Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Nazareno Malegarie estreia no Pancrase, no Japão, neste domingo

10 de junho de 2016 0

Não é só força de expressão, mas o lutador Nazareno Malegarie, 30 anos, está no outro lado do mundo para desbravar mais um país em sua carreira. Nascido na Argentina e radicado em Florianópolis desde a adolescência, Naza vai lutar no Pancrase 278, domingo, no Japão, contra o expediente atleta local Hiroyuki Takaya.

Leia mais notícias sobre Nazareno Malegarie
Confira o card do UFC 200

A carreira de Nazareno começou aqui, foi ganhando espaço nos eventos do país até chegar ao Bellator, segundo maior organização de MMA do mundo. Em 2015 ele foi um dos escolhidos no TUF Brasil 4, que lhe rendeu uma luta no UFC, em Las Vegas. Mas a derrota para Neto BJJ fez um contrato mais longo não ser assinado. Agora ele é seguir em frente.

– Já cansei de planejar a carreira durante muito tempo. Agora, depois de algumas decepções, só penso em lutar, ganhar dinheiro e o resto é consequência. Estou motivado, nunca estive tão bem na minha vida. Ele é um cara que pode me dar muita projeção, é um dos maiores ídolos em atividade no Japão, e vencendo vou ter outras oportunidades e a minha carreira vai bem pra frente.

O atleta da Team Tavares vai para o seu 29º combate, são 24 vitórias e quatro derrotas, e sabe que vai precisar se impor para superar Takaya, 38, com 21 triunfos e 11 derrotas.

– Treinei de forma específica, seguindo uma estratégica que montei junto com meu pai, Roberto Malegarie, e o Thiago Tavares. Ele é um cara completo, eu também sou, então tô pronto pra tudo. Eu vou sempre tentar botar o meu jogo de luta agarrada, o meu jiu-jitsu – explica.

Se tem uma coisa que não preocupa é o ritmo de luta. Em abril ele venceu Iramar Frota, no Aspera FC 34, em apenas 34 segundos. De lá pra cá os treinos ficaram mais fortes e a oportunidade de lutar no Japão, com chance de voltar, motiva o atleta.

– Eu penso como se fosse a última da minha carreira, eu venho pra vencer o Takaya e o resto é consequência. Fazendo uma boa luta quem sabe eu não tenha outras chances – disse.

Envie seu Comentário