Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Mulheres estão cada vez mais atraídas por pornografia na internet

19 de abril de 2011 4

Foto: Ricardo Wolffenbüttel

Nunca ouvi nenhuma mulher falar que se atrasou pra o trabalho por ter ficado vendo pornografia na internet. Aliás, é raríssimo alguma mulher admitir que curte pornografia. Mas, segundo matéria de Tanith Carey para o jornal inglês The Guardian, muitas delas estão até ficando viciadas nisso.

De acordo com a matéria, no Quit Porn Addiction (Pare com o vício em pornô, em tradução livre), o principal serviço de aconselhamento pornô do Reino Unido, praticamente um em cada três pacientes são mulheres lutando contra o próprio uso de pornô, afirmou o fundador e conselheiro Jason Dean. Há dois anos, não havia nenhuma. Enquanto mais de seis entre 10 mulheres dizem que veem pornô na internet, um estudo em 2006 feito pelo Internet Filter Review descobriu que 17% das mulheres se descrevem como “viciadas”.

Atração diferente

Há uma pequena diferença em como mulher e homem se tornam viciados em sexo, explica conselheiro Jason Dean na reportagem. O padrão de exposição e vício que levam a aumentar o grau da busca por imagens é o mesmo. Mas o principal contraste entre o vício de homens e mulhers é o quanto as mulheres se sentem mais culpadas.

— Vício em pornô é visto como um problema masculino, e não é aceitável para mulheres — explica Dean.

Segundo ele, há um senso comum entre as mulheres de que isso é ruim, sujo, errado, e elas são frequentemente incapazes de conseguir ultrapassar essa barreira.

O orgasmo libera uma alta quantidade de dopamina-ocitocina que tem sido comparada a uma dose de heroína, e muitos dos usuários regulares de pornô na internet contam que passam por um efeito quase de transe que não os faz somente se sentirem alheios ao mundo, como também os dá uma sensação de poder que eles não têm na vida real.

Ainda conforme Dean, o que torna as mulheres viciadas em sites pornôs é a verdadeira sensação de desaparecimento da solidão e o quão rápido essa sensação começa. Muitas relatam problemas do início da adolescência, antes mesmo de terem começado algum relacionamento.

Estímulo visual

O psicoterapeuta Phillip Hodson, da British Association of Counselling and Psychotherapy, contou ao The Guardian que nos consultórios a quantidade de mulheres que habitualmente assistem pornô “é algo nunca visto antes. É uma novidade que está só começando a aparecer…”.

— Tradicionalmente o discurso feminino tem sido contra o pornô. Tem sido visto mais como um hábito masculino, porque são os homens que supostamente precisam ser visualmente estimulados. Mas isso não significa que mulheres também não precisem. Talvez homens só precisem mais.

Mulheres que se tornam usuárias regulares podem sofrer de depressão e baixa autoestima porque pode ser difícil de conciliar apreciar pornô com o desgosto intelectual de ver mulheres sendo usadas como objetos sexuais.

Vocês curtem ver pornografia na internet? E, em caso afirmativo, a atitude já trouxe algum problema?

Comentários (4)

  • Paulo diz: 19 de abril de 2011

    Eu acho que 100% das pessoas (homens e mulheres) veriam pornografia na internet se tivessem 100% de certeza de que não seriam descobertos.
    Acontece que os computadores deixam muitas pistas dos lugares onde o usuário visitou.
    Qualquer pessoa que entenda um pouco de informática sabe onde procurar estas pistas.
    E não adianta apenas deletar os cookies e os arquivos temporários do navegador. É preciso eliminar todos os rastros deixados pelo internauta curioso.

    É preciso lembrar também, que na GRANDE MAIORIA dos sites pornôs, existem vírus.
    Aqueles anti-vírus gratuitos que tem por aí não são bons o suficiente para evitar que o seu computador seja infectado.
    Uma simples olhadinha em uma foto ou filme pode trazer sérias consequencias aos computadores.
    É preciso muito cuidado.
    E é nos sites pornôs que eles testam vírus novos, que mesmo os programas anti-vírus mais modernos ainda não posuuem vacinas para eliminá-los.
    Alguém quer arriscar ?

  • Rogério diz: 19 de abril de 2011

    Eu não arrumo tempo pra ver pornô. Quando se é jovem tudo bem, é a bendita curiosidade, as vezes até insegurança, a idéia do “se aprende vendo”.

    Mas tipo, se um colega me mandar um vídeo, eu vou ver, até dar risada … mas não que eu vá atrás disso ou fique catalogando sites e filmes pra ver. Sei lá.

    A excitação olhado pra um pornô é real e quase automática. Mas temos que saber distinguir a realidade da interpretação.

    Tem coisa em pornô que eu não sei se consigo fazer. E na boa, tem muitas mulheres que não conseguem fazer coisas que são feitas ali. Machuca, humilha, nem toda posição dá prazer como mostram, nem toda parte do corpo pode ser espancada e estimulada de qualquer jeito.

    Quer olhar, olhe, dê risada, use de estímulo, pq não? Só tem que distinguir o que é real e o que não é. Tem gosto pra tudo, mas o que se vê ali não é de longe o padrão da humanidade hehehehehehe

  • Vocês curtem ver pornografia na internet? E, em caso afirmativo, a atitude já trouxe algum problema? diz: 19 de abril de 2011

    Vejo pornografia na internet sim, inclusive muitas vezes recebi e-mail pornôs de outras amigas do sexo feminino.
    Meu namorado recebe esses e-mails de amigos dele e assiste com frequencia, inclusive ele imagina que eu neeem desconfie que ele olha esses e-mail, mas eu tenho a senha e fico curiosa pra ver o que ele assistiu! hehehe
    Quanto a trazer problemas, por enquanto não. Muitas vezes eu até “adoto” algumas “dicas” que vejo nos e-mails. hehe

    Agora é normal o homem que vê com muita frequencia sites pornôs? Me refiro ao caso do proprio homem procurar sites pornôs na internet.

  • lara diz: 19 de abril de 2011

    Olá!!!!!!!!!!!
    Sou casada, satisfeita sexualmente, mas estou entre as “viciadas” em pornografia.Simplesmente adoro visitar sites,ver filmes, saber mais sobre o assunto.Não me sinto culpada, nem com vergonha disso.Gosto e ponto final.Compro filmes pornôs e dou de presente ao meu marido…não vejo nenhum mal nisso.

Envie seu Comentário