Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Procurador enaltece ação do senador Luiz Henrique

30 de janeiro de 2015 1

“Querido amigo Moacir,
Joaquim Nabuco diz que a proclamação da República na França agitou o nosso mundo político em suas profundezas, acrescentando: “Todas as nossas revoluções foram, dir-se-ia, ondulações começadas em Paris”.
O povo catarinense, ao longo da história, tem demonstrado a sua vocação republicana. Essa veneração pela res publica fez de Santa Catarina o Estado mais desenvolvido da Federação.
Ora, A República foi criada para dar expressão à justiça pública. Ela nem sempre faz isso, mas a verdade é que a norma da justiça precede pública como uma instituição diferenciada na sociedade.
Na atual quadra de nossa história, presenciamos uma profunda crise de legitimidade de nossas instituições republicanas.
A questão da legitimidade do poder político e da presença e participação dos cidadãos nos processos de decisão política perde-se no tempo. Para Platão o Estado ?nasce das necessidades dos homens?. Aristóteles, Rousseau, Hobbes, Maquiavel, etc. teorizaram acerca do Estado.
Em sua magistral “Democracia na América” ,Alexis de Tocqueville aborda, com muita sapiência, a participação dos cidadãos nos processos de tomadas de decisões políticas. Tocqueville procura demonstrar como a efetiva participação dos cidadãos na vida da comunidade pode ser decisiva para expurgar a tirania. Tocqueville faz uma análise e avalia que o Estado e o poder político tem como fonte o pacto realizado entre os homens com o propósito de promover o bem-estar de todos.
O Estado de Santa Catarina sempre teve presença marcante na história da representação política brasileira. No Senado Federal, os Senadores catarinenses sempre pontificaram com coragem, inteligência, cultura , espírito público e são intransigentes na defesa dos interesses e dos valores do bravo povo de Santa Catarina. Senadores da estirpe de Nereu Ramos, Antônio Carlos Konder Reis, Jaison Barreto, Jorge Bornhausen, Esperidião Amin, Ideli Salvatti, Raimundo Colombo , Paulo Bauer e tantos outros da mesma estatura, marcaram a história do Parlamento. A candidatura do Senador Luiz Henrique da Silveira é um resgate da tradição parlamentar de nosso povo e o grande início para a construção de um novo renascimento dos valores republicanos, ora em abissal crise. É um fato político de alto significado, sobretudo pela história do ilustre parlamentar, e representa o grande início de reconstrução do pacto político e do restabelecimento da harmonia entre a vontade do Estado e da vontade soberana do povo.
O Ex-Governador catarinense é uma figura de grande prestígio no cenário político brasileiro e tem consciência que a compulsão por fazer, o ethos do político, e a paixão por entender se entrelaçam. Luiz Henrique sabe que os grandes desafios dos caminhos da política é não ceder e nem aceitar à tentação do Doutor Fausto e não vender a alma para o demônio.
A eleição do Senador Luiz Henrique da Silveira para presidir a nossa mais alta Casa Legislativa honrará Santa Catarina.
Diz a canção que, num dia claro, pode-se ver para sempre. “On a clear day you can see forever.”
Relembrando o imortal Luis de Camões: “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”.
Receba um forte e fraterno abraço maranhense e renovador.
Georgino Melo e Silva.”

Comentários

comments

Comentários (1)

  • José Germano Cardoso diz: 31 de janeiro de 2015

    O que eu senti na pele foi o MASSACRE AO MAGISTÉRIO ESTADUAL ao qual deu continuidade o Colombo.
    Estava até pensando que ele iria levar, num esquema de dar solução ao caso Renan, seria uma saída a francesa para o chefe do Lobão, das raposas empalhadas.
    Mas todos os políticos, sem reforma política até a eternidade, apenas encenam a tragicômica peça teatral ” AINDA DIZ QUE ESTE PAIS É SERIO “, oitava cena do terceiro ato, dos catarinenses.
    Creio que o Renan vai ficar.
    Não sei como o senador vai curtir essa.
    Sei que anda dando um sossego ao nosso governador…
    que então deitou-se.