Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pelas armas, Peninha leva Bolsonaro a Chapecó

08 de julho de 2015 8
Foto: Rafael Pezenti, Divulgação

Foto: Rafael Pezenti, Divulgação

Depois de lotar uma audiência pública em Blumenau, no mês passado, os deputados Rogério Peninha (PMDB) e Jair Bolsonaro (PP-RJ) voltam a Santa Catarina para outro debate sobre o projeto que revoga o Estatuto do Desarmamento – desta vez em Chapecó. Deputados que integram a Comissão Especial destinada a proferir parecer sobre este tema estarão na “Capital do Oeste” sexta-feira, dia 7 de agosto. O evento começará às 19h, no Centro de Eventos.

Autor do projeto, Peninha afirma que a participação da sociedade nas discussões feitas Brasil afora têm dado suporte para que o relator emita seu parecer respeitando a voz das ruas:

- Além de Blumenau, já estive em Belo Horizonte e Uberaba, neste final de semana irei a Manaus e Boa Vista, depois Fortaleza e Goiânia, além de Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro. Em todas as cidades que vamos, a presença da população me impressiona.

Quem pediu a inclusão de Chapecó no roteiro foi o deputado federal João Rodrigues (PSD/SC), que também defende a compra de armas legalizada. A principal mudança proposta pelo PL 3722/12 é o fim da discricionariedade para o registro de uma arma. Atualmente, é necessária a comprovação da “efetiva necessidade” para o delegado da Polícia Federal, que tem poder de decisão sobre o registro. Pelo projeto do deputado Peninha, será necessário ter 21 anos (atualmente a idade mínima é 25), comprovar residência e empregos fixos, não possuir antecedentes criminais, não estar sendo investigado em inquérito policial por crime contra a vida, comprovar sanidade mental e ter sido aprovado no curso de manuseio de armas e tiro.

Comentários

comments

Comentários (8)

  • Gerson diz: 8 de julho de 2015

    Audiência meramente eleitoreira sobre um projeto populista visando as eleições de 2018. Engana-se quem acha que fazem isso pelo clamor popular.
    Liberar as armas seria uma estupidez sem tamanho, pois ao contrário do que se pensa, em vez de aumentar segurança, vai fomentar a violência e a criminalidade ainda mais. Morro de rir de quem acha que os bandidos vão ficar com “medinho” de assaltar as pessoas porque estas estariam armadas. Eles vão continuar assaltando e ainda vão levar a arma de lambuja.
    Estão querendo transferir para o cidadão comum a responsabilidade da Segurança e da Justiça que são obrigações do Estado. E essa conversa de direito à defesa é balela, pois, apesar do Estatuto em vigor, acontecem todos os dias casos de morte por arma de fogo por motivo fútil como em brigas de marido e mulher, entre parentes, entre vizinhos por causa de som alto e até por causa de animais de estimação. Isso sem contar os que são mortos por engano e as mortes por disparo acidental. E qualquer briguinha de trânsito vai ser resolvida à bala. Vão dizer: “Ah, mas e os casos de assaltos que acontecem todo dia?”. Eles vão continuar a acontecer, mesmo armando a população ou seja, é um projeto inócuo que vai ter efeito inverso.
    Com tantas coisas mais importantes e urgentes para serem resolvidas no Brasil – a impunidade é uma delas – e esses senhores fazem o Congresso Nacional perder tempo com um projeto irresponsável como este. A maioria da população é a favor? Nem sempre a maioria está certa. A maioria votou na Dilma, a maioria apoiava Hitler e há 1982 anos a maioria matou Cristo.

  • joao luis horstmann diz: 9 de julho de 2015

    Acreditar que o “estado” deve ser o responsável por prover a segurança é que é estupidez. Afinal de contas, quanto mais estado, menos eficiência.

    Outro ponto é que não vi em nenhuma linha do PL a transferência da responsabilidade de qualquer setor de segurança publica ao cidadão “leia o conteúdo na integra”. Note que ele apenas desburocratiza e simplifica o processo de aquisição ao bem (no caso uma arma de fogo). E de mais a mais, quem não quer ter que não tenha, mas que não seja negado (como é hoje de forma burocrática) o direito de quem as queira possuir de forma legal e legitima.

    Alguém já viu algum bandido, marginal ou delinquente ir na PF comprovar “efetiva necessidade” ? E de mais a mais, alegar que o PL irá contribuir para o aumento da violência é a mesma coisa que dizer que vender carros contribui para aumentar as estatísticas de acidentes.

  • Luciana Rocha diz: 9 de julho de 2015

    Bem vindo ao novo faroeste. Esse projeto é de uma insanidade total, os Estados Unidos da América estão querendo restringir o uso de armas pelos civis e agora vem essa bancada da Bala querer liberar o uso indiscriminado de armas para o uso de uma população raivosa e despreparada, apenas com o sentimento de vingança, vai morrer muito mais pessoas inocentes do que ja morrem hoje. E concordo com o Gersom a maioria nunca foi o mais correto. Se fizermos uma consulta popular a maioria apoia a pena de morte.

  • TECO diz: 9 de julho de 2015

    Ô Peninha, traz verba, saúde, educação para teu Estado, e não essa moléstia
    do Bolsonaro. O Peninha, não tem o que fazer para aparecer, vai soltar pipa,
    rodar pião, mas não querer espaço na mídia dessa maneira. E tem quem vota
    nessas coisas, ô dor.

  • Geson diz: 9 de julho de 2015

    Carros não são feitos para matar. As armas sim! A única comparação que pode ser feita é quanto mais carros em circulação, mais acidentes acontecem. O mesmo vale para as armas. Quanto mais armas nas mão da população, mais mortes por motivo fútil vão acontecer. Nem é preciso ser muito inteligente para saber disso. Tem gente por aí que assistiu ou ainda assiste muitos filmes de bang-bang e filmes policiais americanos e acha que na vida real é a mesma coisa.

  • Marcelo diz: 10 de julho de 2015

    Tá certo, tem que liberar arma para a população. E quem fala dos EUA, lá a população pode andar armada, a população é maior que a do Brasil, e olhem o índice de mortes por armas. é infinitamente menor do que a nossa. Melhor a mãe de um bandido fdp chorar do que a mãe de um inocente. E quem defende bandido, empregue na sua empresa, dê emprego.

  • Alberto Garbin diz: 11 de julho de 2015

    Algum jornalista lembrou de perguntar quem financiou a campanha eleitoral destes srs.? Tenho um palpite.

    Alberto.

  • Cleusa Elena do Nascimento diz: 13 de julho de 2015

    Chapecó, merece mesmo a visita de Bolsonaro!