Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Letras no litoral

08 de fevereiro de 2013 0

Foto: Ricardo Duarte, ZH

A maior parte do litoral gaúcho não é um oceano de beleza selvagem com promontórios e acidentes recortados caprichosamente contra o horizonte. Não. De certo modo,o Rio Grande do Sul se assemelha com sua costa marítima: sem ornamentos, de tons cinzas e castanhos. Não que essa descrição seja plenamente original. Está mais para um clichê cristalizado no imaginário que o gaúcho construiu de seu próprio litoral, e como a literatura lida, entre outras coisas, com representações do imaginário, não é de surpreender que as poucas incursões da literatura gaúcha pelas areias de suas praias sejam carregadas da mesma melancolia que se instala no espírito de quem observa o mar encapelado em uma tarde chuvosa.

O romance considerado o primeiro a fixar em letra escrita o gaúcho como um “tipo” na literatura nacional foi o também o responsável pela primeira representação ficcional da faixa litorânea do Estado: O Corsário, de José Antônio do Vale e Caldre Fião, publicado primeiramente em folhetim no jornal O Americano, que circulava na corte do Rio de Janeiro, de janeiro de 1849 a fins de 1851. Ao apresentar a Revolução Farroupilha como pano de fundo, poucos anos após o fim do conflito, Caldre e Fião ambienta a narrativa em uma longa faixa litorânea no norte do Estado, nas cercanias de Torres, lar de pescadores desassistidos. O mar já é, aí, a massa fria e feroz que castiga melancolicamente os paredões.

Mais de meio século depois, no texto que serve como prefácio a Contos Gauchescos (1912), Simões Lopes Neto se refere à “ardentia das areias desoladas do litoral”. Também O Louco do Cati (1942),de Dyonélio Machado, percorre o litoral, acompanhando uma a princípio despretensiosa excursão de jovens ao litoral. Em uma época sem Estrada do Mar, a longa viagem se torna uma odisseia rumo ao pesadelo – o litoral é o ponto em que a realidade da nunca nomeada mas sempre presente ditadura getulista desaba sobre o“louco”do título.

As estradas já são melhores nos anos 2000, mas a representação da praia como um cenário de melancolia, mais próprio a um acerto de contas do que a um batismo místico, também vai se repetir em dois romances da década passada: Longe da Água, de Michel Laub, e Cassino Hotel, de André Takeda, ambos de 2004. Imerso em atmosfera pop, Cassino Hotel leva seu personagem principal, um guitarrista em crise afetiva e profissional, a uma fuga para o Cassino, praia em que o jovem passava a infância e na qual pretende descobrir o que houve de errado com sua vida.

Longe da Água é uma narrativa de construção mais sólida e segura, recuperando, em um ritmo entrecortado que oscila entre passado e presente,a juventude de seu protagonista na praia de Albatroz, em Imbé. Apesar do tom nostálgico e carinhoso com que Laub reconstrói os meses em que a vida de um jovem no verão se transfere para a praia (ou se transferia, na época dos longos veraneios que não se fazem mais), é a praia ainda o cenário de uma tragédia – que dará ao protagonista uma cicatriz emocional definitiva.

Ao menos na ficção, o litoral gaúcho não é um local de encontros, no máximo, de melancólicos reencontros consigo mesmo.

Envie seu Comentário