Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Rodrigo Faro quer me fazer adiar a maternidade

17 de junho de 2013 146

Estou com 35 anos e mais do que na hora de ter filhos. Não tenho a mínima vergonha de dizer que o que me impede de começar a tentar hoje é grana. Queria juntar mais uns pilas antes de ter meu bebê para talvez reformar a cozinha, trocar de carro. Enquanto escrevo isso, já imagino que alguém vai vir me dizer: “Mas Gabi, no fim tudo se ajeita. Quando a gente tem filhos, todo mundo ajuda e as coisas sempre dão certo”. Eu imagino que isso aconteça mesmo. E prevejo que, com a família e amigos que tenho, não vou precisar comprar uma peça de roupa até os 18 anos do piá. Só que a minha preocupação vai além de ter dinheiro para comprar fraldas, papinha e pagar escolinha. São os extras que me tiram o sono. E o aniversário das filhas do Rodrigo Faro me fez ter insônia essa noite.

Quando eu era pequena, minhas festas de aniversário eram muito modestas. Nem existia muita coisa no que inovar: eram uns cartazes de ‘feliz aniversário’, umas capinhas de palhaço nas garrafas de Guaraná Charrua, canudinhos de maionese e pastéis de carne para as crianças. A minha mãe me colocava dentro de um vestidinho bonito, mas não era um modelito sereia com pele na gola como o das meninas do Faro e da Vera Viel.

Imagens: Thiago Duran, AgNews

Não me entendam mal: isso não é crítica às meninas (umas fofas), mas uma reflexão sobre como as coisas mudaram desde a minha última festinha de aniversário. Meu filho vai crescer cercado por essas festas monstras, cheias de frufrus. Obviamente, vai querer ter uma também. Aí eu penso no rombo que o meu casamento fez no meu orçamento e imagino que o primeiro aninho da criança vai acabar exigindo ainda mais grana.

Sim, eu posso fazer uma festa menor, e provavelmente será isso que vai acontecer (a não ser que ganhe na Mega Sena até lá, aí convido todos vocês), mas quem está noiva ou quem está planejando a festinha do filho vai me entender. Tem tanta coisinha fofa para eventos que a gente vai se encantando por um docinho aqui, uma lembrancinha ali. Quando vê, o orçamento dobrou. Aconteceu no meu casamento: aos 45 do segundo tempo eu ainda estava enlouquecendo a minha irmã pedindo para acrescentar “só mais esse detalhezinho, eu prometo”.

Apesar da depressão que essas fotos me causaram, no fim das contas eu agradeço ao Rodrigo Faro. Ver as fotos da festinha da família me fez abrir uma poupança para o primeiro aninho do meu piá. O dinheiro ficará no banco como garantia: se sobrar, eu e o pai dele partimos para uma viagem romântica.

:: O papo também rola no Facebook, onde muita gente está deixando sua opinião. Passa lá!

The following two tabs change content below.

Gabi Chanas

Ótima amiga, péssima cozinheira. Adoro cachorros (tenho um vira-lata charmoso chamado Dunga), Friends, casamentos, decoração. Além do bloguinho, dou dicas todos os domingos na revista Donna, do jornal Zero Hora, e nos sábados na Almanaque, do jornal Pioneiro. Curto muito fazer novos amigos virtuais, por isso recadinhos são sempre bem-vindos!

Latest posts by Gabi Chanas (see all)

Comments pelo FB

Comments pelo FB

Comentários (146)

  • Ana Contessa diz: 17 de junho de 2013

    Esse negocio de festas infantis caríssimas virou um comércio, uma modinha onde os pais disputam quem gasta mais e inova mais nas festas dos filhos, uma bobagem e outra que roupa são essas que colocaram nessas crianças??parecem umas prostitutas, ficou horrivel!!!

  • Carla Hervelha Soares diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, penso que os valores se inverteram… Hoje em dia as crianças estão ‘virando adolescentes/adultos’ cedo demais e com isso querem tudo demais…. As festas são astronômicas, os presentes são caríssimos… Eu era mto feliz com as minhas festinhas com os canudinhos de maionese, docinho e bolo feito em casa…. Pena que nossos filhos não viverão essas festas deliciosas!!!

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Ana, pelo que entendi as meninas estão vestidas como a Miss Piggy, pois era uma festinha dos Muppets. Beijos!

  • Carol X. diz: 17 de junho de 2013

    Ah não, Gabi! Isso não é motivo pra deixar pra depois!!!!!
    Não podes e nem deves comparar teu sonho de ser mãe com a ostentação dos ricos (que na maior parte das vezes, ganham tudo dos outros e não gastam é nada)…
    Eu estou esperando meu primeiro bebê, e acho lindas estas festas como a das filhas do Rodrigo Faro (adoro a família dele), mas a gente tem que ter os pés no chão e tentar encaixar as coisas no nosso orçamento! E a sensação de estar grávida é algo tão mágico, que expulsa todos esses monstros do dinheiro e faz a gente tantar ser alguém melhor!
    Não te prende a isso e vai ser feliz do lado do maridão com um lindo baby!!!!

  • Germana diz: 17 de junho de 2013

    Concordo com a Ana, a roupa das meninas está de muito mau gosto…

  • Adri diz: 17 de junho de 2013

    podia ser pior: elas poderiam estar de perucas loiras para ficarem mais parecidas com a Miss Piggy.

  • Alessandra diz: 17 de junho de 2013

    Sério que tu curtiu Gabi? Achei de péssimo gosto!!

  • Ana Paula Groth diz: 17 de junho de 2013

    Gostei do seu comentário!
    E sim, simplicidade é o luxo!
    Mostrar e ostentar é briga!
    Gostei muito do post!
    Ótima semana para você, Gabi!

  • clenir viana diz: 17 de junho de 2013

    Bom dia Gabi,nossa quando deparei com a foto das meninas do Rodrigo Faro , confesso que tambèm fiquei pasma,que dó dessas meninas lindinhas com aquele vestido horrivel,penso comigo que vontade essas meninas estão de vestir atè um jean s com uma blusinha bunitinha….mas é isso papai tem grana entâo podem expor as lindinhas ao ridìculo…Sereia e melissinha ahhhhhhi que dò….tenha um lindo dia Gabi…..

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Alessandra, não faz nada o meu estilo, mas são crianças. Deve ter sido escolha dela. Só isso me faz não querer criticar. São meninas lindinhas! Beijos!

  • Leila diz: 17 de junho de 2013

    Querida Gabrieli,

    Me desculpe, mas discordo totalmente do seu pensamento… Achei ridículas as pobres filhas do Rodrigo Faro com essas roupas, e acho que tudo que fazemos para mostrar aos outros, perde o sentido para nós mesmos…

    Beijos!!!

  • carol diz: 17 de junho de 2013

    Ai Gabi… desculpe mas acho que festa de aniversário é a última das preocupações… acredito que teu filho vai poder entender, talvez não no momento, que existem coisas bem mais importantes que uma festa de arromba com um aninho ou dois ou cinco…
    Me preocupo sim com os preços das escolas particulares e das faculadades, da falta de segurança, no valor da creche e na dificuldade em arrumar vaga… isso sim entre tantas outras coisas me preocupam!!
    Abraço

  • Luciana diz: 17 de junho de 2013

    Ainda bem que tu tem amigos e família, porque provavelmente o Rodrigo Faro não tem! Ora se gente normal ia vestir as gurias desse jeito? Pápápápápá…

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Me too, Carol, mas eu comentei na abertura do post que para essas coisas eu sei que sempre terei ajuda. E em momento algum comentei que quero fazer festa de arromba para meus filhos. Entendeste a pegada? A coisa era comentar como as coisas mudaram e que mesmo a festa mais simples hoje é bem mais elaborada que as do meu tempo de piá.
    Um beijo!

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Luciana, eu ri. Muito bom!

  • Fátima diz: 17 de junho de 2013

    Bom dia Gabi!Eu tive meu primeiro filho aos 34 e o segundo aos 40.O primeiro foi pensado ,planejado.primeiro construimos nossa casa , fiz meu plano de saúde para recebe-lo bem.Meu marido e a família dele tem uma confeitaria aqui em Dois Irmãos…fizemos o primeiro aninho dele lá , simples , com a família.E os aniversários seguintes , comemorados na escolinha , com os amiguinhos.Hoje ele tem 14 anos e não carrega nenhum trauma , te garanto!O segundo veio no susto , sem planejar , e foi uma benção também em nossas vidas!Por isso te digo : relaxa , e….deixa a vida te levar!!!!Bjus querida , adoro você!!!!

  • De diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, depois que ouvi dizer que uma festa “simples” de um ano em POA está em torno de R$ 15 mil reais, eu percebi que os pais estão ficando loucos! Festa de 1 ano é para os adultos e, talvez, algumas crianças maiores que lembrarão da mesma. O(A) aniversariante não sabe sequer o que está ocorrendo.
    POR FOTOS sei que minha festa de um ano teve bolo, docinhos, salgadinhos, alguma decoração de princesa e foi feita dentro da casa dos meus avós, o que ocorreu nos meus 2, 3, 4… e assim por diante. Fui ter uma festa fora de casa aos 12 anos e, ainda assim, em um local de recreação, com lugar pra jogar bola, pular na cama elástica…
    Hoje os pais alugam casas de festa para mostrar o quanto têm de dinheiro pros outros pais e, o pior, fazem os outros pais quererem demonstrar ter mais dinheiro, mesmo sem ter.
    É triste ver que os valores das pessoas se restringem a valores monetários. Espero que quando eu tenha um filho eu não enlouqueça como muitos pais e faça como foi meu 1 ano: uma festa simples, apenas para comemorar um aninho de vida dele(a).

  • Fernanda diz: 17 de junho de 2013

    O fato é que em festa de 1 aninho o aniversariante é quem menos se diverte. A festa acaba sendo uma ‘vitrine’ pros amigos do papai, que vai querer oferecer a cerveja da moda, e pras amigas da mamãe que vai querer mostrar o sapato caro que comprou na última viagem internacional. É só olhar as fotos do post, a mãe e o pai ‘exibidos’, as irmãs com cara de ‘socorro, pq aceitei me fantasiar de Miss Piggy da luz vermelha???’ e a aniversariante sem entender o motivo desse circo armado na sua volta. Cada um faz a festa que lhe convém, gasta o que quer, se fantasia do que quer…Qdo chegar a hora da festa do teu filho, Gabi, tenho certeza que farás uma condizente com o jeitinho dele e condizente com teu bolso. Sério…será que só eu acho brega pra caramba essas festas que as celebs fazem????

  • marina diz: 17 de junho de 2013

    Essas são as verdadeiras fotos para mais tarde as meninas morrerem de vergonha do mico que pagaram. Isso mostra que nem sempre ter dinheiro é sinônimo de bom gosto, os pais poderiam orientar as meninas.

  • Manu diz: 17 de junho de 2013

    Não esquenta com isso não Gabi, a festa que tu menos vai gastar é justamente na de um aninho, pq o aniversariante não entende muito o que está acontecendo. Tá, não é bem assim, afinal, é o primeiro aniversário e a gente quer que seja tudo lindo. No primeiro aninho da Clara (que saiu aqui, ó http://wp.clicrbs.com.br/noiva/2013/01/15/aniversario-da-clara/?topo=52,1,1,,170,77) consegui fazer uma festa linda e gastar pouco pq eu mesma fiz a maior parte das coisas (decoração, lembrancinhas e até os doces). Então, te garanto que é possível fazer uma festa linda sem gastar horrores de R$.
    Aí o bichinho cresce e começa a ser convidado para festas maravilhosas…vai querer ter uma também. Isso é relativo e vai depender das coisas que tu ensinar prá ele. Tipo, é mais importante a festa dele ser “especial” do que grande. As festas da Clara, mesmo pequenas, sempre serão especiais porque sempre vai ter tudo feito por mim, com quilos de carinho em cada detalhe e isso só eu posso fazer por ela. Não há no mundo, festa monstra que substitua isso.
    Além do quê, os valores estão mudando muito…como trabalho organizando eventos, hoje vejo pessoas que têm condições de fazer mega produções, fazendo festas simples, mas com muita diversão, que é o que as crianças gostam.
    Mas a poupança, é uma ótima ideia, sim!

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Sabe, De, eu também me impressiono. Tomara que eu tenha $$$ pra fazer um aníver bacana, mas tô contigo: tudo anda caro demais. Não critico quem faz festas enormes para seus filhotes (deve ser uma delícia), mas me choca a evolução das festas infantis. Beijos!

  • Tatiane de Souza diz: 17 de junho de 2013

    Gabi,

    Eu organizei todo o meu casamento e sei bem como é esse sentimento de “só mais este detalhezinho” e o rombo que causa no orçamento.

    Eu já estou tentando ter filhos, e estou gastando uma banana pra isso, pois descobri que tenho uma certa dificuldade. E aí vai medicação e etc etc.. bom, não vem ao caso.

    O ponto que eu queria chegar é que uma vez noiva, ou organizadora de um grande evento, pra sempre “noiva”.
    Tudo que é “festinha” não é mais uma “festinha”.
    Eu invento, eu coloco a mão na massa, eu me perco nas inspirações na internet.. eu PIRO!!

    Entendo perfeitamente o que queres dizer.
    O mercado esta muito amplo. Existem mil opções lindas e nós sempre vamos querer fazer o melhor.
    Eu ja tenho uma pastinha para meu chá de bebe e para o aniversário de um ano. Louca? será? hehehe

    O fato é que eu realmente espero ter grana para tudo isso.
    Meu planejamento financeiro para ter um filho terminou quando comecei a gastar tudo o que juntei para conseguir gerar este filho.

    Então eu digo com toda certeza, por maior que seja o planejamento, por mais que tenhamos nos organizado pra isso, as vezes a vida nos surpreende.
    Seja como eu, que gasto uma grana significativa todo mês com medicação, consultas e exames, ou então até mesmo em um “presentinho” em dobro.

    Beijos!!!

  • ju diz: 17 de junho de 2013

    Quando chegar o momento da festa do seu filho cabe a nos pais
    Inovar com moderação, afinal menos e mais.
    As roupas das lindas filhas do Faro, sem dúvida chama atenção,
    mais comparar com protituta e um comentário feio e cruel.

  • Aline Vieira diz: 17 de junho de 2013

    Gabrieli, isso tudo vai da maneira que você cria o seu filho, mostrando desde pequeno valores que são importantes para a familia. No primeiro ano do meu Vicentti fizemos uma festa somente para a família, contratei uma decoração da Galinha Pintadinha, minha mãe fez um bolo lindo ( pois é confeiteira), fizemos doces e casa, salgadinhos e cachorro quente. Aqueles que nós amamos estavam lá, eu fiz as lembrancinhas e uma parte da decoração. A melhor parte da festa foi quando o Vicentti entrou no salão e viu a decoração que estava um amor, ele não parava de falar “cocó-cocó”, como chama a galinha, ganhei o dia!!!Foi maravilhosa!!!Simples mas feita com muito amor!!!as fotos revelam a alegria dele!se quiseres de mando para ver!bjo e Ter filho é maravilhoso!!

  • Greyce Malta diz: 17 de junho de 2013

    Eu entrei em depressão justamente com as roupas. Independente do personagem, além de feio, parecem umas peruas bregas de anos. Prefiro as crianças vestidas de princesas, de minie ou só com um vestidinho bonito.

  • Ana Contessa diz: 17 de junho de 2013

    Gabi eu entendo que elas possam estar caracterizadas de algum personagem, mas será que a mãe não ve que ficou horrivel?que as crianças estavam ridiculas?eu tenho uma opinião, criança tem que se vestir como criança nada dessa erotização que se ve hoje em dia…

  • Vanessa diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi!

    Gosto muito do teu trabalho, dicas e sugestões, já sou casada há anos, mas amo ver os assuntos relacionados a casamento. Parabéns pelo blog!

    Gostaria de lhe dizer algo relacionada a matéria, que não poderia deixar passar já que escreveste esse post sobre os futuros filhos, nem sempre vem na hora que planejamos e da maneira que queríamos.
    As vezes o deixar para depois tem um custo, e ao invés de guardar para poupança de aniversários, gastamos em tratamento para fertilidade, que pode-se com as tentativas gastar uma verdadeira fortuna.
    O fato de adiar a maternidade, as vezes é um preço alto a se pagar, emocionalmente e financeiramente. Não quero com isso mudar teus planos e espero que quando resolver engravidar seja bem rapidinho, mas por experiência própria, de quem adiou por um tempo o sonho de ter um bebê por ter digamos, outras prioridades, antes da chegada deles, e que há 5 anos tenta engravidar e não consegue e se arrepende por não ter decido ter antes um filho.
    O tempo não volta e esse tempo de espera é dolorido. As prioridades que antes tinha, que queria esperar realizar antes de ter um filho, hoje tenho tudo o que sonhava, tudo lindo, mas o filho não chega. Pensa com carinho, não estou te induzindo a mudar decisão, mas apenas a fazer uma reflexão, talvez se na época alguém tivesse me alertado com carinho, eu teria pensado melhor.

    Uma ótima semana para toda equipe!

  • César diz: 17 de junho de 2013

    Oi, Gabi (olha eu de novo, de bendito fruto!):
    Ter ou não ter, eis a questão! Ou, no popular: conheça a vida selvagem, tenha filhos! Brincadeirinha…
    Mas a tua preocupação é séria, não nego. Essas festas monstruosas e midiáticas -especialmente entre a turma da TV – são um problemaço! Mas sempre se pode dizer NÃO!
    Fiz duas festinhas de aniversário pro meu guri, quando fez um aninho e quando fez dois (hoje tem 20 anos, tá bem resolvido, na UFRGS fazendo engenharia mecânica) no estilo “toda a turma”. A decoração foi feita pela minha irmã, nos dois casos, que adorou a confusão (dinda tem disso, né?). Depois, fazíamos as festas na escolinha, com os amigos dele, bem simplezinhas (mas não podia faltar brigadeiro!), mas sempre divertidas. A última foi numa pizzaria, com poucos amigos.
    Ter filhos é uma decisão difícil. Muda tudo. MESMO! Por uns dois, três anos, acaba a vida social da gente (incluindo cineminha de fim de semana), exceto quando uma vó ou uma tia podem ficar com o pimpolho ou pimpolha. Noites mal dormidas por causa da cólica ou de uma febre renitente, um susto por causa de um braço quebrado…
    Mas quando tu vês o nome dele/dela no listão da universidade, NÃO TEM PREÇO!
    Portanto, não te preocupes com as festas, essa moda midiática passa logo. E, acima de tudo, confia no teu taco (e no do maridão, porque ele tem que pegar junto, ora!). Um “não” coerente, na hora certa, vai ajudar o filho/filha a crescer “forte e saudável”.
    Não é a falta de uma festa de aniversário de arromba (as meninas ainda têm o baile de debutante) que prejudica a gurizada. É a falta de carinho e – sim! – de limites.
    Mas podes ter certeza de uma coisa: não existe receita pra criar filho. A coisa funciona no instinto. Também não tem manual de instruções. E se tivesse, não serviria pra nada, porque cada uma dessas pessoinhas é um mundo diferente.
    Ter filhos é uma aventura, mas compensa lá no fim da jornada. Pode ter certeza.
    Abraço carinhoso.

  • ;) diz: 17 de junho de 2013

    Com concordo com a De. Festa de um ano é para adultos, pois a criança mesmo não faz a mínima idéia do que está acontecendo sem contar no desconforto que ela sente nesses eventos. Tenho filho e sei como é. No aniversário de dois anos, fizemos em um salão de festas do prédio e nós mesmo decoramos, ficou ótimo, pois ele se divertiu muito. Sem contar que saiu bem mais barato. Te certas coisas, sonhos que não devemos adiar, pois nunca sabemos o dias de amanhã. Acompanho o blog mesmo não morando mais no Brasil e ADORO :)
    Não existe coisa melhor que um filho. Vai ser feliz!!!

  • Lu Mismas diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, sabes que ontem estava justamente conversando com amigos sobre essas “mudanças” nas festas de aniversário! No meu tinha cartazes e quando as crianças chegavam recebiam um chapeuzinho com elástico e todas usavam (lembra?). Agora está tudo diferente e eu tô sentindo literalmente no bolso. Sempre disse que não faria aniversário de um ano, mas pronto mordi a língua. Meu filho vai fazer um ano em setembro e estou organizando uma festinha, mas te confesso que será bem simples. Me rendi a casa de festas pela comodidade e praticidade. Mas o que mais me deixou de boca aberta foi fazer um orçamento com uma fotógrafa (que não conheço o trabalho, mas tive indicações) e ela me cobrou R$ 4.000,00 para fazer as fotos do evento. Acredita? Totalmente fora da minha realidade e do meu bolso. Acabei fechando com outro que me cobrou R$ 400,00.
    beijo e parabéns pelo site, tô adorando!!!

  • :) diz: 17 de junho de 2013

    Obs: Festa na escolinha é o que eles mais gostam, além de ser super simples.
    Se precisar te recomendo uma excelente escolinha.

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    César, é muito bacana ver homens por aqui. E adorei o teu comentário. Precioso!

  • Mari diz: 17 de junho de 2013

    Estou grávida e sabe que já tenho pensado nisso, essas festas caríssimas, lembrancinhas exlusivas, bolos enfeitados, decoração mega… Nossa, tenho que me conter pra fugir dessa paranóia do 1 aninho do baby, minha estratégia é manter fresco na minha memória o quanto gastei no casamento (as muitas frescuras desnecessárias) pra não cair nessa!!!

  • Dani diz: 17 de junho de 2013

    Sabe Gabi, tenho visto que realmente as festas hoje não são para as crianças, mas para agradar os adultos.. Fui numa festa tipo mega evento mês passado de uma criança de 1 ano e fiquei abismada com a riqueza de detalhes, pois nem minha festa de 15 anos foi tão cheia de detalhes assim.. E detalhe, a criança passou a festa toda dormindo.. Pergunto, de que adiantou uma festa assim?
    Hoje tenho 31 anos e também não tenho filhos por falta de grana, e esse tipo de coisa também é alvo dos meus questionamentos, de como as coisas andam caras e os tipos de eventos que viraram desde um chá de bebê até mesmo um batizado e aniversário..

  • Jujuli diz: 17 de junho de 2013

    No meu prédio os aniversários viraram uma competição entre mães: se uma contrata o pula-pula, a próxima chama o pula-pula & a piscina de bolinhas, e assim a coisa segue.

    Pois eu te digo que no 1o aniver da minha, farei uma festa “super diferente”: cachorro-quente (“com ou sem molho?”), negrinho e branquinho com granulado na forminha, bolo de chocolate, balas de goma, pirulito e marshmallow. Para brincar, a pracinha do prédio.

    Importante é fazer uma festa com boas recordações – e elas nem sempre custam caro!

    Beijos,
    Jujuli

  • Dimona diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi, estou vivendo o mesmo dilema em ter filhos, tb já está na hora, sou a segunda filha de quatro filhos e lembro que minha mãe sempre esperava a gente completar 5 ou 6 anos para poder fazer um niver mais legal, com mais convidados, mas tudo em casa, sem buffet, contratando bolo aqui, pegando salgado dali, e tinha uma prima que fazia lembrancinhas e aí saía a festa. Hoje a coitada da criança de 1 ano nem entende direito o que tá rolando e a festa acaba sendo mesmo para os pais, seja para apresentar o filho pra sociedade, seja pra curtir a festa, seja para atender as expectativas das outras mães, enfim é grande a pressão em torno desses aniversários super elaborados para crianças e, é claro que quando formos mães tb seremos tentadas a proporcionar esse tipo de coisa para os nosso filhos, assim como viagens, enfim, acho um grande desafio educar um filho, não sei como meus pais conseguiram educar, e muito bem, quatro!! bjocas

  • Helena diz: 17 de junho de 2013

    Simplesmente ridicula !! Filho não é ornamentação, festa, este pensamento é um descalabro…. te dou um conselho, com estes teus pensamentos, grana, festa, roupas, não tens nenhum preparo para ser mãe, pois ser mãe e algo muito maior….

  • Claudya Chanas Anton diz: 17 de junho de 2013

    Independentemente de QUALQUER coisa, se tu vestir a minha sobrinha com uma roupa dessas, eu faço o pai te deserdar, hehehehe!

  • Carol diz: 17 de junho de 2013

    A gente sempre acha que pode juntar mais um pouco de grana, trocar de carro, comprar um ap maior, mas a verdade é que nunca estaremos completamente satisfeitos, te digo isso por experiência própria.
    Quando decidi deixar toda essa bobagem de lado e me aventurar no mundo das gestantes eu me arrependi por ter esperado tanto, pq como disse, todo mundo ajuda, e um filho não precisa de festas mirabolantes e cheias de fru-frus como as filhas do casal citado. Eles fazem pq tem muita grana, mas nós, meros mortais, podemos fazer uma festinha mais simples e voltada para as crianças.

    Gabi, não espera muito, vai te arrepender. Essas bobagens de “mega festas”são muito pequenas perto da verdadeira felicidade da vida.

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Claudya, hahahahahahahaaha, chorei!

  • Xico diz: 17 de junho de 2013

    Se isso que vc escreveu é o que realmente penas, adie a matrenidade PARA SEMPRE. a Humanidade agradecerá. Não procrie, por favor, eu imploro. Não faça isso com o mundo, ele ficará muito melhor sem a tua prole.

  • Candice Fernandes diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, tenho 2 filhos e já fomos em inumeras festas desse tipo, em casa de festas lindissímas, com toda infraestrutura possivel e imaginavel e outras em casa de festas mais modestas. Confesso que já tive vontade de festa pra eles em lugares assim, e eles também já pediram isso, mas não fiz e mostro a eles o gasto que é uma festa assim. Sinceridade, eu amo fazer as festas deles na nossa casa, qd moravamos em PoA e o aniver do pequeno ( 9 anos) é no verão, alugava piscina de bolinhas, escorregador, balanço e esses brinquedos e fazia tudo em casa, docinhos, bolo decorado no tema que eles queriam e a festa era pra se divertir com os amigos e família. Este ano a menina fez 12 anos, fizemos a festa em casa com amigos e famliares que vieram de PoA a Blumenau, e nada mais gostos que isso, embora as casas de festas encham os olhos, mais dos convidados que dos aniversariantes.
    Agora mesmo o aniver das meninas sendo temático dos Muppets, esse vestido delas é um horror, o que é a fisionomia da filha mais velha, acho que nem ela estava gostando do modelito a única bem vestida das filhas era a bebêzinha no colo, parecem adultas com essas roupas e isso eu sou completamente contra, fizessem a festa das princesas e vestissem as meninas de princesas, elas estariam mostrando muito mais a beleza delas, elas são meninas super lindas, mas esse vestido sem comentários, de extremo mau gosto. Bjinhos

  • Regina diz: 17 de junho de 2013

    Afff essas festas suntuosas são pros pais, não pras crianças, minhas filhas, 5 e 4 anos, tiveram suas festinhas mais felizes e lembradas na escolinha, eles correm, estão de tennis podem brincar, subir nas árbores da pracinha da escola, tem os parabéns com amiguinhos da sua idade com os que passam todos seus dias, e mais, dentro de 10 dias, devo prepara o aniversario de uma delas, muito brigadeiro, muito brilhinho,… eu tbm me preocupava com o dinheiro pensando nos aniversarios, mas até que eu vejo nas carihas delas que o unico que querem é brincar… ou pelo menos assim são as minhas….

  • Marco diz: 17 de junho de 2013

    Gabi querida, sei como é isso. Eu e minha esposa ganhamos bem perto do que ganha a população média, mas também não temos salários de médicos, por exemplo. Porém, meus pais ficaram anos sem comer carne para me pagar uma escola de qualidade, e resolvi fazer o mesmo pelo meu filho. Claro, felizmente, e graças aos estudos que tive minha situação é mais tranquila, e tive que abrir mão de bem menos coisa para dar um estudo em uma escola particular pro meu filho. Porém, ele estuda com gente MUITO rica e frequenta sim festas suntuosas. Ontem mesmo ele foi em uma festa num hotel 5 estrelas da serra. No começo eu ficava meio preocupado com isso, mas as crianças lidam com estas situações bem melhor que nós adultos. Estas festas muitas vezes são mais para satisfazer os pais do que as crianças. Fiz uma festa de 6 anos para meu filho, gastei 1000 reais em tudo, com aluguel de brinquedos, recreacionistas e salão de festas, com doces e salgados. Foi uma festa só para os pequenos, sem convidados adultos, apenas os avós e amigos BEM próximos. A festa foi divertidissima, tenho certeza que as crianças adoraram. Ter um filho não é tão custoso assim, desde que eles saibam desde cedo qual a real condição da família e que os recursos são limitados, e que eles não vão ser mais ou menos amados por ter ou não ter determinadas coisas. Sim, é possível. Não adie tanto, aproveite, não há nada no mundo com sabor igual.

  • Renata diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, seguinte, estas mega festas infantis estão perdendo espaço, da uma olhada no blog mãesaobra, e olha as festas, muitas bem simples, com coisas feitas em casa.
    Quando a minha filha fez 1 ano, fiz uma festa para a família inteira, mas minha mãe e minha tias colocaram a mão na massa, minha mãe cuidou da decoração, do bolo, que ela faz, alugamos um salão da associação da CEF, onde meu pai trabalha e fizemos tudo, e contratamos o serviço da cia do garçon, que recomendo, eles são ótimos, e tb contratamos uma recreacionista, a festa não teve hora para terminar, uma coisa que meu marido acha pessímo nestas casas de festa, todo mundo adoro e não gastamos nem 4 mil reais, e foi para 150 pessoas. As festas feita em salões de prêdios ou em locais alternativos estão ganhando cada fez mais espaço.
    E quanto as fraldas, tb fiz um chá de fralda para umas 60 pessoas, resultado, só fui comprar fralda depois que a minha filha fez 1 ano e meio.
    E posso te falar que ser mãe é a melhor coisa do mundo.
    Acompanhamos aqui em casa toda a tua história com o Bento, que gente mais mal amada, para mim quem não gosta de cachorro não pode ser boa gente. Lemos o blog na sexta de noite e depois acompanhamos no super sábado.
    Estamos loucos para ver a mãe.com
    Beijos

  • Angelica Cardoso diz: 17 de junho de 2013

    Gabi!!!! Juro que imaginei que tua depre era ver o corpão da esposa do Faro, com três filhas, não é pra qualquer uma. O que será que essas mulheres fazem pra voltar a forma tão rápido? Ah! A simplicidade é um valor importante que devemos passar aos nossos filhos. Mostrar ostentação muitas vezes esconde o pior das pessoas. Já é hora Gabi, não pensa demais…na hora H dá-se um jeito pra tudo…Guria!!!!! Bjos

  • Isabel Cristina de Souza diz: 17 de junho de 2013

    Gabi !!! Isto é um exagero sem a mínima necessidade! Um absurdo! Os pais estão confundindo as coisas.Hoje tudo é precoce.Estas crianças estão fantasiadas de adultos.O bonito é festa de criança com crianças normais!!! Hoje vc vai a uma festança de casamento e estragam a festa com óculos ridículos, colares bregas, aneizinhos cafonas! Acho ridículo! Bonito belas máscaras e buás.Depois vc olha as fotos e vira uma anarquia! Uma peninha!!!

  • Paula diz: 17 de junho de 2013

    Concordo com a Helena… se as festas de aniversário “luxuosas” são tua maior preocupação, realmente deves pensar melhor antes de ter filhos, pois não estás nem um pouco preparada.

  • Ricardo Floripa!!! diz: 17 de junho de 2013

    Olá… me chamou atenção o link na abertura do site do clicRBS e resolvi ler o assunto, afinal estou entrando pro mundo dos filhos e ritos dessas comemorações, minha mulher está grávida de 6 meses e nesse próximo final de semana vai fazer o chá de fraldas.
    Entendo que seu post tem por objetivo discutir essas questões todas e isso faz parte do universo da mulher, mas talvez o erro esteja em você querer comparar a vida do Rodrigo Faro com a sua… muitas vezes erramos exatamente nisso, em usar como comparativo de felicidade ou de festa ideal algo feito por alguém que ganha infinitamente mais que nós e vive outra realidade.
    Procure fazer algo de acordo com sua realidade financeira, a vida é muito mais que isto.

  • Dênis diz: 17 de junho de 2013

    Bom dia! Estou com 30 anos e graças a Deus ainda não tenho filhos. Espero não tê-los e se tiver, apenas um. A vida está absurdamente cara e absurdamente violenta, as crianças pobres e as ricas destratam os pais e professores a sua maneira, são mimados demais e absorvidos pela tecnologia, pelo ter mais, pela competição eterna. Há uma inversão social de valores, não há mais respeito. Sem contar a questão da segurança: vemos diariamente nas mídias pessoas sendo incendiadas, estupradas, assaltadas, espancadas por bandidos, agredidas por outras pessoas. Crianças ameaçadas por malucos, pedófilos e afins. Ninguém mais tem paz e sossego. Agora imaginem botar um filho neste mundo cão? Ter filhos significa acabar de vez com o próprio sossego, pro resto da vida, pois a preocupação será eterna com eles.

    E como disse nosso amigo acima: “Ter filhos é uma decisão difícil. Muda tudo. MESMO! Por uns dois, três anos, acaba a vida social da gente (incluindo cineminha de fim de semana), exceto quando uma vó ou uma tia podem ficar com o pimpolho ou pimpolha. Noites mal dormidas por causa da cólica ou de uma febre renitente, um susto por causa de um braço quebrado…”

  • Eliana diz: 17 de junho de 2013

    Olha, minha filha fez 15 anos em maio, e ela não quis festa de aniversário. É claro que como mãe eu não iria deixar em branco, fiz uma comemoração em casa simples e bonita. Fui muito criticada, pela família, amigos… Mas fiz a vontade dela, e foi então que ” caiu a ficha ” eu e meu marido sempre fomos muito objetivos na educação dela, a realidade da vida, as diferenças sociais , e a futilidade das pessoas sempre querende aparecer e consumir mais, foram expostas a ela desde pequenininha!!! Não guardo e não gasto dinheiro com festas para agradar outras pessoas, mas, cada um sabe de si. Ah, eu tenho outra filha com 1O anos, que já deixou claro que quer uma festa de 15 anos, quer junto aos cachorrinhos abandonados na rua, presentes? Casinha, ração, um novo lar…

  • Ric diz: 17 de junho de 2013

    Que pena…
    Podias ter escrito algo melhor do que este texto superficial. Mas eu acho que errei o alvo. Achei que se tratava de uma crítica ao consumismo, ao desejo desenfreado de “coisas” ao invés de momentos para serem lembrados, e uma análise mais profunda sobre a importância dos ritos no desenvolvimento emocional infantil. Achei mesmo que você ia fazer uma crítica à glamourização de figuras desimportantes do cenário artístico, e de suas festinhas suntuosas, e que são com esse formato apenas para que os enxerguemos como diferentes de nós. Seres superiores, uma espécie de “nobreza republicana” que olha para nós com o mesmo olhar de desprezo que a realeza olhava para a plebe faminta.
    Mas não. O texto é superficial e até infantil. Com um tema tão complexo, intrigante e até estimulante você conseguiu construir uma história boba de “como arranjar dinheiro para fazer uma festinha igual”. Uma pena, Gabriela.
    Poderia ter feito algo muito mais interessante com este fato.
    Mas… vai ver eu entrei mesmo na porta errada, e aqui é para quem curte preços de vestido de noiva, enxoval chique para bebês, onde fazer a cesariana mais chique, a numerologia do nome daquele que vai nascer e os obstetras operadores de barriga da moda.
    Errei e peço desculpas…

  • Mariane Batista diz: 17 de junho de 2013

    Gabi

    Já escreveram ótimos comentários aqui… mas a gente sempre acha que tem algo a acrescentar.

    O primeiro ano da minha sobrinha-afilhada ( hoje atleta de volei http://wp.clicrbs.com.br/almanaqueesportivo/2012/12/28/volei-vivendo-um-sul-americano-no-peru-como-espectadora-in-loco/ ) foi em casa para avós, tios, primos mais chegados e duas ou três amigas da minha irmã. Acho que na época era uma opção da minha irmã em não fazer algo que a criança não saiba sequer o que está acontecendo. Foi um chororô, ela não queria foto, só queria brincar, só queria colo…

    Já nos dois anos, visto que ela ia para a escolinha desde os 8 meses, já sabia o que era, já cantava Parabéns… e viveu tudo junto.

    Decoramos o salão do prédio um dia antes e quando ela chegou para ir se ambientando, a cara dela e a alegria foram filmadas na época em VHS ( já convertemos para DVD) é ALGO!

    Ela entra no salão, para, aponta pro balão e fala:
    - balão!!!

    - Veve! ( a decoração era da Branca de “Neve” ( ou Veve)…

    E… depois ela termina;
    - aniversário, festa da Lyara!

    E foi tudo lindo, alegre, colorido e ela aproveitou muito!

    Eu e o esposo ainda não temos filhos, mas compartilhamos dessa opinião, a festa, a festona vai ser nos 2 anos e não adianta tio, dindos, avós darem pitaco, é isso e ponto final!

    Já fui a festas lindas e enormes de um ano que os pais não curtiram e a criança muito menos, teve uma que a menina dormiu na hora do parabéns …
    Enfim, quando tiver filhos, as festas serão para todos aproveitarem, aniversariante, familia e amigos!

    BEIJO

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Não, Ricardo, eu não comparo a minha vida com a dele. Quem me dera! Eu apenas faço a reflexão sobre o quanto as festas de criança ficaram chiques, assim como casamentos. Just it.

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Bah, mas eu vou te dizer, hein, Paula. Jesus amado!

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Angélica, isso também. E ela fica cada dia mais linda!
    Beijos!

  • Cesar II diz: 17 de junho de 2013

    O mais importante das festas é a diversão da gurizada COM O ANIVERSARIANTE, muitas vezes deixado de lado em função da necessidade dos pais de apresentar um ambiente elaborado para os outros pais.

  • Keli Goldas diz: 17 de junho de 2013

    Gabi. Não se preocupe com todas essas questões, meus pais não tinham um carro e se quer uma casa tão boa quando tiveram eu e minha irmã. Hoje temos uma vida muito melhor, somos adultas, buscamos ser sempre melhores, estudamos e tivemos uma ótima educação de nossos pais. Preocupe-se em ter amor e uma família estruturada para oferecer ao seus futuros filhos, isso que de fato eles necessitarão. Meus aniversários nunca tiveram decoração, sempre foram de palhacinhos e também tiveram as “capinhas de palhaço nas garrafas de Guaraná Charrua, canudinhos de maionese e pastéis de carne para as crianças” o que não é muito, mas além disso o que me deixava feliz era ter ali meus pais juntos, meus amiguinhos e familiares. Hoje nem lembro dos presentes caros ou mais simples que ganhei, mas vejo as fotos repletas de pessoas que amo, outras que já se foram e eu nas fotos MUITO alegre.
    Não adie mais essa benção que é ter um filho. Não tive ainda, mas sonho em te-los quando eu encontrar alguém especial e me casar.

  • Claudia diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, tive minha filha com 36 anos (e não me arrependo de ter esperado) claro que as coisas mudam com um filho, teu coração simplesmente vai morar em outro peito. TUDO muda, inclusive a tua visão de “festas”. Agradar aos outros acontece isto (pobre destas meninas), tens que pensar no bem estar da criança, se ela está bem o resto é só “encheção de linguiça” se é que me entende? Realmente as despesas dobram… e é bom uma economia extra para uma festinha.Bjs. adoro teu blog.

  • Carol diz: 17 de junho de 2013

    Dênis tu esta mergulhado demais no egoismo e ainda bem que não pretende ter filhos.
    Os valores quem passa aos filhos, são os pais. São responsabilidades dos pais.
    Sim os filhos acabam com o sossego, é verdade, mas é um maravilhoso “desossego”.

  • Nathalia diz: 17 de junho de 2013

    Olá… Te entendo muito bem. Devemos realmente ter estrutura para ter filhos….
    não necessariamente, precisa ter muita grana, mas grana reservada para quando os filhos precisarem tem. Referente a festa, tudo depende da festa. Pode ser de arromba, ou uma pequena festa em uma casa de festa. as crianças vão se divertir muito..
    ADORO TEU BLOG… e sou tua fã no twitter… e Jornalista em formação..

  • LuRodrigues diz: 17 de junho de 2013

    Acho que tudo começa ja no chá de fraldas, que de um simples evento para os mais próximos se transformou numa espécie de festa de casamento: quanto mais modinha, quanto mais invenção, melhor. A festa de aniversário da criança só da seguimento à essa mesma tendência: quem mais inventar, mais aparece, mais likes no Facebook vai ter. Porque ninguém se importa com a essência da festa, ta todo mundo interessado em ter mais curtidas nas redes sociais.
    Triste isso.

  • Jana diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi, por muito tempo tive o mesmo pensamento que o teu, mas daí, por surpresa mesmo engravidei e estou quase ganhando meu baby, chega em julho. Durante a gestação me preocupava os gastos, a educação, as festas, os remédios caríssimos, tudo isso me deixa louca, mas daí, paro e penso: Meus pais criaram 4 filhos, fizeram as festinhas do jeito que dava e nunca nos faltou nada, será que eu não vou conseguir?? Mas, como na minha família todos somos muitos criativos, as festas das crianças são decoradas por nos mesmos, com muita criatividade aquela ajuda da internet dá pra fazer uma festa muito bonita e com custos não tao altos assim e no final o que vale mesmo é comemorar a vida e não a grana!! Me sinto muito feliz por estar nesta fase da minha vida e tenho certeza que tu irá se realizar também, os gastos ficam em segundo plano!! beijos

  • MOTIM diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, sou um grande fã seu, já tive essas mesmas preocupações que acabaram se revelando uma grande bobagem, o amor que se tem pelos filhos e entes queridos é o que conta, tenho dois filhos e teria mais se não tivesse começado tão tarde. o primeiro nasceu com uma doença grave que arruinou as minhas economias, hoje ele está bem; o segundo nasceu em meio a crise financeira, tem seis anos e nunca pegou um resfriado, eu os amo e não os trocaria por nada e hoje eu sei que minha vida seria incompleta sem eles e como é bom a gente ser importante para alguém. Um grande beijo.

  • Sandra diz: 17 de junho de 2013

    Adoro o seu lado profissional, te acho super eficiente e o blog um dos melhores que conheço. Mas quando você coloca a sua opinião pessoal sobre algum assunto como fizeste sobre o post do cachorro e agora este sobre ter filhos, te vejo como uma mulher de 35 anos mimada e as vezes infantil.
    Entendo que talvez você seja assim mesmo e até respeito, afinal cada um é como consegue ser, mas para o bem do blog tente ser mais impessoal, o seu lado profissional é bem melhor. #ficaadica

  • motta diz: 17 de junho de 2013

    Gabrieli Chamas achei Tri a sua matéria, normalmente não faço comentários nessas matérias, mas a opinião da Paula me irritou, se não tem nada para comentar, melhor não comentar….Parabéns

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Jana, que boa notícia. É muito bacana ler mensagens assim. Pelo que vi na family, com mana e primas, tudo se encaixa! Que Deus te acompanhe nesse último mês à espera do baby! Beijos!

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Verdade, LuRodrigues!

  • Luciane diz: 17 de junho de 2013

    Ric disse tudo. Meus filhos tem hoje 5 e 7 anos. Tiveram UM aniversário em casa de festas e todos os outros foram na escola, bolinho na hora do lanche. E estão vivendo muito felizes, sem trauma nenhum. Me esforço muito para educá-los valorizando o ser ao invés do ter, fugindo do “precisamos porque todos estão fazendo”. Triste o teu post.

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Claudia, com 36? Puxa, que bacana! Sabes que ando doida pra trocar ideias com gente que deixou pra ter baby mais tarde. Vou te mandar uns mails! Hahahahaha!

  • Luciane diz: 17 de junho de 2013

    as festas de um modo geral viraram uma comércio…estou com 38a e partilho desta mesma preocupação com relação a ter filhos…estabeleçi os 40a como dedline e até lá de-lhe jogar na mega sena

  • Edinara Rodrigues diz: 17 de junho de 2013

    Gabi Bom dia.

    Tenho um lindo casal, o primeiro é o João que tem 11 anos e a segunda a Ana que hoje tem 5 anos. O guri foi planejado e sempre mostramos a ele qual o verdadeiro sentido das coisas e com a pequena é a mesma coisa até hoje ela não ganhou um festão. E sempre explicamos que nada vem de graça , o guri quando completou 2 anos ganhou uma baita festa, mas dentro de nossa realidade e se tu perguntar pra ele sobre a festa ele não lembra nada. Não é ter um festão que faz a diferença é sim mostrar que o que vale é ter próximo as pessoas que gostam de ti. É este valor que passamos, mesmo que na volta deles tem sempre alguém fazendo um festão. Eles pedem sim, mas entendem que não podemos fazer, que tem que ser dentro que podemos ter.
    Mas sempre conversamos com eles, e explicamos que tudo tem seu custo e que se querem uma coisa terão que deixar a outra . É assim que funciona aqui. Não esquenta que tudo se encaixa . Beijos.

  • Nathalia diz: 17 de junho de 2013

    Agora vi que aceitou, não tinha atualizado a pag… obrigado e continue cuidando dos animais

  • carla schreiner diz: 17 de junho de 2013

    As meninas estão simplesmente ridículas com tanto dinheiro por favor horrível.

  • taninha diz: 17 de junho de 2013

    Não é a festa que tu quer, é a hora que ainda não chegou!!
    Porque alegria de criança… é somente uma alegria de criança, a gente não compra!
    Cá para nós, as meninas são umas gracinhas, mas o que é esses vestidos? rsrs…

  • Patrícia Pereira diz: 17 de junho de 2013

    Bom dia Gaby! Eu te entendo. Já tenho 34 anos e ainda não me sinto segura financeiramente também para ser mãe. Sou muuuuuuito criticada e ouço que: “Deus dá um jeito”, “Tu tens muita frescura”, “Tu és egoísta e não queres dividir o teu tempo”, etc…etc… Mas eu não quero e não vou ser mãe se eu tiver que levar o meu filho ou filha as 3:40hs da madrugada, com um frio portoalegrense de 8 graus, para tentar conseguir uma consulta médica. Enquanto eu não tiver as condições que julgo serem essenciais para trazer uma criança ao mundo, não vou ser mãe. beijos e uma ótima semana!

  • Méri diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi! Namorei 4 anos, antes de casar, sempre pensando em um filho, casei com 25 e meu marido 28, eu dizia, não quero esperar muito para ter filho, mas levando em consideração que muitas mulheres demoram para engravidar quando param de tomar anticoncepcional, eu casei em janeiro de 2010, parei de tomar em fevereiro, em abril descobri que estava grávida, ficamos nervosos, apavorados, assim, tão rápido… e no dia 25/12/10 nasceu o João Miguel, se eu comprei 20 mudas de roupa pra ele até hoje, foi muito, ele sempre ganha, me perguntam se eu não me importo, é claro que não, roupas de segunda, terceira, quarta mão, roupas de criança se a mãe é caprichosa tem muita história para contar… Calçado, comprei até hoje o tênis branquinho para o batizado dele, a roupa a Dinda que deu… Combinamos eu e meu marido durante a gravidez de que nosso filho ia ter o necessário, o que realmente fosse importante, a festinha dele de um ano, após ter ido em muitas outras e ver que as crianças quase nem aproveitam, dormem ou ficam irritadas com ambientes diferentes e muitas pessoas ao redor, decidimos fazer em casa mesmo, só para os mais chegados, lembrei das minhas festinhas que eram simples e queria passar isso para meu filho, que o importante era se divertir, nossa ele brincou muito, pegou bolo com as mãozinhas na hora do parabéns e passou na cara do pai dele, assim espontaneamente, como ele estava em casa, se sentiu super a vontade, não estranhou ninguém, foi muito legal com os chapéuzinhos e tudo ao estilo antigamente… Dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, páscoa, não compramos nada, para não incentivá-lo ao consumismo, queremos passar pra ele, que não é só em datas específicas que tu tens que comprar um presente, um cartão, um beijo, um abraço, vale muito mais!! Repeti a mesma história no aniver dele de 2 anos, ah e lembrando que não coloquei cerveja em nenhuma das duas, é festa de criança não é mesmo!! Então como o João Miguel decidiu vir ao mundo no dia 25/12, antes de acabar as aulas fazemos uma festinha na escola com os amiguinhos: suco, nega maluca e cachorrinho quente! No dia 25 mesmo fazemos uma tortinha com a velinha para ele assoprar, uma coisa bem íntima, eu, o pai dele e os avós, e em janeiro faço uma festinha para a família, mas os chapéuzinhos não podem faltar!! Se quiser pode dar uma olhada nas fotos dele no meu facebook e ver a alegria dele!! http://www.facebook.com/rosemeri.martinsschuhpereira/photos_albums
    Abração

  • Débora Rocha diz: 17 de junho de 2013

    Eu só tive uma festa de aniversário grande, que foi a de 15 anos. E tive porque meu pai disse que merecia e era um sonho dele e da minha mãe. Meus outros aniversários foram todos feitos em casa, com decoração comprada em atacado, feita pelas tias, bolo, salgadinho, refri e aquela confusão de todo mundo falando ao mesmo tempo, meu vô dançando vanerão enquanto tocava Xuxa ahahaaha Eu sempre me diverti, tenho muitas fotos guardadas com carinho. Meu pai até deixava eu optar e ir num restaurante, mas sempre preferi minha casa, porque cabe todo mundo e saia mais em conta. E olha que a minha casa estava sempre em construção, não era nada comparada com o que está hoje, mas o carinho que todos tinham em preparar tudo e vir comemorar nunca me fez ter vergonha ou querer algo grandioso. Meus pais sempre foram transparentes comigo, diziam que, naquele ano, era o que dava pra fazer. E minha festa de quinze foi tão linda, esperada e especial que eu só tenho a agradecer por os outros aniversários terem sido simples, fico imaginando quem tem quase um debut todo ano!

  • JACQUELINE FRANCA DE FRAGA diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi! Não te estressa com isto. Hoje estou grávida e penso no tempo que perdi com estas bobagens. Não dá pra comparar ter um filho com ter um carro ou reforma de cozinha. Todas estas futilidades perdem valor diante da grandeza de gerar uma vida. O importante é focar nas coisas essenciais para o conforto de vocês. Se você quer ter o carro para transportar o bebê, vale a pena esperar. Eu mesmo enfrentei todos o meu medos pra ter a carteira de motorista. Quando eu pensava em desistir, olhava o retrovisor e imaginava o meu filho sentado na cadeirinha, bem seguro e feliz.
    Festas, acredito que teu filho vai lembrar quantos cupcakes tinha, nem se o salgadinho era de um chef famoso. Vai ficar apenas a recordação do teu amor em produzir o melhor pra ele.
    Não perca tempo garota, tem emoções bem maiores te esperando!

  • Paola Maia diz: 17 de junho de 2013

    Nossa eu acho um horror este tipo de festa e não faço nem a pau para minha filha. Na verdade ela já está com quase 4 aninhos e eu que faço as festas desde o primeiro! Sim, juntos as dindas, as amigas e assim vai. Cada ano descubro que posso economizar aqui e ali e a última festinha dela eu não gastei quase nada, até o bolo e os salgadinhos eu fiz em cada! Não me convencendo mas lá vai… vou colocar o link dela por aqui. Bjs
    http://www.antonellaesuaboneca.blogspot.com.br/2012/08/festa-da-moranguinho-antiguinha.html

  • ;) diz: 17 de junho de 2013

    Parabéns pelo blog, cada vez melhor!!!

  • Lidia diz: 17 de junho de 2013

    Bom dia querida, tudo bem? Entendo perfeitamente sua preocupação, tenho um filho de 5 anos e lido com gastos diariamente. O que devemos fazer é ensinar a nossos filhos que o importante na vida não é alimentar este sistema capitalista cada vez mais avassalador, mas valorizar o que temos e o que podemos fazer. Seria muito bom se todos tivessem capacidade de analisar o ser humano não por ter algo ou poder mais, mas por ser alguém especial, independente de sua condição financeira ou status. Sei que é extremamente difícil atualmente conseguirmos passar estes valores a nossos filhos, mas é assim que procuro educar o Artur, e tenho ótimo retorno! Fica tranquila, vc será uma ótima mãe!!!

  • Fabiana Lang diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, acho que te entendo perfeitamente bem, tu não estás preocupada com a futilidade da festa e sim dizendo que cada se exige mais.
    E tbm entendo MUITO bem quando dizes que o grande problema é que acaba todo mundo fazendo essas grandes festas e os nossos filhos também querem e como mães dedicadas queremos dar o melhor a eles. (ainda não sou mãe).
    Sempre tive festinha (simples), mas as que eu guardo com mais carinho na minha memória era quando minha mãe chegava na pracinha do meu prédio, falava para a gurizada lavar a mão e comer um bolo comigo no dia do meu aniversário, então flor, não vai ser pela festa que esse bebezão não vem. beijos

  • Tamara diz: 17 de junho de 2013

    Admiro pessoas que suportam críticas numa boa (e algumas realmente agregaram valor e tinham embasamento)…mas vc me parece uma pessoa tão sensível que deve ficar triste com hostilidades do tipo: “o mundo ficará muito melhor sem a tua prole”.

    É possível separar os comentários? como em ZH o leitor concorda e o leitor discorda? para eu poder escolher não ler os comentários grosseiros, a falta de gentileza atrapalha meu momento de lazer e mina a fé que tenho na humanidade.
    Obrigada

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Tamara, nenhum problema em discordar. Inclusive costumo postar as opiniões contrárias lá no meu FB e apontar as mais interessantes. É um exercício de vida. O que não concordo é com gente que distorce o que eu digo. Tipo quem está me criticando por ter falado mal da roupa das crianças. Em momento algum eu falei isso e jamais criticaria as meninas.
    Um beijo!

    PS: essa de separar comments é uma boa. Vou checar pra ver se tem como!

  • Paola Macchi diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi, a muito tempo não comento aqui no Blog, mas dessa vez não me contive. Acompanho direto e a muito tempo atrás, lembro de um post onde você dizia que “achava” que o teu instinto maternal estava aflorando… enfim, casei com muitas dicas suas, com muitas indicações que encontrei aqui no blog e nada mais justo do que te tranquilizar quanto à esses monstros que começaram a tirar teu sono (detalhe, imagina quando for mãe hehehehehhe).

    Tenho uma baby linda (sim, sou mãe coruja e por esse motivo escolhi o tema do niver dela de corujas) e em fevereiro ela completou um aninho. Particularmente recebi muitos elogios, e fiquei super satisfeita com o resultado. Fiz tudo sozinha, e posso afirmar que não saiu nada caro. O esquema é usar a imaginação, e mãos à obra! Há quem prefira apenas comparecer ao evento e não ter trabalho algum, mas opções existem e com isso tu nem precisa ter medo… melhor ter medo de fraldas! hahhahahahaha

    Beijos

    OBS.: Se quiser conferir, as fotos estão aqui: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.569908656375069.1073741826.100000678189938&type=3

  • clovis almeida diz: 17 de junho de 2013

    prezada Gabi lembro quando casou porque casou um pouco antes da minha filha e como sou um Pai muito participativo acompanhei a sua busca por um lugar para a festa de casamento e que através de você pensava em conseguir uma boa alternativa para ela , para minha surpresa casastes no lugar mais burgues de Porto Alegre o Leopoldina .
    Com relação as festas eu sempre tive um pensamento e agora com a sua coluna me venho a certeza , as festas não são para as crianças ,elas são pequenas e não vão se lembrar delas , só vendo as fotos no futuro .As festas são para os pais , já que não tivemos tudo isto queremos ter através dos filhos , é a pura verdade.
    Bobagem sua , um filho vai muito alem de festas de aniversario , tem que ser planejado sim ,mas adiar por causa da festa seria muita bobagem.
    a Propósito minha filha já esta grávida e estou muito feliz .

  • Chris diz: 17 de junho de 2013

    Bom dia Gabi, realmente as festas de hj em dia são muito diferentes daquelas que vivi na minha infância, onde bastavam os negrinhos e copinhos de gelatina….hahaha….mas no meu caso, tenho trigêmeos, a festa deles é a única economia que tenho desde que nasceram, comemoro 3 aniversários em um só…..rsrsrs….e como já te disseram e sei bem como é, para tudo se dá um jeito….bjão

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Clovis, é bem bom separar as coisas. A gente escolhe para casar um lugar que nos deixa contentes com uma série de coisas. No meu caso, era perto da igreja, tinha o tamanho ideal para a minha festa e me apresentou um ótimo custo-benefício. A última coisa que uma noiva pensa é se é burguês ou não. Abraços pra ti e pra filhota.

  • Tatiana diz: 17 de junho de 2013

    Nossa não e por anda não…fizeram uma mega festa, mas colocaram essa roupa horrivel nas crianças…msm sendo tematica nao ficou legal..nao as favoreceu em nada….

  • Isabela diz: 17 de junho de 2013

    Na verdade, toda e qualquer festa hoje virou um grande comércio.
    Tenho uma amiga solteira que diz: Quando começar a namorar, já vou perguntar a ele se quer casar, e se a resposta for sim, já vamos fazer uma poupança!

  • gabriela diz: 17 de junho de 2013

    Achei absurda esta comparação, um filho é muito mais que uma festa de aniversário, como o proprio PAPA questionou, pensamos mais em viajar, ter um carro, casa e casamento de luxo, do que fazer uma familia! Repense seus conceitos!

  • Juliana Beatriz Ritter diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, tive meu primeiro filho aos 39 anos e não esperei por uma casa perfeita, carro do ano ou uma conta bancária melhor, filhos vem para melhorar nossas vidas, não espere sua vida ficar perfeita para te-los.

  • Náthali diz: 17 de junho de 2013

    Desculpa Gabi,
    Mas você não é obrigada a fazer o que todo mundo faz.
    Achei um absurdo quando minha concunhada não fez nem chá de fraldas nem vai fazer festinha de uma ano para minha afilhada.
    Imagino que uma poupança é o ideal para não estourar o orçamento.

    Bjus!

  • Simone Cordebello diz: 17 de junho de 2013

    Olha, não sonho com a maternidade (tenho 30 anos), mas qdo vejo alguém que tem o “dom”, sempre apoio. Por isso, vá em frente! Tenha seus bebês e curta muito!

    Quanto ao modelito das meninas do Faro, acho que se minha mãe me vestisse assim, ficaria traumatizada por anos…

  • Eduardo Espranger diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, não faz isso. Não se preocupe. Uma criança de 1 a 10 anos não percebe a dimensão de ter uma festa no quintal de casa, ou na Disney. Isso tu sabe, mas é algo que sempre preocupa. Ainda mais quando os pais tem aquelas crises de querer dispor do que não puderam ter em sua infância. Quanto aos comentário, concordo em partes e partes. Mas de fato, existe uma industria que lucra em cima de festas como essas. Assim como qualquer outra coisa. Não acredito que seja modinha, faz quem tem dinheiro, e o Faro tem. Tem mais é que aproveitar. Coisa que nós quando pudermos, faremos igual. Ou não. vai de cada um. O importante é mostrar desde os primeiros passos que nem tudo que é caro é bom. E que ter um pouco, sempre é melhor que nada. Nossos filhotes serão mais tranquilos que nós. :)

  • Eduardo Espranger diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, não faz isso. Não se preocupe. Uma criança de 1 a 10 anos não percebe a dimensão de ter uma festa no quintal de casa, ou na Disney. Isso tu sabe, mas é algo que sempre preocupa. Ainda mais quando os pais tem aquelas crises de querer dispor do que não puderam ter em sua infância. Quanto aos comentário, concordo em partes e partes. Mas de fato, existe uma industria que lucra em cima de festas como essas. Assim como qualquer outra coisa. Não acredito que seja modinha, faz quem tem dinheiro, e o Faro tem. Tem mais é que aproveitar. Coisa que nós quando pudermos, faremos igual. Ou não. vai de cada um. O importante é mostrar desde os primeiros passos que nem tudo que é caro é bom. E que ter um pouco, sempre é melhor que nada. Nossos filhotes serão mais tranquilos que nós. :)

  • Aline Zanardo diz: 17 de junho de 2013

    Jesus, Maria, José do Egito !!!
    Eu nunca tive festinhas de aniversário em buffet’s – aliás as minhas eram exatamente como você descreveu Gabi , e cá entre nós, eu contava os dias para minha festinha, tinha muita comida, muita gente e ganhava muito presente, sempre amei minhas festinhas feitas em casa e com ajuda de toda família.
    Hoje, com dois filhos, faço exatamente a mesma coisa – aqui em casa mesmo, no horário que eu quiser, do jeito que eu quiser e as crianças amam…
    Com o dinheiro que gastaríamos em uma festa cheia de frufus, não usamos nem um terço para festinhas feitas em casa e o que sobra, e olha que sobra viu, vamos passear com as crianças em um lugar próximo de SP, elas amam mais ainda !!
    Acho que quanto mais dinheiro no bolso, mais merda na cabeça !!!
    Bejuuu

  • Ana Janice Famoso diz: 17 de junho de 2013

    Acredito que, devido a esse mal gosto dos pais, eles terão mais custos com o tratamento psicológico dessas crianças qdo forem maiores e olharem o modelito Ariel brega a que foram submetidas.

  • Danila Silva diz: 17 de junho de 2013

    Sou do tempo em que todas as crianças iam para atrás da mesa do bolo na hora de cantar parabéns. Do tempo em que a mesa era feita somente do bolo, garrafas de refrigerante “Baré” e docinhos feitos pela minha mãe e minhas tias.
    E te digo, eu fui muuito feliz com minhas festas!!!
    Toda essa ostentação pra mim não faz sentido. Parece que ele estava fazendo festa para a mídia e não para as filhas… enfim…
    Fora que meus vestidinhos floridos eram muito mais bonitos que esse vestido horrendo que essas meninas vestem.

  • Tatiana diz: 17 de junho de 2013

    Hj estou c 30 anos e minhas festinhas tbm sempre foram feitas em casa.. c bolos e doces caseiros..alias, a unica q eu lembro, q mais marcou foi a de 13 anos… mas lembro ate hj, c meus amigos, vizinhos..a familia toda ajudou a organizar…. esse negocio de mega festa tem a ver c os pais, e nao c a criança… tem gente q gasta o q nao tem pra por ex fazer a festa de 1 ano…eu concordo q tem q comemorar…mas a criança mts vezes nem entende o q ta acontecendo…. pra ela se vc fizer uma festa no seu predio ela vai gostar do msm jeito..entao..acho q sao os adultos q criam isso…q mts vezes qrem se realizar na festa do filho… e tbm teve vezes q eu preferi ganhar um presente legal..por ex um notebook do q uma festa…q depois passa….. a unica festa q tive em buffet foi a q fiz no meu casamento ano passado..ai sim..fiz como eu qria… mas tbm de acordo c as minhas condições…
    antigamente festa de aniversario era pra realizar a criança, pra ela ficar feliz, se reunir c os amiguinhos e ganhar presentes…hj em dia se tornou uma industria, os pais fazem festa pra mostrar pros outros..quem pode mais, quem faz a festa mais cara… virou status…. e as crianças perdidas nesse meio, achando q td vem facil na vida….. os valores estao se perdendo…

  • Regina diz: 17 de junho de 2013

    Criança não é brinquedo, as festas de aniversario são para comemorar com brincadeiras, amiguinhos e muito risos a troca de ano.Se os pais realmente não conseguem passar aos filhos esses valores e colocarem sempre as aparências em cima de tudo, evidente que a pobre criança crescerá perdidinha do que é mais importante na vida. Não me entenda mal, “poder” fazer uma big festa não significa que você “deva” fazer. Acho que seria uma perfeita hora para explicar para teu filho o que é mais importante em uma vida, em uma família. Parceria, companheirismo, paciência e presença materna não se compra com belos brinquedos. Te acompanho há muito tempo e te digo se você ficar esperando a hora certa de ter filhos é provável que ela já tenha passado e você nem se dê conta, tão preocupada com questões que o tempo arruma. Engravide logo, e seja muito feliz, tenho certeza que você vai tirar de letra.

  • Luciana Jatahy diz: 17 de junho de 2013

    Gabichanas,
    sinceramente me admira o fato de vc estranhar essas festas. Afinal, a verdadeira indústria que movimenta bilhões de Reais a cada ano com esse tipo de evento de consumo é, no fim das contas (e bolsos) a mesma indústria dos casamentos cheios de babados (como aqueles que vc venera no seu blog) e, em última instância, a mesma indústria das festinhas de cãezinhos, gatinhos e outros pets. Fico meio desesperançosa ao ver que tantos jornalistas formados trabalham para melhorar o País, denunciando danos ambientais, fraudes, crimes, enquanto outros colegas se dedicam a futidades como “jornalismo de noivas”. Não me leve a mal, é apenas um desabafo contra o mundo de futilidades que domina certos setores da imprensa.
    Bj bj
    Luciana Jatahy

  • Luciana Jatahy diz: 17 de junho de 2013

    Ao ver blogs de noivas e outras futilidades produzidos por jornalistas formados, penso que na verdade a questão do diploma não quer dizer grande coisa. Afinal, o que é melhor: um jornalista não formado porém fazendo matérias relevantes, ou “bacharéis” escrevendo sobre vestidos de noivas, apresentando programas de Pampacats, etc etc etc?
    #Ficadica

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Luciana Jatahy, eu não estranho. Mas bem pelo contrário: eu me surpreendo cada vez mais com quanto ela cresce, tanto que fiz um post comentando essa progressão.

  • Aletea Campos diz: 17 de junho de 2013

    Pois no meu tempo de guria (nem tanto tempo assim) os casórios também eram festas mais simples. Mas hoje em dia, infelizmente, as noivas gastam fortunas em cerimônias cheias de itens supérfulos e exibicionistas, como vestidos de noiva que custam milhares de Reais para usar somente uma noite. Um absurdo, muitas vezes incentivado pela mídia de futilidades. E alguns casamentos, diga-se de passagem, que basta olhar para os noivos para ver que aquilo não vai durar até o final do ano…
    Enquanto isso, na vida real… crianças passam fome.

  • Monica diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi .. ao abrir o clic rbs e ver a chamada do teu post abri para ver se era realmente teu. Ter esse tipo de duvida me parece ser de uma futilidade pra nao dizer imbecilidade que nao condiz com a jornalista que tu es. Com certeza se teu filho for bem criado tu pode ate fazer uma tortinha em casa e servir debaixo de um pe de bergamota que ele vai ficar tri feliz.

  • Lorena diz: 17 de junho de 2013

    Querida Gabi, não cai nessa, a maternidade é muito mais do que festinhas e roupas caras. Não deixa passar muito tempo pois não sempre acontece no primeiro intento. Eu e meu marido fizemos a festinha do 1 aninho da nossa princesa no salão de festas do prédio, as nossas famílias e os dindos trabalharam muito na decoração e montagem da festa, eu fiz os cupcakes e lembrancinhas, minha avó fez parte da comida e assim por diante. Os colegas de trabalho do meu marido só fazem festinhas caras, mas isso não nos incomoda na hora de convidá-los, pois se cair nessa “loucura” de querer fazer ou aparecer mais, a vida passa sem ser vivida. A mirada e alegria da nossa filha valem muito mais do que isso e hoje, ao olhar para ela sentada do nosso lado brincando, pensamos: “como é que ficamos tanto tempo sem ela”?

  • Apressado diz: 17 de junho de 2013

    Mas eu já ia entrando correndo “Mas ela é casada com o Rodrigo Faro?” aiuhaiuhaiuha

  • Lilian diz: 17 de junho de 2013

    Depois de esperar exatamente ate os 35 anos para engravidar, varios tratamentos, 3 anos depois nenhum resultado positivo, eu te digo: Pare com estes cuidados, vc pode se arrepender de nao ter tentado antes, eu ja me arrependi! Nao digo q vai acontecer com vc o q aconteceu comigo, mas os riscos aumentam, portanto, viva mais, sonhe mais, arrisque mais…
    Acerca das festas astronomicas, eu diria q e algo tipico brasileiro ne? Eu nao vivo mais esse mundinho. Fazem 8 anos q vivo fora, onde vou a festas de casamentos tao simples, tao lindos… festinhas de aniversario onde tem 5, 6 amiguinhos em um parque, a mamae so leva uma toalha de mesa, umas latinhas de refrigerante, uma duzia de baloes, uns cupcakes, e a festa esta feita! Isso q vc falou, mna minha opiniao, se refere muito ao meio q vc vive. Eu amo coisas lindas, estou aqui no teu blog pesquisando coisas para o cha de panelas da minha irma, mas nao podemos perder a nossa essencia, nossa simplicidade!

  • Gabriele diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi (que nome lindo :P)
    Não li nessas centenas de comentários se o assunto já foi debatido, mas uma coisa que me preocupa (isso que ainda não casei, nem me formei pra falar a verdade, mas esse ano vai) é que sempre quando falo em filho, ele vem no masculino, o que também notei no teu post. Sempre o baby guri me chamou atenção, mas e se vier uma menina, vou ficar decepcionada?! Sei lá, apenas para constar minha preocupação “desnecessária”.
    Mas ao assunto, posse estar sendo sonhadora demais, e muitos alegaram que penso assim por não ter filhos, mas embora a midia e a sociedade passe tais valores, se em casa a educação e os valores forem bem enraizados, acredito que o problema será menor, tudo dependerá de como essas informações serão passadas aos pequenos!
    Beijos

  • Tatiana diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi!
    Nossa,fiquei apavorada c/ alguns comentarios q li,juro q nem imaginava existir pessoas tão maldosas e tão desrespeitosas q vinham ler seu blog!! Me perguntei oq fazem essas pessoas aqui?????Alguém deve ter as obrigado a lerem ou entrerem,só pode!!Como as pessoas começam a semana com todo esse ódio no coração??
    Espero q essas pessoas não estraguem seu dia e sua semana apesar q até eu me chateei lendo,imagino vc.
    Ha adorei a idéia de uma leitora q postou q deveria ter como separar os comentários!
    Em relação ao seu post,concordo c/ vc,as festas estão evoluindo muito rápido,é muita “moda” nova,eu ainda estou na função do casamento e sofrendo c/ tanta novidade q aparece q não cabe no nosso orçamento!!
    Bjs,boa semana!!

  • Luiza diz: 17 de junho de 2013

    Acho que de tanto escrever sobre bobagens, teu cérebro deve ter evaporado…
    Que preocupações importantes. SÓ QUE NÃO.
    É muita futilidade. Impressionante.

  • Carol diz: 17 de junho de 2013

    Tive meu filho numa fase financeiramente beeeeem difícil. Mas, não faltou amor, educação, atenção (e sim, ajuda de avôs, tias, dindas, que nesse aspecto de festinhas são super pilhadas, já eu não dou e nunca dei a menor bola, vai ver por isso nunca sofri por não fazer festão pra ele…). Minha receita todos os ano foi a mesma: festa com os colegas na escola (porque quando são pequenos os pais não levam se for em outro lugar e eles adoram comemorar com os amiguinhos) e pra família em casa (que esses nunca vão estar nem aí pra decoração, o que tinha de lembrancinha, de comida e esse blá blá blá todo). Vão pelo prazer da nossa companhia, pra participar da vida da criança. E o aniversariante? Correndo de pés descalços pela casa com os primos e todo sujo de chocolate e suado nas fotos! Isso quando pára pra tirar alguma foto… Sinceramente, acho até um tortura com as crianças botar a roupinha da Barbie e querer que fique limpa, arrumada e pose atrás do bolo com 200 convidados… Minha modesta opinião…

  • Silmara diz: 17 de junho de 2013

    Gabi,também sou da opinião de que se for esperar ter tudo pra ter um filho, nunca teremos,pois sempre vai faltar comprar alguma coisa,reformar a casa,ter um carro. Acho que se tiveres condições financeiras para alimentá-lo,vesti-lo e dar uma boa educação o resto é o resto. O que não concordo é esse bombardeio de críticas e desrespeito.Sou daquelas, se não é para elogiar,não fale nada,ou não comente nada.

  • Melissa diz: 17 de junho de 2013

    Gabi, me desculpe a sinceridade, mas leio teu blog a bastante tempo e fiquei meio apavorada com o post de hoje. Pois ele reflete uma prática cada vez mais superficial das relações humanas. Atrelar a vinda do filho a melhores condições financeiras é comum, mas normalmente os futuros papais e mamães se preocupavam com espaço, creche, plano de saúde. Hoje, vendo teu post, me parece que fica cada vez mais claro que filhos passaram a serem instrumentos de crescimento social. Mães que preocupam-se mais com a enormidade e orçamento da festa, muitas vezes, do que com o relacionamento que mantém com suas crias. Baumman, um filósofo que gosto muito, se refere a este tipo de felicidade como felicidade líquida, parte da modernidade líquida que vivemos. Onde a pressa constante e vibrante no dia-a-dia e a ansiedade da vida pós-moderna por reconhecimento e glamour se coloca de acima do que realmente importa, resultando em uma felicidade fugaz. Crescem as festas e crescem as contas com o psicólogo. Triste.

  • Mila diz: 17 de junho de 2013

    Para os que estão fazendo esses comentário maldosos: é bom se olhar bem no espelho antes de sair julgando pessoas que vcs nem conhecem!! ainda mais baseado num post aleatório que vcs nem conseguiram entender a moral! se querem discutir as questões filosóficas do mundo podem criar um blog especificamente para isto! parece que vieram pro mundo pra fazer barraco! e outra, se tão incomodados com o conteúdo do blog pq estão lendo? com certeza o blog não precisa de leitores de quinta categoria assim!
    Gabi, ignora essa gente baixa, o mundo é cheio delas, mas pode estar certa que tu estás cercada de gente boa e que cada um tem o destino que merece! beijos, o blog é ótimo!

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Melissa, faz sentido a tua colocação. Eu nem tinha muita noção dela, mas várias pessoas comentaram aqui sobre gente que faz festa mais para si do que para os filhos. Eu, modestamente, acho que quem tem $ faz a festa do tamanho que quiser (que graça tem ser rico se não puder usar a grana?). Só me preocupa – e foi esse o sentido do meu post – que esteja se estabelecendo um padrão. Festa de criança é de arromba ou não é. Daí tem gente que se mata pra poder dar uma para o filho. Meu medo é justamente esse: que a coisa descambe de tal forma que meu filho não pense em festa a não ser assim. Mas aí vai da criação que eu vou dar pra ele, como bem pontuou uma mãe aqui.
    Um beijo!

  • Leticia diz: 17 de junho de 2013

    Sabe aquele ditado popular “quem pensa não casa”, pois hj a versão atual é “quem pensa (muito) não tem filhos.” Vou te dar a barbada: Como tu és um ser festeiro e serás uma mãe dedicada, as festas dos teus babies serão LINDAS, com qualquer orçamento…Palavra de uma leitora festeira e mãe de uma menina de 8 anos que já teve 8 festas de orçamento variavel.

  • Chaline diz: 17 de junho de 2013

    Oi, Gabi.
    Este é meu primeiro comentário.
    Compartilho da mesma opinião que você.
    Meu marido e eu nos “juntamos” no final de 2011. Compramos um AP e mobiliamos todinho e como previmos 2012 seria o ano do cineminha e do jantarzinhoooo hehehehe.
    Então veio 2013, o ano da virada. Trocamos de carro, vamos oficializar a nossa união e pensar na próxima etapa. O filho
    Pois assim com você, meu marido e eu também pensamos nas fraldas, na papinha e como pagar escolinha e os extras. Porque como ele sempre diz. Precisamos ter uma margem para os extras.

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Chaline, seja bem-vinda. Tomara que venhas mais vezes por aqui. Que nossos babies sejam lindos e saudáveis! Beijos!

  • Andrea diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi,

    Tenho 35 anos como vc, e há 41 dias tenho a minha pitoca nos braços. E é a melhor coisa do mundo para quem quer ser mãe, não existe palavras para definir a emoção.

    Mas vamos ao assunto do post, pois sim, eu já ando preocupada com o primeiro ano. A impressão que eu tenho é que depois das megas festas de casamento o povo resolveu super faturar tudo. Senti isso na preparação do chá de fralda (que por sinal tbém entrou na moda do pomposo para algumas pessoas). Eu havia resolvido que queria um modelo de bolo, algo simples, juro, mas quando orcei, recebi valores que eram quase o valor total que eu gastei em todo o chá. Uma coisa muito abusiva. Fiz ajustes aqui e ali, aprendi a fazer brigadeiro gourmet e e ficou uma coisa simples, bonita e bem feita.

    O que sei sobre o primeiro ano é que a festa é a comemoração dos pais pelo bebê ter sobrevivido a eles (e por isso o número de adultos é enorme). E é uma das poucas festas em que vc poderá escolher o tema. Acho q é possível fazer algo bonito sem ser caro. Se vc for mamãe, quem sabe pode ajudar nesta nova moda do simples é mais? Uma organizadora para te ajudar a fazer uma festa linda vc já tem :)

  • Dora diz: 17 de junho de 2013

    Tens toda razão de se preocupar Gabi. Vendo o que foi a festa do teu casamento, não poderias querer nada menos para o teu bebe. Coisas de mãe! Tem coisa mais gratificante do que fazer uma festa e ouvir as pessoas falando maravilhas sobre ela??? E pensa bem no planejamento do teu filhinho. Eu mesma, esperei muito para ter. Formatura do marido, etc. E quando quis, não deu mais. Mas, talvez minha missão dada por Deus, seja de ser mãe do coração. Ele é quem sabe. Nem por isso, deixo de ter a sensibilidade de entender o que vc fala sobre dar o que se tem de melhor a um filho. Além de muito amor, é claro! bjos

  • Luana diz: 17 de junho de 2013

    Bah, Gabi

    Chocada com a superficialidade deste teu post, nossa. Guria,te conheci na época do meu casamento, e desde lá acompanho o teu trabalho, e agora, sempre dou uma espiadinha nesse teu novo projeto. Não sei, parece que a Gabrieli anda perdida em divagaçoes irrelevantes.

    Li esses post esperando uma crítica ácida a essa mercado glamouroso de ostentaçao infantil, das casas de festas de luxos, com preços surreais, dos filhos como instrumento social de status e exibicionisno. Mas errei feio. No final da matéria, vejo uma Gabi frívola, preocupada em abrir poupança para oferecer uma festa badalada pro seu filho, antes mesmo de tê-lo. Sei lá, acho que tem muito mais coisas pra se preocupar no mundo que receberá nossos filhos, não? esse mundo cheio de distorções e inversões, tais como esta. Um filho deve ser planejado, mas não creio que um assunto fútil como esse tire teu sono, nossa Gabi, e tampouco que ele faça tu protelar a gravidez.

    Tu deveria se preocupar com os valores que passarás pro teu filho, o amor, afeto, o respeito a outrem, aliás, valores estes que estão em desuso na nossa sociedade, pois o TER se sobrepõe ao SER O tempo todo.
    Criar uma criança em mundo ilusório é a pior coisa que pais podem fazer. Devemos desde a mais tenra idade ensinar aos nossos filhos a viver dentro da realidade financeira da família. É um erro pais sacrificarem as suas finanças para oferecerem uma festa idêntica ao do amiguinho da escola, que possui um condição financeira muito superior. Fazer isso não significa privar a criança de usufruir do melhor, mas ensiná-lo a viver com os pés assentados no chão. E criar um adulto responsável e coerente.

    No final, será que a festa é para as crianças mesmo ou é pura vaidade dos pais? quase um competição social, e uma manifestação escancarada de suas posses.

    Gabi, tu já tens 35 anos. Falo com propriedade, jamais nos sentiremos prontas para ter um filho, sempre surgirá novas prioridades ( carro, uma reforma, uma viagem) projetos serem concluídos, novos desafios profissionais, um dinheirinho pra ser poupado, e assim vamos relegando à maternidade a segundo plano, até chegarmos a um estágio que fisiologicamente engravidar se torna algo complexo e delicado. Gravidez de risco, partos prematuros, fertilidade baixa, anos esperando engrevidar. E daí, as frustrações. A ansiedade. O relógio não para.

  • Carol diz: 17 de junho de 2013

    Um dos comentários me chamou a atenção… que nossos filhos não viveriam essas festas legais onde comíamos canudinhos, bolo feito em casa e toda simplicidade de nossas festinhas de niver. Sabe como eu resolvi isso? Fazendo do jeitinho que era e com algumas ideias novas. O problema é que as pessoas não querem passar trabalho. Lembro da minha mãe, dinda, tias, todas na cozinha tarde da noite enrolando docinhos, que pra mim eram os melhores da face da terra, montando o bolo e as vezes enfeitando junto comigo e muitas outras lembranças lindas. Procuro ser fiel ao máximo nessa “tradição” de não dar apenas a festa de aniversário mas também mostrar que é algo lindo, cheio de amor, amizade, cores, sabores de família e amigos que querem estar ali por causa do companheirismo e não pq vai ter brinquedo, frescurinha… Tenho uma filha de 8 anos e ela, como todas as crianças deste tempo, pede por uma festa nessas casas caríssimas, mas sabe que não temos condições. Mas quando ela se envolve nos preparativos, na escolha do tema, ajuda a fazer os doces, ajuda na decoração, dá sua opinião sobre algo, ela percebe que tem um significado especial em fazer tudo isso na simplicidade e, no final das contas, adora! O que quero te dizer é que os pais que passam os verdadeiros valores para seus filhos e mesmo que haja uma sociedade que imponha ao contrário, se a formação da família for sólida no amor, na verdade, na partilha, essas coisas vão deixar de te preocupar. Tudo há seu tempo! Beijos flor!

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Luana, eu queria te convidar a ler o post de novo. E de novo. E de novo. E perceber que em momento algum eu digo que só vou ser feliz se fizer uma festa de arromba para o meu filho. Eu comento que me preocupo em como elas estão aumentando e se meu filho vai querer uma assim (o que não vai acontecer se eu passar bons valores para ele). Comento que fico impressionada com festinhas que eram simples se tornando mega eventos. Se tu leres o post de novo, vais ver que no fim das contas temos a mesma opinião. Um beijo!

  • Alani Medeiros Oliveira diz: 17 de junho de 2013

    Eu e meu noivo somos loucos por crianças, conversamos muito sobre o assunto de termos filhos um dia.
    Temos muitas preocupações, pois quando éramos crianças, era outra geração, outros valores. Sou filha mais velha, tenho irmãos adolescentes e percebo o quanto nossos valores são diferentes, apesar de sermos educados pelos mesmos pais. Meus pais eram pobres e lembro que meus momentos de lazer eram ir aos ensaios do coral, ir a missa e depois brincar na pracinha. Tudo isso me fazia muito feliz. Na escola era muito estudiosa, como meus pais diziam, era minha obrigação tirar notas boas, me esforçava e ficava satisfeita quando ganhava um elogio por ter tido um bom desempenho escolar. Hoje em dia a grande maioria das crianças estudam estimuladas por uma recompensa em forma de presente material. Eu só ganhava brinquedo no natal, as brincadeiras eram bem simples, amarelinha, pega-pega, esconde-esconde, casamento atrás da porta, a galinha quer por, cabana feita de lençol, boneca. Hoje minha afilhada de 2 anos já pede brinquedos eletrônicos do tipo Patati e Patata e Galinha Pintadinha, ela vê os amiguinhos na creche brincando e quer também. Isso sem contar na educação pública que está defasada, se você quer que seu filho tenha uma boa educação terá que pagar colégio particular. E a saúde no SUS está de mal a pior, sempre idealizamos ter um filho com perfeita saúde, mas se vier uma criança doente, sem plano de saúde, dependendo do poder aquisitivo dos pais o tratamento será muito difícil. Entendo que a citação da festa foi só um exemplo do quanto vivemos num mundo que enaltece o ter. Por mais que os pais queiram passar valores de amor, carinho e simplicidade para seus filhos a sociedade impõe valores capitalistas desde a creche.

  • Ric Jones diz: 17 de junho de 2013

    Gabrieli…
    Eu li o post, várias vezes, a seu conselho. Tinha esperanças de ter lido de má vontade e não ter entendido o “sentido oculto”. Foi em vão…
    Normalmente quando o autor pede para “lerem de novo” é porque não conseguiu comunicar adequadamente o que desejava ou porque se arrependeu e está suplicando uma interpretação diferente e mais condescendente.
    É clássica a desculpa “Vocês não entenderam que eu estava sendo irônico(a)?”
    Não, você não estava. Estava MESMO glamourizando as festinhas perdulárias de astros desimportantes da TV brasileira. E não é à toa que escreveu sobre o “corpão da mulher do Rodrigo”, por que isso está no pacotão da futilidade do post.
    Veja bem, aqui não há nenhuma ironia na sua fala: “Ver as fotos da festinha da família me fez abrir uma poupança para o primeiro aninho do meu piá. O dinheiro ficará no banco como garantia: se sobrar, eu e o pai dele partimos para uma viagem romântica.” Isso não foi ironia: foi uma ameaça de entrar de cabeça no modelo exibicionista de criação de filhos.
    Só depois que fui ler sobre seu casamento e ver que uma festa deste tipo faria sentido em sua trajetória. Ok, se isso satisfaz o seu ego, nenhum comentário. Cada um glamouriza sua vida como quer, colocando glacê sobre o bolo da vida. … Mas precisas mesmo envolver o teu futuro filho em algo tão tolo e comercial?
    Ao invés de questionar a importância de uma maternidade consciente, de uma gestação sadia, de um parto humanizado para fugir da carnificina do modelo cesarista e para LIVRAR seu filho do consumismo que destrói a mentalidade infantil, você ressalta EXATAMENTE o que existe de mais fútil no desenvolvimento de um sujeito: a festinha de 1 ano de uma criança que sequer participará (menos mal) do absurdo exibicionismo de seus pais.
    No post anterior eu me desculpei por estar no lugar errado, dando audiência para crônicas fúteis e que ressaltam o consumismo e a deseducação de crianças, colocadas como troféus parentais e bichinhos de estimação, com roupas ridículas para “enfeitar” a festa dos pais. Mas o grande número de críticas que eu vi, de pessoas maduras e que levam o nascimento de uma criança a sério, me fez ver que provavelmente você é que prestou um desserviço ao amadurecimento de uma maternidade e uma parentalidade maduras. Ao falar de forma tão fútil das festinhas de “exaltação do dinheiro dos pais”, você trouxe à tona a importância de exigirmos um jornalismo mais responsável e maduro.
    Espero que suas próximas matérias sejam mais sérias, mas confesso que não as lerei.

  • Mariane diz: 17 de junho de 2013

    Bah Gabi, algumas pessoas não captaram sua mensagem…que pena :(

  • Gabrieli Chanas diz: 17 de junho de 2013

    Deus do céu, Ric. Se eu fosse tão maquiavélica quanto tu pinta, juro que daria um jeito de ganhar dinheiro com isso. Abraço!

  • Lola diz: 17 de junho de 2013

    Meu Deus! se não gostaram do post então caiam fora e leiam algo que os interesse! que perda de tempo ficar discutindo isso! cada um que cuide de sua vida e pronto!

  • Vaginophagus diz: 17 de junho de 2013

    Pô Riqui! Eu acho que a guria disse exatamente o que ela quis dizer e vc faiz uma história kivouti. Eu acho que sei o que ela quer dizer, mas não sei se sei mesmo. Vc bem sabe, que, também existem coisas desconhecidas que não conhecemos, aquelas que não sabemos que não sabemos. Vc entendeu alguma coisa?

  • Elisandra diz: 17 de junho de 2013

    Ai peraí né!? Ter dinheiro e poder fazer uma festa de rainha é uma coisa, agora ter dinheiro e deixar as crianças se expor ao ridículo é outra bem diferente!
    Nossa! faltou bom senso aos pais para deixar as filhas se vestirem desse jeito.

    Gabi, não pensa muito em ter filhos, pois o tempo esta passando.. quando você tiver, vai se arrepender pq não teve antes. Daqui uns anos seu filho estará com 20 anos e você com quase 50.

    Um beijo

  • Vic diz: 17 de junho de 2013

    Oi Gabi =)

    Tu és uma queridona! Te acompanho no FB e aqui no blog direto…não sou noiva e nem planejo nada do gênero ainda, mas eu te acompanho, porque eu te acho uma pessoa tão alto astral, tão legal, tão querida! tu é o tipo de amiga que gostamos de contar as nossas novidades ( até aquelas mais corriqueiras) porque vai se animar tanto quanto ou até mais que nós mesmos com as nossas novidades.

    Eu não te conheço pessoalmente mas quando eu estou triste ou não tão bem eu leio o teu FB ou o teu blog e logo melhoro, como se tu indiretamente estivesse conversando comigo, sabe? Tu faz parte da minha vida ( mesmo que tu não saiba) e isso me faz bem =)

    Eu senti a necessidade de escrever hoje pra ti, pois eu resolvi ler os comentários das tuas reportagens e os achei tão ofensivos! tão cheios de julgamento, críticas…não vi a menor necessidade deles e, muito menos deles direcionados pra ti! uma jornalista tão querida, tão competente!

    Não me entenda mal mas eu sou uma grande fã tua… como pessoa, como jornalista, como mãe da Belinha e do Dunga, como fã de Friends, etc. hahahaha

    Eu realmente espero que essas críticas ( nada construtivas !) não te abalem nem por um minuto, pois pelo o que eu li nos comentários tem muito mais pessoas elogiando as tuas reportagens do que falando mal delas.

    Muito sucesso, Gabi =)

    Bjo

  • Aline Vieira diz: 17 de junho de 2013

    eu concordo com o disse este comentário:
    Xico diz:
    17 de junho de 2013
    Se isso que vc escreveu é o que realmente penas, adie a matrenidade PARA SEMPRE. a Humanidade agradecerá. Não procrie, por favor, eu imploro. Não faça isso com o mundo, ele ficará muito melhor sem a tua prole.

    Achei de uma futilidade escreveres isso!!que martha medeiros, tão sábia não leia esse seu post!!
    Queimou teu filme!!!

  • Ric Jones diz: 18 de junho de 2013

    Não é maquiavelismo, pelo contrário; é apenas superficialidade.
    Para ser maquiavélico tem que ser profundo, como Maquiavel o foi.
    Você não escreveu nada disso por “mal”, e nem com más intenções (como a palavra “maquiavélico” faria supor), mas por descompromisso com a seriedade na educação das crianças e uma falta de noção sobre a importância de livrá-las da doença do consumismo.
    Recomendo a você o brilhante documentário brasileiro “Criança – A Alma do Negócio”. Talvez você consiga ver o estrago que este tipo de atitude pode produzir em um ser em desenvolvimento.
    Felicidades e boa sorte.

  • Gabrieli Chanas diz: 18 de junho de 2013

    Nossa, Vic, que comentário bacana. Também senti como se estivesses falando comigo. Esse tipo de comentário faz parte do jogo. Lá nos primórdios do blog, em 2008, eu me incomodava com eles. Depois tu meio que crias uma casca e nem registra mais o que é apenas grosseria. Mas o bom é que em muitas das opiniões contrárias tu encontra argumentos que te fazem repensar. Acontece direto quando falo de dogs e leio gente que não curte eles reclamando (mas que nem por isso são más pessoas). Vou retrucar sempre quando me xingarem por algo que eu não disse (tipo: você disse que as meninas do Faro estão feitas) ou quando fizerem grosserias e maldades com pessoas que amo (já desejaram em comments que meu pai morresse). De resto, a internet é aberta pra galera dar opinião! Um beijo e adorei muito mesmo tua mensagem, querida!

  • Suzan Oliveira Afonso diz: 18 de junho de 2013

    Sabe Gabi, eu atualmente não sou uma mulher abastada, mas ja fui uma criança abastada, tive quase todos os brinquedos da época e minhas festas de aniversário (as que eu me lembro) Sempre foram assim pomposas. Ja tive festa do Balão Mágico aos Chengeman (lembra? =D) Mas como filha, você quer saber quais sãos as festas que estão gravadas na minha memoria? Aquelas em que eu pude ter meu pai e minha mãe ( e o entojo do meu irmão) do lado, apenas eles. Festa de aniversário em cinema (sessão de cinema), Parques, Sitios, passeios e afins… E acredite, eu tinha tuuudo pra ser uma criança uber consumista, mas como sou filha de pais separados ( o que eu Espero em deus que seu filhote não seja, por que é devastador para uma criança) Eu trocava tudo e todos os brinquedos pela reunião da minha familia. Criança não quer saber 100% de festa e brinquedo, ela quer saber de estar feliz ao seu lado, ou ao menos estar ao seu lado. E convenhamos a gente sabe, que festa infantil é mais pra agradar aos pais do que mesmo aos guris hahahaha piá (como você diz e eu acho fofo) quer mesmo é se sujar, brincar na rua, voltar pra casa cheio de terra ou grama (ok… acho que estou falando de cachorros hahahahahaha) Eu sinceramente, te aconselho a não esperar mais pra ter um bebê, filho é benção independente do mundo pregar o contrário! filho pra mim é prosperidade! por que prosperidade nunca teve haver com dinheiro e sim com Felicidade! =) Beijos pra você! Suzan Afonso

  • Hortelino Trocaletra diz: 18 de junho de 2013

    Oô, Riki. A Gabruxa não tem maldade naquele corpicho de bailarina do pintor Fernando Botero, que Deus deu de presente para ela e para o Marcelão, seu lindo maridão. É só ver aquele rosto angelical de ex-virgem não arrependida, que vc vai saber que ela é uma mulher doce, sincera e leal, jamais se exaltando ou fazendo cara feia ou falsificando alguma palavra. É calma, tranquila e equilibrada, ou melhor, dizendo tudo, é a Virgem Maria desencarnada aqui na Terra.

  • Camila_NK diz: 18 de junho de 2013

    Gabi, vou ser honesta tentando não ser ofensiva, mas achei teu posicionamento de extrema superficialidade. Se uma das tuas preocupações em ter um filho é se vai ter grana pra bancar a primeira festa de aniversário (ou outras coisas), por favor, não o tenha! Aposto que com tuas modestas festas da infância, como foram as minhas, tu tinhas amigas ou coleguinhas que tinham festas super produzidas tb. Se não pelas festas, pelas roupas mais bacanas, pelo melhor caderno, pela melhor lapizeira ou o brinquedo da moda…nunca sofreste aquela invejinha infantil? E por acaso, alguma vez desgostaste de teus pais pelo que eles te proporcionaram? Ensinar teu filho a viver dentro da realidade que podes proporcionar para ele é melhor que qualquer super festa, pode apostar!

  • Claudia diz: 19 de junho de 2013

    Oi Gabi, ficaria muito feliz em trocar emails contigo mesmo… ser mãe mais tarde (36) só me trouxe gratificações e pude aproveitar até então para fazer o que depois da maternidade fica mais complicado. rsrsrs… bjos.

  • Adriana diz: 19 de junho de 2013

    Classe média sofre!

  • Luiza diz: 20 de junho de 2013

    Aos demais: há algum tempo, mais de um ano, submeti um comentário no blog que a Gabinete gentilmente respondeu, justificando que se publicasse aquele comentário (que não era ofensivo, fique claro!) ela poderia magoar uma outra jornalista e que por isso havia filtrado ele. Na hora, achei o fim. Isso porque eu fazia uma crítica leve e bem intencionada sobre a superficialidade de uma reportagem.
    Agora, vendo esta enxurrada de comentários sendo publicados (alguns extremamente desnecessários e até ofensivos), aceito melhor aquela espécie de censura justificada, porque percebo que a Gabi sentiu-se responsável pelos sentimentos de uma outra pessoa, e, ainda que eu discorde de resultado do ato dela, vejo que a intenção é positiva e “de boa fé”.

    À Gabi: minha mais querida blogueira….eu acredito que você age com boa intenção (ao fazer um post como esse) mas o resultado dele não é o que vc pretendia. O blog deve ser o mais lido do RS e SC sobre festas e, amadurecendo a tua análise sobre festas infantis, você pode plantar uma sementinha de mudança nas mamães que visitam o blog em busca de informações.

    Este post sobre festas infantis, ainda mais depois de tantos comentários, bem que merece ser desenvolvido com calma, não? Aposto que com o devido amadurecimento, você nos brindará com um excelente texto, rico em incentivos para reflexões de mães, futuras mães, pais, dindos…

    P.S (pobres crianças….até hoje sofro com lembranças de uma festa de aniversário em que minha mãe me vestiu toda de oncinha!!!! Ela era costureira e sobrou tecido de alguém…então eu ganhei a roupa. Ela achou super chique, tadinha, mas eu quase morria de vergonha com aquele modelito que eu achava brega e “de velha”. Enfim, criança e criança e não mini adulto….por mais bem intencionada que minha mãe estivesse, mal sabe ela que me deixou traumatizada com animal print pro resto da vida…risos)

  • Luiza diz: 20 de junho de 2013

    Ai deus…desconsidere o comentário, Gabi…ta difícil do corretor ortográfico do iPad não modificar tuuuudo o que eu escrevo. Até gabinete saiu…risos…beijinhos e boa sorte com a nova cara do bloguinho!

  • Fernando Manoel Soares diz: 15 de julho de 2013

    A cara de “felicidade” da menina à direita da foto contrasta com a dos pais.

    Ia comentar mais sobre isso, mas outras pessoas já o fizeram com pontos de vistas lúcidos. Ainda bem que não há uma massa 100% iludida este glamour nocivo às crianças.

    Conchal – SP

  • ana patricia diz: 28 de agosto de 2013

    É falta de que fazer? Eu procurando um modelo de bolo de palhaço, me deparo com pessoas desocupadas criticando crianças.Pra que criticar as pessoas, se diante do seu livro da vida so vai esta você e Deus.
    Quando não temos coisas boas para dizer, nossa melhor opção é o silêncio!

Envie seu Comentário