Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Conflito de identidade ou O Dia em que fui Joana

30 de agosto de 2007 1

Aqui na Jornada a circulação entre os vários ambientes do evento, o circo da cultura, as salas de imprensa, a sala de entrevistas, os pavilhões de autógrafos, é regulado pelo crachá que se usa. Os dos participantes e demais gente normal têm uma faixa azul, os de imprensa, como os nossos, têm uma faixa roxa (não reclamem comigo, eu não escolhi a cor). Daí que é necessário trafegar com o crachá até para que se saiba o que diabos você está fazendo nos pavilhões da jornada. Só que o coió aqui primeiro perdeu a carteira e depois a chave do quarto de hotel DENTRO do próprio quarto de hotel. E na corrida para vir para a jornada só se lembrou do crachá quando era tarde demais. Ficou no hotel.

Aí saquei da mochila uma credencial que era destinada à terceira integrante de nossa equipe de Porto Alegre, Joana Saraiva, que viria mas não veio. Coloquei no pescoço, tapei o nome com a alça cruzada da pasta que me acompanha pra todo lado (os crachás não têm foto) e na maior parte do tempo tive sucesso na minha pequena falsidade ideológica, mas na hora em que fui falar com o ilustrador Rui de Oliveira, ele esqueceu do meu nome no meio da entrevista. A pasta estava na sala de imprensa e ele olhou direto para o meu crachá, livre, solto e com o nome gritando: Joana.

Fiquei meio assim e expliquei: %22olha, perdi o crachá, e tal…%22

Passa um tempo e lá estou eu com o senhor Rui de Oliveira (gente finíssima, a propósito) na exposição que o homenageia, no centro de eventos, e ele, a propósito de algo que eu não me lembro o que era, larga, em tom de brincadeira:

– Ainda bem que você é seguro com seu papel sexual, vai que com esse cabelo resolve virar Joana de vez (eu tenho cabelo comprido).

Mais adiante encontro os colegas Vivian Rangel, do JB do Rio, e Ubiratan Brasil, do Estadão, num corredor qualquer, e logo que faço uma pergunta a respeito de não me lembro o quê, o olho treinado (Ôpa) de Ubiratan me pergunta:

– Tu é Joana? Eu não sabia.

– Ah, então esse cabelo é peruca! – emenda Vivian.

 

Vejam vocês, meus preclaros leitores, o que a gente tem de se sujeitar para garantir a vocês a informação em cima do laço

Postado por Carlos André Moreira

Comentários (1)

  • Carlos diz: 30 de agosto de 2007

    Olha só, se for preciso a gente espera a informação um pouco mais que não dá nada. A menos que tu continue querendo ser Joana…

Envie seu Comentário