Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Thumbnail

Gerir é preciso. Sair da crise é preciso

Hoje o Blog traz um artigo do diretor do curso...

Thumbnail

A grande empresa pode ser uma startup fracassada

Por Maximiliano Carlomagno* Eu estava num voo da TAM, as...

Thumbnail

Nova loja da Kellogg’s em NY quer inovar indústria de cereais

Por Fernando Naiditch* A Kellogg’s acaba de abrir a primeira loja...

Thumbnail

Marcas exploram muitas faces do Rio nas Olimpíadas

  Fim da Copa do Mundo de 2014.  A empresa...

Thumbnail

Febravar aponta oportunidades do varejo

Os corredores da 4a Febravar, no Centro de Eventos do BarraShoppingSul,...

Gerir é preciso. Sair da crise é preciso

22 de julho de 2016 0

Hoje o Blog traz um artigo do diretor do curso de Administração da ESPM-SUL sobre gestão em tempos de crise.

Por Roberto Salazar*

foto_1903

Roberto Salazar – foto de Marcelo Amaral

De tempos em tempos somos assolados por alguma crise. Estas são cíclicas. Desde os tempos, talvez, da descoberta deste país. Vivemos quase como malabaristas numa corda bamba. Ora nos equilibramos de um lado, ora de outro. Temos apenas uma certeza: podemos cair a qualquer momento. E, provavelmente, lá embaixo não haverá rede para nos segurar. É em momentos como esse que saltam ideias mirabolantes, criam-se conceitos temporários. Busca-se reduzir custos. Evita-se gerar novas despesas. Reduz-se pessoal. E, por fim, atribui-se ao mercado e ao cliente, em outra medida, problemas para encerrar as atividades e fechar a empresa. Alguns empresários se recorrem a manuais (aliás, fartos, hoje em dia) de sobrevivência do seu negócio. Por vezes, gastam mais tempo e dinheiro com consultorias externas e com projetos “inovadores”, do que em analisar sua forma de gerir o seu próprio negócio. Por vezes, só lembram do apoio externo quando as coisas perderam o rumo. E é este o grande ponto que resulta em importantes questionamentos. O que tenho feito para melhorar a gestão da empresa ao longo da sua existência? Como tenho analisado as mudanças de mercado? Quais são os principais sinais da necessidade de mudanças? Tenho observado, ao logo de mais de 25 anos de experiência, circulando entre o meio acadêmico e as atividades da minha empresa de consultoria, que o grande problema das empresas de diversos portes é a ‘Gestão’. A falta de planejamento, aliada à pequena procura por acrescentar novos modelos de gestão diferenciados, tem feito vítimas e mais vítimas empresariais. O sucesso que trouxe a empresa até os dias de hoje, não garante o sucesso de amanhã. Tenho conectado com empresários que resistem (especialmente em empresas de origem familiar, base considerável na economia gaúcha), a fazer a “lição de casa”. Perdem mais tempo buscando explicações para sua falta de visão sobre as mudanças pelas quais o mundo vem passando, do que realmente pensar sobre o seu negócio. A velocidade que os jovens tem no acesso a novas tecnologias, certamente, base de seus consumidores hoje ou amanhã, pouco tem sido reconhecida. Não gostaria de listar uma receita de bolo, até porque não existe isto. Mas, faz-se necessário observar alguns elementos cruciais neste processo: – Não se dobrar a modismos temporários de gestão de curto prazo; - Buscar atualização constante, incluindo aplicar conteúdos acadêmicos e de pesquisas sérias no seu negócio; - Estar aberto a entender o comportamento do consumidor: - Analisar profundamente impactos, em nível de legislação, que possam provocar riscos futuros; - Elaborar um plano de Gestão de Pessoas robusto que atraia e mantenha talentos na empresa; - Aceitar as mudanças deste tempo em que vivemos; - Planejar, planejar e planejar. Assim, é premente, colocar a cabeça no negócio e parar de reclamar da sorte. Afinal, gerir é preciso! E sair da crise, mais ainda! * Roberto Salazar é Mestre em Administração e Negócios. Diretor do Curso de Administração da ESPM-SUL, é membro da Câmara de Ensino do CRA-RS, Representante Regional da ANGRAD (Associação do Cursos de Graduação em Administração) e Sócio- Diretor do CFT – Centro de Formação e Treinamento.

Marcas exploram muitas faces do Rio nas Olimpíadas

20 de julho de 2016 0

 

foto_1939

Fim da Copa do Mundo de 2014.  A empresa de material esportivo Nike se adianta a suas concorrentes e lança o primeiro comercial para as Olimpíadas Rio 2016. Com o título O Amanhã Começa Agora”a peça publicitária trouxe imagens de atletas olímpicos brasileiros se preparando para a competição. A propaganda fazia parte da série “Ouse Ser Brasileiro”, lançada pela empresa especialmente para a Copa.

Dois anos depois, uma cidade se projeta, olha pra frente e se prepara para um grande salto. A city leaps forward  Rio 2016™ Olympic Games  é um dos trailers oficiais que apresentam a Cidade Maravilhosa para atletas e visitantes que estarão no Rio de Janeiro entre os dias 05 e 21 de agosto para ver ou participar dos Jogos Olímpicos. Mas, se este trailer, assim como uma série de outros, além de dezenas de propagandas de diversas marcas de centenas de produtos, enaltecem as belezas da capital carioca, há outros tantos que apontam cenários nem tão bonitos assim. Ou nem tão reais.

Para promover a cobertura dos Jogos, que terão mais de 300 provas que valerão medalhas — 136 femininas, 161 masculinas e nove mistas –,   para os britânicos, a BBC, por exemplo, mostra diversos animais se transformando em atletas de elite no Parque Nacional da Tijuca. Tem macaco-prego, quati, guaxinim, tatu e tamanduá e até onça e pantera!!  Veja aqui.

Um comercial norueguês resolveu mostrar um Rio de Janeiro mais ‘realista’. A campanha da marca esportiva XXL Sport & Villmark se passa em uma favela. No vídeo “Sport Unites All”, um menino, que encontra uma carteira perdida, é tratado como ladrão pela polícia, que o persegue pelas ruas da comunidade, sem dar espaço para explicações. O dono da carteira é Ronaldinho Gaúcho, que se apresenta e salva o dia. O  vídeo termina com uma pelada na praia entre menino, Ronaldinho e  os policiais.

Segundo um comunicado divulgado pela marca, após a polêmica gerada pelo comercial ‘o esporte cria esperança em face de um cotidiano difícil para muitas pessoas. No Brasil todos amam futebol, quase sem exceção. Jogar futebol ou outro esporte é definitivamente algo positivo. Pode superar obstáculos e resolver conflitos’.

Entre tantas formas de mostrar o Rio de Janeiro ao mundo, sobrou espaço para a avacalhação chinesa: um vídeo produzido pela TomoNews, um site chinês que faz animações a partir de notícias e que se pretende uma mistura de realidade jornalística e humor, com  o objetivo de criar polêmica e ganhar dinheiro dos anunciantes por conta da audiência, passou dos limites ao retratar o Brasil com imagens grotescas.

esportes1

As modalidades Olímpicas

Apesar de todos os problemas que cercam as Olimpíadas no Brasil —  do risco dos atletas pegarem alguma enfermidade em provas nas águas poluídas da cidade ou serem picados por algum mosquito transmissor de doenças até o perigo de assaltos ou mesmo de atentado terrorista –, o fato é que será a primeira vez que os Jogos Olímpicos serão sediados na América do Sul, a segunda vez na América Latina, depois da Cidade do México, em 1968 e a terceira vez que acontecerão no hemisfério sul, depois de Melbourne 1956 e Sydney 2000.  A escolha do Rio de Janeiro como sede foi feita durante a 121ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional, que aconteceu em Copenhague, Dinamarca, em 2 de outubro de 2009. E agora é torcer para que o custoXbenefício favoreça o país. Ou pelo menos, a cidade do Rio.

Além de apostar em comerciais criativos, as fabricantes também se mobilizam para realizar ações e promoções durante os Jogos Olímpicos. A Skol, por exemplo, a cerveja líder no mercado, anuncia a maior promoção dos Jogos Rio 2016. A marca vai incentivar o consumidor a se divertir e fazer festa, além de assistir aos Jogos. Apoiadora dos Jogos Olímpicos Rio 2016, a empresa criou a Delegação Skol, um time de 400 consumidores que vão vivenciar as melhores festas durante o evento. A promoção é a maior já feita pela marca totalizando 10 mil prêmios.

A ‘Delegação’ ficará hospedada em um camping preparado exclusivamente para ela na Vila da Delegação Skol. A Vila será um espaço para três mil pessoas, montado no Museu de Arte Moderna do Rio, às margens da Baía de Guanabara e abrirá suas portas para o público geral no dia 04 de agosto. Ali haverá atrações musicais e transmissão dos jogos para os frequentadores. Tropkillaz, responsável pelo remix da música tema da Olímpiada Rio 2016, Karol Conka, Omulu e Heavy Baile comandarão a festa da em cima do palco de 9 metros.

A Vila Skol abre as portas a partir das 18h00 no dia 04.08, e a partir das 15h nos demais dias.

foto_1918

Vila Skol Palco

 

'Sinaleira' de indicadores pode ajudar RS a avançar

18 de julho de 2016 0

E se houvesse uma sinaleira do Rio Grande do Sul? Um sinal em cada “esquina” do Estado para mostrar onde podemos avançar e onde devemos ter atenção?

Por Ronald Krummenauer*

Quando surgiu, há dez anos, a Agenda 2020 teve como maior propósito ajudar a tornar o Rio Grande do Sul o melhor estado para se viver e trabalhar até o ano de 2020. Num grande evento na Fiergs, mais de 900 voluntários traçaram objetivos e mecanismos para alcançá-los, numa cooperação entre as iniciativas pública e privada. A partir daí, a Agenda estruturou-se em 11 temas, organizados na forma de fóruns temáticos, e neles foram distribuídos os voluntários que contribuem nas suas áreas de interesse.

Desde o início, houve uma forte atuação junto aos diferentes governos que estiveram à frente do Piratini. Tendo como base as prioridades elencadas pelos voluntários, a Agenda se propõe a colaborar com um projeto de estado que transponha os simples quatro anos de uma gestão e pense o Rio Grande do Sul num médio e longo prazo.

Nos anos de 2006, 2010 e 2014, o movimento entregou aos candidatos ao governo do estado um caderno de propostas que sempre englobou, em cada momento, o que se acreditava ser prioritário para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul.

Em 2014, num movimento novo, a Agenda 2020 passou a ter agendas regionais que discutiam as potencialidades e deficiências das diferentes regiões do estado. Várias delas foram visitadas e todo o material levantado também serviu de base para a elaboração das propostas para os postulantes ao Piratini naquele ano.

sinaleira

 

A Agenda sempre estudou muitos números, dados, indicadores, fez cruzamentos, debateu isso com voluntários. Mas não havia, até o ano passado, um ambiente de fácil acesso que reunisse todas essas informações. Aí surgiu a ideia da Sinaleira 2020, um espaço dentro do site da Agenda que reúne mais de 90 indicadores do RS e dos 50 maiores municípios do estado e os classifica nas cores verde, amarelo e vermelho.

A Sinaleira é a base das apresentações que estão sendo feitas no interior do estado e Região Metropolitana nos Desafios das Cidades. Pela primeira vez, o foco dos encontros da Agenda com as comunidades locais é, especificamente, debater o panorama socioeconômico dos municípios. Com isso, também, se busca dar um embasamento técnico maior nas discussões que devem ser travadas no segundo semestre por conta das eleições municipais de outubro.

Hoje, portanto, a Agenda 2020 mantém articulações de maneira ostensiva com o Governo do Estado, a fim de implementar algumas medidas que entende necessárias, como a Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual, do ano passado, e a Lei de Concessões, deste ano. Além disso, estuda e acompanha as evoluções dos maiores municípios do estado, correspondentes a cerca de 70% da população gaúcha.
A secretaria executiva da Agenda é formada por apenas sete pessoas e é sustentada através da doação dos mantenedores.

ronald

* Ronald Krummenauer é Diretor Executivo da Pólo RS – Agência de Desenvolvimento (ONG) – desde 1999 e, a partir de 2006, é também Diretor Executivo da Agenda 2020

 

Remed aposta na venda de medicamentos especiais

14 de julho de 2016 0

 

LOGO

Sabe aquela medicação difícil de encontrar? O mais novo remédio lançado no mercado? Aquele comprimido que substitui a quimioterapia? A última novidade em tratamento para determinada doença só disponível no exterior? Até mesmo o mais novo achado para fazer reposição hormonal? A Remed tem. Se não tiver, consegue. Oferecer medicamentos de alta complexidade foi o nicho escolhido pelo casal Rubens Machado e Simone Koch que, há cinco anos, apostaram num novo negócio que pode ser resumido como a solução para o acesso a qualquer medicamento especial.

Após trabalharem por duas décadas na indústria farmacêutica, em empresas como Pfizer e Bristol, eles perceberam que as grandes redes de farmácia dificilmente disponibilizam produtos com alto valor agregado mas que pouco giram nas prateleiras. “Há medicações especiais para tratamentos de três meses que podem custar 300 mil reais”, diz Machado, administrador de empresas com especialização em gestão de negócios.

São produtos que não podem ficar armazenados por muito tempo e sem cuidados específicos. Ou seja, há dois tipos de medicamentos: os do dia a dia, encontrados facilmente na rede de varejo (mais de 70 mil itens diferentes) e os considerados especiais, inovadores e de alta tecnologia, que em sua maioria tratam patologias complexas. Hoje há cerca de 2 mil novos medicamentos deste tipo no Brasil, mais de 300 deles disponíveis para pronta entrega na Remed. “Se não tivermos no estoque, conseguimos muito rapidamente e entregamos em até 48 horas”, diz Machado. “Surgiu algo inovador? A farmácia da esquina ainda não tem. Mas eu tenho”.

Rubens Machado, divulgação

Rubens Machado – Diretor Comercial Remed – Foto Divulgação

Os medicamentos complexos existem cada vez em maior número. A indústria farmacêutica está evoluindo muito rapidamente nos últimos anos. A ciência vem trazendo a público novas moléculas, aumentando a chance de cura de doenças graves e melhorando a qualidade de vida das pessoas. Só que, na maior parte das vezes, o paciente passa por certas dificuldades na hora de buscar o medicamento que precisa para iniciar o seu tratamento. “Observando essa evolução, encontramos alguns impasses comuns com que os pacientes se deparam: como posso ter acesso rápido a essas terapias? Os cuidados de armazenamento, que são necessários para essas novas moléculas, podem ser atendidos por farmácias de varejo? Devido aos altos custos dessas terapias, é possível um paciente iniciar e /ou seguir o tratamento proposto?”, diz Machado.

Muitos desses remédios têm custo elevado em razão do alto investimento em pesquisa e por requererem armazenagem, transporte e manuseio diferenciados. Muitas vezes, são moléculas novas, desenvolvidas para um tipo específico de doença, podendo até mesmo serem específicos para uma determinada região do corpo humano. Esses medicamentos destinam-se a diferentes áreas médicas, como cardiologia, endocrinologia, gastro, hepato, ginecologia, hematologia, mastologia, ortopedia, oncologia, oftalmologia, pneumologia, reumatologia, neurologia, reprodução humana, urologia e outras.

A Remed acompanha tudo que acontece em todas essas áreas. Apenas em 2015, aponta Machado, surgiram 18 novas moléculas (medicamentos) no Brasil somente para tratamento de câncer, hepatites e diabetes. O contato próximo com a indústria garante à empresa a capacidade de assessorar e indicar os caminhos para que o paciente tenha acesso rápido a medicamentos considerados especiais, aumentando a possibilidade de dar continuidade ao tratamento e, consequentemente, elevando as chances de sucesso na terapia.

Além disso, a Remed tem uma equipe que atende às solicitações por telefone e tira todas as dúvidas dos pacientes e há um grupo de representantes que visitam os médicos especialistas para mostrar o que a empresa faz e colocar toda sua estrutura à disposição.
São vários os benefícios de buscar uma farmácia especializada em medicamentos de alta complexidade. O paciente recebe atendimento especializado, estrutura logística privilegiada e suporte farmacêutico integral.

A Remed está instalada em cidades estratégicas para melhor distribuição dos seus produtos para todo o estado do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina (Porto Alegre, Caxias e Florianópolis). Para outros estados, fornece através da estrutura logística e parceiros habilitados (entregadores, transportadoras, Sedex, transporte aéreo), conseguindo atender todo o Brasil em 48 horas. Em razão do relacionamento da empresa com a rede de distribuição deste tipo de medicamento, a entrega se dará em menor tempo e com valores acessíveis e condições especiais de pagamento.

remed5

Atendimento Remed – Divulgação

Nossa proposta é baseada em uma solução rápida de qualquer impasse no acesso às terapias, com informações precisas, um estoque regularizado que cumpra as regras de armazenamento e o atendimento integral da prescrição médica, tudo dentro das normas estabelecidas pelos órgãos reguladores deste mercado”, diz Machado. E são tantas as normas, que a Remed teve que ampliar sua estrutura original, abrindo novas empresas para dar suporte aos clientes e conseguir absolutamente tudo que eles necessitam.

É o caso dos medicamentos importados. Além da dificuldade em encontrar o fornecedor, há muita burocracia envolvida na compra desses produtos. Por isso, a Remed criou a Rakho-Med, uma empresa que faz assessoria completa para a aquisição de novas terapias disponíveis em todo o mundo.

Para atender clínicas e hospitais, foi aberta a Marca Distribuidora.

Há, ainda, a Imunoclin (em breve no VIVA MALL), especializada em vacinas gerais e que aguarda autorização também para fazer aplicação de medicamentos.

Os diferenciais do Grupo Remed:

- acesso fácil e seguro ao tratamento

- estoque à pronta entrega

- nota fiscal com número do lote e prazo de validade do medicamento

- monitoramento digital 24 horas do estoque (temperatura, umidade) 

Armazenagem Medicamentos - Divulgação

Armazenagem Medicamentos – Divulgação

- embalagens especiais

- assessoria na importação de medicamentos

- distribuição de medicamentos especiais para clínicas e hospitais

- serviço de vacinação de aplicação de medicamentos

- programa de desconto em parceria com os principais laboratórios

- atendimento a operadoras de saúde

remed2

Cuidado especial com cada medicação – Divulgação Remed

Para saber mais ou contatar a Remed:

www.remedsul.com.br

No facebook: remedmedicamentos

Fones: Porto Alegre (51) 3516 9006

Caxias do Sul (54) 3028 6542

Florianópolis (48) 3024 3009

Projeto mistura música e compras no Praia de Belas

12 de julho de 2016 0

DJ

 

Música, comidinhas e um bom desconto são as atrações que a cada quarta-feira uma loja diferente do Shopping Praia de Belas oferece aos clientes, entre 17h às 21h. Intitulado Quarta Shop & Music, o evento oferece boa música, ambiente descontraído e oportunidades de comprar com descontos e aproveitar boas promoções. Ele ocorre semanalmente sempre dentro de uma loja diferente do shopping.

A programação estreiou na última semana e a loja escolhida foi a John John, que ofereceu descontos de até 70% – além de um preview da coleção de verão. Para harmonizar, uma estação de chocolate quente com donuts e casquinhas recheadas de doce de leite, ao som do DJ IG Olliver.

A próxima edição será na Le Lis Blanc  e terá como madrinha a promoter Patti Leivas e trilha sonora comandada pela DJ Analú Giacomolli, que vai embalar o evento com um setlist exclusivo. Os convidados e o público em geral serão recepcionados com uma ilha de clericot e macarons, preparados especialmente para quem visitar a Le Lis Blanc durante a ação, e poderão conferir o lançamento da nova coleção de verão da marca.

O projeto, inovador na cidade, tem a chancela de outras madrinhas e padrinhos cheios de estilo e bossa. Bruna Tramontina, Ki Fornari, Laura Bier, Miltinho Talaveira e Vanessa Martini completam o time de divulgação.

Próximas lojas a promover o Quarta Shop & Music:

13/07 – Quarta Shop&Music – Le Lis Blanc (lançamento da nova coleção)
20/07 – Quarta Shop&Music – Daniel Cassin (até 20% de desconto em itens da nova coleção e 20% de desconto em cima do valor já promocional de peças em SALE. Descontos podem chegar a 60%.)

Mais informações e programação completa www.praiadebelas.com.br

John

Quarta Shop & Music na loja John John – foto de Mauro Stoffel

 

 

 

 

 

 

 

Febravar aponta oportunidades do varejo

08 de julho de 2016 0

Os corredores da 4a Febravar, no Centro de Eventos do BarraShoppingSul, em Porto Alegre, ficaram congestionados nos dois primeiros dias de um dos maiores eventos do varejo nacional. Até esta sexta, 6 mil pessoas deverão passar pelos estandes e participar das palestras, debates e talk shows que, além de mostrar as últimas novidades do setor, estão ajudando os lojistas e seus fornecedores na difícil tarefa de discutir o que vem por aí. O principal foco da feira são as oportunidades. E ainda dá tempo de aproveitar, Até o final do dia, muita coisa boa ainda vai rolar por lá. Abaixo, um mapa da feira para ajudá-lo na sua visita.

MAPA

Febravar Mapa da 4a Febravar – Sindilojas

O que fazer com uma explosão de dados?

A tecnologia da informação  foi o tema que abriu o ciclo de palestras do Congresso Brasileiro do Varejo, que acontece em paralelo à Feira Brasileira do Varejo – Febravar, que começou na manhã de quarta-feira (6). Na conferencia “Como a internet das coisas está revolucionando o mercado na gestão de pessoas”, o CEO da Ahgora Sistemas, Lázaro Malta, falou sobre a adaptação do homem à expansão da Internet das Coisas (IoT), que aumenta muito a quantidade de dados, essa que já vinha crescendo graças à própria internet.

Para Malta, a internet permitiu ao ser humano acessar informação em quantidade nunca antes imaginada e mudou o modo de se relacionar e trabalhar. Cabe observar que, com a comunicação entre objetos, a chamada internet das coisas, a quantidade de dados cresce de forma extrema, pois mesmo que o ser humano produza e consuma seu máximo, ele tem limites. Já uma câmera de vigilância, por exemplo, produz informações 24h. “Há uma explosão de objetos se comunicando, e esse número cresce 35% ao ano”, diz. Previsões indicam que até 2020 serão mais de 50 bilhões de coisas conectadas, ou seja, muito superior à própria população mundial.

Além de simplesmente armazenar – o que já exige esforços – é preciso também pensar na análise destes dados, para que com isso se tomem as decisões. “Para que as coisas se comuniquem, a nuvem será o grande abastecedor e os equipamentos se interligarão com a própria nuvem. A explosão de dados é tão gigante que bancos deverão se atualizar Os tradicionais, tipo container, estão com tempo contado”, destacou.

Diretores de tecnologia vão preparar o terreno para a custódia de dados e o marketing vai pensar no posicionamento do negócio diante de um cenário de volume de informação astronômico comparado a hoje. “É importante saber onde estão e como estão comunicando os bons mercados na gestão de dispositivos e, dessa forma, integrar as informações para a tomada de decisões”, diz Malta.

Mark Zuckerberg brasileiro” fala da era dos pequenos negócios

foto_0734

Gustavo Caetano – Divulgação Febravar

A palestra de Gustavo Caetano, fundador e CEO da Samba Tech, “Inove ou morra tentando”,  declarou: “As empresas grandes estão perdendo seu propósito. Nos próximos 15 anos, 80% delas vão falir. Estamos na era dos pequenos”. Nomeado CEO do Ano pela Revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios, Caetano é considerado pelo MIT como um dos dez jovens mais inovadores do País.

Citando cases de sucesso, como Uber, Netflix, EasyTaxi, ele falou da “era de Davi versus Golias”, ou  da oportunidade do pequeno derrotar o grande. “As novas empresas entram nos mercados tradicionais usando modelos de negócios diferentes. Surgiram os inimigos invisíveis. São os pequenos que estão destruindo os mercados, porque eles resolvem os problemas de uma forma diferente”, di. Para Caetano, é necessário que a mente humana consiga imaginar futuros desruptivos e entender que as pessoas mudaram, estão mais conectadas, participam de grupos diversos e têm mais opções. “Foque em nichos promissores, resolva um problema de forma bem resolvida”.

O CEO chama essa atitude de estratégia dos pinos de boliche, que visa derrubar um pino de cada vez. “Não podemos ser genérico e oferecer algo que sirva para todo mundo”, diz. O CEO falou, ainda, sobre a importância de trabalhar em redes e ter um propósito para inovar, em especial, melhorando a vida das pessoas ou arrumando algo que está errado. Alertou que é necessário conhecer a fundo essa nova geração, que planeja menos e executa mais, assim como, experimentar o seu próprio negócio.  E finalizou: “Dê poder às pessoas, use seu cliente como fonte de inspiração e se diferencie por atributos irrelevantes”.

Pessoas realizadas, Empresas Vencedoras

Esse foi o mote da palestra do sócio-diretor da Fractal Resultados – Consultoria de Gestão, Joaõ de Lima , profissional com mais de 40 anos de experiência como Vice-Presidente de Recursos Humanos e Desenvolvimento Organizacional em empresas como Gerdau e Magnesita/GP Investments. Lima é autor do livro Gestão e Cultura de Resultados - O modelo para gerir e liderar pessoas realizadas e empresas vencedoras, no qual apresenta o  Modelo Fractal de Gestão, ou Triângulo Transformador da Cultura de Resultados, reproduzido abaixo:

triângulo

Modelo Fractal de Gestão – João de Lima

Lima mostrou que não se pode abordar cultura como algo imutável, ligada ao passado. Ele acredita que deve ser possível romper com o passado para manter o foco no negócio, trabalhar sobre estratégia e valores para ter resultados. “É preciso lidar com uma cultura afirmativa que guie para o futuro para, assim, se trabalhar sobre resultados”, afirmou, destacando a importância de um sistema de gestão forte e organizado. O palestrante apontou características objetivas para uma boa liderança: seja concreto, reinvente-se e faça coisas que as pessoas entendam, seja pragmático, simples, exaustivo em foco, disciplinado, justo com os melhores, sensível e responda aos GAPs encontrados, além de ter uma forte gestão de metas. Para ele, pessoas realizadas são o caminho para empresas vencedoras. “A realização leva à adesão, que leva ao comprometimento, que leva ao desempenho, que leva ao resultado”, afirmou.

A polêmica do Shopping Center

Encerrando o primeiro dia de programação no Congresso Brasileiro do Varejo, o painel “Shopping Center: um lugar de lojista. Um novo modelo de parceria” levantou questões polêmicas relacionadas ao modelo atual de relacionamento entre os varejistas e os empreendedores imobiliários. Mediado por Edson de Castro, presidente do Sindivarejista do Distrito Federal e proprietário da Mania de Kilo, um das maiores outlets de Brasília, o painel reuniu representantes de shoppings centers e lojistas.

Carlos Frederico Schmaedecke, proprietário da rede Confraria Masculina, levantou algumas propostas de alteração nos atuais projetos de parceria. Falou sobre a importância da transparência nos custos dos condomínios, sobre a necessidade de uma nova relação contratual, que facilite encerrar um negócio com mais tranquilidade, além de questionar o 13º aluguel, uma cobrança abusiva, na opinião dele, diante do atual cenário econômico. A relação entre lojistas e shoppings também foi destacada por Claudio Luiz Brueckheimer, gerente geral do Boulevard Laçador e Boulevard Assis Brasil.O lojista é o meu primeiro cliente”, diz ele, ressaltando a importância de buscar, em conjunto, soluções para enfrentar a crise.

Como gestor de shopping center, Eduardo Oltramari, superintendente do Shopping Total, defendeu a necessidade de união do setor em busca de linhas de investimentos para o varejo. “Precisamos usar a representatividade das entidades para conquistar esse fomento. Quem mais emprega é o varejo”, diz ele. Henry Chmelnitsky, presidente do Sindicato da Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região, destacou a necessidade de estreitar o relacionamento entre os próprios lojistas. “A união das entidades é importante, mas antes os lojistas devem ter consciência de não resolver os problemas somente de forma individual”, diz.

Imagem Pixabay

Imagem Pixabay

Além da Vitrine

São muitos os elementos que captam e mantém clientes, conforme mostraram a arquiteta Cláudia Barbosa e a consultora de varejo Cristianne Ribas em bate papo sobre “A venda além da vitrine”. Partindo da ideia que o lojista muitas vezes se foca no visual e não trabalha outros sentidos que podem agregar sentimentos à marca, as palestrantes contaram que 83% dos consumidores compram após uma experiência satisfatória.  “Hoje, com todos os aplicativos e informações, é comum as pessoas andarem olhando para o celular. Como a vitrine vai captar um cliente que observa menos  as vitrines?”, pergunta Ribas. O varejo deve ser marcante e sensível ao consumidor, segundo elas, com ambientação que proporcione liberdade e motivação para circulação, acesso confortável, iluminação adequada – luz e sombra podem atrair e fazer o cliente parar – e até um bom posicionamento dos objetos, inclusive na altura.  As palestrantes lembraram que a área de venda não é estática, pode-se remontá-la. “Tem lojista que acha que perde espaço de exposição de produtos com um espaço kids, mas há mulheres que só vão a locais com esta opção”. Ribas lembra que o varejo passa por uma grande transformação. “Nós, como consumidores, mudamos. Não dá pra abrir uma loja e esperar o cliente entrar; é preciso cuidar do pós-venda, de todo o relacionamento”.

Oportunidades e ameaças

Na palestra “Gestão e Inovação – Oportunidades e ameaças para o varejo”, o consultor empresarial Carlos Lopes e a arquiteta e urbanista especialista em varejo Márcia Lopes falaram sobre a necessidade da atenção à concorrência global e ao não consumo, comportamento aparentemente estranho em um mundo tão consumista, mas que é real. Para Lopes, mesmo que a preocupação com a globalização seja uma coisa antiga, ela se mantém atual, basta ver que, apesar da economia em baixa, grandes players globais seguem buscando o mercado brasileiro. “A quantidade de empresas entrando no Brasil, mesmo em crise, triplicou nos últimos anos”, comentou ele. Além do alerta, o consultor indicou a existência de um ambiente de muitas dúvidas: – o relacionamento com os clientes está adequado? – o grau de conexão com a internet das coisas está correto? – o balcão vai resistir?  Tudo isso em paralelo a um cenário de diferentes modelos de gestão e a necessidade de filtrar o que é adequado à própria situação.

O ‘jeito Disney’ é sempre uma inspiração

Imagem Pixabay

Imagem Pixabay

O mundo encantado dos parques da Disney tem mais de 60 mil funcionários só em Orlando, 130 mil em todo o mundo, 120 mil visitantes por dia em Orlando – 70% deles na segunda ou terceira visita. O palestrante diretor da Action Consulting, Alexandre Martins, mostrou aos participantes do Congresso Brasileiro do Varejo, qual é o segredo do sucesso dos parques que fabricam sonhos.

Na palestra “A excelência do atendimento Disney”, ele explicou que um dos segredos é encantar o cliente quando ele está lá, presente no parque.  Trazendo frases de Walt Disney para o universo do varejo, o palestrante exaltou a importância de fazer o simples. “Como ele dizia: ‘o esperto é quem faz o simples”, diz. “O cliente volta quando é engajado emocionalmente, é só criar um relacionamento com o consumidor e entregar a ele mais do que ele espera no ponto de venda”.

Martins trouxe ao público o fator “Uau” do mundo encantado: tudo é construído para surpreender as pessoas. “Uma curiosidade é que chicletes não são vendidos no parque, pois a empresa vende felicidade e, dessa forma, não há o risco das pessoas pisarem num deles. Além disso, os funcionários da Disney são treinados para fazer as pessoas rirem e ser felizes, acenando o tempo inteiro aos visitantes”, conta.

Martins pontuou alguns diferenciais inspiradores do local: show, eficiência, segurança, simplicidade, encantamento, emoção. E citou Walt Disney:  “Não importa o que você faz, faça isso tão bem que quando as pessoas verem você fazendo isto, elas vão querer voltar para ver você fazendo novamente e elas vão querer trazer seus amigos e mostrar para eles o quanto bem você faz.”

“Inoperante, Corrupto, Ineficiente. Assim é o Estado brasileiro”

foto_0736 (1)

Ricardo Boechat – Febravar Divulgação

A frase é do jornalista Ricardo Boechat, que participou de um talk show durante a quarta Febravar e recebeu perguntas do público pré-selecionadas pela equipe do Sindilojas Porto Alegre. O principal tema, como esperado, foi a situação política e econômica brasileira.

Estamos vivendo um mau ano na economia, incitado por um fermento significativo que é a classe política, a qual contribuiu para que isso fosse muito pior. Há crises em todos os lugares, porém, quando o governo cumpre com seu papel, elas duram menos, são superadas mais facilmente, há menos dor e menos traumas. Infelizmente não é o que acontece aqui”, diz. Para ele, a crise brasileira poderia ser muito pior, não fosse pelo fato do Brasil ter agronegócio pioneiro e ser líder global no setor, ter pirâmide etária ainda bastante favorável comparada à Europa, além de não ter problemas gravíssimos que são atribuídos ao mundo, como um estado islâmico e fundamentalismo. “O que há de pior na sociedade brasileira está na política. Não contamos com uma classe dirigente e isso transformou o Estado em um inimigo da população e o principal desafio a ser superado por nós”.

Indagado sobre a classe política como reflexo da população brasileira, o jornalista é claro: “Isso é mentira. A sociedade é muito melhor que qualquer poder estadista. Basta colocar os políticos em um trem lotado às cinco da manhã, em seguida fazer eles pegarem um ônibus nas mesmas condições para chegar no trabalho e receber menos de dois salários mínimos por mês. Submete essa classe política ao que o povo brasileiro é submetido todos os dias do ano”, diz. “Se com privilégios de bem-viver e riquezas, eles são assim, imagina se passarem pelo o que os cidadãos toleram diariamente”.

O alto número de empreendedores que surgiram com a crise também foi tema de perguntas durante o bate-papo. Para Boechat, o empreendedorismo está se impondo como opção única de fazer alguma coisa, procurar um sustento, criando uma série de novas frentes de trabalho. “O criar é filho da dificuldade. As crises são momentos de inovação e de oportunidades”, afirma.

Lembrando que o varejo no Brasil é um setor que emprega o dobro da população do Uruguai, cerca de 6,5 milhões de trabalhadores, sugeriu que se esqueça Brasília. “Vamos olhar para o nosso País sem olhar para a perspectiva de Brasília. Temos milhares de lojas que desenvolvem a nossa economia”. Boechat disse que a manchete que gostaria de dar na próxima vinda à Febravar seria “Mercado varejista lidera crescimento do PIB no Brasil”.

Com visão otimista, o jornalista diz que não podemos congelar a história do Brasil e nos fixar apenas na tragédia. “Tenho a impressão que estamos prosperando a coisas muito importantes, como o grau de politização da sociedade. Aquele País que discutia futebol e carnaval agora discute política o tempo todo”, afirma. “Esse ciclo fará brotar alguma coisa e eu tenho a esperança de que não esteja nesta ‘quinquilharia’ que já conhecemos. Perseverança é fundamental”!

Inovação e qualificação para o varejo

A Febravar foi idealizada pelo Sindilojas Porto Alegre com o objetivo de reunir fornecedores e lojistas em um só espaço, permitindo interação e a formação de novas parcerias e negócios. Entre os expositores, estão empresas com soluções de tecnologia, gestão, segurança, marketing, entre outros serviços e produtos voltados ao varejo. A visitação aos estandes é gratuita.

Desde a primeira edição, em 2013, o evento também conta com o Congresso Brasileiro do Varejo, que reúne nomes importantes ligados ao comércio e gestão no Brasil e no mundo.

No primeiro ano da Febravar, o evento ocorreu em julho no Centro de Eventos do Hotel Plaza São Rafael, no Centro Histórico de Porto Alegre.  A primeira edição contou com 42 expositores, dos quais, 69% fecharam negócios durante e após a Feira, e 83% atingiram seus objetivos.
Em 2014, ano da Copa do Mundo no Brasil, o evento aconteceu em setembro e migrou para um espaço maior. De 600m², passou a ter 2 mil m² e mudou-se para o Centro de Eventos do BarraShoppingSul. A partir daquela edição, foram introduzidas as visitas técnicas guiadas por lojas relevantes do comércio de Porto Alegre.
Em 2015, a feira recebeu a Smart Store , uma loja montada dentro do evento que trouxe o conceito do Varejo 3.0. Diferentes tecnologias aplicadas simulando um ponto de venda real, mostraram aos lojistas um pouco do que podem utilizar em seus estabelecimentos. Provador inteligente, tapete interativo, expositor inteligente e soluções de gestão da loja em geral são alguns exemplos do que pode ser visto na Smart Store. Mais de 50 expositores ocuparam os 2 mil m² de feira e 100% dos consultados avaliaram a Febravar positivamente, sendo que, destes, 88% são donos de loja.

Para conhecer a programação completa da quarta edição, clique aqui.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nova loja da Kellogg’s em NY quer inovar indústria de cereais

06 de julho de 2016 0

Por Fernando Naiditch*

A Kellogg’s acaba de abrir a primeira loja de cereais no coração da Times Square, com o objetivo de elevar o produto a um novo patamar e tornar seu consumo elegante e requintado para tentar reverter uma tendência forte de queda no consumo do produto pelos americanos.

Consumir cereal pela manhã foi, por muitos anos, sinônimo de café da manhã na dieta americana. A Kellogg’s, por exemplo, faz parte da vida e da sociedade americana já há mais de 110 anos. Só que tanto a marca como a mania de comer cereal andam em declínio por aqui. As vendas do produto nos Estados Unidos caiu em média 8% e a indústria busca novas formas para se renovar e tornar o consumo de cereal interessante novamente. Concorrente direta da Kellogg’s, a General Mills também vive a crise do cereal matinal. Como afirmou Jim Murphy, presidente da chamada Big G, a unidade responsável por cereais na General Mills, “parte do meu negócio foi parar nas mãos de meus colegas que estão vendendo iogurte.”

k1

Imagem: communitytable.parade.com

E, realmente, a indústria do iogurte cresceu tremendamente nos Estados Unidos, De acordo com o grupo NPD, o consumo per capita de iogurte no país mais que dobrou na última década e estima-se que um em cada três americanos consuma iogurte regularmente. O principal motivo foi o crescimento do iogurte grego que tem alto teor de proteína, seguido pelos iogurtes voltados ao público infantil. As vendas de iogurte nos EUA devem chegar a $9.3 bilhões de dólares até o ano que vem, um crecimento considerável, já que em 2012 as vendas chegaram a $7.3 bilhões de dólares.

Os especialistas apontam várias razões para o declínio na venda de cereais matinais. Uma das reclamações, principalmente numa sociedade cada vez mais preocupada com saúde e nutrição, é que o cereal matinal hoje em dia mais se parece com guloseima do que alimento nutritivo. Na busca acirrada pelo consumidor infantil, as empresas criaram cereais com alto teor de açúcar, cores e sabores artificiais e acabaram transformando o cereal em vilão.

k2

Imagem: welcomehomebrands.com

Nesses mais de 100 anos da história da Kellogg’s, a sociedade americana também mudou – e muito. Em Nova York, por exemplo, a mania é o ‘breakfast on-the-go,’ ou seja, as pessoas param num Starbucks, num Dunkin’ Donuts, e até mesmo no McDonalds a caminho do trabalho e compram seu café e algum sanduíche como o McMuffin, um donut, ou um bagel para comer durante o percurso. É comum ver no metrô pela manhã as pessoas tomando café e comendo algum alimento que seja portátil.

Para aquelas famílias que ainda sentam a mesa para o café da manhã, o cereal continua sendo parte da refeição, porém, o pico de vendas que se viu na década de 90 não se repete mais. De acordo com o Euromonitor, as vendas de cereal no ano 2000 renderam $13.9 bilhões de dólares. Em 2013, este número baixou para $10 bilhões e, no ano passado, caiu ainda mais, cerca de $9.7 bilhões de dólares.

k3

Imagem: Robyn Lee para seriouseats.com

A indústria já vem mostrando provas de que tem se adaptado aos novos tempos. As barras de cereais, introduzidas no início da década de 90, são um dos alimentos que mais cresce nos EUA. A portabilidade aliada à carga nutricional das barras fez delas uma mania. Hoje, barras de cereais não são só para café-da-manhã, mas também para dar energia durante o dia, ajudar com a adição de proteína após a ginástica, e até mesmo substituir refeições.

A loja boutique da Kellogg’s, recém inaugurada num dos principais pontos turísticos de Nova Iorque, promete ajudar a mudar as coisas para os fabricantes de cereais. As tigelas do produto serão incrementadas com ingredientes como pó de chá verde, raspas de limão, tomilho, geléias, frutas frescas e diversos tipos de nozes e sementes. Todas as tigelas virão acompanhadas de um frasco de leite.

kellogs4

Imagem: kellogg’s nyc

É a mistura da tradição do cereal com uma forma diferente de se olhar para ele, como explicou Anthony Rudolf, que irá operar a loja chamada de Kellogg’s NYC. Também serão servidos diversos tipos de sundae que incluem os diferentes tipos de cereais vendidos pela Kellogg’s, além da possibilidade do consumidor criar sua própria combinação na loja.

As tigelas de cereias serão vendidas por $6.50, a pequena, e $7.50 a grande. Os sundaes sairão por $8.50 e $9.50, o pequeno e o grande, respectivamente. E a loja também quer mostrar que cereal não é só para ser consumido pela manhã. A Kelogg’s NYC ficará aberta das 7 da manhã até às 11 da noite.

k5

Imagem: money.cnn.com

Ainda é cedo para saber se a loja será um sucesso ou não. Muitos apostam que ela não deverá ficar aberta por muito tempo. Mas a ideia da Kellogg’s é investir pesado em marketing, como explica o diretor de marketing da empresa, Andrew Shripka: “Há muitas pessoas que amam esse sentimento de nostalgia e a prória história da Kellogg’s, mas nós não queremos só apostar em nostalgia.”

Sendo assim, outro objetivo da loja é introduzir os cereais a uma nova geração de consumidores e firmar a marca, assim como fizeram outras que também abriram lojas na Times Square, com as fabricantes de chocolate M&M’sHershey’s. Com a constante presença de turistas na área, a loja deverá, ao menos, causar curiosidade.

Como afirma John L. Stanton, um especialista de marketing de alimentos da St. Joseph’s University: “Você nunca sabe se esse tipo de iniciativa será um sucesso ou um fracasso, mas devemos dar crédito a Kellogg’s por tentar fazer algo de novo numa categoria que está morrendo.”

*Fernando Naiditch é doutor em Educação Multilingue e Multilcultural pela Universidade de Nova York (NYU). Mora em Nova York ha 16 anos e atualmente é professor na Montclair State University.

 

Febravar discute futuro do varejo em Porto Alegre

05 de julho de 2016 1

 

Febravar 2015

Febravar 2015

Nos próximos dias, Porto Alegre será palco de um dos maiores eventos de varejo do país: a Febravar. Entre 6 e 8 de julho, são esperados 6 mil visitantes no Centro de Eventos do BarraShoppingSul, entre 9h e 19h, para discutir as grandes tranformações e o futuro do setor. A quarta edição da Feira Brasileira do Varejo pretende mostrar que, mesmo em períodos de crise como o atual, há oportunidades. E muitas.

Idealizada pelo Sindilojas Porto Alegre, a feira, que teve sua primeira edição em 2013, cresce a cada ano, sempre com novidades para a atualização dos lojistas. “No último ano, recebemos mais de 5 mil pessoas e, de acordo com a pesquisa realizada pela organização do evento, 100% dos participantes o avaliaram positivamente. Os dados mostram que a Febravar é o lugar certo para firmar negócios”, diz o presidente da Febravar, Ronaldo Sielichow.

O evento reúne fornecedores e lojistas em um só espaço, permitindo a interação e a formação de novas parcerias e negócios.  Paralelamente à exposição, acontece o Congresso Brasileiro do Varejo, que aborda temas de importância para os lojistas, trazendo conhecimento e novas experiências para os empresários do setor.

Para o presidente do Sindilojas, Paulo Kruse, em um cenário de constante transformação e crise econômica, é preciso encontrar oportunidades para oxigenar o setor. “O acesso à inovação tecnológica e a qualificação dos empresários e dos seus colaboradores são os principais desafios para fomentar o segmento no País. O Sindilojas Porto Alegre aposta no conhecimento como alicerce para o desenvolvimento do varejo”, diz.

Expositores

A Febravar terá em torno de 60 expositores, mostrando as mais variadas soluções para o comércio nas áreas de vitrinismo, serviços, capacitação, comunicação, tecnologia, entre outros.

Entre os destaques desta edição estão a NL Informática e a N-Share. A primeira criará uma loja conceito inteligente com 54m² com tecnologias aplicáveis ao varejo, como o Cake ERP, um sistema de gestão empresarial com módulos divididos em financeiro, vendas, compras e estoque. Enquanto que a N-Share, apresentará um sistema de monitoramento do consumidor para os lojistas por meio de WiFi, permitindo a criação de um banco de dados com os hábitos de consumo dos seus clientes. Confira a relação completa em www.febravar.com.br/expositores.

Visitas técnicas

Além dos estandes no Centro de Eventos do BarraShoppingSul, os empresários terão a oportunidade de conhecer os pontos comerciais que possuem as melhores práticas de gestão por meio de visitas técnicas. Em parceria com o Sebrae/RS, a atividade tem como objetivo mostrar como as marcas já estabelecidas estão se relacionando com seus clientes e com a comunidade. De acordo com o coordenador estadual de projetos do Sebrae/RS, Fabiano Zortea, a proposta principal é promover uma imersão sobre os aspectos importantes para a gestão do varejo. “Com as visitas, os empresários terão a oportunidade de compreender’inloco’ boas práticas de gestão e trocar experiências com outros empresários, visando à implantação de melhorias nas empresas”, explica.

As visitas serão realizadas hoje, véspera da abertura da feira, e 7 de julho (durante o evento), entre 12h30 e 19h. Confira abaixo os estabelecimentos que serão visitados e os enfoques:

Gverri Store: curadoria de produtos e parceria com fornecedores;
Mercado Brasco: gestão de pessoas e conexão com a comunidade;
Stilo Elevato: percepção de Missão e Valores da empresa no ponto de venda;
Men’s Day: experiência diferenciada nos serviços e trajetória familiar;
Forever 21: dinâmica do Visual Merchandising e operação de caixa;
Outback Steakhouse: controle de qualidade de produtos e atendimento.

 

foto_0437

Robotização no varejo

A grande atração da 4ª edição da Feira Brasileira do Varejo são os robôs NAO e Tiki, da RobotLab. Vinda da Califórnia, nos Estados Unidos, é a primeira vez que esse tipo de tecnologia será apresentada por aqui. Os robôs são humanoides – inspirados na silhueta humana – e podem ser utilizados em diversas funções educativas, demonstrativas e até para atendimento, no caso do varejo. Eles estarão expostos no estande do Sindilojas Porto Alegre.

O NAO possui 57 cm de altura e conta com dispositivos que proporcionam uma comunicação eficiente, como sensores táteis, sonoros, infravermelhos, câmeras e microfones. Já o Tiki vem equipado com um tablet pelo qual recebe e entende os comandos da pessoa com quem se comunica e é indicado para atividades demonstrativas, pois é capaz de captar as necessidades informadas para sugerir os melhores produtos.

De acordo com Sielichow, é preciso trazer a inovação para perto dos lojistas. “Se fala cada vez mais em transformar a experiência de compra dos consumidores. No varejo americano isso já é realidade, por que não trazer para o Brasil? É necessário estabelecer novos paradigmas para o setor e isso é possível com base no conhecimento do cliente por meio da inovação”, diz o presidente da feira.

Congresso Brasileiro do Varejo

O Congresso Brasileiro do Varejo reúne palestrantes que abordarão temas como o processo sucessório das empresas, o futuro da moda, a relação entre lojistas e shoppings centers, entre outros.

Confira abaixo a programação completa do Congresso:

Quarta-feira (06/07)
11h – Painel: Marcas que contam uma história
O painel vai contar com a presença da superintendente do Grupo Lins Ferrão, proprietária das Lojas Pompéia e Gang, Carmem Ferrão; do diretor de operações da Tumelero, Sérgio Bandeira; e do diretor-presidente das Lojas Rabusch, Alcides Debus, A mediação será da jornalista Milena Machado.
Local: Auditório Sicredi

11h – Palestra: Como a Internet da Coisas está revolucionando o mercado na gestão de pessoas
Nesta palestra Lázaro Malta, empreendedor e engenheiro experiente no segmento de telecomunicações e eletrônica, abordará a revolução no mercado de gestão de pessoas. O profissional já desenvolveu diferentes projetos, dentre eles o de semicondutores Gate Array, na Siemens, na Alemanha.
Local: Auditório 1

14h – Palestra: Gestão e Inovação – Oportunidades e Ameaças para o Varejo
O consultor empresarial, Carlos Lopes, vai abordar temas como soluções de gestão; adequação e inovação para varejo; imersão na gestão da sobrevivência, potencialização do uso do espaço físico; e estratégia de marketing virtual.
Local: Auditório 1

14h – Palestra: Mormaii – Empreendedorismo Natural e Gestão Humanista
A palestra será com o diretor-presidente da Mormaii, Marco Aurélio Raymundo – Morongo. A marca é uma referência no País, sendo líder no seu segmento com o maior mix de produtos.
Local: Auditório Sicredi

14h30min – Palestra: Cultura de Resultados: pessoas realizadas, empresas vencedoras
Na palestra, o sócio-diretor da consultoria de gestão Fractal Resultados, João de Lima, construirá, junto com os participantes, os passos necessários para a implantação da Cultura de Resultados.
Local: Auditório 1

15h30min – Palestra: Inove ou Morra tentando
Nesta palestra, o fundador e CEO da Samba Tech, Gustavo Caetano, vai mostrar como as empresas precisam estar atendas às mudanças econômicas, políticas, sociais e tecnológicas para inovar e se diferenciar no mercado.
Local: Auditório Sicredi

15h30min – Palestra: A venda além da vitrine
A palestra será com a arquiteta da Quadrilha Arquitetura, Claudia Barbosa, e a consultora empresarial, Cristine Ribas. As profissionais darão dicas sobre visual merchandising, exposição de produtos, inovação, layout e iluminação.
Local: Auditório 1

16h30min – Palestra: Design + Inovação: diferenciais para obter sucesso na sua loja
Na palestra, a arquiteta Fernanda Schaan vai apresentar estratégias de arquitetura, design e inovação para competir no mercado atual, com dicas de layout, materiais, cores e outros conceitos.
Local: Auditório 1

17h30min – Painel: Shopping Center: lugar de lojista. Um novo modelo de parceria
O painel contará com a presença do proprietário das lojas Confraria Masculina e diretor Comercial do Sindilojas Porto Alegre, Carlos Frederico Schmaedecke, do diretor superintendente do Shopping Total, Eduardo Oltrami, e do presidente do Sindicato da Hospedagem e Alimentação de Porto Alegre e Região, Henry Starosta Chmelnitsky. A mediação será do presidente do Sindivarejista do Distrito Federal, Edson de Castro.
Local: Auditório Sicredi

17h30min – Palestra: Marca e Consumidor: o vínculo para o sucesso
A especialista em Propriedade Intelectual, advogada Adriana Ilha, vai abordar neste palestra as estratégias de fortalecimento e registro de marca, destacando os diferenciais que agregam aos negócios e as possibilidades de licenciamento existentes no mercado.
Local: Auditório 1

Quinta-feira (07/07)
08h30min – Café com Lojistas: Inovação e lucratividade para 2017: aplicações para o RS
O evento mensal do Sindilojas Porto Alegre, realizado gratuitamente para associados ao Sindicato, acontecerá pelo segundo ano consecutivo direto da Febravar. O encontro será sobre Tendências de Mercado e terá palestra do analista de Consumo da Use Fashion, Daniel Keller, e da consultora de Moda da Use Fashion e professora universitária, Caroline Baron.
Local: Auditório 1

9h – Palestra: Marketing Hacking: hackeando o marketing através da ciência
O cientista de dados da Cappra Data Science Team, Ricardo Cappra, mostrará nesta palestra como empoderar pessoas e empresas por meio do uso mais eficiente da informação.
Local: Auditório Sicredi

11hTalk Show com Boechat
O jornalista, âncora de programa na BandNews FM e na Band TV e colunista na revista ISTOÉ, Ricardo Boechat, vai responder a perguntas enviadas para o e-mail pergunteaoboechat@febravar.com.br. A mediação será do também jornalista Renato Martins, diretor de jornalismo da Band RS.
Local: Auditório Sicredi

13h30 – Palestra: Criatividade nos negócios e o impacto do novo consumidor
Nesta palestra, a diretora de marketing e comercial da NL Informática e CEO da Cake ERP, Grasiela Tesser, vai abordar a forma como o comportamento do novo consumidor, influenciado pela era digital, interfere no desempenho das empresas.
Local: Auditório 1

14h30 – Palestra: A excelência do atendimento da Disney
Conheça com o diretor da Action Consulting, Alexandre Martins, as técnicas de sucesso empreendidas pela Disney na área do atendimento.
Local: Auditório 1

15h30 – Painel: Processo sucessório nas empresas: de pai para filho
O painel contará com a presença do presidente executivo das Empresas Artecola, Eduardo Knust; do diretor presidente da Bebidas Fruki S.A., Nelson Eggers; e do diretor comercial e presidente do Conselho da Conservas Oderich S.A., Marcos Oderich, A mediação será do diretor da Cedem Consultoria, Volnei Garcia.
Local: Auditório Sicredi

15h30 – Palestra: Luzes, Vitrine e Ação! Visual Merchandising para promover sua marca e transformar sua loja em um cenário de experiências encantadoras
Nesta palestra, o docente do Senac-RS, Iran Marcon, apresentará técnicas de visual merchandising para promover as marcas e transformar as lojas.
Local: Auditório 1

16h30 – Palestra: Varejo de Impacto: o caminho para o resultado
A palestra será com o sócio fundador da Bonsai Consultoria, Romulo Tevah, que apresentará formas de pequenos varejos manterem-se competitivos em meio a um cenário de incertezas.
Local: Auditório 1

17h30 – Palestra: O momento e o futuro do varejo: desafios e perspectivas
Na palestra, o fundador da Varese Retail, Alberto Serrentino, vai falar sobre a evolução no varejo brasileiro, o momento atual, os desafios e as perspectivas.
Local: Auditório Sicredi

17h30 – Palestra: Coaching Aplicado ao Empreendedorismo
A coach Evelyn Coco vai explicar o que é coaching e como torna-lo uma ferramenta de alta performance aliada ao empreendedorismo.
Local: Auditório 1

Sexta-feira (08/07)
9h – Painel: Nova liderança para novos tempos
O painel contará com a presença do sócio-diretor da Fractal Resultados – Consultoria de Gestão, João de Lima; da consultora na área de Gestão de Pessoas e coah, Zuleika Rheinheimer; e do fundador do Mercado Brasco, curador do Hub de Porto Alegre do Global Shapers e diretor do CDL Jovem POA, Gabriel Drumond. A mediação será da jornalsita responsável pelo Blog ‘MUNDO DOS NEGÓCIOS’, no site da Rádio Gaúcha, Suzana Naiditch.
Local: Auditório Sicredi

10h30 – Palestra: Visual Merchandising
A doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP, com pós-doutorado em Semiótica no Instituto Universitário da França, em Paris, Sylvia Demetrescu conversará com os presentes sobre visual merchandising.
Local: Auditório 1

10h30 – Palestra: Mais que um chão de loja, um show de loja
O editor do site Falando de Varejo, Caio Camargo, falará sobre como criar ambientes de varejo que provoquem o aumento das vendas, por meio da experiência de compra e de retail design.
Local: Auditório Sicredi

11h – Palestra: “See Now Buy Now” e o fim das tendências
Nesta palestra, o professor do curso de Design da ESPM-Sul, Fernando Bakos, vai abordar sobre as novas estratégias de criação e marketing da moda que estão sendo adotadas.
Local: Auditório 1

13h30 – Palestra: 2bface – Biometria facial para o Varejo
As tecnologias de biometria facial estão estabelecendo um novo padrão na forma como identificamos, tratamos e nos certificamos dos movimentos humanos nas empresas. A palestra será ministrada pelo CEO da Ruá, Ivanir Antoninho Ziliotto, e pelo Project Maker Professional – Product Owner na Ruá Start, Daniel Valler.
Local: Auditório 1

14h – Palestra: Moda
Conheça a trajetória de sucesso do estilista e empresário Alexandre Herchcovitch pelo universo da moda.
Local: Auditório Sicredi

14h30min às 16h – Painel: Bate-papo entre Alexandre Herchcovitch e Lilian Pacce
Duas referências quando o assunto é moda e tendências, o estilista Alexandre Herchcovitch e a apresentadora e editora-chefe do GNT Fashion, da GNT, Lilian Pacce, irão conversar sobre o tema e debater o futuro da moda no Brasil. A mediação será da sócia-proprietária da Compassing e consultora do Sebrae, Tatiane Alves.
Local: Auditório Sicredi

Alexandre-Herchcovitch-e-Lilian-Pacce

Alexandre Herchcovitch e Lilian Pacce – Divulgação

15h30 – Palestra: 1,5% ao mês. O capital de que realmente gira e amplia seu negócio
A palestra será conduzida pelo fundador da academia do dinheiro e especialista em investimento do Banco Ourivest, Mauro Calil.
Local: Auditório 1

Sheraton faz 15 ações sociais para marcar 15 anos

04 de julho de 2016 0
Hotel Sheraton Porto Alegre - Divulgação

Hotel Sheraton Porto Alegre – Divulgação

Na semana em que completa 15 anos de existência, o hotel ‘cinco estrelas’ de Porto Alegre anuncia o projeto “#sheratonpoa15anos”. Serão 15 ações sociais que celebram a parceria do Hotel Sheraton Porto Alegre com entidades empresariais, instituições sociais e de ensino, e ONG’s da Capital. As atividades se estenderão até o final do ano e contarão com a participação de colaboradores, parceiros e hóspedes do hotel, traduzindo o lema da bandeira Sheraton “Ações Falam Mais Alto”. O evento de lançamento do calendário acontece na quarta-feira (6), no hotel, e contará com a presença de representantes das instituições parceiras.

Entre as ações programadas estão, por exemplo, eventos em conjunto com o IPDAE (Instituto Popular de Arte-Educação), de Porto Alegre; a Junior Achievement RS; a Fundação Projeto Pescar, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Bahia, e também o Instituto do Câncer Infantil, sendo que algumas atividades acontecerão no hotel e outras em ambientes externos.

O Sheraton Porto Alegre criou ainda tarifas solidárias, como a Pet Friendly, que irá arrecadar ração em benefício da ONG Patas Dadas, e a Tarifa Solidaria de Inverno, que arrecada cobertores para a Pequena Casa da Criança. “Estamos resgatando as instituições que têm sido parceiras do hotel desde 2001, ano de sua fundação, pensando no legado destas relações e incentivando nossos hóspedes e colaboradores a participar de uma rede de ações que beneficiam diversos campos da nossa sociedade”, diz a Gerente Geral do Sheraton Porto Alegre, Solange D. Minassian Scholz.

O SHERATON

Apartamento Club Floor II - foto Luciano Barreto

Apartamento Club Floor II – foto Luciano Barreto

Localizado no coração do Moinhos de Vento, o Sheraton Porto Alegre é o único com classificação cinco estrelas da capital gaúcha e faz parte de uma estrutura que inclui o Moinhos Shopping. O hotel possui 170 apartamentos e suítes, e um andar dedicado a unidades temáticas, com decoração única, incluindo a Suíte Presidencial. Há diversas opções de culinária internacional e o café da manhã é servido em um restaurante localizado no 5º andar. O Porto Alegre Bistrô, situado no andar térreo, oferece almoço buffet e pratos à la carte à noite, assinados pelo chef Mauro Sousa. O Sheraton Porto Alegre dispõe de aproximadamente 600 m² de espaço para eventos, em salões modernos, com capacidade para encontros de 10 a 400 convidados.

Banheiro Suíte Presidencial - foto Luciano Barreto

Banheiro Suíte Presidencial – foto Luciano Barreto

 

Geração 'carpe diem' está mais exigente e desafiadora

02 de julho de 2016 0

Hoje o blog publica um artigo do publicitário Martin Henkel*

foto_0105

Pixabay

“Muito se fala sobre o envelhecimento no Brasil, especialmente sob os aspectos previdenciários, da assistência ou desassistência e de como a sociedade precisa se preparar para dar espaço para a terceira idade. Há um pequeno detalhe que a maior parte do mercado ainda não percebeu e  que conduz nossas percepções para outra direção. A inclusão pelo consumo! Nossos 60+ já compram, decidem, escolhem, substituem, destratam marcas e produtos que não atendam suas necessidades e têm planos para os próximos 20 anos.

Nas minhas palestras, faço o seguinte exercício de tangibilização: Os 60+ são 25,4 milhões de pessoas hoje no Brasil. Neste exato minuto passam pelas suas carteiras e contas bancárias aproximadamente R$ 1,2 milhões. Por minuto! Por hora são R$ 73,3 milhões, por dia R$ 1,7 bilhões, por mês R$ 52,8 bilhões e assim vai. Em 2015 passaram pelas mãos dos 60+ mais de R$ 634 bilhões, quase 10% do PIB. Por isto afirmo que, mesmo sem nosso protagonista ter percebido, sua inserção na economia já aconteceu.

Eu entendo que agora os 60+ precisam empoderar-se e mostrar o que acontece com quem não dá a devida atenção  a eles. As marcas, produtos e serviços precisam decidir se querem ter a chance de manter ou ganhar a preferência deste consumidor. Dar visibilidade e tangibilizar o “poder grisalho dos 60+” irá fazer o mercado responder mais rápido e de forma mais eficiente às necessidades e desejos do consumidor acima dos 60 anos.

Achou exagerado? Então imagine os consumidores 60+ de uma hora para outra ignorarem uma rede de supermercados. Abandonarem uma marca de café ou boicotarem uma operadora de celular. Estamos na iminência de assistir isto acontecer, graças a um fator multiplicador e de incrível poder viral: as redes sociais. Silenciosa e irreversivelmente os 60+ se integram, se organizam e buscam e trocam entre si e seus familiares, referências de marcas, produtos e serviços.

Foi isto que detectamos na Pesquisa Nacional ‘Os 60+ e a Internet’. Elogiam e recomendam quando gostam e criticam duramente quando uma marca ou empresa os desrespeita. Os 60+ são os que mais buscam recomendações e experiências na hora de tomar uma decisão de compra. No final de junho na BR Week, um importante evento do segmento varejista em São Paulo, foram apresentadas as 6 principais tendências para o varejo nos próximos anos. Uma delas, trata dos comportamentos e movimentos e do enorme poder de consumo da nova terceira idade. Demorou, mas os 60+ começam a entrar no radar do varejo.

Enquanto escrevo este texto já temos 4 milhões de perfis 60+ no Facebook, ou seja, 16% da população sênior do Brasil já está interagindo e opinando na rede social mais popular do planeta. O crescimento desta população na internet foi 11% em 2015 e em 2016 se projeta um crescimento de 17%. Aí, meu amigo, se prepare porque o desafio da gestão de branding vai aumentar. As marcas, produtos e serviços que não andarem na linha começarão a perceber impacto na imagem e em seguida nas vendas.

Controle e WhatsAppNas palestras e workshops sobre o comportamento do consumidor 60+ que tenho feito para empresas e profissionais de comunicação, vendas, produtos e marketing, percebo um antes e um depois bem marcantes. Antes, aquele desconhecimento sobre este mercado vestido com a capa do preconceito. O depois é uma espécie de “como eu não percebi isto antes?”. Nossos estudos e observações mostram que o consumidor 60+ não se sente satisfeito com a forma como é atendido no varejo, pelos produtos e embalagens que lhe são oferecidos, difíceis de abrir e pouco adequadas de manusear. A publicidade também não goza de grande simpatia dos 60+ que se sentem incomodados com a forma como a propaganda os representa.

Vou dar um exemplo de desajuste entre produto e consumidor alvo em uma visão de marketing para ponto de venda: nos supermercados encontramos uma marca de suplemento alimentar para consumidores sêniores. O  produto estava nas prateleiras mais altas, que tem cerca de 1,80 metros de altura. O problema é que a população brasileira 60+ masculina tem em média 1,67 metros de altura e a feminina, a que mais consumiria aquele produto, tem 1,55 metros de altura. O consumidor alvo sequer visualiza o produto; alcançá-lo é mais difícil ainda.

O mercado demandará muito conhecimento, informações, dados e serviços para conhecer este grupo. O motivo é que é muito difícil conquistar um novo cliente 60+. Essas pessoas têm tempo para pesquisar, experiência e dinheiro. São críticos, seletivos, sensíveis. Dureza, hein? A geração ‘carpe diem’ não está para brincadeira.

Se conselho fosse bom não era dado e sim vendido, certo? Pois vou dar um conselho que as empresas me pagam para receber. Pelo seu bem, pelo bem da sua marca e da sua empresa, entenda, atenda e conquiste a preferência dos 60+ antes que seu concorrente o faça.”

henkel

Martin Henkel

*Martin Henkel é empresário, diretor e cofundador da SeniorLab Inteligência em Mercado 60+, empresa especializada em ajudar marcas, produtos e serviços a se relacionarem melhor com o consumidor com mais de 60 anos. Henkel trouxe pioneiramente a visão de educação financeira familiar para a indústria de cartões benefício e idealizou o produto que se tornou a maior empresa de gestão de frotas no país, a Embratec EcoFrotas, hoje Ticket Log. Trabalhou na criação (naming e logomarca) da GetNet, hoje adquirida pelo Santander.