Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Se não existisse divórcio, você casaria no civil?

01 de dezembro de 2011 14

Perguntinha polêmica para abrir o dia: se o divórcio não fosse permitido, você se casaria mesmo assim?

Dados liberados nesta semana mostraram que o número de casamentos está aumentando, mas também está crescendo o número de divórcios. Será que tem mais gente casando porque sabe que se não der certo pode se separar fácil, fácil?

É até estranho pensar nisso, afinal a gente cresceu num mundo onde sempre existiu o divórcio (a lei que o institui tem pouco mais de 30 anos). Como assim, casar e não poder se divorciar legalmente, de forma rápida e o menos dolorida possível? Pois quando os nossos pais se casaram o cenário era diferente. O “até que a morte os separe” era levado muito a sério e, na minha percepção, muito mais a sério do que hoje. Atualmente a gente vive em um mundo de “até que rola a primeira briguinha e o casal ligue para o advogado”.

Em 2010, ano em que eu me casei, o Brasil registrou o maior número de divórcios de toda a sua história. Os especialistas creditam isso a uma pequena mudança na lei no que se refere ao divórcio consensual, instaurada para tornar estas separações mais ágeis. Com ela os casais que queiram se divorciar estão liberados do cumprimento da famosa separação judicial por mais de um ano ou de comprovada separação de fato por mais de dois anos, como previa a Constituição.

Volto à perguntinha: se não existisse uma lei que te permitisse se divorciar e deixar legalmente seu passado com outra pessoa para trás, você se casaria com a pessoa que está hoje? Não pensaria duas vezes e, quem sabe, só juntaria os trapinhos, sem formalizar nada no civil?

Hoje eu vou participar do programa Polêmica, na Rádio Gaúcha, que vai falar sobre o assunto. O programa traz um tema (polêmico, claro), e especialistas para debater. De acordo com o que os convidados vão falando os ouvintes e internautas vão votando no que acham mais correto. A pergunta do dia será:

O programa começa às 9h30 e vai até às 11h. Para as meninas que quiserem ouvir fora do Rio Grande do Sul indico o site ou baixar o aplicativo da Rádio Gaúcha para o celular (é gratuito). No programa vocês vão ficar sabendo como votar em uma das opções para a pergunta acima. enquanto isso, não se esquivem se responder aquela ooooutra pergunta que eu fiz lá em cima. Quero saber!

The following two tabs change content below.

Gabi Chanas

Ótima amiga, péssima cozinheira. Adoro cachorros (tenho um vira-lata charmoso chamado Dunga), Friends, casamentos, decoração. Além do bloguinho, dou dicas todos os domingos na revista Donna, do jornal Zero Hora, e nos sábados na Almanaque, do jornal Pioneiro. Curto muito fazer novos amigos virtuais, por isso recadinhos são sempre bem-vindos!

Latest posts by Gabi Chanas (see all)

Comments pelo FB

Comments pelo FB

Comentários (14)

  • Aline diz: 1 de dezembro de 2011

    Olá meninas,
    eu casaria sim no civil hoje com meu noivo.
    Acredito que isso depende muito da forma como fomos educados e da tradição que temos em família. Para mim, vale muito a mesma ideia do tempo dos meus pais: “até que a morte os separe”.
    Beijos a todas,
    e a Gabi, sucesso, e que continue contribuindo para a felicidade de muuuitas noivas!

  • Gabi diz: 1 de dezembro de 2011

    Acho que existe muito dos dois lados: precipitados para casar e para separar, existe os dois.
    Vale muito a pena invetir na felicidade casando, mas o mundo hoje anda muito despreparado para isso e no fim acabando vivendo o conto de fadas do dia do casamento e depois a carruagem vira abóbora e eles desistem.
    Vale analisar que quando uma telha da casa quebra você vai la e concerta, mas não destróia a casa, o casamento deve ser assim, sem reparos ele desabará.
    “Até que a morte os separe”, ajuda a fazer uma sociedade mais educada e com mais valores, porque os filhos vem do casamento (ou não), mas quando os pais são unidos e tem um bom casamento, os filhos provavelmente vão ser bem instruidos, começando pelo bom exemplo dos pais.

    Beijos

  • Viviane diz: 1 de dezembro de 2011

    Gabi. Assim, respondendo tua pergunta, eu casaria no civil sempre, de qualquer forma. Mas acho que a importäncia do civil é justamente para a hora que a coisa fica feia, você não reconhece mais quem está a seu lado, seu amado(a) vira um estranho (parece impossível imaginar isso, mas acontece), entram em jogo mil coisinhas que a gente nem imagina, misturadas com mágoa, raiva, dor. O “papel” então traz um pouco de materialidade a essa confusão toda, às vezes pode ser seu único chão para conseguir dar um passo concreto no início de uma nova vida, e isso é importantíssimo no meio de uma confusão de sentimentos. Eu entendo a opinião de que o casamento civil não representa nada… porque ele não é nada até não se precisar dele, e a gente nunca quer precisar dele. O papel é útil justamente porque é um contrato, e contratos devem sempre ter uma cláusula de término. Mas eu concordo 100% que os casais poderiam antes sempre tentar superar as dificuldades a sair procurando o advogado. Acho que se sentiriam mais realizados, felizes e confiantes.

  • Clarissa diz: 1 de dezembro de 2011

    Gabi, não podemos esquecer que “juntar os trapinhos” é considerado união estável para o Direito brasileiro, o que significa dizer que o casal que mora junto (sem casar no civil), quando pretender se separar, também terá que fazer partilha dos bens adquiridos após a união estável (regime do casamento: comunhão parcial de bens). Concordo com a Aline: tudo é uma questão de educação e de exemplos que temos na nossa família. Também estou me casando para fazer o meu marido feliz “até que a morte nos separe” (esse tempo de preparação para o casamento me mostrou que casamento é fazer o outro feliz – um questão de ação e reação, respeitar e fazer companhia em todas as situações). A sociedade atual está pobre em valores humanos, principalmente. Se houvesse uma mudança de valores, com certeza haveria menos divórcios, mais respeito, mais compaixão, menos indiferença …

  • Thayná Cavalheiro diz: 1 de dezembro de 2011

    Olá…

    Certamente eu casaria no civil….Como disse a Aline sou da ideia “até que a morte nos separe”…

    Bjos

  • Carolina diz: 1 de dezembro de 2011

    Casaria sim! Tenho plena certeza que encontrei a pessoa certa e estou convicta que será até a morte nos separe.

    Quanto a pergunta do polêmica: creio que ambas estão certas. Já ouvi relatos de pessoas que se casam rapidamente da primeira vez, pois sabem que dará errado, para então buscarem A pessoa certa; logo qualquer mínima briga já é motivo de divórcio.

  • Paula P. da Silva diz: 1 de dezembro de 2011

    Me casaria sim, com certeza. Pois a decisão foi tomada com o coração, mas também foi muito bem pensada, não foi algo precipitado.
    Beijos gabi

  • @sabri_sf diz: 1 de dezembro de 2011

    Casaria sim concerteza! E concordo com os comentários das gurias e o que a Carolina falou acima é certo: ” pessoas que se casam rapidamente da primeira vez, pois sabem que dará errado, para então buscarem A pessoa certa; logo qualquer mínima briga já é motivo de divórcio.”

  • Paloma diz: 1 de dezembro de 2011

    Eu casaria no civil sim, pq afinal é um contrato. Não sou advogada mas sabemos que o casamento é uma relação de interesses, troca de amores, de promessa de contrução de uma vida juntos, entre outros. A questão hoje é que as mulheres estão mais independentes, elas ja possuem emprego e casa própria…já se sustentam e não toleram mais as safadezas dos maridos. Antigamente as mulheres aturavam os maridos pq não tinham renda e não tinham para onde ir hj isso até acontece em alguns casos, mas a maioria da mulher não se permite mais ser desreipeitada.

  • Ananda diz: 1 de dezembro de 2011

    Casaria (como casei) no civil certo!!!!
    Também sou daquelas que acredita no “Até que a morte os separe!!!”
    Casamento não é moleza alguns dias, tem que ter muito dialogo, confiança, respeito e entrar no casamento sabendo que é para sempre mesmo!!!!!
    Pois se já casar pensando “Ah, se não der certo a gente se separa”, aí sim que o casamento não vai dar certo meeesmo!!!!
    Bjusss

  • Leticia diz: 1 de dezembro de 2011

    Gabi, eu não casei no civil. Somente no religioso. Mas não fiz essa opção por medo da Lei ou por outro motivo qualquer, pois nós dois não temos nenhum impedimento legal. Aliás, devemos lembrar, como outra leitora já disse acima, que a união estável, mesmo sem escritura, vale o mesmo que o casamento pela lei atual. Então o que me levou a não casar (ainda) no civil foi simplesmente porque pra mim não faz diferença!! Na minha concepção, e pelo modo como fui educada, o que vale mesmo é o casamento religioso e esse sim é até que a morte nos separe! Vamos casar no civil ano que vem, somente porque podemos aproveitar nossas licenças no trabalho (hehehe – são oito dias de folga). Por outro lado, acho que existem vários motivos para o grande número de divórcios: ficou muito fácil, tanto legalmente, quanto moralmente, se divorciar. Hoje em dia não é mais vergonhoso ser divorciado e o processo é rápido e fácil. Também, algumas pessoas não pensam muito antes de casar, sequer chegam a conhecer bem o amado(a). EU acho que todos deveriam conviver pelo menos uns dois, três anos antes de decidir casar, pois é o tempo necessário para realmente conhecer alguém mais a fundo. Outro motivo é que em geral, as pessoas não se preocupam mais em fazer o possível para dar certo, em abdicar de certas coisas, em ser mais altrurístas e no papel da família na sociedade. Beijo!

  • Mauro diz: 1 de dezembro de 2011

    Estranho o que comentou a Leticia. Ela diz que o que vale mesmo é o religioso. Penso oexatamente o contrário. Religioso eu vejo só como um teatro ou espetáculo circence que não vale nada além do dinheiro gasto na cerimônia. O que tem validade legal é o civil. Respondendo a questão do post: se não fosse possivel o divórcio, eu não casaria no civil. Onde se viu fazer um contrato que não é possível rescindir?

  • Loise Pasqual Broilo diz: 1 de dezembro de 2011

    Oi Gabi e meninas do bloguinho.
    Sou casada a 1 ano e 1 mês e casaria com toda a certeza.
    Como qualquer casal, já passamos por problemas nossos e problemas que não eram nossos e nos afetaram… passamos por tantas alegrias que as máquinas fotográficas não puderam capturar… e passaremos por outras muitas coisas, sempre juntos.
    Decidimos nos casar sabendo o que isso significaria. Sabíamos que viver juntos exigiria muito amor e compreensão. Queremos construir uma família com responsabilidade e com muito carinho.
    Beijos

  • Gabriela Cristina diz: 2 de dezembro de 2011

    Casaria sim!!!é uma hipocrisia não casar por não poder se divorciar.

Envie seu Comentário