Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Somália"

Fome pode provocar 750 mil mortes na África

05 de setembro de 2011 0

O dramático alerta é da Organização das Nações Unidas (ONU): um total de 750 mil pessoas corre o risco de morrer na Somália nos próximos meses vítimas da fome, em uma tragédia provocada pela seca excepcional na região. A fome já atingiu uma sexta região do país do Chifre da África. O balanço anterior da ONU, datado de julho, mencionava 450 mil pessoas sob risco de vida na Somália, com uma população estimada de pouco menos de oito milhões. “No total, 4 milhões de pessoas estão em situação crítica na Somália, das quais 750 milhões correm o risco de morrer nos próximos quatro meses na ausência de uma resposta adequada em termos de ajuda. Dezenas de milhares de pessoas já morreram, das quais mais da metade crianças”, aponta um comunicado da Unidade de Análises da ONU para a Segurança Alimentar e a Nutrição (Fsnau, na sigla em inglês).
No dia 1º de setembro, apenas 59% da ajuda solicitada para o conjunto dos países do Chifre da África afetados pela seca havia sido repassada, o que representa pouco mais de US$ 1 bilhão de um total de 2,4 bilhões. A região de Bay, a sexta e mais recente declarada em fome pela ONU, é controlada pela grupo fundamentalista islâmico Shebab, assim como grande parte do sul e do centro da Somália. Outras cinco regiões foram declaradas “em fome” pela ONU desde julho: Baixa Shabelle e o sul de Bakool, ambas contíguas a Bay, os 400 mil deslocados dos acampamentos de Afgoye, ao norte de Mogadíscio, os instalados na própria capital e nos distritos de Balaad e Adale, na região de Média Shabelle. No total, 12,4 milhões de pessoas do Chifre da África sofrem com a pior seca em décadas e precisam de ajuda humanitária, segundo a ONU.
Na foto abaixo, refugiados aguardam entrega de comida em Mogadíscio.

Celebridades pedem ajuda internacional à África

25 de julho de 2011 0

O cantor irlandês Bob Geldof e os atores britânicos Stephen Fry e Eddie Izzard somaram hoje suas vozes às de outras celebridades, como a atriz Kristin Scott Thomas e o cineasta Richard Curtis para pedir aos dirigentes mundiais que reajam à fome que assola o Chifre da África. “Neste momento, mais de 11 milhões de pessoas passam pela agonia causada pela pior fome dos últimos anos, na África”, diz uma carta conjunta publicada pelo grupo One, que luta contra a pobreza, fundado pelo cantor e ativista Bono, líder do grupo irlandês U2. “É incompreensível que em 2011 alguém possa ainda morrer de fome. Faltam US$ 600 milhões para impedir que isso aconteça. Não é uma grande soma para o mundo, mesmo em tempos de grandes dificuldades econômicas para alguns”, diz a carta.
A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) realiza hoje um encontro, em Roma, no momento em que as organizações humanitárias tentam conseguir verbas para ajudar milhões de pessoas ameaçadas pela fome no leste da África. A pior seca em 60 anos na região causou estragos especialmente na Somália, mas também em Djibuti, Etiópia, Quênia, Sudão e Uganda. Na foto abaixo, somalis aguardam doação de comida em um campo de refugiados na capital do país, Mogadíscio.

Ataques de piratas aumentam em 2011

14 de abril de 2011 0

A pirataria no mar está claramente em alta. Só no primeiro trimestre de 2011, foram 142 ataques – um número sem precedentes -, conforme um relatório divulgado hoje pelo Escritório Marítimo Internacional. Segundo o informe, os piratas que atuam na costa da Somália são considerados os mais violentos e agressivos.
Em todo o mundo, foram sequestradas 18 embarcações nesse período, incluindo cinco petroleiros de grandes dimensões, e capturadas 344 pessoas. Os piratas também assassinaram sete vítimas e feriram 34, entre janeiro e março.
- Os números da pirataria e roubo em alto-mar no últimos três meses são maiores do que os registrados no mesmo período em qualquer outro ano _ disse Pottengal Mukundan, diretor da organização.
Dos 97 navios atacados na costa da Somália em 2011, 37 eram petroleiros, incluindo 20 com carga superior a 100 mil toneladas. No ano passado, foram 445 os ataques de piratas no planeta, 10% a mais do que em 2009.

Piratas se dão mal na costa da Somália

21 de janeiro de 2011 0

Desta vez eles se deram mal. Militares da marinha da Coreia do Sul invadiram hoje um cargueiro sul-coreano que tinha sido sequestrado havia uma semana e resgataram a tripulação, em uma ação que terminou com a morte de oito piratas somalis. O resgate ocorreu em um ponto no mar 1,3 mil quilômetros ao nordeste da costa da Somália. O Samho Jewelry havia sido sequestrado em 15 de janeiro, quando navegava entre Omã e a Índia, com destino ao Sri Lanka.
- Nossas forças especiais tomaram de assalto na manhã desta sexta-feira o Samho Jewelry, que havia sido sequestrado, e libertaram todos os reféns. Na operação, nossas forças mataram vários piratas somalis – declarou o coronel Lee Bung-Woo, porta-voz do Estado-Maior conjunto das forças armadas sul-coreanas.
Dias atrás, o relatório anual do Escritório Marítimo Internacional (BMI) revelou que 445 ataques de piratas foram registrados no mundo em 2010. Também segundo o BMI, o Oceano Índico, em particular o Golfo de Áden, foi a zona marítima mais perigosa do planeta no ano passado. Os sequestros de reféns nas costas da Somália representaram 92% do total, com 49 embarcações e 1.016 marinheiros prisioneiros.

Pirataria no mar bateu recordes no ano passado

18 de janeiro de 2011 0

Está aí uma profissão em alta: pirata. Em 2010, nada menos que 445 ataques de piratas foram registrados no mundo, 10% a mais que em 2009, segundo relatório anual do Escritório Marítimo Internacional (BMI, na sigla em inglês), organização com sede em Kuala Lumpur, na Malásia. Além disso, 53 embarcações foram capturadas pelos piratas, que fizeram prisioneiros 1.181 marinheiros, contra apenas 188 reféns em 2006 e 1.050 em 2009. Oito tripulantes foram assassinados.
_ São os números mais elevados registrados até hoje. Este aumento permanente é alarmante _ afirmou o capitão Pottengal Mukundan, diretor do Centro de Vigilância da Pirataria do BMI, que começou a funcionar em 1991.
No fim de dezembro, 28 embarcações e 638 reféns permaneciam sob poder dos piratas, segundo o BMI, um organismo vinculado à rede internacional das Câmaras de Comércio. O Oceano Índico, em particular o Golfo de Áden, foi a zona marítima mais perigosa do planeta no ano passado. Os sequestros de reféns nas costas da Somália representaram 92% do total, com 49 embarcações e 1.016 marinheiros prisioneiros.
Conforme o BMI, os piratas estão cada vez mais bem armados e utilizam métodos mais modernos, o que dificulta a tarefa da frota internacional responsável por levar segurança ao tráfego marítimo. Muitos reféns de países tão diversos como Índia, Filipinas ou Gana esperam às vezes por meses pela libertação.

Sequestro no país desgovernado

15 de outubro de 2010 0

Mais uma em um país famoso por não ter um governo digno do nome desde 1991 e mundialmente conhecido pelo piratas que atuam em sua costa. Homens armados e mascarados sequestraram de um complexo no oeste da Somália um britânico e um funcionário somali da organização não governamental humanitária Save the Children. O trabalhador somali foi mais tarde libertado pelos sequestradores. O morador Moalim Bashir disse que não conhece as pessoas que levaram embora os dois homens na noite da quinta-feira, na cidade de Adado, perto da fronteira com a Etiópia. Segundo ele, o clima é tenso na cidade, com uma milícia se preparando para desfechar um ataque contra Adado, controlada por outra milícia.
Várias forças militares operam na região fronteiriça com a Etiópia, inclusive gangues que se dedicam à pirataria e milícias aliadas ao governo somali. A região, curiosamente, é considerada uma das mais seguras da Somália. O sequestro é um crime muito praticado neste país do Leste da África, e normalmente as vítimas são libertadas sem sofrerem torturas e maus-tratos, após o pagamento do resgate. O governo britânico informou que está investigando o caso.