Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 7 março 2012

Dorival muda e surpreende a todos

07 de março de 2012 83

Oscar - Foto: site oficial do Inter.

Ninguém ganha ou perde uma partida antes dela começar, mas não há como negar a decepção pelo time que Dorival Júnior escalou para entrar em campo para enfrentar o Santos na Vila Belmiro.

A impressão que passa é que não importa o treinador que o Inter contratar, na medida em que ele entrar no Beira-Rio terá de cumprir uma cartilha que o obriga a um conceito defensivo de futebol, priorizando sempre um modelo de jogo.

Abel Braga teve de desafiar Fernando Carvalho e seus assessores para colocar em campo contra o Barcelona um time com Edinho, Monteiro, Alex, Fernandão, Iarley e Pato. Desta forma, com jogadores de características ofensivas, contrariando a filosofia dos dirigentes do clube, que o Inter conquistou o maior título da sua história, mas parece que não serviu de lição.

Ficaram três noites tentando convencer Abel que isto era um suicídio, mas como se viu, não foi. Queriam encher de volantes, um conceito surrado, ultrapassado, que já se mostrou pouco eficiente. Abel não cedeu e levantou a Taça.

Falcão nos míseros três meses que ficou no Inter, somente em três jogos montou um esquema com apenas um atacante, contaminado pelo ambiente. Logo viu que era um erro e riscou esta possibilidade das suas opções, desafiou as ordens superiores e foi mandado adiante.

Não é por nada que Osmar Lóss ficou tanto tempo no cargo, reconduziu Wilson Matias e Marquinhos e cumpriu todas as determinações que lhe foram passadas.

Quem na verdade está escalando o Inter é um mistério. Dorival sempre teve um conceito diferente de futebol, nada a ver com um meio campo com Bolatti, Élton e Guiñazu, Oscar e D’Alessandro, com apenas um atacante.

Isto poderia acontecer numa emergência, mas não deixando Dagoberto e Tinga no banco. Tinga na reserva de Élton ou Bolatti pode ter qualquer justificativa, mas ela não será técnica e muito menos tática.

Dagoberto seria uma alternativa de velocidade para enfrentar a lenta defesa santista, com Dracena e Durval, mas vai ficar assistindo o jogo do banco de reservas. Talvez depois de tomar um gol, daí sim entre em campo o pensamento mágico de colocar os melhores para tentar ao menos empatar.

Repito, ninguém ganha ou perde antes da bola começar a rolar. O Inter tem elenco para desafiar o Santos com qualquer escalação, mas não está indo a campo com força máxima por uma simples opção do seu treinador.