Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Os furos do fim de Verdades Secretas que quase ninguém viu

29 de setembro de 2015 4

* Por Cris Cordioli
Eu, antes de mais nada, gostaria de deixar claro que gostei muito do fim de Verdades Secretas, independente dos fatos que não sobreviveriam aqui fora, no mundo real. Mas como não vivo só das minhas opiniões, junto um punhado de supostos furos para, assim, satisfazer a outra parte da humanidade, que não curtiu o desfecho do novelão:

Fotos Rede Globo, divulgação

Fotos Rede Globo, divulgação

Cara de pouco amigos…

* Por Mala de Plantão
Guilherme com cara de planta no casamento foi de morte. Quem, em sã consciência, casaria feliz com uma assassina? Sim, porque se existe uma pessoa em Verdades Secretas que sabe que Angel fez o serviço sujo, esse alguém era o bonitinho. Sabia do caso da namorada, foi pra ele que ela disse que ainda tinha algo mal resolvido pra por fim e, claro, era pra ele que ela teria que se explicar sobre o passeio em alto mar com o padrasto morto. Não colou.
Versão da Cris: casou e é bem capaz de levar uma rasteira da “demonha” logo ali na esquina. A cara dela dentro do helicóptero foi triste. Mas, sim, uso um ditado como defesa para o desfecho: o amor, assim como a Justiça, é cego, lembram?

sangue

É força de sangue, como diriam na minha terra

* Por Sempre Acho um Porém da Silva
Pensem na morte de um grande empresário. Rico, conhecido, badalado… Respondam vocês, meninas, que trabalham em um meio de comunicação: passaria desapercebido? Sem investigação, como se fosse a coisa mais simples do mundo cair no mar depois de bater a cabeça? Não, né? Bastariam algumas gotas de luminol para a polícia descobrir que ele no mínimo teria que ter sido degolado pra deixar tanto sangue espalhado no iate. Ninguém desconfiou. Os filhos não se manifestaram. Assim, nem na ficção.
Versão da Cris: daí eu pergunto, senhor Silva, um homem daqueles existe aqui fora onde a gente nasce, cresce, se reproduz e morre? Não, aquele homem era todo “fricção”. Que descanse em paz.

 

fanny

Serve?

* Por Pé no Saco
E a Lyris morreu pra quê, se não foi para que Fanny fosse denunciada pelo book rosa? Que o tal Edgar era um zero à esquerda do logo da novela, certo. Agora, foi lá, tentou acertar Alex, quase matou um homem, foi preso e saiu a passear, esquecido no mapa. Depois, pra não desperdiçarem o cachê do moço, eis que com uma facada mata a modelinho mais fraquinha da trama, ele assina atestado de louco e Fanny segue feliz da vida, escrevendo mais uma página em seu book azul. Pastelão.
Versão da Cris: sim, concordo! Um belo pastel de carne – de gato, no caso – que sobrou para a Fanny, não? Mas com essa versão eu tenho que concordar. Seria muito mais coerente darem sentido para o assassinato, né? Muito sangue pra pouca história.

 

hilda

Vai ver até é outra arma…

* Por Mala sem Alça
Para não falarem que eu me arrasto por ai, fui atrás de um especialista em coberturas de mortes e assassinatos e a resposta foi curta e grossa: não, não existe a possibilidade de a arma com a qual Carolina se suicidou estar nas mãos da Hilda dias depois do acontecido. Furo (de bala) na história.
Versão da Cris: olha, não gosto de falar de quem já morreu. Dona Hilda, nessa altura do campeonato, deve estar lá no céu acompanhando a repercussão do caso e puta da cara, já que pediu para a Letinha “colocar a arma dentro do caixão” quando a vó morresse e a neta entendeu “colocar um bala dentro do bonitão” (sim, maldito corretor que anda instalado dentro do cérebro desta juventude computadorizada!).

Comentários (4)

  • Marcia Cristina diz: 29 de setembro de 2015

    Mais um furo. A canga que a Angel seguro, solta aos ventos, fazendo charme pro RajGrey, quando muda a cena, ela senta na lancha e cadê a canga??? E o vento levou??…. heheh

  • Karina diz: 29 de setembro de 2015

    Outro… Ela secou o deck do barco com um pano e em seguida colocou fogo no pano molhado… Pode isso produção?! kkkkkkkkkkkkkk panos encharcados pegam fogo?

  • Cyntia diz: 29 de setembro de 2015

    Passar “desapercebido”? Ai que dor!

  • jordison diz: 7 de fevereiro de 2016

    Um monte de incoerências.

    Cadê as reações de Pia e principalmente de Giovanna, a responsável por ter criado a situação, em relação ao suicídio de Carolina? Poderia também ter tido a reação das duas sobre a morte de Alex, embora nesse caso fosse menos necessário.

    Quais as reações de Bruno, Pia e Alex sobre a viagem de Giovanna?

    Larissa reencontrou a mãe?

    Bruno ficou separado da personagem da Yasmin Brunet (que, pelo jeito, continuou fazendo book rosa) mesmo ela tendo se apaixonado de verdade por ele. Aliás, o beijo dela com a outra modelo loira foi também desnecessário e para chocar, só pode ter um beijo assim no último capítulo?

    Fanny sequer foi presa? Continua o book rosa? Isso de ela ficar com o Léo foi estranhíssimo. A relação de Lurdeca e Visky continua se limitando a álcool e em segredo? O que mudou?

    A morte de Lyris no penúltimo capítulo foi realmente desnecessária. Não serviu pra nada. O book rosa continuou na agência, tudo igual.

    O final foi extremamente down (para baixo), desnecessariamente. Morrem Carolina, Alex e Hilda, além de Arlete virar uma psicopata, embora não dê pra entender por quê.

    Desde que viu a arma na casa da avó (o fato de Hilda estar com a arma é RI-DÍ-CU-LO), planejou tudo, ou seja, “vou virar uma bandida”? Ninguém achou estranho ela estar numa lancha com Alex? Todos acharam normal a mãe dela se matar e depois Alex morrer assim?

Envie seu Comentário