Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

El Niño mais intenso em SC: o caminho é a prevenção

30 de setembro de 2015 1
Foto: Rafaela Martins

Foto: Rafaela Martins

Santa Catarina viverá neste segundo semestre registros climáticos anormais, que podem se manifestar por chuvas intensas e prolongadas, quedas de granizo, vendavais e até outras ocorrências mais graves. Será a força do “El Niño”, que acontece periodicamente, e que sinaliza mais forte este ano no estado. Santa Catarina situa-se entre as correntes frias do sul e ar quente do norte, oxigenado por fatores climáticos do Oceano Pacífico. É o que mais tem sofrido fenômenos naturais pela situação geográfica.
A melhor ação que os catarinenses podem desenvolver é adotar medidas preventivas, em esforço coletivo de conscientização entre o poder público em todos os níveis, as instituições e os cidadãos em geral.
Este cenário, com várias advertências, foi descrito no Painel RBS Especial, realizado em Blumenau,com a participação do secretário da Defesa Civil, Miltom Hobus, do coronel Aldo Neto e dos meterologistas Leandro Puchalski e Mauro Marques.
O programa mostrou que Santa Catarina avançou nos últimos anos em estruturação e formação sobre a importância da defesa civil e na execução de obras e serviços preventivos contra enchentes e outros fenômenos climáticos.
No Vale do Itajaí, por exemplo, a ampliação da barragem de Ituporanga ajudou a reter mais água na chuvarada do fim de semana, evitando que as águas do rio Itajaí Açu prejudicassem milhares de habitantes. O radar de Lontras foi também vital nas ações desencadeadas pela Defesa Civil do Estado no fechamento das comportas.
Há várias obras estaduais e municipais que estão sendo licitadas ou em execução. Muitas delas não foram concluídas por problemas burocráticos.

Confira dicas de prevenção e saiba como agir em casos de enxurradas

Comentários

comments

Comentários (1)

  • Ramiro diz: 30 de setembro de 2015

    O Fórum também serviu para levantar uma questão bastante grave: a situação da barragem de José Boiteux. As autoridades vivem dizendo que tomarão providências com relação à 300 indígenas acampados em torno da barragem. Chega de se acovardarem diante de índios que aprenderam a ser safados e ficam pedindo indenizações “a torto e a direito”!!!! É questão de segurança populacional do povo do Vale do Itajaí, e este, não pode ficar refém de 3 centenas de vagabundos!!!