Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de junho 2014

Crime de sangue na aurora do Brasil

23 de junho de 2014 1

A primeira historia do mundo

Não é comum encontrar em listas de “melhores autores brasileiros contemporâneos” ou “gente que está fazendo a nova literatura” e outras denominações semelhantes o nome de Alberto Mussa. O que, dada a qualidade da obra que vem tecendo com paciência ao longo das últimas duas décadas, é francamente incompreensível. Mussa dá mais motivos para essa perplexidade com a publicação, agora, de A Primeira História do Mundo, livro no qual reconstrói, com o misto de prosa ensaística e literária que é característico de seu trabalho, o primeiro crime de sangue registrado no ainda jovem território do Brasil.

A Primeira História do Mundo parte de um fato real: o assassinato de um serralheiro morto com sete (talvez oito) flechadas no Rio de Janeiro de 1567. Em uma cidade com apenas três ruas, ainda cercada pela mata, e com cerca de 400 habitantes, nove homens foram apontados como possíveis autores do crime, de acordo com os registros do procedimento judicial instalado para averiguar o homicídio.  O livro compõe uma trilogia com O Trono da Rainha Jinga, passado em 1626, e O Senhor do Lado Esquerdo, ambientado em 1910. Nos três, Mussa usa a estrutura de um romance policial para engendrar uma mitologia urbana do Rio em diferentes períodos históricos. Ele já anunciou que pretende escrever outros dois romances para outros dois séculos da cidade: o 18 e o 19.

Além de ser parte desse projeto maior, outra possível leitura de A Primeira História do Mundo é a de uma condensação de elementos já trabalhados pelo autor ao longo de sua carreira. O motivo do crime, segundo o processo, seria um adultério, indiscrição à qual Mussa dedicou o romance O Movimento Pendular, no qual se propunha a fazer uma teoria classificatória das variantes do adultério na literatura. A presença de indígenas por toda parte nesse Rio ainda em formação dá a Mussa a oportunidade de tangenciar outra vez o rico universo da tradição autóctone, que ele já havia abordado em Meu Destino é Ser Onça, no qual apresenta uma versão reconstituída da cosmogonia tupinambá.

O que mais surpreende em A Primeira História do Mundo são as soluções que Mussa, criando um narrador que refletindo sobre seus próprios procedimentos, encontra nessa reflexão as ferramentas  para especular as sutilezas de um inquérito do qual só sobraram os depoimentos por escrito, tomados há mais de 400 anos. Um toque de originalidade usando a sempre difícil, porque rígida, moldura do romance policial.

Conflito de versões numa terra fraturada

13 de junho de 2014 0
Capa do livro "Absolvição"

Capa do livro “Absolvição”

Estratégias comerciais de editoras podem ser um involuntário problema para o autor. Veja-se o caso do recente Absolvição, romance de estreia do escritor sul-africano Patrick Flanery (Alfaguara, tradução de Ângela Nogueira Pessoa, 408 páginas, R$ 54,90 impresso, R$ 29,90 em e-book ). Flanery aborda, em um romance longo e de estrutura fragmentada, as feridas e os traumas da transição da África do Sul ao fim do apartheid. Apartheid + autor africano, a editora faz as contas e se apressa a informar na orelha que o autor vem sendo “comparado a J.M. Coetzee por sua visão sombria e desconcertante da história sul-africana”.

Para quem acredita no que se lê em orelhas de livros (o que não se deveria fazer, mas até aí também não se deveria dirigir sem cinto de segurança, vai saber), a afirmação pode ser irresistível, mas é bobagem. Tirando a nacionalidade do autor e o fato de o romance se passar na África do Sul, Flanery, com uma prosa detalhista e centrada em vasculhar as emoções de seus personagens, não poderia estar mais distante do Nobel Coetzee. É aí que surge o involuntário problema, porque a orelha vende errado o peixe certo: Flanery não é Coetzee, e não precisa ser, para tornar Absolvição um romance muito interessante.

Absolvição é, em uma análise sintética, um estudo sobre as diferentes formas de esconder a verdade que se desenvolvem na esteira de um regime totalitário. A trama entrelaça as vidas de Clare Wald, uma célebre e já idosa escritora sul-africana, e de Sam Leroux, acadêmico contratado para escrever a biografia da grande autora. Parte da narrativa encena as entrevistas entre ambos, na casa para a qual a escritora se mudou após uma suspeita tentativa de assalto. As interações entre Clare e Sam são inicialmente ásperas, com a autora deixando clara toda sua má vontade com o projeto da biografia, aparentemente imposto pelo seu editor. À medida que os contatos vão se tornando mais íntimos e o diálogo mais franco, outras linhas narrativas vão dando pistas de que, embora não toquem no assunto, ambos estão ligados por circunstâncias passadas e por traumas antigos de ambos: o assassinato da irmã de Clare, casada com um figurão da extrema-direita pró-apartheid; o desaparecimento da filha da escritora, Laura, ligada à luta armada contra o regime separatista; a infância infeliz de Sam, órfão adotado por um tio violento e abusivo.

Embora a concatenação dessas linhas narrativas possa ter um quê de desconcertante novela mexicana, o que está no centro de Absolvição é o conflito de versões entre o que Sam sabe, ou pensa que lembra, o que os registros contam, o que Clare está disposta a contar ou imagina, como ficcionista que é. Uma ciranda de dissimulações que a seu modo reproduz a lógica ditatorial do regime do apartheid. Em um Estado que mente, segrega e tortura, o resultado só poderia ser uma sociedade em que a desconfiança é a norma. O olhar múltiplo de Flanery também para as vítimas do processo histórico encontrará ressonância em um Brasil que ainda luta para purgar os crimes de sua própria ditadura.