Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Diabinha de Butique

29 de abril de 2009 4

Antes de dar a vez ao Gustavo, uma palavrinha de seu editor. Sabiam vocês que o blog do Roger Lerina recentemente bateu recordes de acessos com a publicação antecipada de uma foto da Priscilla do BBB para o Paparazzo? Não, não sabiam mas eu conto. O que me fez perceber (sim, só agora, sou meio lento mesmo, desculpem) o que, afinal, o público de qualquer mídia, eletrônica ou física, quer: mulher pelada. Infelizmente, as chances de termos isso aqui neste blog sem fugir do assunto são escassas. Quando, portanto, o Gustavo apareceu com este texto sobre Diablo Cody e o livro no qual ela narra sua vida de stripper, imediatamente pensei: “feito, rede é gol!”. Finalmente uma chance de termos uma autora seminua em nossas telas, alavancando assim a audiência do blog. Imaginem, então, minha frustração ao descobrir, na minha pesquisa feita no Google, que há pouquíssimas imagens de Diablo Cody antes de estourar como a roteirista de Juno — depois do que, compreensivelmente, ela não precisou mais tirar a roupa profissionalmente. Logo, sorry, folks, mas vamos ter que nos contentar com a imagem que ilustra este post, que até não é tão má, pensando bem. Após esse breve comentário sobre os bastidores de seu blog preferido, passamos outra vez a palavra ao nosso colaborador Gustavo “Paradinha” Brigatti.

Brook Busey era uma típica nerd norte-americana, filha da classe média de Chicago, entediada e em  sem muita coisa para dizer. Viciada em internet, se apaixonou virtualmente e foi morar com o namorado em Minneapolis, no estado do Minnesota, em 2007. Lá, cansada de seu subemprego em uma agência de publicidade, decidiu entrar para a indústria do sexo. Com o apoio do parceiro, começou a dançar em clubes de striptease e chegou até a ser dançarina de peepshow. Entediou-se disso também, escreveu um livro de memórias sobre seus dias de stripper e, um tempo depois, ganhou o Oscar de melhor roteiro de uma produção independente em 2008.

Não sabe quem é Brook Busey, não é? E tampouco se interessaria em saber se não fosse pela última frase, confesse. Só que Brook Busey é Diablo Cody, e seu trabalho em Juno foi talvez o factóide mais comentado daquele ano. Até lá, ninguém sequer tinha ouvido falar de seu livro de estreia, o autoexplicativo Minha Vida de Stripper (Tradução de Ana Carolina Bento Ribeiro. Nova Fronteira, 224 páginas, R$ 34,90)

A brochura ganhou lançamento no Brasil no ano passado, na esteira do sucesso do filme, e serviu para esclarecer alguns pontos apenas pincelados nas reportagens a respeito de Diablo. Sim, ela foi uma stripper. Mas não por necessidade ou falta de opção, e sim porque precisava romper com os pais. Seu divã, no caso, foram os postes cromados dos inferninhos de Minneapolis, onde se abria — literalmente — para estranhos. E ainda ganhava uns bons trocados, é bom ressaltar.

Mas praticar pole dance, striptease, lap dance em cadeiras e camas, e até se esfregar em cabines para sujeitos esquisitos fazerem o mesmo, foi o máximo a que se permitiu. Diablo não chegou a se prostituir de fato. Chegou perto, mas recuou. Estava nessa, afinal, pela farra, pelo auto-conhecimento e até por curiosidade. Para tanto, procura dar ares de estudo antropológico não poupando detalhes na descrição da exótica fauna de desviados sexuais que frequenta os clubes e cabines onde trabalha, bem como da vida profissional de suas companheiras.

Cheio de tiradas espirituosas, links de cultura pop e chistes pretensamente intelectuais, Minha Vida de Stripper prenunciava, de certo modo, o que seria visto quase um ano depois em Juno. Não é ruim, mas também não traz nenhum tipo de frescor, seja em estilo, seja em conteúdo. E em muitos momentos, peca por ser blasé demais. Como, hã, Juno.

Mas o verdadeiro potencial da garota ainda está em xeque. Previsto para setembro, o longa Jennifer´s Body será a prova de fogo de Diablo Cody. É dela a história da adolescente que, possuída por um espírito maligno, começa a canibalizar quem cruza seu caminho. Se for bem, será sua consagração como novo nome de peso em Hollywood. A boa notícia é que Megan Fox é a estrela principal. A má, é que a diretora é Karyn Kusama, dos inclassificáveis Girlfight e Æon Flux.

Será, definitivamente, o caso de acender uma vela para deus e outra pro diabo. E dependendo do naufráugio que se anuncia, é melhor que ela não tenha perdido um rebolado.

Postado por Gustavo Brigatti

Comentários (4)

  • Flávio André diz: 29 de abril de 2009

    Olá! É fora de tópico, mas gostaria de sugerir uma postagem sobre livros para adolescentes. (se a idéia não for aprovada, quem sabe um e-mailzinho particular…. eheheh). A questão é que tenho 2 sobrinhas de 14 anos e livros da moda para adolescentes há aos montes. Mas livros bons, e “clássicos”, tipo Meninos da Rua Paulo, não são tão divulgados. Abraço.

    É uma boa ideia, Flávio. Vou fazer algo, sim.
    Abraço
    Carlos André

  • Júlia diz: 30 de abril de 2009

    Hummm, eu não achei Juno com “momentos blasé”. Não sei se é porque vi um monte de amigos e amigas meus nos personagens, tudo me pareceu muito credível, afinal, nada ali era novidade. Analisando assim, o filme assim era, porque muitos dos blockbuster são focados em personagens estereotipados e caricatos. Gostei da review. Não tive interesse no livro da Diablo (apesar de que ela é bem bonitinha! hahaha) e tenho uma opinião mais, hm, politizada sobre strip/etc, mas parece uma leitura bem legal.

    Júlia, aprofunda um pouco mais, por favor. O que é uma leitura politizada nesse caso?
    Abraço.
    Carlos André

  • Mundo Livro » Arquivo » Suave Veneno diz: 8 de março de 2011

    [...] e Na Cama com Bruna Surfistinha, todos pela Panda Books (leiam mais detalhes aqui). Como por experiências anteriores este seu editor já pôde verificar que não importa o quanto o blogueiro se esmere na alta [...]

  • Mundo Livro » Arquivo » O cantor da sereia diz: 28 de dezembro de 2012

    [...] dá a desculpa anual para publicar um post com foto de mulher gostosa neste blog. Não me xinguem, a experiência comprova que a audiência aumenta com esses artifícios, que eu repito muito [...]

Envie seu Comentário