Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "PT"

Ministro sugere renúncia tripla

21 de outubro de 2015 2
Foto: Nelson Júnior / STF

Foto: Nelson Júnior / STF

Ministro Marco Aurélio Melo defendeu, durante participação no Roda Viva, da TV-Cultura, a renúncia da presidente Dilma Rousseff (PT), do vice Michel Temer (PMDB) e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB). Acha que isto não deve acontecer, mas está certo de que seria uma excelente saída para a grave crise, sem traumas.

Operação Enredados: Horst Doering e Luiz Sabanay são demitidos dos cargos

16 de outubro de 2015 1

 

Policia Federal executa operação Enredados e faz busca e aprensão de documentos no Sindipi. Foto: Marcos Porto / Agência RBS

Policia Federal executa operação Enredados e faz busca e aprensão de documentos no Sindipi. Foto: Marcos Porto / Agência RBS

O superintendente do Ministério da Pesca em Santa Catarina, Hortz Doering, foi demitido do cargo. A informação foi confirmada pela assessoria do antigo Ministério da Pesca em Brasília. O nome do substituto não foi anunciado. Horst Doering é um dos históricos do PT e ligado à ex-ministra Ideli Salvati, também madrinha do ex-superintendente do Ibama, Américo Tunes, preso ontem em Florianópolis pela Polícia Federal na Operação Enredados.
Em Florianópolis, ninguém informa qual a situação da Superintendência. Uma funciona diz apenas que o ex-superintendente encontra-se fora do Estado.
Também no extinto Ministério da Pesca foi confirmada a exoneração de outro petista histórico de Santa Catarina, Luiz Alberto de Mendonça Sabanay, que trabalhou durante anos com a ministra Ideli Salvati no Palácio do Planalto e ultimamente atuava como Assessor Especial de Assuntos Estratégicos do Ministro da Pesca. Ele também foi alcançado pela Operação Enredados.

Sindipi lança nota oficial sobre Operação Enredados

Petistas de SC alcançados pela Operação Enredados

Delator complica Cunha e cita Lula na Lava-Jato

16 de outubro de 2015 1

Do blog de Josias de Souza, no UOL:
“Em depoimentos prestados à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República na condição de delator premiado, Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB nos desvios da Petrobras, complicou a situação de Eduardo Cunha e citou Lula. Os dados foram divulgados na noite desta quinta-feira pelo ‘Jornal Nacional’.

Já se sabia que Cunha fora acusado de receber US$ 5 milhões de propina em contratos para a fabricação de navios-sonda da Petrobras. Baiano confirmou essa denúncia, feita por outro delator, o consultor Júlio Camargo. E detalhou como o pagamento foi feito. Contou que uma parte foi repassada a Cunha em dinheiro vivo.

Baiano contou que ele próprio se encarregou de levar entre R$ 1 milhão e R$ 1,5 milhão ao escritório de Cunha, no Rio. Deu-se em outubro de 2011. O dinheiro foi entregue a uma pessoa chamada Altair.

O delator disse também nos depoimentos que dispunha de um celular utilizado exclusivamente para conversar com determinadas pessoas sobre propinas. Entre essas pessoas estava Eduardo Cunha.

Segundo Baiano, o atual presidente da Câmara tratava diretamente com ele dos negócios ilícitos. Chegou mesmo a enviar e-mail com tabela especificando o que já havia sido pago e os valores pendentes. Baiano informou que apresentará provas.

Noutro depoimento, ocorrido no mês passado, Baiano citou Lula. Relatou que operava para que a empresa OSX participasse de negócios da Sete Brasil com a Petrobras. Os contratos tinham relação com a exploração do óleo do pré-sal.

Durante a negociação, disse Baiano aos investigadores, ele pediu ajuda ao advogado José Carlos Bumlai, amigo de Lula. Segundo Baiano, o próprio Lula participou de reuniões com a Sete Brasil, para defender que a OSX fosse incluída no negócio.

As negociações não prosperaram. Ainda assim, José Carlos Bumlai cobrou uma comissão. Coisa de R$ 3 milhões. Segundo Baiano, o amigo de Lula disse que o dinheiro seria repassado a uma nora de Lula, para que ela liquidasse uma dívida referente à parcela de um imóvel.

Baiano afirmou ter repassado a Bumlai R$ 2 milhões. Fez isso por meio de contratos frios de aluguel de equipamentos de uma empresa do amigo de Lula.

Procurado, Lula disse que jamais atuou como intermediário de empresas. E que nunca autorizou José Carlos Bumlai a usar o seu nome em qualquer tipo de lobby. De resto, o ex-presidente declarou que nenhuma de suas quatro noras recebeu dinheiro de Fernando Baiano.

Ouvido, Cunha também negou as acusações de Baiano. Voltou a reclamar do que chama de “vazamento seletivo” de informações que deveriam ser mantidas em sigilo.”

Miltom Mendes analisa Operação Enredados em SC

16 de outubro de 2015 2

O presidente interino do PT, Miltom Mendes de Oliveira, teve duas reações sobre a Operação Enredados, que envolveu três petistas de Santa Catarina. Disse que, em primeiro lugar, o governo cumpre sua missão de combater fraudes em todo o Brasil. Segundo, é preciso aguardar as investigações sem pré-julgamentos. Lamentou, também, que a imagem do partido seja atingida por estas denúncias.

Petistas de SC alcançados pela Operação Enredados

15 de outubro de 2015 8

Além da prisão do superintendente do Ibama em Santa Catarina, Américo Tunes, dois outros petistas históricos foram alcançados pela Operação Enredados da Polícia Federal. São eles, o superintendente do Ministério da Pesca em Santa Catarina, Horst Doering, liderança do PT presente nas últimas campanhas e atuação no Diretório Estadual. Ele atua em Florianópolis. E Luiz Alberto de Mendonça Sabanay, Chefe de Assuntos Estratégicos e Relações Institucionais do Ministério da Pesca, que atua em Brasilia.

Américo Tunes é demitido da Superintendência do Ibama em SC

O SOS dos municípios falidos

14 de outubro de 2015 5
Governador Raimundo Colombo fala na abertura de encontro. Foto: Betina Humeres / Agência RBS

Governador Raimundo Colombo fala na abertura de encontro. Foto: Betina Humeres / Agência RBS

Insolvência, falência, liquidação, inviabilidade – foram algumas das palavras mais repetidas no encontro dos prefeitos da região sul, que se realiza na Associação Catarinense de Medicina.
Em situação financeira crítica as prefeituras já vinham há muito tempo. Resultado da absurda concentração da arrecadação em Brasília. A Constituição Federal de 1988 previu uma repartição menos injusta, com redistribuição dos impostos federais. O governo FHC, contudo, inaugurou a fase do centralismo, criando as famosas Contribuições, em que todo o produto da receita fical com a União Federal. E nada para Estados e Municípios. Os tres governos do PT ampliaram ainda mais esta concentração tributária. Para agravar, transferiram mais encargos e serviços aos municípios, em áreas que exigem mais recursos, como saúde e educação. A matemática não fechou.
Veio a crise econômica e o cenário de caos financeiro. Mais de 90% das prefeituras de Santa Catarina – denunciaram vários prefeitos – estão estourando os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal. Com a queda na receita, o enquadramento dos prefeitos em práticas ilícitas será questão de tempo.
No agravamento deste ano, a marca do governo da presidente Dilma, que gastou o que não tinha para viabilizar a reeleição, aplicou pedaladas irresponsáveis e fez uma campanha recheada de mentiras sobre o cenário econômico. O PT e seus aliados, literalmente, compravam os votos dos pobres com projetos que não tinham base no orçamento.
Por isso, “o modelo faliu”, como proclamou no encontro dos prefeitos o presidente da Assembleia, Gelson Merísio.

PSDB, PSD e PMDB são contra o projeto de privatização da Celesc

07 de outubro de 2015 12
Foto: Marcio Becker/ Agência RBS

Foto: Marcio Becker/ Agência RBS

Moção apresentada pelo deputado estadual Dirceu Dresch (PT)  contra o Projeto de Lei 555/2015, em trâmite no senado,  recebeu forte manifestação de apoio das bancadas do PMDB, PSDB , PSD, PT  e de parlamentares de outros partidos, durante  votação no plenário, na tarde desta terça-feira (6). Conforme Dresch, o projeto abre o capital acionário de empresas públicas e pode possibilitar a privatização de empresas como a Celesc. A moção foi aprovada por unanimidade e será enviada ao presidente do Senado, solicitando a retirada da matéria de tramitação e sua rejeição.
O projeto 555/2015 tramita em regime de urgência no Senado Federal e pode ser votado nos próximos dias. Dispõe sobre a responsabilidade das sociedades de economia mista e empresas públicas nos estados, Distrito Federal e municípios.  Conforme Dresch, o projeto estabelece um prazo de dez anos para que as ações preferenciais, sem direito a voto, sejam convertidas em ações ordinárias, com direito a voto.  Na prática, a proposta abre o capital acionário das  empresas públicas e possibilita que acionistas hoje minoritários assumam a direção de empresas estatais como a Celesc.

Durante a votação da moção, os deputados Antonio Aguiar (PMDB),  Fernando Coruja (PMDB), Leonel Pavan (PSDB) e Darci de Matos (PSD) ocuparam o microfone de aparte para manifestar apoio à proposta em nome de suas bancadas.

“No caso da Celesc,  isso pode significar a privatização da empresa, já que o governo do Estado tem o controle da empresa  por ter a maioria das ações ordinárias. Se as ações preferenciais forem convertidas em ordinárias, os acionistas é que  vão assumir o controle.  A estimativa é que para manter o controle da empresa o governo teria que comprar um volume muito grande ações, em uma operação que pode ultrapassar  R$ 2 bilhões, algo impossível no momento”, explicou o deputado.

Além de transformar as empresas públicas em sociedades anônimas, o PL 555/2015 define que os conselhos de administração das estatais deverão contar com a presença mínima de 20% de membros independentes e seus integrantes serão impedidos de manter relações sindicais, partidárias ou de parentesco com pessoas no comando do Poder Executivo ou da própria empresa. “O projeto tem pontos positivos na questão de governança e da transparência, mas aumenta a interferência de acionistas nas empresas públicas. Iss significa ingerência do capital sobre ações de governo. O lucro vai prevalecer nas ações estratégicas de uma estatal e não mais o interesse público”, critica Dresch.

 

Deputado Décio Lima transfere domicílio eleitoral para Itajaí

29 de setembro de 2015 3
Foto: Luis Macedo

Foto: Luis Macedo

O deputado federal Décio Lima, do PT, formalizou a transferência de domicílio eleitoral de Blumenau para Itajaí. Indicativo forte de que deverá concorrer ao cargo de prefeito nas eleições de 2016. Se confirmada a decisão, pode ferir de morte o projeto do ex-deputado Volnei Morastoni, que deixou o PT e se filiou ao PMDB.

Prefeito do PT filia-se ao PP

28 de setembro de 2015 Comentários desativados

Esperidião Amin (PP) continua correndo pelo Estado. Esteve sexta em Joinville, Três Barras, Mafra e Canoinhas, em reuniões políticas e proferindo palestras. No sábado (26), visitou Rio do Sul, Ituporanga, Presidente Getúlio e Brusque. Avalizou centenas de adesões, entre elas, a do prefeito de Braço do Trombudo, médico Charles Shwambach, que cancelou inscrição no PT e se filiou no PP.

Família Morastoni deixa PT e se filia no PMDB

07 de setembro de 2015 9

O ex-deputado Volnei Morastoni e seu filho o vereador Tiago Morastoni, decidiram cancelar inscrição no PT e se filiarão ao PMDB. O ato está marcado para o dia 14 de setembro, as 19h30m, na Câmara Municipal de Itajaí. Volnei foi presidente da Assembleia e Tiago candidato a vice na chapa de Cláudio Vignatti am 2014.

Volnei Morastoni avalia desfiliação do PT

Morastoni e o projeto do PSD em Itajaí