Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2014

Encontro regional da 7ªRT

27 de março de 2014 0

Passo Fundo, 12 de março de 2014.

Prezado(a) Companheiro(a)

A Coordenadoria da 7ª Região Tradicionalista convida os Senhores Patrões,  Patroas, e demais lideranças para o 215° ENCONTRO REGIONAL  DE  PATRÕES  E  LIDERANÇAS TRADICIONALISTAS, a realizar-se no dia  30 de março de 2014 (domingo), no CTG Lalau Miranda, sito a Rua Uruguai, 11 A, na cidade de Passo Fundo/RS, com início às 09 horas, tendo a seguinte ordem do dia:
08hs e 30 min: Credenciamento
09 hs: Abertura
09hs e 30 min: Inicio dos trabalhos da pauta:
1. Entrega dos relatórios Semana da Paz;
2. Calendário de Eventos ,Alvarás, Cartões e Resoluções;
3. Festa Campeira Regional e Estadual;
4. Regulamento ENART e Enartinho Regional 2014;
5. Relato da Reunião do Depto Cultural das Entidades;
6. Assuntos Gerais.
7. Almoço.

Evento Cultural: Paralelo ao Encontro Regional de Lideranças, será realizado o XVI Seminário Regional de Prendas e Peões com os temas:
PRENDAS: Festejos Juninos RS
PEÕES: Conhecendo a lida de Galpão.
Serão os últimos eventos com direito a certificado antes dos Concursos Regionais de Prendas e Peões.
Observações importantes:
Solicitamos aos Ilustres Patrões(oas), que na impossibilidade de comparecer, envie representante credenciado por escrito. A sua participação será importante para o fortalecimento das atividades da 7ª Região Tradicionalista.
Lembramos os Senhores(as) Patrões(oas) que continua em vigor a Portaria 01/2011, que estabelece a presença de 70% nos Encontros Regionais, para a realização de atividades campeiras.
Sem outro particular para o momento, despeço-me com;
Saudações Tradicionalistas,

 

Gilda Galeazzi
Coordenadora

UM “CLUBE” CHAMADO MTG

26 de março de 2014 0

          De vez em quando o Movimento Tradicionalista Gaúcho se vê envolvido em polêmicas que brotam, invariavelmente, de interesses de ordem econômica por algumas pessoas que ao invés de servirem à tradição, se servem dela.

          A bronca do momento está na área do tiro de laço. Primeiro surge um grupo de “rebeldes”, descontentes com as regras que foram adotadas por vontade da maioria – claro que esses descontentes não são a maioria. Depois surgem os que têm o objetivo primordial de ter vantagem financeira. Com eles outro grupo se junta: aqueles que têm interesse político. Todos juntos formam um pequeno contingente que tem clareza nos seus objetivos, são bons de conversa, sabem usar os argumentos que lhes convém para ganhar a companhia de outros que acreditam até que Papai Noel existe.

          Não são muitos, mas são barulhentos e bem articulados. Eles transitam pelos gabinetes e “vendem” a ideia de que representam a maioria. Há quem lhes dê crédito, por boa fé ou por ver nisso a possibilidade de ter alguma vantagem.

           A pregação é clara e se traduz por algumas frases, como: “o tiro de laço deve ser considerado um esporte”; “como esporte o tiro de laço deve ser organizado por uma federação”; “na área do esporte há dinheiro sobrando no Brasil”; “nós, do novo sistema, somos os verdadeiros defensores dos laçadores”. Essas e outras pérolas estão sendo ouvidas nos rodeios e lidas nas redes sociais.

          Quando o MTG, pelas suas instâncias constituídas, se levanta e aplica o regulamento, eles empunham a Constituição e gritam forte: “temos o direito de ir e vir”; “não podem nos tirar o direito de fazer o que quisermos”; “vivemos numa democracia e exigimos nossos direitos”. Pois eles têm toda a razão, pois vejamos:

  1. O MTG é um clube, uma associação privada, que conta somente com associados voluntários, ou seja, não obriga ninguém e, assim, respeita o direito de ir e vir;
  2. O MTG defende vigorosamente o direito de escolha das pessoas. Somente participam dos seus quadros as entidades que desejarem e orienta a que cada entidade filiada somente mantenha nos seus registros as pessoas que livremente escolherem ser associados;
  3. O MTG decide tudo no voto. Tudo é discutido, a maioria vence e daí, surgem os regulamentos que, democraticamente, são elaborados e, da mesma forma, aplicados. Quem não concorda com os regulamentos podem procurar outras associações e se quiserem impor seus próprios regulamentos, criam suas próprias entidades.

Desta forma, me parece que ficamos bem entendidos. O MTG é uma associação composta de entidades livres que, por sua vez, conta com associados voluntários, com isso estabelece as suas próprias regras. É bom lembrar que, no momento que nos associamos a um clube qualquer, assumimos o compromisso de cumprir e fazer cumprir as normas do estatuto e dos seus regulamentos. No MTG até juramento se faz sobre isso.

Será que um clube de futebol, não filiado à FGF, pode participar do campeonato gaúcho? Será que um atleta não registrado na CBF pode jogar no Esporte Clube Passo Fundo? Será que um juiz registrado na FGF pode apitar o campeonato catarinense sem autorização da Federação Gaúcha?

Uma das regras definidas e consolidadas no artigo 29, inciso IX, do Regulamento Geral e reafirmada no artigo 100 do Regulamento Campeiro é a de que os filiados ao MTG não participam de eventos de entidades não filiadas e não permitem que não filiados participem dos seus eventos. É uma regra clara e que se impõe a todos.

Quem não concorda com a regra tem dois caminhos: cumpre e tenta mudá-la pelos caminhos legais, ou garante o seu “direito de ir e vir” e vai!