Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Chapecó realiza hoje maior evento da Imprensa de SC

05 de setembro de 2015 Comentários desativados

Proclamado como o maior evento da mídia barriga-verde em 2015, o 8º Encontro da Imprensa de Santa Catarinense em Chapecó ocorre neste sábado, na sede social do Country Clube Chapecó, no horário das 11 às 18 horas. A iniciativa é da Associação Catarinense de Imprensa (ACI) e MB Comunicação.
A coordenação do evento é dos jornalistas Marcos A. Bedin e Ademir Arnon, respectivamente, diretor do oeste e presidente da ACI. A programação inclui homenagens, almoço de confraternização, bandas musicais e sorteio de brindes, entre eles, televisores, smartphones, jogos de churrasco, malas de viagens etc.
Profissionais que atuam na vasta área da comunicação social – jornalistas, radialistas, radiodifusores, publicitários, relações públicas, docentes, mídias etc. – participarão da festa que reunirá 500 profissionais de todas as regiões do Estado.
O destaque do evento será a homenagem a nomes da comunicação barriga-verde pelo critério de distinção aos profissionais com 50 anos de atividade. Nessa categoria serão homenageados o jornalista Laudelino José Sardá de Florianópolis, o radialista Servilho Ferreira de Lages e o radiodifusor Nereu Lopes de Lima, de Treze Tílias.
Também serão prestadas duas homenagens institucionais: uma para a historiadora chapecoense Eli Maria Bellani e outra para o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina que completa 60 anos de fundação.
Apoio integral
O Encontro da Imprensa tem o apoio de todas as entidades de organização e representação da comunicação catarinense: Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (ACAERT), a Associação dos Jornais do Interior do Estado de SC (ADJORI), a Associação dos Jornais Diários de SC (ADI), o Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas do Estado de Santa Catarina (SINDEJOR), o Sindicato das Agências de Propaganda de SC (SINAPRO/SC) e Sindicato dos Jornalistas Profissionais de SC.
O evento tem o patrocínio da Aurora, Fiesc, Sindicarne, Acav, Icasa e Sebrae. Conta, também, com apoio da Faesc, Unoesc, T12, Hotel Lang Palace, Sicredi, Apti Alimentos, Sinduscon, Unimed, Arcus, CooperAlfa, Ipiranga, Vale do Sol eventos, Badalotti, Inviolável, Lupa, Fecoagro, Coopervil, Acic, Sicom, Sindicont, Havan e Finco Alimentos, CDL Chapecó e Brahma.
Jornalista Laudelino Sardá
O jornalista florianopolitano Laudelino José Sarda, editor do jornal que circulou por mais tempo em Santa Catarina – O ESTADO, é um dos homenageados pelo critério de 50 anos de exercício profissional: Sardá, nascido em Florianópolis, é jornalista e professor. Atuou durante 35 anos em jornais, na televisão e rádio, entre os quais o Jornal do Brasil, Correio Braziliense; foi por mais de 10 anos redator-chefe do jornal O Estado. Coordenou a Comunicação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). Atualmente é diretor da Editora Unisul. Graduado em Letras e Comunicação pela UFSC, onde também fez mestrado e doutorado em gestão da comunicação na organização. Especializou-se também em jornalismo científico pela Academia de Ciências de São Paulo. Tem livros publicados, entre os quais Comunicação, o desafio dos executivos. Desenvolve pesquisa sobre o futuro dos jornais impressos.

Com mais de meio século de profissão, o radialista Servilho Ferreira, da Rádio Clube de Lages, é outro homenageado do Encontro da Imprensa Catarinense:
Luiz Alves Ferreira (Servilho Ferreira) nasceu dia 20 de janeiro do ano de 1940 na cidade de Orlândia estado de São Paulo. É casado com Maria Lourena Ferreira pai de seis filhos. Concluiu segundo grau em Araçatuba SP. Iniciou a vida profissional como jogador profissional de futebol no período de 1955 a 1966 passando pelas equipes Juvenil do XV de Piracicaba, Araçatuba Sport Clube, Aparecida do Oeste FC, Guarani da Bahia, Juventus de Rio do Sul, Operário de Ponta Grossa, culminando em Lages no Internacional, sendo participante do único titulo estadual do nosso querido leão da serra.
Em Lages atuou pela rádio Difusora como repórter de campo ao lado de Eugenio Teixeira, em furo de reportagem da vinda de Áureo Maliverne para disputar algumas partidas pelo colorado lageano, fato que chamou a atenção do comandante da equipe de esporte da Rádio Clube de Lages, Camargo Filho que imediatamente contratou o homenageado para reforçar aquela já renomada equipe de comunicação esportiva, utilizando o slogan “Deixa que eu Chuto”.
Mesmo oriundo do esporte nunca se furtou de atuar em outras frentes como na reportagem policial por mais de quinze anos, sempre irrequieto em 1985 criou o programa radialístico Onde Canta o Sabiá, sendo líder em audiência em seu horário, transmitindo notícias e boa música, nunca se omitindo de noticiar os assuntos sejam eles os mais polêmicos, até os dias atuais.
O terceiro e último homenageado é o radialista e radiodifusor Nereu Lopes de Lima: Natural de São José do Ouro, hoje, município de Lagoa Vermelha (RS), Nereu nasceu no dia 3 de Janeiro de 1946. Filho de família humilde. Pai agricultor e mãe costureira. Tem quatro irmãs e um irmão
Em 1960, Nereu com os pais e irmãos, saíram de Machadinho (RS) com destino a cidade catarinense de Xaxim. Em 1966, quando cursava o Colégio, apresentava um programa da UNE (União Nacional dos Estudantes) foi convidado a ingressar na Rádio Cultura de Xaxim. Passou por todos os setores radiofônicos da Rádio Cultura. Em 1967 teve rápida passagem pelo banco Nacional do Comércio, de Chapecó. Em 1.968, ingressou já como locutor apresentador na rádio Colméia de São Miguel do Oeste, hoje Rádio Peperi. Fez grande sucesso na comunicação jovem da época. Ditou moda, usos e costumes, realizou programas de auditório e festivais. Permaneceu 12 anos em São Miguel, onde fez parte das diretorias da Câmara Junior, do esporte clube Guarani, APP entre outras. Casou-se com Odete Ana Dambrós, com quem teve filhos: Fábio, Fernando e Odete. Em 1980 foi para São José do Cedro, assumindo o departamento comercial da recém inaugurada Rádio Integração. Mais tarde, o empresário criou pessoa jurídica com o nome de TROPICAL FM LTDA e venceu concorrência para instalar rádio FM de Treze Tílias. Nereu e família venderam suas cotas da Rádio Integração e se transferiram em definitivo para Treze Tílias. Em janeiro de 2005 a emissora estava pronta para entrar no ar. Dia 9 de junho de 2005, enfim, já funcionando em definitivo, a Rádio Tropical FM 99,1 foi oficialmente inaugurada.

A Associação Catarinense de Imprensa (ACI) prestará homenagem institucional a historiadora chapecoense Eli Maria Bellani: Nasceu com Concórdia (SC), filha de Pierina Marafon Bellani e Gentil Bellani. Foi residir ainda criança com seus pais em Chapecó, no início da década de 1950. Recebeu o título de Cidadã Horária de Chapecó pela Câmara de Vereadores em 2012.
Possui graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1968) e mestrado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1991). Tem experiência na área de História, com ênfase em História Regional do Brasil. É professora da Universidade Comunitária da Região de Chapecó , desde 1974. Publicou os seguintes trabalhos: O Futebol e a ocupação do espaço social em Chapecó – 2007; Vereador: sujeito histórico no Poder Legislativo de Chapecó – SC: Considerações para a Historiografia Catarinense – 2003; Uma cidade, um espaço: a mulher empresária” – 1999; Unoesc – Campus de Chapecó um sonho concretizado (1970/1995) – 1997; Santos Marinho e Passos Maia: a política no Velho Chapecó – 1990; Município de Chapecó: Legislação e Evidências – 1989; Balsas e Balseiros no Rio Uruguai: O processo de colonização do Velho Município de Chapecó – 1917/1950 – 1996. Atualmente, dedica-se a pesquisar a documentação e a trajetória da Associação Chapecoense de Futebol com o objetivo de implantar o Memorial dessa agremiação, em convênio com a Unochapecó.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina completa 60 anos de fundação e será o homenageado especial do 8o Encontro da Imprensa Catarinense em Chapecó. No dia 13 de maio de 1955, quando o Rio de Janeiro ainda era a capital do Brasil, o “Ministério dos Negócios do Trabalho, Indústria e Comércio” expediu a Carta Sindical que transformou a Associação dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina, fundada dois anos antes, em entidade sindical. Também fundador da Associação Catarinense de Imprensa, Martinho José Calado Júnior, influente personalidade do meio intelectual, político e jornalístico da época, foi o primeiro presidente do Sindicato dos Jornalistas de SC.
Nestas seis décadas de existência, a entidade representativa dos jornalistas em Santa Catarina, para além da defesa dos interesses específicos de sua categoria, vivenciou os momentos marcantes de seu tempo, como o combate à ditadura e a luta pela redemocratização do país, a defesa das liberdades de expressão e de imprensa, a regulamentação da profissão, a criação do primeiro Curso de Jornalismo em SC – o da UFSC -, as Diretas Já, a reorganização do movimento sindical, a Constituinte e a luta pela democratização da comunicação, entre tantas outras. Por isso neste ano de 2015, quando se comemora os 60 anos de fundação do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina, a homenagem da Associação Catarinense de Imprensa é aos profissionais que cotidianamente buscam assegurar à sociedade seu direito à informação de qualidade.

Comentários

comments

Não é possível comentar.