Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de maio 2015

Engenharia da Computação da UFSC em Araranguá: "Só frustrações"

31 de maio de 2015 1

De um acadêmico que pediu anonimato, via e-mail:

“Sou estudante de Engenharia da Computação na Universidade Federal de Santa Catarina, campus Araranguá e venho, por meio deste e-mail, demonstrar a minha completa indignação com a situação atual da infraestrutura do campus. Toda a semana ouço, em rodas de conversa na universidade, comentários sobre a expectativa frustrada de novos alunos em estudar em um local que condiz com a conhecida qualidade da UFSC. Eu tinha outras opções de locais para realizar esse curso, mas escolhi essa universidade pensando que teria qualidade de ensino aliada a uma infraestrutura adequada. Entretanto, fiquei indignado quando descobri que o local de estudo é localizado em outra universidade, a Unisul, que não possui boas instalações. Caso não conheça a história do campus Araranguá, deixo um resumo a seguir. Em 2008, aderindo ao projeto Reuni, a Universidade Federal de Santa Catarina começou a implementação de uma unidade na cidade em questão com um prédio e o curso de Tecnologia da Informação e Comunicação. Após, foram abertos os cursos de Fisioterapia, Engenharia de Energia e, finalmente, Engenharia da Computação. O prédio foi finalizado e depois disso, nada mais foi construído. Com o aumento de alunos, as salas de aula até então construídas não eram suficientes. Uma solução encontrada pela direção do campus foi alugar, temporariamente, um espaço da Universidade do Sul de Santa Catarina, Unisul. Isso ocorreu em 2012. Até hoje, não foram construídos mais nenhum prédio na sede do campus e nenhuma melhoria foi implementada no campus da Unisul. A reitora da UFSC confirmou, há muitos anos, que esse prédio que é alugado, seria comprado, mas nenhuma mudança ocorrei até então. A justificativa é de que a Unisul possui dívidas com a União que devem ser quitadas antes da compra. Entretanto, não há explicações concretas para a completa paralisação da construção do campus inicial. A infraestrutura da Unisul possui computadores arcaicos e instalações precárias. Professores devem compartilhar salas com outros setores para trabalhar. Os laboratórios para o curso de Fisioterapia quase não existem e os de informática são completamente insatisfatórios considerando que temos cursos que estudam e utilizam constantemente a tecnologia. Alguns docentes comentaram informalmente que uma greve seria de bom grado para reivindicar melhores condições de trabalho e infraestrutura no campus. A unidade da UFSC localizada em Curitibanos vive uma realidade muito diferente da nossa, com laboratórios bem equipados e estrutura quase completa. Eu e meus colegas sentimos que estamos nas mãos da Unisul, estudando nesta instituição, mas fingindo que estamos na famosa e qualificada UFSC. O clima é de completo improviso, indignante. Peço, ou melhor, imploro, que divulgue esse fato na mídia para que a comunidade fique ciente da situação dessa unidade. Há muitos fatos que não relatei neste e-mail, que me deixa muito mais indignado, mas basta uma simples pesquisa nos grupos das redes sociais para descobri-las. Esse fato não pode continuar assim. Estamos há mais de 5 anos esperando a construção de um local próprio e de qualidade, o que recebemos, a cada dia, é mais incerteza e desânimo ao ver esse caso. Lembro que sou apenas um aluno indignado, mas tenho certeza que a maioria dos outros alunos estão sentindo o mesmo. Peço que não divulgue minha identidade caso atenda ao meu pedido. Agradeço qualquer ajuda”.

Professores da UFSC decidem sobre greve só dia 8 de junho

31 de maio de 2015 Comentários desativados

Somente no dia 8 de junho é que os professores da Universidade Federal de Santa Catarina decidirão se aderem ou não à greve nacional do magistério federal. É o que consta na nota da Apufsc-Sindical, desmentindo notícias de que os docentes da Universidade Federal de Santa Catarina teriam aprovado indicativo de greve. Informa que as negociações continuam.

Criciúma quer romper contrato com Casan

31 de maio de 2015 Comentários desativados

Lideranças políticas e empresariais de Criciúma estão pressionando o prefeito Márcio Búrigo (PP) para que rescinda o contrato de concessão mantido com a Casan. A população se julga desrespeitada pela empresa pelos problemas e falta de ação planejada na cidade. Marcaram três reuniões para ouvir a Diretoria da empresa, mas ninguém apareceu para dar explicações.

Magistrado na Academia

31 de maio de 2015 Comentários desativados

Diretor geral da Escola Superior da Magistratura, juiz Claudio Eduardo Régis de Figueiredo e Silva, vai integrar a Academia Catarinense de Letras Juridicas. Deverá ocupar a cadeira n. 19, que tem como patrono o falecido desembargador Marcilio Medeiros. O magistrado acaba de lançar o livro “Software e Propriedade Intelectual na Gestão Pública”.

Projeto proíbe BNDES de financiar governos estrangeiros

31 de maio de 2015 1

Projeto de lei que proibe o BNDES de conceder financiamento de obras fora do Brasil foi protocolado pela deputada federal Giovânia de Sá, do PSDB catarinense. Argumenta que os créditos milionários dos últimos anos foram concedidos sem transparência. E fulmina: “Enquanto transações milionárias são feitas com outros países, a infraestrutura brasileira está em total precariedade.”

PP não abre mão dos trabalhos de Ruben Farah

31 de maio de 2015 Comentários desativados

A Assembleia Legislativa perdeu esta semana um dos mais dedicados, competentes e éticos de seus funcionários. Rubem César Farah se aposentou, depois de trabalhar nos últimos 20 anos como assessor da bancada do Partido Progressista e com mais de 45 anos de serviço público. Projetos de grande importância e interesse público passaram por sua avaliação criteriosa, do ponto de vista jurídico e sob os aspectos éticos. Recebeu merecidas homenagens dos progressistas e colegas do parlamento.

Ônibus a gás será testado em SC

31 de maio de 2015 Comentários desativados

O primeiro ônibus movido a gás natural do Brasil vai ser testado em Sata Catarina. A Scania decidiu executar aqui uma parceria com a SC Gás. A experiência começa em setembro e acontecerá durante tres meses. Além de ser menos poluente, o ônibus a gás deve reduzir o custo operacional de 20% a 25%. O presidente da SC-Gás, Cosme Polese, e o deputado Gean Loureiro, já conheceram o novo veículo.

A audiência do Sinte com o Governo

30 de maio de 2015 Comentários desativados

O Sinte divulgou nota sobre a audiência com representantes do governo e da Assembleia Legislativa, intermediada pela professora Marta Vanelli, representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. Leia:

“Representantes do Comando de Greve, CNTE, ALESC e Governo reuniram-se hoje, às 9h, na Fundação Escola de Governo – ENA, em Florianópolis. O encontro foi intermediado pelo CNTE numa tentativa de reabertura de negociações, uma posição também defendida pelo representante da Assembleia Legislativa Adelcio Machado, que reafirmou que a negociação não pode partir do zero como apontou o Governo, pois até então, desde as mesas de 2011, os debates não chegaram a lugar nenhum.
O Governo afirmou que a minuta do termo de acordo que foi rejeitada na assembleia do dia 15/05, zerou o processo, e que no momento não tem nada para apresentar, mas que deve iniciar uma nova fase de negociações.
O Comando reafirmou que o governo não pode ignorar o processo que foi construído até o momento isso é o extremo. A categoria rejeitou o termo de acordo por que não confia em uma mesa de negociação, vejamos os exemplos anteriores que não evoluíram e foi apenas enrolação, por culpa do próprio governo que não se acertou internamente para homologar as decisões da mesa de estudos após a greve de 2011.
Marta Vanelli, Secretária Geral da CNTE disse que a discussão da carreira não é simples e tem dúvidas se em 30 dias a mesa tem condições de discutir com profundidade, é um desafio. Além disso, temos que ter como horizonte a Meta 17 e 18 do PNE. Quanto à carreira/tabela existem várias questões que necessitam ser definidas tais como: prazo de implantação, dispersão da carreira, reenquadramento, percentual entre os níveis e referências.
O representante da ALESC, Adelcio Machado, afirmou que não devemos deixar que a mesa se perca, temos que aproveitar essa oportunidade e não existe outra forma de resolver a questão da carreira e da greve. A responsabilidade de resolver o problema é nosso, ninguém vai solucionar.
O Comando de Greve Estadual deve avaliar a audiência em reunião marcada para a próxima segunda-feira, 01/06, em Campos Novos, e divulgar nota política sobre o assunto.”

Entrevista estapafúrdia de Dilma continua repercutindo

30 de maio de 2015 2

A entrevista que a presidente Dilma Rousseff concedeu ao La Jornada, durante a visita ao México, continua repercutindo intensamente nos meios políticos e nas redes sociais. A presidente realmente pareceu desnorteada, fora da casinha. Veja duas declarações sem o menor sentido:

Sobre os Astecas
“Porque os Astecas, eles dominaram civilizações que tinham em torno. Inclusive isso explica, em parte, a questão de eles terem, dos espanhóis terem conquistado ali, a cidade do México, e aplastado, porque aplastaram”.

Sobre a arte mexicana

“E tem uma, tem uma pintura dela que eu acho genial, é… como é que é? Natureza Morta… Ai, eu tinha de lembrar a palavra. Natureza Morta… é uma contradição em termos: de que que é o quadro? É uma natureza morta? Rodando, você entendeu? É o stand still a Natureza Morta, aí a Remedios Varo vai lá e faz… ela bota uma mesa e os componentes da natureza morta estão girando. O nome é interessantíssimo. O nome tem uma certa, uma certa ironia”.

Pimentel: o governador que teve a audácia de condecorar João Pedro Stédile

30 de maio de 2015 1

Governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT, cuja mulher está sendo acusada pela Policia Federal de lavagem de dinheiro e outros crimes, é o mesmo que teve a audácia de conferir a Medalha da Inconfidência, maior homenagem mineira em tributo a Tiradentes, a João Pedro Stédile, o agitador profissional que comete crimes em nome do MST. Uma condecoração que mereceu vaias e críticas na solenidade e depois recebeu bombardeio em Minas e no país inteiro.