Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Jobs, Welles e casamento na era da Apple

06 de outubro de 2011 6

EMMANUEL DUNAND / AFP

Estava dividindo agora, lá no meu Facebook pessoal, o quanto a morte repentina de pessoas brilhantes me afeta. Steve Jobs não morreu do nada, afinal lutava contra o câncer há anos, mas mesmo assim é de partir o coração ver que ele deixa seu trabalho e sua família no auge de suas realizações. Triste, triste, triste.

Eu passei toda minha faculdade idolatrando um senhor chamado Orson Welles, que alguns de vocês devem conhecer. Aos 23 anos ele fez um programa de rádio nos Estados Unidos que virou lenda e até hoje é comentado e estudado. Lá em 1938, quando Welles aprontou uma das pegadinhas mais famosas do mundo, era o rádio que informava as famílias sobre tudo. Ele ficava no centro da sala e todos se reuniam em volta dele para ouvir noticiários e as famosas radionovelas. Welles era ator e diretor de um programa bem popular que fazia versões para o rádio de livros e peças de teatro conhecidas. Em um 30 de outubro (um dia antes do Halloween, o Dia das Bruxas) ele decidiu colocar no ar a adaptação de Guerra dos Mundos, ficção escrita por H.G. Wells que fala sobre uma invasão alienígena na Terra. Alguém aí viu o filme do Tom Cruise? Pois o filme é a adaptação para o cinema deste livro.

A sacada de gênio do jovem diretor Orson Welles foi não encenar o livro da forma mais natural, com atores lendo as falas dos personagens e um narrador pontuando a história. Welles imaginou repórteres e apresentadores de rádio interrompendo a programação e informando movimentações estranhas no céu. Mais tarde entravam outros jornalistas informando a queda de uma nave estranha perto de New York. O ápice era a transmissão dos humanos sendo aniquilados por ETs. Tudo isso ia ao ar como reportagens normais, uma adaptação criativa e genial do livro. O problema? Os americanos, que não tinham internet e nem CNN para confirmar as informações, acreditaram.

Houve pânico, gente fugindo de suas casas (os ETs podiam chegar nas suas ruas a qualquer momento), congestionamentos nas estradas. Quando o programa terminou e ficou bem claro que tratava-se de uma ficção o povo ficou furioso, mas essa indignação só fez Orson Welles atingir uma fama absurda (abaixo, espia a capa do New York Times do dia seguinte à pegadinha). Anos mais tarde ele dirigiu Cidadão Kane, que levou Oscar e até hoje figura em 1º lugar na lista dos 100 maiores filmes do American Film Institute. É meu filme preferido também.

Jobs e Welles foram pessoas geniais que muito cedo atingiram feitos absurdos. Isso sempre me emocionou. Welles me fez ser uma apaixonada por rádio e Jobs sempre me cativou por sua história de sucesso tão jovem. Como uma tech girl, que ama iPhone, iPad, iPod, dá um aperto no coração de pensar em tudo o que o cara que morreu ontem ainda poderia ter feito em mais uns 2o anos de carreira.

One more thing (como dizia Jobs): como uma breve e singela homenagem, recupero abaixo alguns posts com dicas que envolvem iPhone. As invenções de Jobs mudaram a forma como a gente vive e até organiza um casamento, não é?

Cupcakes para noivos que adoram iPhone e tecnologia

Aplicativo de Vera Wang, um dos meus preferidos

Como fazer save the date no celular

Aplicativo para fazer filme em Super 8 no celular

Desculpem interromper a programação de doces, bolos, vestidos e flores com um post assim, mas deu vontade de compartilhar minha admiração por quem brilha cedo.

Stay hungry, stay foolish.

The following two tabs change content below.

Gabi Chanas

Ótima amiga, péssima cozinheira. Adoro cachorros (tenho um vira-lata charmoso chamado Dunga), Friends, casamentos, decoração. Além do bloguinho, dou dicas todos os domingos na revista Donna, do jornal Zero Hora, e nos sábados na Almanaque, do jornal Pioneiro. Curto muito fazer novos amigos virtuais, por isso recadinhos são sempre bem-vindos!

Latest posts by Gabi Chanas (see all)

Comments pelo FB

Comments pelo FB

Comentários (6)

  • Maura diz: 6 de outubro de 2011

    Gabi, um dia antes eu havia devorado uma matéria sobre Jobs no IE e fiquei admirada como desde cedo o cara era gênio, como em mil novecentos e setenta e poucos, quando vendeu ilegalmente teclados telefônicos para os estudantes ligarem gratuitamente. Perdemos o Einstein do mundo contemporâneo e assim como tu fiquei imaginando que mil facanhas mais ele teria imaginado para nos surpreender! Nessas horas “converso” com Deus tentando entender o porquê de pessoas assim irem embora tão cedo. Belo post, bela homenagem!

  • Sabrina Steiner diz: 6 de outubro de 2011

    É uma perda lastimável, é uma pena que ele se foi pois era uma pessoa brilhante de ideias geniais! E como vc falou Gabi quem brilha cedo merece todo respeito e admiração. Linda homenagem!!! bjos

  • Gabriela Cristina diz: 6 de outubro de 2011

    Muito lindo Gabi.

  • Ananda diz: 6 de outubro de 2011

    Mais uma grande perda para a humanidade!!!
    Realmente, ficar pensando em tudo que ele poderia ter feito se tivesse mais alguns anos de vida, dá um aperto no peito…
    Linda a sua homenagem Gabi!!!
    Bjus

  • Beatriz diz: 7 de outubro de 2011

    Enquanto Orson Welles usou de tecnicas para a epoca sofisticadas fazendo as pessoas pensarem e tentarem desvendar as redes da genialidade, a genialidade de Steve Job esta na simplicidade, simplicidade democratica, qualquer um desde uma crianca ate uma pessoa idosa navega nas suas maquininhas com precisao e clareza. Ambos genios de uma epoca. Ficarao eternizados. Saudades e que venham os Welles e Jobs futuros nos facilitar e encantar a vida. Parabens, simples e genial homenagem para os que mereceram , sem duvida.

  • Josi Flores diz: 9 de outubro de 2011

    Adorei a história de Welles…pessoas q fazem a difereça!!!

Envie seu Comentário