais esqueçamos que este senhor, governador de ações pífias no RS, veio aqui apoiar Paulo Afonso contra Angela Amin.
    Nunca teceu um comentário contra Eliseu Padilha, mas não furtou-se a criticar insistentemente Fernando Henrique. Cada um escolha o seu líder!
    JÁ VAI TARDE!
    Covarde, ao recuar quando enfrentou Fernando Collor, quando este fez seu desagravo no Senado. Acovardou-se a não poder mais, tchê!

  • Adriano Silveira Feliciano diz: 7 de agosto de 2014

    Concordo plenamente com este ícone da politica nacional , e fico triste ao saber que este Senhor não mais representara a população brasileira no senado federal , lembro de Senhores honrados que saíram da politica por desilusão (Dirceu Carneiro, Jaison Barreto) e mais aqueles que lutaram e morreram defendendo a liberdade e a Democracia devem se sentir envergonhados no que o seus companheiros transformaram esta democracia, onde os poderes Legislativo , Execultivo e Judiciário estão sem qualquer credibilidade , o Judiciário até recuperou um pouco da credibilidade graças ao Senhor Joaquim Barbosa, a Sra Dilma agora montou um programa para a educação de investimentos para 10 anos , não precisava tanto tempo para elaborar tal plano era só abrir a gaveta e ver o plano que foi criado no 1° governo Lula pelo então Ministro Cristovão Buarque que simplesmente o Senhor Presidente Lula engavetou e nunca implantou , garanto que o País seria outro , pois só através de investimentos maciços em Educação mudaremos o País e não através de filantropia de bolsas, estou esperando algum candidato honesto e comprometido com a população para votar nesta eleição. Alguém se Habilita ?

  • Diego diz: 7 de agosto de 2014

    É, mais uma prova de que é mais fácil jogar pedra no telhado alheio do que efetuar auto-crítica…

  • Décio diz: 10 de agosto de 2014

    A verdade machuca principalmente a membros da tropa de choque do PT, tipo o idiota insano GIFFONI. PEDRO SIMON esta deixando a vida publica em que exerceu por mais de 40 anos cargos eletivos. Sua vida pregressa é um livro aberto, sempre de conduta ilibada muito diferente de membros da facção PT, que GIFFONI tanto defende.