Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O que você está lendo, Cíntia Moscovich

27 de junho de 2012 0

Cíntia Moscovich. Foto: Arivaldo Chaves, ZH

O blog inaugura hoje nova seção semanal, perguntando a escritores, jornalistas, editores, professores e intelectuais o que eles andam lendo e o que recomendam. Para começar a série O Que Você Está Lendo?, resolvi procurar a minha amiga e ex-colega de Zero Hora Cíntia Moscovich. Porto-alegrense, autora de Anotações Durante o Incêndio (leia um texto e um conto do livro aqui), A Arquitetura do Arco-Iris, Por Que Sou Gorda, Mamãe?, entre outros.

Ela poderá ser lida em breve na coletânea Bem-Vindo, organizada por Fabrício Carpinejar, na qual autores escrevem contos inspirados nos nomes sonoros e evocativos de cidades brasileiras. Luiz Ruffato, Marçal Aquino e Altair Martins também estão no volume (leia mais aqui). Cíntia também foi anunciada esta semana como integrante da delegação de 20 escritores brasileiros convidados pela organização da Feira Internacional do Livro de Guadalajara, no México,  para um painel com o tema Ler um país é conhecê-lo. Ela estará na Feira entre os dias 24 a 29 de novembro, ao lado de nomes como Milton Hatoum e Michel Laub.

O que você está lendo, Cíntia Moscovich?

Acabo de ler Enquanto Água, do Altair Martins, segundo livro dele editado pela Record. Com capa linda de Leonardo Iaccarino e imagens de Rodrigo Pecci, o livro reune 18 contos (que contos!), todos eles, conforme anuncia o título, com histórias que envolvem água. De fato, são contos fluídos, líquidos, bons de serem lidos.  Quem, como eu, vem há muitos anos acompanhando a trajetória do Altair, sabe que a linguagem é um dos pontos fortes do moço (mas não só). Nesse Enquanto Água, há uma espécie de, digamos, simplificação (embora jamais seja esse o termo), mas nunca usando o recurso a  facilitações ou concessões. Aqui, a  linguagem se submete bem mais ao enredo/história, embora o autor mantenha aqueles achados metafóricos e imagéticos que o caracterizam e que fazem o leitor tirar o chapéu. Recomendo a leitura, ainda mais nesses dias de frio e estiagem.



Envie seu Comentário