Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Ufsc realiza eleição do novo Reitor: 4 candidatos querem mudanças

21 de outubro de 2015 4
Foto: Guto Kuerten / Agência RBS

Foto: Guto Kuerten / Agência RBS

As eleições para escolha do novo reitor da Universidade Federal de Santa Catarina já tem um indicativo de mudança. São quatro candidatos que desfraldaram a bandeira da renovação contra a atual reitora, a professora Roselane Neckel, que luta pela reeleição. Os cerca de 39 mil eleitores que hoje participam do processo decidirão se o comando da Universidade Federal terá continuidade ou se tomará novos rumos.
São quatro os candidatos contra a atual gestão, considerada desastrosa pelos líderes da própria Ufsc e envolvida mais em polêmicas do que em eventos produtivos em favor da formação acadêmica e do desenvolvimento de Santa Catarina. Disputarão a preferência dos eleitores os professores Luiz Carlos Cancelier de Olivo - Centro de Ciências Jurídicas, Claúdio José Amante Ciências da Saúde, Edson Roberto De Pieri - Centro Tecnológico e Irineu Manoel de Souza - Ciências da Administração.
Críticas mais duras contra reitora Roselane Neckel referem-se ao excesso de democratismo petista adotado durante toda a gestão, o que resultou em ineficiência e protelação de decisões de real interesse público, como a novela da rua Antônio Edu Vieira ou a reação contra a ação da Polícia Federal no combate ao tráfico de drogas. O mais contundente, contudo, é esta discussão interminável e trágica sobre a adesão do Hospital Universitário à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. Há três penosos anos não há decisão, mais de 100 leitos estão fechados, serviços essenciais suspensos e agora ameaça de transferência dos doentes transplantados para Porto Alegre, Curitiba e Blumenau. A “consulta as bases”, ouvindo gente que nada entende de saúde, afeta dramaticamente os pacientes que recorrem ao HU-UFSC.
O Hospital Universitário deixou de receber R$ 20 milhões por não ter aderido ao sistema federal. Terá que, em breve, fechar leitos de UTI e da Emergência. Será o primeiro caos democrático da Ufsc.

Comentários

comments

Comentários (4)

  • João De Bona Filho diz: 21 de outubro de 2015

    “Democratismo petista”? Taí um neo-paradoxo… Moacir, a reitora Roselane Neckel personifica com maestria a incompetência petista (em particular) e da esquerda brasileira (de uma forma geral) na gestão da coisa pública. É impressionante o compromisso que estes sindicalistas possuem com o erro! Coloque-os para administrar o deserto do Saara e faltará areia em 3 meses. A UFSC se apequenou nos últimos anos, em muito porque vítima da ideologia rombuda e rasteira que essa gente tem. A sua NÃO reeleição dará um sopro de esperança à comunidade universitária.

  • Carlos Henrique diz: 21 de outubro de 2015

    Nossa, a reitora é petista, que pecado mortal ! Nos dias de hoje, é o que basta para ser apedrejado e enforcado em praça pública, não é mesmo?

    Já pemedebistas, pepistas e tucanos podem ficar tranquilos, porque o bode expiatório já foi encontrado.

  • Wilson Miranda diz: 21 de outubro de 2015

    Será que nas discussões a fumaça era de produto vencido? Deixar fechar leitos hospitalares é típico de gestor que não se preocupa com a população – falo de forma ampla – população paciente (o doente) e população de estudantes com necessidades de aprender e aplicar seus conhecimentos adquiridos. Infelizmente quem não necessita disso faz descaso. Pior é passar uma gestão preocupada em defender traficantes e não defender a universidade ou se preocupar realmente com a gestão dela. Por isso defendem os 4 candidatos a mudança. Pelo visto será para melhor. Ser reitor de uma UFSC não é ser síndico de um prédio, ai tem mais problemas e dinheiro que muitas cidades.

  • luiz carlos prestes diz: 21 de outubro de 2015

    Defina UFSC : Ex Universidade. Atualmente repleta de esquerdistas, comunistas e maconheiros em geral.
    Ser PTista é sim um crime. O único partido que considera como heróis, ladrões e estupradores.
    Fora PT
    Fora Dilma
    Fora Comunistas