Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Problema existe, mas a gente tem o poder de deixá-lo maior, menor ou do tamanho que realmente tem

24 de abril de 2014 115

Como você reage quando sabe que alguém cometeu suicídio? Tem o grupo que condena imediatamente, se perguntando o dia todo como alguém pode acabar com o dom mais precioso que um ser humano pode receber: “Tanta gente aí lutando para vencer câncer e esse babaca se mata”. Tem o grupo que foca na família e pensa no desespero de quem perdeu alguém querido (e quem já perdeu um familiar, por morte de qualquer motivo, sabe como dói a saudade). Eu faço parte do grupinho que pensa muito na pessoa que se matou. A vida é, sim, cheia de altos e baixos, mas para quase tudo tem uma saída além de cometer suicídio. Eu uso a palavra “quase” aqui para estar ciente da minha ignorância sobre a vastidão do universo. Eu não passei por todas as experiências do mundo. Eu não sei – e não tenho vergonha de admitir – se não haveria um dia algo tão insuportavelmente dolorido na minha vida que me fizesse pensa a acabar com ela precipitadamente. É por isso que penso demais na pessoa que se matou. Fico imaginando o que passou pela cabeça dela para tomar uma atitude tão extrema. Certamente, não viu luz no fim do túnel. Provavelmente, estava passando por um problema que achava que não teria solução. E isso me dói especialmente. Dos corações partidos da adolescência a demissões depois do fim de um estágio, já passei por dores que considerei por alguns momentos que nunca iriam sarar. E sararam, porque quem disse que tempo cura tudo devia ser bem sábio. Pense agora em quantos problemas “insolucionáveis” você teve na vida e como lidou com eles. Tem gente aí que até vai abrir um sorrisinho e pensar: “Uau, e naquela época eu achei que meu mundo tinha acabado”. 

Keep calm porque essa não é uma carta de suicídio online. Felizmente, nunca passei por algo tão extremo a ponto de pensar nisso. Espero nunca passar. Mas eu queria dizer que não julgo quem faz. Eu apenas lamento que a pessoa não tenha tido a clareza de perceber que talvez ainda deveriam existir pessoas que pudessem ajudar, que nem todas as alternativas teriam se esgotado. Olho esses casos de meninos jovens que se mataram com 11, 12 anos porque eram xingados na escola. A bagagem de vida deles, tão curtinha, fez com que não encontrassem outro meio de lidar com aquilo. Penso neles com grande tristeza. Vontade de estar perto, de abraçar e dizer: “Hey, eu tenho 36 anos e já passei por vários problemas cabeludos. Mas eu sempre soube que deveria existir uma solução e me foquei em procurar por ela. Tudo vai ficar bem, acredita em mim”.

Textinho sombrio para um começo de quinta, não é? Essa introdução tão forte foi feita para falar que, por mais bizarro, pecaminoso e cruel que seja a decisão de alguém, no fim das contas cada um é o responsável pela sua vida. Já te aconteceu de dar um conselho simples, claro, direto, básico e óbvio para alguém e a pessoa não seguir? Tipo um “amiga, esse cara só te trai, cai fora” e ela seguir com ele? Acontece. O julgamento final do que qual caminho pegar, no fim das contas, é dela.

Nos últimos anos eu descobri uma forma estranha de lidar com meus problemas, uma forma que nem todo mundo entende, mas que depois de tanto papo aí nos parágrafos acima, espero que pelo menos parem um instante e tentem analisar. Eu passei a escrever num blog o que acontecia comigo. Comecei com coisa boa, falando sobre meu casamento, como foi organizar tudo. Depois que ele passou, senti que tinha à minha volta uma comunidade de pessoas que me queriam bem e que já considerava amigas (com exceção de uma ou outra que me detestam, o que faz parte do jogo). Falar de um perrengue aqui e outro ali me fez ter um retorno que eu não tinha de pessoas muito próximas como meu marido, minha irmã, minhas amigas. Lembram do episódio do estresse crônico? Todo mundo que me ama estendeu a mão para me ajudar, mas eu senti mais conforto ao ler recados de pessoas que também passaram por aquilo e fizeram a gentileza de me dizer como foi e como superaram. Não tem preço. É um acalento para a alma, é um afago no coração. E é uma gentileza sem tamanho que alguém tenha parado alguns minutos em frente ao computador para confortar uma pessoa que nunca viu ao vivo. Bravo, bravo!

Me faz bem escrever sobre a minha vida. Me faz bem dizer coisas até bem particulares num fórum que está aberto aí na rede para quem quiser ler. Por que eu faço isso? Parte porque é como se tirasse um peso do coração fazendo o que mais gosto de fazer na vida (escrever, tanto que escolhi isso como profissão). Parte porque aquele tal retorno de “hey, vai ficar tudo bem” é impagável. E, finalmente, porque essa sou eu. A Gabi de 2008, que começou um blog sobre casamentos, definitivamente não é a mesma de 2014. A de 2008 achava que três ou quatro pessoas leriam suas histórias chatas obre como dobrar o guardanapo na festa de casamento. A de hoje celebra ter à sua volta gente que de vez em quando se materializa no supermercado, no parque, que te para no elevador para contar que te acompanha. E que gosta ou que divide de opiniões parecidas contigo. É como se amigos brotassem do chão como plantinhas. É por isso que adoro fazer encontros para conhecer gente, ver o rostinho de quem é meu amigo virtual. Como diria o Lulu Santos: “me faz tão bem, me faz tão bem”.

Eu consegui dar uma breve explicação de como eu sou, de como vejo a vida e porque falo abertamente num blog sobre problemas que muitas pessoas guardariam para si mesmas? Espero que sim.

Com tudo isso dito, me sinto à vontade para dividir um outro episódio da minha vida. Depois do meu casamento, muita gente começou a me cobrar para ter um bebezinho. Justo, né? Tenho 36 anos e está mais do que na hora. A chegada do pequeno está nos meus planos com o Marcelo, aqueles mesmos planos que a gente faz a longo prazo, que incluem trocar de carro ou apê, adotar mais um cachorro, largar tudo e fazer mochilão pelo mundo. Já estamos na fase “no pílula”, testando para ver quando é que Deus vai me mandar meu pacotinho. Sei que tenho a torcida de muitos para que seja em breve, mas juro, de todo meu coração, que acredito que será na hora certinha, aquele timing que só Deus sabe quando é, que às vezes a gente não entende, mas depois de um tempo descobre  porque foi tão rápido, tão demorado, tão fácil, tão doloroso, tão sei lá o que. Como é mais fácil ver a solução dos problemas uns dias depois de eles acontecerem, né?

Vou abrir mais um capítulo da minha nada interessante vida aqui. Pelo motivo que expliquei ali em cima: me faz bem. Na semana passada, eu sofri um aborto espontâneo. Foi bem na semana da chegada do meu afilhado lindo, perfeito, presente divino, amorzão da vida de sua dinda. Foi algo bem no comecinho da gestação e eu sequer sabia que estava grávida.

Respondendo uma série de questões num tiro só: é mais comum do que a gente imagina, acontece por uma série de motivos (os meus estão sendo devidamente investigados), eu posso engravidar de novo (a princípio não há nada errado comigo). O sangramento fora de hora assustou – e muito – mas como eu ia dizendo ali em cima, foi na semana na chegada do Bernardo. Eu tinha a opção de escolher entre me acabar em choro por algo que o médico já tinha dito que acontece bastante ou me concentrar em mandar boas vibrações para a Bárbara. Escolhi um misto dos dois. Abracei a tristeza por 5 minutos (era sobre isso que eu me referia no post de ontem no FB), falei claramente comigo mesma sobre como aquilo era corriqueiro e como eu deveria ficar contente por poder engravidar de novo quando quisesse. No dia seguinte, nasceu perfeito o Bernardo. Qualquer resquício de dúvida que eu tinha sobre como realmente estava me sentindo naquela semana passou quando peguei ele no colo. Senti um amor sem fim, vontade de proteger, felicidade pela minha sobrinha (gente, tem pessoas aqui perguntando se a Bárbara tem 16 anos. Hahhahaha, não, ela tem cara de piá, mas tem 24). Bazinha e Bê eram mais importantes.

Contei para minha mana só depois do netinho dela nascer feliz e bonitão, para minha mãe e para uma ou duas amigas no trabalho, que precisavam entender minha ausência. Hoje, faz uma semana do que aconteceu e me sinto tranquila para dividir aqui nesse mundão que é a internet e ouvir relatos de almas legais que queiram me contar suas experiências. É como um Alcoólicos Anônimos: ouvir histórias de gente que venceu um problema não te anima a seguir em frente? Eu venci estresse crônico e contei aqui que para tudo tem jeito. Agora, estou contando outra história de vida.

Estou bem. Mesmo. De saúde e de cabeça. Mas eu sou blogueira (não me atreveria a dizer que sou escritora), e blogueiros gostam de escrever, se sentem bem com isso. Foi essa minha motivação para colocar o note no colo e escrever esse longo post, sem nenhuma figurinha ou fotinho, antes de ir me vestir para ir trabalhar.

Todo dia a gente aprende um pouquinho, né? Eu estou vivendo um ano lotado de experiências extremamente engrandecedoras, que, boas ou ruins, me ajudam a entender o sentido da vida e escolher o caminho a tomar. É claro que, se pudesse, deletaria o aborto dessa listinha de episódios, mas ele veio para me ensinar alguma coisa. Já tenho uma leve suspeita do que, mas irei consolidando minha opinião nos próximos dias.

Não precisa fazer beiço, abraçar no corredor e chorar ao me ver (aconteceu direto quando a Bellinha morreu). Ao contrário daquela vez, eu estou realmente tranquila. Divido aqui porque sou uma mulher que conta mimimis na internet. E eu sei que existem outras Gabis por aí no mundo. Toquem aqui, gurias! Estamos juntas, acontece e a vida segue. Só ter uma vida já não é presente suficiente? Eu acho que sim.

Uma linda e abençoada quinta para vocês,
Gabi

Captura de Tela 2014-04-24 às 08.42.12

Para não dizer que não tem nenhuma fotinho nesse post. Bazinha e Bernardo mandam beijos. Estão ótimos! A Bárbara manda dizer que ser mãe é a melhor coisa do mundo.

The following two tabs change content below.

Gabi Chanas

Ótima amiga, péssima cozinheira. Adoro cachorros (tenho um vira-lata charmoso chamado Dunga), Friends, casamentos, decoração. Além do bloguinho, dou dicas todos os domingos na revista Donna, do jornal Zero Hora, e nos sábados na Almanaque, do jornal Pioneiro. Curto muito fazer novos amigos virtuais, por isso recadinhos são sempre bem-vindos!

Latest posts by Gabi Chanas (see all)

Comments pelo FB

Comments pelo FB

Comentários (115)

  • Aline Amorim diz: 24 de abril de 2014

    Eu tenho uma amiga que sofreu dois abortos e engravidou logo depois de uma princesinha que é linda de mais, e saudável, que é mais importante.
    Estou na torcida para seu bebê chegar em breve!
    Beijos

  • Simone diz: 24 de abril de 2014

    Gabi…também já sofri um aborto e nem sabia que estava grávida…não estava tentando engravidar e ja tinha duas filhas, mas mesmo assim é um baque!!! E também estava tudo bem comigo! Foi espontâneo e realmente é mais natural do que imaginamos!!! Mas como tu mesma escreveu…tudo tem sua hora e a se for prá ser a tua vai chegar! Todo mundo cobra e a gente se sente meio pressionada, mas tem um força maior que comanda tudo e que sabe exatamente como as coisas devem ser! Acho maravilhoso o teu jeito de encarar a vida com todos os probleminhas e problemões que ela pode ter!!! Te confesso que tenho aprendido contigo a lidar melhor com minhas decepções e queria passar por aqui para te agradecer!!! Quando li teu post ontem à noite no FB resolvi clicar em “Obter Notificações” porque eu senti que vinha chumbo grosso e não poderia deixar de ler pois sabia que teria mais um aprendizado!!! Obrigada por ser minha amiga virtual! Pretendo deixar de ser em maio, quando vens à Caxias, mas por enquanto te desejo por aqui mesmo, muita saúde, muita felicidade e muita inspiração para continuar servindo de inspiração para todas nós (mesmo as que te criticam)!!! Um beijo bem grande no teu coração!!!

  • camila staats diz: 24 de abril de 2014

    So tenho uma coisa a te dizer, sou sua fã. Tudo passa e esse vai ser mais um episodio passageiro em sua vida, Deus esta guardando o melhor pra ti e na hora certa, na hora que ele ver que vc e o marcelo estao preparados pra isso. Bjao

  • nina maria flor diz: 24 de abril de 2014

    Força, Gabi!!!
    Tudo floresce no seu tempo certo

  • Ariane diz: 24 de abril de 2014

    Oi Gabi!
    Começar o dia assim, com uma lição de quem sabe vivenciar os problemas e as alegrias, não tem preço. Obrigada por dividir com as amigas virtuais esse tipo de situação, porque realmente, não estás sozinha. Semana passada coincidentemente sofri uma dorzinha não tão grande quanto a tua, mas muito parecida. Surpresa, expectativa e decepção. Mas é isso aí, nada é por acaso e com tudo a gente aprende. Todas as coisas acontecem do jeitinho que tem que ser e no momento certo.
    E que bom que tens uma família abençoada e muitos amigos de onde buscar força!
    Um beijo!

  • Juliana diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, (acho que posso te chamar assim, né?)
    Nunca comentei no seu blog, mas acompanho desde 2009 quando fui madrinha de casamento de uns amigos, mesmo não tendo o sonho de me casar sempre curti muito o tema e gosto muito do seu jeito de escrever e de acompanhar as suas viagens e dicas… (já segui várias)
    Hoje especialmente o seu post me tocou, estou em um estágio antes do seu, tb decidir engravidar esse ano, mas ainda não parei de tomar a pílula, faltam algumas coisinhas para decidir, mas sei que poderei enfrentar problema parecido com o seu, mas não era uma coisa que me passava pela cabeça, acho que toda a euforia do inicio de todo o processo, exames, escolha do médico, afastou de mim os problemas que podemos ter no meio do caminho… por isso não podia deixar de dar os parabéns pela sua iniciativa e dizer que entendo exatamente cada palavra do que escreveu, penso igual, esse ano tb foi cheio de decisões e rompimentos, consequentemente felicidade e dor, mas com a conversa e ajuda de pessoas queridas conseguimos superar… Sinto pelos que não conseguem ver que mesmo nas piores situações há sempre uma saída, mas isso faz parte da vida, né???
    Enfim, desculpe pelo longo comentário, mas não poderia deixar de me pronunciar!!!!!
    Parabéns e obrigada por ser essa amiga virtual tão especial!!!!!
    Bjooos,

    Ju.

  • Denise diz: 24 de abril de 2014

    Isso, Gabi. Tudo tem seu momento e sua razão pra acontecer. Teu baby virá na hora certa. Tô na torcida. Beijos.

  • Carlos diz: 24 de abril de 2014

    MUITO LEGAL GABI, TBÉM FAÇO PARTE DESSE GRUPINHO QUE PENSA MUITO NA PESSOA. POR EX. NAS ÚLTIMAS SEMANAS NÃO CONSIGO PARAR DE PENSAR NO SOFRIMENTO, ANGÚSTIA, DESESPERO E TODA INFELICIDADE QUE VIVIA E SE PASSOU NO CORAÇÃO E MENTE DO MENINO BERNARDO MONSTRUOSAMENTE ASSASSINADO

  • Carol Rech diz: 24 de abril de 2014

    Gabi! Seus relatos são lindos! Pq são verdadeiros .. gente como a gente.
    Com certeza na hora certa Papai do céu te manda esse bebezinho que vai ser muito amado! Beijão

  • Mirella diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, mais uma vez tu me fez chorar logo de manhã! Acompanho teu blog desde o começo, quando também estava noiva, nunca te vi, nem pude ir a nenhum encontro pois desde 2009 não moro mais em POA, mas não consigo deixar de acompanhar e te ter como uma amiga. E agora temos mais uma experiência de vida semelhante. Também sofri um aborto, a diferença é que eu soube antes da gravidez duas semanas antes do aborto. O embrião não se formou, sem motivo, sem causa, sem problema algum. Na época não lidei nada bem com a situação, especialmente porque a gravidez tão desejada já tinha demorado um tempo para acontecer. Mas a vida surpreende a gente, 4 meses depois do aborto engravidei de novo e dessa vez tudo foi maravilhoso, mês que vem ou no máximo começo de junho nosso pequeno chega! O que posso dizer é aquilo que vc já sabe, tudo acontece por um motivo e quando for para ser será! Bjs

  • Renata F diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, tu é demais, e digo isso simplesmente pelo fato de tu dividires conosco as tuas histórias e nos fazer refletir sobre as coisas da vida.
    Estou super ansiosa pelo encontro de fãs de Friends e parte dessa animação toda é porque vou te conhecer pessoalmente.
    Beijão e continua sendo essa pessoa maravilhosa e iluminada que és!
    Ahh e parabéns pelo afilhado lindo que nasceu! O Bê é lindo e fofo demais.

  • Aline Tartare diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, querida, e como somos gratos pelo teu dom e amor por escrever!! É realmente muito bom podermos nos relacionar e conectar-nos com as pessoas, sejam elas amigos reais ou virtuais. E não é só pelo fato de que “misery loves company”, mas por sabermos que tudo ficará bem! Que Deus a abençoe sempre! beijosss

  • Gizi diz: 24 de abril de 2014

    Gabi!!!!!
    Que maravilha ler teus textos, tua forma de escrever parece um bate papo. Parabéns pela maturidade em tratar os perrengues da vida, e saber lidar com eles da forma mais adequada….. Tudo acontece no seu tempo…… e certamente virá um lindo bebezinho para coroar a família de vocês com muito amor, alegria e saúde!!!!!! bjusssssssssss

  • Angelita T. diz: 24 de abril de 2014

    Bom dia, Gabi.
    Li todo teu relato e tenho o pensamento igual ao teu, em tudo que relatou.
    Acho que pra tudo nessa vida se tem uma solução, menos pra morte, claro. Minha mãe faleceu dormindo há 1 ano e 9 meses e me dei um tempo para viver a dor, mas depois é agradecer por ela não ter sofrido, por ter tido ela como mãe por 30 anos (quanta gente não tem a figura materna?) e tudo mais.
    Eu te senti meio sumida da internet semana passada e agora que contou o motivo entendi. Creio que tudo na nossa vida tem um motivo, que é amadurecermos espiritualmente, mentalmente. Com certeza Deus está preparando um lindo baby pra ti, que virá na melhor hora para todos.
    Saiba que estará em minhas orações!
    Beijos pra ti, pra Bárbara e pro Bernardo! Ahh… e pro Dunga (muso!).

  • Cristina Monteiro diz: 24 de abril de 2014

    Preciso dizer que amei teu post. Achei lindo tudo o que vc escreveu, e por fim uma lágrima caiu! Hoje eu entendo perfeitamente bem as mulheres que tiveram aborto espontâneo, sei como é dolorido , mas sei também que passa! tudo passa! Eu não tive aborto, mas posso te dizer que foi pior que isso, eu tive uma rara doença da placenta chamada Mola, o que fez com que a minha primeira e tão esperada gravidez não pudesse se desenvolver. Mas mais do que isso, essa doença acabou desenvolvendo em mim um raro câncer de placenta. Foram seis meses de quimioterapia. Foram os seis meses mais dolorosos e dificeis da minha vida. Mas como você disse no começo: a gente tem o poder de deixar o problema maior ou menor do que realmente é! Então, hj passado 4 meses de fim de quimio e de cura total, posso dizer que tive problemas pra lá de cabeludos, mas a minha fé me salvou. Em dezembro pretendo tentar novamente engravidar. Beijo grande !

  • Taís Trapp diz: 24 de abril de 2014

    Só consigo dizer uma coisa: tu é especial demais, Gabi. Cada dia te admiro mais. Consegue tirar de mim gargalhadas, sorrisos e lágrimas (como nesse post). Adoro pessoas intensas. Tu é, sem dúvida, total fonte de inspiração. <3

  • Patrícia diz: 24 de abril de 2014

    Bom dia Gabi!!!
    Comecei a ler o post e fiquei pensando: “o que será que vem por aí???” rsrsrs
    Enchi os olhos de lágrimas e pensando que só você mesmo, por ser a GABI que é, escreveria isso no blog!! Você merece toda a felicidade do mundo!!!
    E realmente, por experiência própria, Deus faz as coisas na hora certa!!! Pode ter certeza que o baby virá sim, com muita saúde, amor, luz… no momento certo!!!
    Te adoro Gabi!!
    Conte sempre com as tuas leitoras que te amam e torcem por ti mesmo sem te conhecer pessoalmente!!
    Beijõõõesss

  • Renata diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, cada vez eu gosto mais de ti. Sou do tipo que fala tudo para todos, muitos julgam por me abrir tanto, mas sinto que faz um bem tremendo.

  • Kelly diz: 24 de abril de 2014

    Gabi,
    Parabéns por enfrentar todos os problemas da vida desta forma!!! Sabendo que lá no final aprendemos alguma coisa, levaremos alguma coisa para o resto das nossas vida…
    Te falei, melhor digitei, isso alguma vezes: Te admiro, pela garra, pela vida…
    Se tivesse um pouquinho do seu conhecimento, ficaria bem feliz!
    Ainda tenho esperança que você te conhecer pessoalmente.
    Tenha fé em Deus, pois ele sabe o que faz e logo logo você vai ter o seu bebê no colo.
    “TUDO TEM A SUA HORA!”, diz a minha avó biológica.
    Beijos

  • Patty diz: 24 de abril de 2014

    Oi, Gabi! Sei o que está passando. Estou com 35 anos (farei 36 em setembro), há mais de 3 anos tenho “namorido”, há mais de seis meses sem tomar pílula e há mais de dois meses sem usar qualquer outro método pra, se Deus quiser, ser mãe ainda neste ano. Quando achei que já estava com algumas semanas… Ops! Também sangrei. Fiquei chateada, mas o “namorido” me confortou e disse que Deus (e só Ele) sabe quando virá o nosso anjinho e vai ser maravilhoso. Saber que conto com a presença de um homem incrível e tenho certeza absoluta de que será um paizão (ele já tem uma filha de 13 anos do primeiro casamento), me deixou mais animada e confiante de que ainda vou ter boas notícias neste ano. Espero que você também. Adorei o post! Beijos!

  • Polly diz: 24 de abril de 2014

    Caramba Gabi!
    Que pena a gente não ser amiga “real” (não virtual…rs) e poder conversar… é tão legal poder ver gente como tu “falando” online com tamanha simplicidade…o mundo precisa de mais amigos assim….eu também! :-)
    O melhor dos teus desabafos, textos, ais e por aí vai, nem é o que escreve em si, mas o fato de a gente perceber nas entrelinhas que é feito por “gente feliz”, assim como os vídeos e fotos que postas no Face.
    É legal ver que tu és gente como a gente, que tem “problemas” com o peso de vez em quando, adora bicho, vez ou outra passa por alguns perrengues, tem amigos impagáveis…. e ver o quanto os teus textos agora nos aproximam muito mais do que na fase das “dobras de guardanapo” (eu também estava na mesma fase noivazilla…kkk).
    Assim, ó, dá vontade de te dar um “upa” bem grande….não pelo que aconteceu contigo, que como bem falastes, acontece com muitas mulheres mundão afora, mas por ser essa “querideza” que nos aproxima tanto, mesmo que apenas pelo mundo virtual, por fazer o nosso cotidiano mais feliz, com fotos do Dunga sorrindo enquanto rosna.
    Keep calm and let’s try again!
    Só não consegue quem desiste, né? :-)
    Beijão beeeem grande

  • Luciana diz: 24 de abril de 2014

    Gabi!

    Sou muito tua fã, sempre me emociono com as tuas palavras, transmitem tantas coisas boas…. e como fã fico bem feliz em saber que verdadeiramente estás bem!

    Ah e sabes que todas as vezes que vou a Porto sempre fico com aquela esperança de te encontrar na rua acreditas….

    hehe, bjo!
    Lu

  • Tássia diz: 24 de abril de 2014

    Me emocionei…lindo…superar é preciso…Na hora certa seu pacotinho virá… :)

  • Gabriela Lorenzet diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, nunca aconteceu comigo, mas minha irmã tbm perdeu um baby. Eu já tinha dado até presente :( Logo depois ela engravidou e hoje temos a Flávia, uma menina de 7 anos que é esperta, inteligente, levada e muito parceira. São coisas da vida!
    Um beijão beeeeeemmmmm grande nesse manequim 36 (inveja!).

    Gabi

  • Mara Oliveira diz: 24 de abril de 2014

    Só uma palavra: ARREPIEI!
    Mais três: TU É DEMAIS!

  • Juliana diz: 24 de abril de 2014

    Oi Gabi… te acompanho sempre, mandei a fotinho do Bico do Rafael pelo Face, quando vc perguntou sobre presentes para os pequenos, lembra? Lá tb falei q a história da minha gravidez bem q poderia ser roteiro de novela… me senti a vontade para te resumir ela, posso? Pois bem, tentamos durante 1 ano e meio engravidar, meu médico disse que é o tempo normal, troquei de médico, ele me pediu um exame estranho (histerosalpingografia) eu fiz, resultado: uma trompa deslocada(grudado no estomago) uma trompa totalmente obstruida, alteração na tireoide, ovário poliscistico, mesa de cirurgia para consertar as trompas, ao abrir o Dr ainda achou uma endometriose, chance de engravidar antes da cirurgia 0% ! ! ! Depois da cirurgia: 40%… 3 meses depois (regulada a tireoide e a ovulação com medicação) POSITIVO… feliz demais, avisando no FACE, ligando pra todo mundo.. com 7 semanas um aborto retido ( nenhuma dor fisica, mas muita dor emocional né?) … volta pro hospital, curetagem… e aviso do médico: em 3 – 6 meses pode tentar denovo… de todo o carinho q recebi uma frase e um sorriso ficou gravado na minha memória pra sempre: uma amiga q tb tinha passado por um aborto e depois engravidou novamente e tinha um bebe de 1 ano me falou assim: não era pra ser, se eu tivesse tido o primeiro filho ele não seria o Gui e eu não troco o Gui por nada ( nisso o Gui da um sorissão, como que entendendo tudinho)… pois bem, qd me batia a tristeza, vinha o sorriso sem dentes dele na minha cabeça… 3 meses depois, refiz todos os exames e no dia certinho da ovulação (pobre marido ! ) …. Engravidamos novamente… e hj sou mãe do Rafael, com 1 ano e 9 meses e não troco ele por nada… eu tive aquele aborto, pq era pra ter, Deus sabe o que faz, e eu tenho certeza que vim ao mundo pra ser mãe do Rafael !
    Acabo contando isso para todas as amigas q passam por alguma dificuldade em engravidar, ou por algumas pedras durante o caminho,.. e já me sinto sua amiga, afinal “conversamos” diariamente através do Blog… Desculpa o texto grande, e olha que resumi os fatos… hehehe Muito beijos pra vc, se cuida…
    Aaaaaa… é hj q sai a data para o encontro Friends né? quem sabe a gente se encontre pessoalmente então ! ia ser um sonho pra mim ! ! !

  • Isa diz: 24 de abril de 2014

    Gabi! Eu ainda não tentei engravidar. Mas a minha mãe sofreu alguns abortos. Ela passou 10 anos tentando engravidar e quando conseguia, perdia. Pois bem. Quando ela desistiu dos longos tratamentos médicos e depois de sofrer alguns abortos, ela entrou em uma capelinha aqui em Porto Alegre e rezou. Disse que estava colocando nas mãos de Deus e que se fosse para ela ser mãe, ela seria, independente de ser tão difícil.
    Foi então que, algumas semanas depois, com 40 anos, ela descobriu que estava grávida de mim e eu já tinha 12 semanas. Ela não acreditou, porque ela já tinha desistido de todos os tratamentos que existiam naquela época (quase 30 anos atrás). O que ela achava que era um problema no fígado (hahahaha), era eu lá dentro. E a maior surpresa? Eu nasci em abril e a minha irmã em julho do outro ano.
    Então Gabi, tu está pensando certo: na hora certa, no teu tempo certo, vai acontecer. A história da minha mãe me faz acreditar nisso. Algumas vezes nós não entendemos muito bem o que Deus quer nos mostrar, mas depois a resposta vem. Ele sempre responde as nossas perguntas, é só questão de tempo. E no fim de tudo, a gente se dá conta que Ele sempre escreve certo por linhas tortas.
    Um abraço bem forte e eu sei que vai ficar tudo bem! <3
    Beijos!

  • Alessandra Boesch diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, adoroooooo ler tuas histórias. Eu falo tanto na Gabi Chanas aqui em casa q meu marido tira onda com a minha cara, dizendo q parece q somos melhores amigas. Hahahah.
    Eu tenho 36 anos também, nunca engravidei e nem sei se vou conseguir um dia…Mas vou confessar, não aguento mais responder a mesma pergunta quase q semanalmente. Quando vcs vão ter filhos? Vcs já tentaram? Não querem? Ufa… Acredito muito que Deus escolhe sempre a hora certa pra cada um de nós. E se for pra não ter também acredito que ele tem um motivo ( no meu caso).
    Um grande beijo no teu coração e parabéns pelo lindo afilhado.

  • Bel diz: 24 de abril de 2014

    São coisas que acontecem, tudo tem seu tempo, mas fique feliz pois vc tem um marido que está do seu lado e te apoiando e planejando, agora veja meu caso estou casada a 5 anos e tenho 32 anos resolvi este ano que queria tentar engravidar e desde então a minha vida ta de cabeça pra baixo tomei pilula por 14 anos e em dezembro de 2013 parei de tomar e estou com um pouco de dificuladde devido a muitos anos tomando o comprimido, só que desde então meu marido foge do assunto igual diabo foge da cruz, ele não entende que eu to com dificuldades e estou tomando remedio para ovular e então tem dias certos que temos que nos enpenhar pois para engravidar não e qdo a gente quer mas qdo o organismo decide, ele não faz planos foge do assunto fica arrumando desculpinha esfarrapada, agora eu te pergunto o que eu faço, deixo assim, desisto e sigo a vida casada com essa frustração?? ou largo tudo e vou viver minha vida sozinha?? Estou com um dilema, ja tentei falar milhoes de vezes sobre isso com ele mas sempre tem o mas…. agora vem dias das mães e eu fico pensando vou passar o resto da vida comemorando o dias das maes dos outros e nunca o meu, olha ta muito dificil mesmo, mas por enquanto eu estou levando e guardando toda essa magoa e tristeza.

  • Carla diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, sou tua leitora desde o começo do blog. Na época eu também estava na mesma fase, mas, pelas voltas que a vida dá, fiquei na parte do planejamento. Doeu demais, deixar um sonho para trás é bem difícil, mas nada com um dia após o outro e o melhor é saber que estou bem assim. Continuei te acompanhando porque , para falar a verdade, me apeguei, hahahaha. Identifico-me com muitas coisas que tu postas, colorada, amo cachorros, frescurinhas tipo make e penteados, apesar dos quase 35 saio à rua com tiaras divertidas porque amo, fanática por Friends, ou seja, poderíamos muito bem ser amigas. Raramente comento, mas hoje tua sinceridade tocou no meu coração e quis te deixar essas palavras. Não te preocupa com os haters, afinal, tu consegue contar eles nos dedos da mão, mas do contrário, tenho certeza de que tu nem faz ideia de que muito mais gente do que tu pensas está na torcida pelo teu bem. A gente te vê nas fotos toda faceira e nem imagina que estavas lidando com algo tão forte. Por isso eu tenho como lema não julgar pela aparência, todo mundo tem problemas, a gente é que não tem a mínima ideia de que por trás de muitos sorrisos se escondem rios de lágrimas. Força e fé! Ah! Já te encontrei no Praia e várias vezes no Beira Rio com teu marido e dá uma vontade de ir lá falar contigo, mas não vou porque acho que vou incomodar…

  • Carol Kayser diz: 24 de abril de 2014

    High Five, Gabi!
    Adorei o texto. Somos mais fortes do que pensamos.

  • Sabrina (sassa) diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, amei! Sabe que eu tb sempre penso muito na pessoa que cometeu suicidio?! Sempre penso que ela guardou tanto algo que acabou se sufocando com aquilo. No mais, entendo bem te abrires aqui,e se faz bem para vc é o que conta. Às vezes, falar com o mais próximos requer mais esforço, o que não queremos, queremos apenas contar e nos sentir aliviadas… Tamos aqui pra isso, TAMBÈM! bjão e boa quinta!

  • Caroline Oliveira diz: 24 de abril de 2014

    Gabi.. Gabi…Estou aqui no trabalho e as lágrimas não param.. rsrsrsrsrs Como é bom ter pessoas como tu pra nos dar um Up e ver que tudo vai ficar bem!!! e que há sim uma luz no fim do túnel, seja quais forem os problemas e a gente sabe o quanto as vezes parecem fardos insuportáveis de carregar… Mas tu está aí pra nos encher de coisas boas… Espero um dia poder te conhecer ( pessoalmente) e poder te agradecer por tantas vezes me encher de esperança e seguir em frente! como disse a Mariana: que está a espera de outro encontro com o Happy da Gabi, pois não é noiva, nem mãe, nem fã de friends, e, portanto, só se encaixa no grupo de encontros do Happy da Gabi! Hehehehe) Assim espero um dia poder ter esse privilégio!! Uma linda quinta pra ti!! Um grande beijo!!!

  • Lydice diz: 24 de abril de 2014

    Na minha terra tem um ditado que gosto de me repetir diariamente “Dios aprieta pero no ahorca”, em português seria mais o menos “Deus aperta mas não enforca”. Tudo que acontece na nossa vida são provas de fé e com vc mesma disse depende da gente ver o lado mais amável. Também estou na fase “no pilula” e recentemente descobri um probleminha que pode dificultar os meus planos, mas prefiro pensar que é apenas mais uma prova e que no final tudo da certo porque estamos concentrados em que isto seja assim. Grande abraço e Keep calm and Be possitive!!!

  • Jeice Miranda diz: 24 de abril de 2014

    Querida, por isso eu gosto tanto do que tu escreve! Tu é iluminada, tens uma inteligência emocional e espiritual linda. Tenho certeza que logo, logo terás novidades lindas para nos contar. E tenha certeza absoluta que o que tu escreveu servirá para muitas pessoas reavaliarem seu momento, suas emoções. Afinal, coisas ruins acontecem com todos, mas também acontecem muitas coisas boas. Depende do nosso modo de olhar. Estou torcendo por você!

  • Gabi M. diz: 24 de abril de 2014

    Uau! Belo post, Gabi!
    Também sempre tento encarar a vida dessa maneira, aproveitando o que as coisas ruins podem nos ensinar e seguir em frente pensando que sempre terão coisas melhores nos esperando!
    Acho muito legal de tu compartilhar coisas íntimas assim por aqui. Realmente faz com que tu pareça uma amiga mesmo! Parabéns pela pessoa que és. Te acompanho há algum tempo e é notório que és super do bem, daquelas pessoas que todo mundo quer ter por perto!
    Beijo grande de quem te admira!

  • Francine diz: 24 de abril de 2014

    Infelizmente isso é uma coisa que acontece seguidamente. Todas temos alguém na família, ou amiga, ou ouvimos de alguém que passou por isso, é triste dizer que é normal, mas é!
    A melhor forma de encarar essa tristeza é ver a vida de quem já passou por isso, que hoje tem filhos lindos e saudáveis.
    Tudo em seu momento e te garanto quando o momento chega é perfeito!

  • Ananda Tavares diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, mais uma vez ao ler teu post sinto que estou vendo teu coração e tua alma! Como é linda a tua forma de escrever, tão sincera e verdadeira! Por te seguir há anos e ter te encontrado algumas vezes, sinto como se fosse tua amigona (hihihi) e ao ler este teu post chorei um pouco, fiquei triste como ficaria por qualquer amiga minha nesta situação, mas ao mesmo tempo fiquei muito feliz por ver esta pessoa evoluída que você é e que esta lidando de uma forma espetacular com tudo!
    Parabéns por ser esta mulher maravilhosa!!!
    Um upa bem forte para vc!!!! Bjus

  • Dani diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, te acompanho desde 2011, quando casei, mas acho que nunca me manifestei por aqui. Se fiz, foi pouco, muito pouco. Mas te “leio” sempre, adoro teu jeito de escrever, de ser. És uma pessoa admirável, em todos os sentidos !
    Mas hoje foi diferente… O que você passou semana passada, eu passei, a quase 2 anos atrás, e senti que tinha que compartilhar… Foi no comecinho também (5 para 6 semanas), o “pacotinho” não se desenvolveu. Foi um processo dolorido (de alma, não de corpo), pois optamos por não induzir o aborto “de fato” e esperarmos o corpo e a natureza agirem, algo em torno de 1 mês, um pouco mais… Foi um tempo de muita reflexão… Mas isso é bem comum mesmo, viu ?! Fiquei sabendo de muuuita gente que passa por isso, não “entremos em pânico”, hahaha ! Ainda não engravidei de novo, já fizemos todos os exames possíveis, confio no médico que escolhi, mas agora resolvemos, marido e eu, entregar a Papai do Céu. Afinal, existem coisas que realmente não controlamos…
    No fim, tudo fica bem, de um jeito ou de outro…
    E que sejamos sábios o suficiente para conseguirmos aprender com tudo o que passamos !
    Mil beijos, e sinta-se abraçada, de coração !

  • Andressa diz: 24 de abril de 2014

    Parabéns pela coragem. Parabéns por essa alma tão linda que você tem. É emocionante ler esse teu post. Li e reli ele, porque é simplesmente tocante e lindo. Capacidade de superação e de ver o lado bom da vida é sempre tão melhor, mas, às vezes, tão difícil. Aprender a lidar com a perda é ainda o desafio de todos, mas saber encará-lo e superá-lo isso é para poucos. Boa sorte e tudo de melhor, porque você merece!

  • Paula diz: 24 de abril de 2014

    Parabéns Gabi por ser essa pessoa forte linda e transparente!
    Sou obstetra e vejo muita paciente que sofreu aborto e posso te dizer que tu tem tudo para engravidar de novo e ter teu bebê no colo!
    Nesse domingo mesmo nasceu o bebê de uma grande amiga que perdeu um nene em 2012!!!
    Tu vai conseguir!!! Fé em Deus que tem uma torcida enorme aqui por vcs!
    Tamo junto!! (Também na fase no pill!!)
    Beijos

  • Rosangela diz: 24 de abril de 2014

    Bom dia!

    Achei lindo tudo o que você postou. E quer saber, como você mesma disse: quando for a hora de Deus enviar teu bebe, ele vai enviar na hora certa, tudo tem seu tempo. E não de bola para o que as pessoas falam, tem pessoas más no mundo mesmo, mas o que importa é a tua felicadade e as coisas que você faz de bem para os outros.
    Vai dar tudo certo, você vai ver.

    Bjs.

  • Adriana diz: 24 de abril de 2014

    Gabi querida!!

    Deus faz coisas conosco que ainda que sejam incompreensíveis no momento, certamente tem algo muito maior por traz planejado cuidadosamente pra cada um.

    Sinto muito pela tua perda, mas fico feliz em saber que superou de boa!

    Não sou mamãe (ainda!), mas tenho uma afilhada linda. Antes de ela nascer a minha comadre, que já tinha me convidado para ser madrinha, teve um aborto espontâneo. Chorei tanto na época, como se fosse comigo… Mas hoje agradeço a Deus pelo presentinho que é a minha afilhada.

    Adoro teu blog. Quando me perguntam digo que te considero amiga também!! As vezes entro no blog apenas pra ver se tu postou algo novo, novidades, como tu esta e tal!! Mais ou menos como faço com minhas amigas. Entro no face delas muitas vezes apenas pra saber como estão, sem deixar qualquer recadinho!

    Tu é uma mulher fantástica. Te admiro muito!

    Já estou com os dedinhos cruzados pelo teu baby!!

    Beijos e mais beijos!!

  • Claudia diz: 24 de abril de 2014

    Como vc mesma disse. Isso acontece muito. Comigo nao aconteceu mas tive 2 sangramentos. Fiquei muito triste achando que tinha perdido ela. No primeiro sangramento ja tinha colocado na cabeça que se perdi, perdi.. paciencia. Desistir jamais. Mas Deus me deu a graça de ter uma filha linda e apesar dos sangramentos ela nasceu grande e forte, com 39.4 semanas. Nao se deprima e fique bem. Deus sabe o que faz. Abraço

  • Lizi diz: 24 de abril de 2014

    Gabi!!! Não sou mãe e nunca engravidei, mas uma amiga minha perdeu o bebe há alguns meses atrás. Assim como tu, ela não sabia que estava grávida. Ela ficou bem triste, maaassss um mês depois estava grávida novamente e agora estamos contando os dias pra receber a Luiza! Não te estressa que quando é pra vim vem!!!

  • Caroline Oliveira diz: 24 de abril de 2014

    Gabi.. Gabi… Estou no trabalho e as lágrimas não param… rsrsrssrsr… Como e´bom ter pessoas como tu pra nos dar aquele Up que as vezes precisamos. Saber que tudo vai ficar bem e que há SIM uma luz no fim do túnel, apesar de sabermos que as vezes nossos problemas parecem ser fardos insuportáveis de carregar e, depois de ler teu post de hoje só tenho uma coisa a dizer: Muito Obrigada!!! Quero muito te conhecer e poder te dar um abraço bem apertado e agradecer por tantas vezes me dar o Up que precisava pra seguir em frente. Espero um dia poder participar do Happy Gabi!! Assim como disse a Mariana: pois não é noiva, nem mãe, nem fã de friends, e, portanto, só se encaixa no grupo de encontros do Happy da Gabi! Hehehehe) Uma linda quinta!! Beijos!!

  • Natália Huber diz: 24 de abril de 2014

    Que bom encontrar blogueiras que são gente como a gente hahaha!!! que passa perrengue, ergue a cabeça depois de chorar horrores, dá aquela respirada que vem lá do dedão do pé, e segue em frente até que um novo obstáculo apareça. É por tudo que tu disseste no post e mais um pouco que sigo o blog desde 2008, e continuarei seguindo. Quem sabe num futuro não tão próximo eu possa participar com fotinhos de um casório, mas enquanto isso eu participo nos comentários, dou risada das tuas divagações no Facebook e espero te encontrar um dia num mercado da vida ou passeando com o Dunga hahahaha! O destino é algo que nos surpreende, quando a gente menos espera, o que se quer acontece. E contigo não vai ser diferente!! beijão

  • Sylvia diz: 24 de abril de 2014

    Gabi,
    Se você soubesse o quanto eu adoro o seu blog, o seu trabalho enquanto Jornalista ficaria chocada.
    Minha admiração foi triplicada quando conversei contigo pessoalmente no encontro de Noivas (e noivos!) do Espaço Três Figueiras. Me deparei não só com uma profissional maravilhosa, mas com uma pessoa absolutamente humilde e querida! Sem rodeios e sem preconceitos. O que eu quero dizer com isso, é que você é uma pessoa especial, iluminada! E com certeza vai te presentear com muiiito amor (que já começou pelo Bernardo, pois ser dinda é a coisa mais maravilhosa que já me aconteceu!). E o seu próprio bebe virá na hora que você e o Marcelo menos esperarem, cheio de luz e amor pra alegrar ainda mais a vida de vocês!

    Mas para você ver como um afilhado muda a vida da gente, há exatos 3 anos e 4 meses e 6 dias eu perdi a minha dinda querida, que me amou desde a barriga, que me criou e me deu mais amor do que eu jamais pude pensar em receber de alguém. Que foi a pessoa mais maravilhosa que eu já conheci! Mas, nesse mesmo período, enquanto ela estava lutando com a doença, minha (hoje) comadre estava gestando a minha princesa. A menina de cabelos loiros cacheados e aqueles olhos verdes estava crescendo linda na barriga da mãe dela… Deixei de ser afilhada em 18 de Julho de 2011, e passei a ser madrinha em 02 de agosto de 2011.
    A vida começou a se readaptar e com a presença da minha pequena mudou meu mundo.

    Então, tenho certeza que a chegada do Bernardo veio para te alegrar (e preparar!) para a vida de mãe, que ocorrerá quando você menos esperar… Assim como essa que chegou ao fim destinado pela Vida. Nunca se esqueça que a vida sabe o que faz e você, por sempre plantar o bem e alegria, colherá os frutos. É a lei da causa efeito. ;)

    Só para você saber, madrinhas são tão importantes, que no dia 02 de Agosto deste ano eu vou casar, e no meu convite, embora com aqueles (I.M) que me deixa meio triste, o nome da minha está lá presente no meu convite juntinho com os meus pais.

    Então te desejo uma ótima recuperação junto ao seu lindo Bernardo. E um ótimo restinho (zinho!) de semana!

    Um grande beijo de alguém que te admira muito! :)

  • Ana diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, sei exatamente o que estas sentindo. Em setembro do ano passado, no dia do meu aniversário descobri que estava grávida. Melhor presente da minha vida, família toda feliz, contei pra todo mundo, postei até no facebook hahahha. Estávamos muito felizes, até que uma semana depois tive um sangramento, corri pro médico e era um aborto expontaneo. No momento foi difícil assimilar, e ainda contar para todas aquelas pessoas que estavam felizes por mim o que tinha acontecido. Mas minha médica me tranquilizou muito e disse que é muito comum, mas muito mesmo acontecer no primeiro trimestre. Fiz diversos exames e estava tudo Ok, foi mesmo porque eu precisava passar por isso. Passado o susto não quis desistir, e hoje estou grávida de 4 meses do meu lindo Bernardo! Segue em frente, cuida da tua alimentação e seja feliz. Logo logo tem um baby pintando por ai.

  • Mi diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, acabei de passar por isso… Foi no final do ano passado. Eu estava fechando dois meses de gestação, fazia um mês que eu sabia da gravidez.
    Já tinha me apegado, sonhava com aquele bebezinho, algumas pessoas já sabiam… É difícil, apesar do curto tempo que durou tu já se afeiçoa aquele serzinho que mesmo que tu ainda não sinta, já sabe que está ali… Faz planos, pensa em nomes, calcula quando vai nascer, tenta já pensar na organização do trabalho… Do nada as coisas mudam, os planos são adiados e tu tem a maior prova do mundo que não tem controle sobre absolutamente nada!
    Daí te falam que é normal, que muitas pessoas passam por isso… Mas mesmo assim dói… Sempre tive o pensamento de que Deus sabe o que faz e tentei ser prática acreditando que tinha que aprender com isso…
    Penso também que quanto menor o período de gestação fica mais fácil lidar com essa perda, afinal no começo (ou no teu caso que nem sabia) não há enxoval, quartinho, as vezes poucas pessoas sabem, a barriga ainda não apareceu…
    A gente sobrevive Gabi, cada um reage de um jeito, nos primeiros dias eu me sentia mais forte, apesar de chorar bastante, passou um tempinho a tristeza veio com maior intensidade, depois começou alternar, dias bons, dias ruins… Passados quatro meses me sinto bem melhor, meu médico sugeriu que aguardássemos 6 meses para tentar de novo, parecia muito tempo no começo, mas hoje vejo que esse tempo é mais importante para minha cabeça do que para meu corpo.
    Te desejo serenidade neste momento, não deixa de sentir a tua dor, mas segue em frente e tenta aprender com isso! Eu aprendi e ainda estou aprendendo, sempre fui muito controladora querendo controlar tudo, perfeccionista, com ansiedade a milhão… e agora?! constatei que não controlo coisa nenhuma e que tudo tem seu tempo, e nada como o tempo como tu mesma disse.
    Força Gabi, no fim tudo dará certo! Por enquanto mais um anjinho no céu!

  • Aline diz: 24 de abril de 2014

    Nossa Gabi… lindo texto… e lindo modo de ver a vida… só te digo q vc não será a primeira e nem a ultima mulher a ter um aborto… infelizmente acontece… mas olha… toma como exemplo a minha prima… teve um aborto… por ordens medicas, teve q esperar 6 meses p tentar novamente… e hj??? hj esta curtindo a filha recém nascida… bola pra frente… Deus vai te mandar esse presente lindo na hora certa… alias… será q vc não vai pegar a ‘febre’ do Bernardo???? hihihi Bjos… e fica bem…

  • Enaira diz: 24 de abril de 2014

    Bom dia Gabi!!
    Bem como dissestes, amigos brotam como plantinhas, me sinto tua amiga de longa data.Estou emocionada com as palavras e com tantos acontecimentos…Estou gravida e acho que com isso as emoções afloram..
    Acompanho teu blog ha um tempinho, e estava na torcida pela Barbara..fiquei tao feliz quando postou a fotinho do Be!!
    Queria te encontrar, mas acho que se isso acontecer vou morrer de vergonha!!Acho minha amiga virtual e muita mais querida pessoalmente…
    Tenha certeza que DEUS sempre está no comando, e vamos sempre em frente!
    Fica bem e se precisar me liga!!;)

    bjaoo

  • Carol diz: 24 de abril de 2014

    Gabi querida!!! Como vc disse,a vida segue e sempre ela nos reserva algo melhor!!! Sei perfeitamente o que sente, pois tive 2 abortos espontâneos. Cheguei a pensar que não poderia ter filhos, mesmo a médica dizendo exatamente o contrário. Deixei o tempo passar…e agora, 2 anos depois, estou com 26 semanas a espera da Sophia!!! A hora certa chega, e chega mesmo!! Bj

  • Anita Cristina de Jesus diz: 24 de abril de 2014

    Puxa vida, Gabi. Que pena.
    Fiquei chateada por ti, pois dá pra ver pelos teus posts que é uma coisa que tu queria muito, mas também sou adepta desse pensamento: “o que tiver que ser será e será na melhor hora possível”. Quando acontecem coisas na nossa vida que não entendemos ou não concordarmos, só resta acreditar que existe uma força superior que sabe o que faz e que tudo, sempre, no fundo, tem uma razão.
    Te vi apenas uma vez e foi tipo assim: Meu Deus, a Gabi Chanas! Ah ok, tu não é nenhuma vencedora do prêmio Nobel ou uma atriz que ganhou vários prêmios, é apenas a Gabi Chanas, mas lembro de chegar na Mostra Noivas e dizer para minha mãe: Olha, mãe! É o Dunga, o cachorro da Gabi! E logo tu passou atrás dele e eu fiquei tipo uma estátua, paralisada. Tipo assim: O-H M-Y G-O-D!
    Fiquei feliz de ouvir “ao vivo” a voz das manhãs de Super Sábado e poder tirar uma foto contigo (que até tu me respondeu no Instagram, uhu!).
    Leio tudo ou quase tudo que tu posta e agora também conto pro meu noivo das tuas peripécias, hehe!
    Daqui, do outro lado da tela, só vai sentir boas vibrações das pessoas que te curtem, te seguem e adoram as tuas histórias, o resto é só o resto.
    E quanto ao teu “fato triste”, ninguém melhor do que tu pra sente tirar alguma coisa boa de uma situação ruim, segue a vida e quando tu menos esperar, teu pacotinho irá chegar.
    Beijos e abraços fortes!

  • Joice diz: 24 de abril de 2014

    Oi Gabi! Acompanho seu blog desde 2008, todo dia dou uma espiadinha para dar uma lida, gosto do seu jeito, me identifico com você.
    Acompanhava tudo sobre casamentos, mas não sou casada. Vivo com meu noivo a seis anos, e casamento também não faz parte de nossos planos, principalmente agora que estou grávida de 08 semanas.
    Minha gravidez foi bastante aguardada, fiquei neurótica, contava dias e tal. Cheguei a té questionar a Deus de o porque não eu? Todo mundo ficava grávida, menos eu. Mas como você mesmo disse, tudo acontece no seu momento certo… Deus reserva muitas coisas boas para nós, e o momento certo acontece mesmo.
    Tudo o que acontece nesse vida é ensinamento.
    Um grande beijo para você.

  • Nana diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, acho que não é a primeira vez que venho no teu bloguinho, devo ter lido algo na época do casamento real. Estou passando por problemas sérios de ansiedade e está muito difícil. Obrigada por compartilhar tua dor com a gente. Ajuda muito! Tu é uma queridona!

  • Claudia diz: 24 de abril de 2014

    Gabi querida. Compartilhar a tua vida é o que te completa e te faz especial! Faz bem pra ti, e, claro, faz bem pra nós, teus leitores, que te adoram, se inspiram com muitas das tuas dicas maravilhosas, passam por coisas semelhantes, e às vezes, sim, tem vontade de puxar a tua orelha, porque, afinal de contas, te vemos como uma amiga e te queremos muito bem. :) Essa família já é linda contigo, Marcelo, Dunga e o afilhado Bernardo. E se for pra receber mais um membro na família, tenho certeza que será muito sortudo, amado e virá na hora certa. Beijo com carinho. Claudia

  • Jana diz: 24 de abril de 2014

    Gabiii!!!
    Já gostava de ti. Agora, mais ainda!

    Bjoo

  • Camila Dal Prá diz: 24 de abril de 2014

    Nossa Gabi,
    Cada dia que passa eu sou mais tua fã e admiro cada vez mais o seu trabalho!
    Acompanho o blog desde 2010 e os post que mais gosto são esses teus falando sobre tua vida e teus momentos… parece que ficamos mais proximos de você nessas horas!
    Te acompanho sempre pelo face e comento teus posts com o meu marido como se fosse uma amiga hehe
    fiz ele até curtir a tua página, aí algumas vezes ele diz:
    “Viu oq tua amiga Gabi Chanas postou?!” hehe

    e hoje me imaginei nesse teu post do aborto espontâneo, é uma das coisas das quais mais tenho medo, sofro por antecedencia quanto a isso, é um dos meus maiores medos em engravidar, pois minha mãe perdeu minha irmã assim, porém ela já era maior… nessas horas a cabeça fica cheia de pontos de interrogação… mas é como você disse todo dia aprendemos alguma coisa e bola pra frente.
    Tenho certeza e penso assim como você, Deus sabe a hora certa de tudo acontecer na nossa vida e a hora que for pra Vc se tornar uma Mamãe vai acontecer.
    Beijããooo

  • Mariana diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, você é uma pessoa linda! De um coração do tamanho do mundo (que percebemos nas suas delicadas palavras). desde sempre acompanho seu blog. Desde a organização do seu casamento. Sou carioca, não posso me desclocar pro Sul para participar dos seus eventos sempre lindos e cheios de amor. Assim como você, sempre sonhei em ter uma família de comercial de margarina, e assim será. Seu momento chegará. Disso não tenho dúvidas. Os percalços da vida são apenas para nos fortalecer, pois acredito que temos um propósito na vida. A nossa missão. Já vivi alguns momentos de tormenta, mas quem não?! E realmente, o tempo faz passar tudo. Ele sempre foi o melhor remédio. Mas também nunca perdi minha fé e nem minha vontade de lutar por cada um dos meus sonhos. Se mantenha forte e firme, e tudo acontecerá no momento que Deus achar que é o justo. Paciência, força, esperança. Você merece! Seu blog sempre me serviu de inspiração. Antes para casamentos, hoje para vida! Um grande beijo virtual e um abraço apertado!

  • Camila diz: 24 de abril de 2014

    Nossa Gabi,
    Cada dia que passa eu sou mais tua fã e admiro cada vez mais o seu trabalho!
    Acompanho o blog desde 2010 e os post que mais gosto são esses teus falando sobre tua vida e teus momentos… parece que ficamos mais proximos de você nessas horas!
    Te acompanho sempre pelo face e comento teus posts com o meu marido como se fosse uma amiga hehe
    fiz ele até curtir a tua página, aí algumas vezes ele diz:
    “Viu oq tua amiga Gabi Chanas postou?!” hehe
    e hoje me imaginei nesse teu post do aborto espontâneo, é uma das coisas das quais mais tenho medo, sofro por antecedencia quanto a isso, é um dos meus maiores medos de engravidar, pois minha mãe perdeu minha irmã assim, porém ela já era maior… nessas horas a cabeça fica cheia de pontos de interrogação.
    mas é como você disse e eu acredito que seja assim tbm, Deus sabe a hora de tudo e tenho certeza que a hora certa vai chegar e Vc vai ser uma Linda Mamãe hehe
    Fazendo o Blog Bebê.com By Gabi
    Um Beijãooo

  • Maris diz: 24 de abril de 2014

    Filhos são presentes divinos! Mas eles nos escolhem e escolhem a hora de chegar.
    Com certeza o teu virá na hora certa! E tenha certeza: é uma delícia! Um amor sem fim que vai transformar tua vida!
    Beijão

  • Daiane diz: 24 de abril de 2014

    Oi Gabi!
    Primeiramente sinto muito pelo que aconteceu. Estou aqui trabalhando e resolvi dar uma “escapadinha” na internet para ver as notícias. Então me deparei com esse post que me chamou atenção. Acho que quando eu contar o que aconteceu comigo tu vai te sentir exatamente como falou: com mais vontade de seguir em frente. Eu perdi um bebê com 33 semanas de gestação. Tive um parto normal, mas ele já estava morto. Isso aconteceu no ano passado, a causa foi uma infecção nas membranas da placenta. Raro. E não sei até hoje como “peguei” essa infecção. Foi difícil demais. Ainda é. Mas vivo um dia de cada vez. Não tenho problema nenhum, posso engravidar novamente. Talvez logo aconteça. Mas resolvi dividir contigo, porque sei o quanto dói. E também penso que pra tudo que acontece na nossa vida existe um motivo. De verdade ainda não descobri o porque isso aconteceu comigo, mas hoje, passados 10 meses, me sinto mais encorajada. Não totalmente como era antes, ainda me entristeço bastante quando lembro. Mas a vida é isso né? Temos que seguir em frente, sempre.
    Ah e parabéns pelo afilhado! Ele é lindo!

  • Letícia Silva diz: 24 de abril de 2014

    Que coragem Gabi! Abrir detalhes tão íntimos da tua vida para pessoas que talvez tu nunca veja. Acho isso muito digno e te entendo perfeitamente. Eu sou do tipo de pessoa que não consegue esconder os sentimentos, sejam eles bons ou ruins, eu preciso exteriorizar, sempre. E isso nos dá uma leveza, um alívio em saber que sempre vão ter pessoas no nosso lado para comemorar as conquistas e felicidades conosco e também para nos acolher quando mais precisarmos. Hoje tu nos conta este episódio que não foi um momento bom da tua vida, mas tenho certeza que daqui um tempinho (bem breve, me arrisco a dizer) tu vais vir com uma mega notícia cheia de alegria que vai fazer teus leitores vibrarem em casa e se emocionarem mesmo que de longe. Gabi, falo por mim, mas sei que tem gente que deve concordar: Tu és uma pessoa sincera, aberta, de alto astral e eu já te conheci nos encontros, te leio aqui quase que diariamente e mesmo sem termos algum vínculo me sinto como tua amiga, daquelas que contam tudo uma para a outra. Tu nos faz sentir desta forma. Tu és uma pessoa tão boa, tão legal, tão engraçada que tenho absoluta certeza que Deus te reserva um futuro maravilhoso. Continua com a fé que tu tens, segue feliz e nos fazendo rir com teus posts que o resto vem com o tempo. Aproveita teu afilhadinho porque (todo mundo diz isso, mas é sério) passa MUITO rápido este momento. Te admiro muito. Beijos! :*

  • Ivonete diz: 24 de abril de 2014

    Oi Gabi. Nossa! Super me identifiquei com o teu post! Na quinta feira passada também tive um aborto espontâneo. Eu fiz o teste na quarta e na quinta as cólicas começaram. No início me acabei aos prantos, depois a dor foi diminuindo e agora já aceitei: foi porque era pra ser e meu bebê virá quando Deus quiser! Não contei pra ninguém, nem para o meu esposo inicialmente, pois eu estava muito deprimida e ele achava que eu estava chateada com ele! Nessas horas penso que os homens são muito aéreos e desligados!
    Minha médica me orientou a evitar nova gestação por dois meses. Eu esperei tanto para engravidar que agora a ansiedade me consome!O q
    ue só piora minha vida.
    Fiquei tanto tempo tentando evitar uma gravidez que criei a falsa ilusão de que era fácil engravidar! Agora estou aprendendo a ser paciente e tentando aceitar o que a vida tiver a me oferecer. Estou ensaiando ainda este aprendizado, mas sei que não há outro modo, terei de aprender. Um super abraço pra ti Gabi! Parabéns por ter seguido a vida, acho que é assim que tem que ser.

  • Bruna diz: 24 de abril de 2014

    Estou aqui aos prantos em ler teu relato, porque queria eu ter a coragem de assumir minhas tristezas e aflições para o mundo. Está tudo tão preso dentro de mim que em certos momentos não vejo a tal luz no fim do túnel. Mas ainda sim sigo em frente. Deve haver algo maior e mehor que certamente me dará forças para superar isso. Se não consigo ver isso agora, é porque meus olhos estão turvos d’água. Mas há de passar, eu sei que sim!
    Leio cada post teu, cada comentário das leitoras e fico aqui imaginando (e agora tendo certeza) que não sou a única. Podemos não ter os mesmos problemas, mas no fundo os sentimentos são os mesmos: angústia, medo, tristeza e por ai seguem.
    Tu podes nem ler isso, podes nem me conhecer… mas de um jeito único as tuas palavras tocaram minha alma. Obrigada ♥

  • Cecília Silva diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, sou sua fã…leitora assídua (todo dia!!) do blog e torço muito por ti. Tenha fé e confie que realmente o baby virá na hora certa! Sofrer a perda é importante, mas aprender com ela é mais ainda. Te desejo tudo de melhor nessa vida! E que a benção de ser mãe chegue logo pra ti! Eu digo sempre que ser mãe é a melhor coisa da minha vida! bjs

  • Maysa Rode diz: 24 de abril de 2014

    Nossa Gabi! Que coisa! Eu vi seu post no FB e fiquei pensando o que seria? Mas, já imaginei que você iria abrir seu coração e contar para nós…
    Eu adoro esse seu jeito, e me sinto íntima tua, desde 2010 quando comecei a ler o blog… Nunca passei por uma situação como a tua e não tenho filhos ainda, mas também ganhei 2 afilhadas ano passado, e quando estou com elas parece que nada mais tem importância, é um amor tão “mãedrinha” que só quem tem, sabe como é!
    Que Deus te proteja e que você continue com muita saúde para quando for a hora certa, você contar aqui para nós que lá vem um herdeiro por ai. rsrs
    Grande beijo pra você, pra Bazinha e pro Bê. Fiquem com Deus!

  • Renata diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, sinto muito pela tua perda, mas isto que ocorreu contigo é mais normal do que a gente pensa, na verdade só 30% das gestações vão adiante, muitas vezes as mulheres nem se dão conta do aborto, pois pode parecer uma menstruação normal, quando é muito no inicio.
    Só pensa que a natureza é sabia e deveria ter um motivo para isto, logo, logo tu vai ver que estará gravida novamente.
    Só uma dica, não sei se já esta tomando, mas se não tiver começa a tomar acido fólico, pois ele é responsável por evitar más formações nos fetos.
    E adoro o blog, acompanho desde sempre, e aqui em casa estamos sentindo muita a tua falta no super sábado, geralmente viajamos nos sábados e sempre escutamos o programa.
    Abraços

  • Ariana diz: 24 de abril de 2014

    Uau Gabi! Cada dia te admiro mais!!! É bem complicado entendermos rapidamente o porque de um problema, ao menos comigo é assim, passo meses tentando entender ou me culpando por algo que não deu certo, e só lá na frente depois de muito tempo, começo a enxergar o real motivo… Admiro e muito as pessoas que tem esse discernimento.
    E tenha certeza que na hora certinha mesmo, Deus irá mandar o teu “pacotinho” cheio de saúde e bençãos! Como dizem: Deus sabe o que faz!
    Bjooos e fique bem!

  • Joana diz: 24 de abril de 2014

    Parabéns pela coragem, Gabi! Mil beijos!

  • Dimona diz: 24 de abril de 2014

    Ah Gabi, como me fascina as questões da vida e como você as torna tão mais leves. Te acompanho desde o primeiro post (acho que foi sobre vestido das mães no casamento, lindos!) e vejo como o blog mudou, assim como a gente também muda, e muito! Vou fazer 5 anos de casada, cobranças pra ter filho, eu ainda com a sensação de que ainda há algo a construir na vida profissional, desmotivação no trabalho, neura com a idade, coisas que não saem conforme o planejado e a vida nos obriga a somente aguardar…. escolha profissional do esposo que já passou 5 meses longe de casa e isso mexeu tanto com a relação… processo judicial contra o Estado por questões salariais, processo judicial contra vizinha louca que nos acusava de fazer barulho (eh, também tô abrindo meu coração….), dúvida entre entrar logo no mestrado ou ter filho logo, enfim… a vida nos oferece muitas situações a lidar e não encarar como um problema é fundamental, o que não ocorreu comigo, claro, o fato é que eu já me estressei muito com as coisas, somatizei, tive insônia, enxaqueca, enfim, mas depois de ter passado por essas situações, hoje sei que irei encarar com muito mais tranquilidade as vindouras, li recentemente um texto da exame que tudo na vida deve ser encarado como uma oportunidade, inclusive as coisas aparentemente e impostas pela sociedade como ruins, nossa! como esses padrões da sociedade nos fazem sofrer e nos aprisionam. Enfim, o bom da maturidade é justamente poder encarar a vida de forma mais livre, mais segura, e agradecer muito a Deus pela era da tecnologia que nos aproxima e nos oferece canais como esse que nos fazem sentir acolhidas e muito mais confortáveis. Não te preocupes Gabi, o incidente que te ocorreu é mais que normal mesmo, e também não te preocupes em obter tooodas as respostas para as causas, a medicina parece ser mesmo ainda uma adolescente e está longe das respostas, principalmente considerando o atual ritmo da vida, vocês ainda verão lindos rostinhos das crianças!!! bjão

  • Rafaele Amalcaburio diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, mto bacana a forma como escreve e penso exatamente como vc. Já tive um aborto e acredito que eu tenha lidado mto bem com isso. Me descabelo nos primeiros momentos, mas depois tento entender qual foi o aprendizado daquilo. Tudo tem sua hora, nisso eu acredito também! Na minha opinião, o segredo para enfrentarmos melhor os “problemas” não é com lamúrias e ficar procurando “culpados”, e sim, ir em frente, pois há sempre uma solução! Eu sou do grupo que sonha ser mãe, já passou por um aborto e outras complicações, mas sei que vou realizar meu sonho SIM! Fique bem, firme e forte! Bjão

  • Grace diz: 24 de abril de 2014

    Impressionante como tu consegue transparecer as tuas ideias, opiniões, sentimentos escrevendo. A gente consegue sentir realmente o que tu escreve, o que tu sente. Se isso não é ser escritora, não sei o que é então! Por isso mesmo, por tu dizer que está tranquila com tudo isso que aconteceu, só posso te desejar que mais coisas boas aconteçam esse ano, e que tu saiba como aprender e conviver com elas. E sim, vai dar tudo certo ;)

  • Claudia diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, já havia comentado contigo em algum post anterior que minha filha nasceu quando eu tinha 36 anos… pois então, até que conseguisse engravidar foram meses de tentativas, falhas, exames… até um diagnóstico de menopausa eu tive, mas os tratamentos me auxiliaram e finalmente consegui engravidar… não desanime, Deus sempre está conosco e a família ajudando e dando forças é tudo! Linda postagem a tua! Te desejo sucesso em tudo pois és uma pessoa muito interessante, aberta e muito inteligente.Parabéns pela afilhadinha, ela é linda Bjs.

  • Nathália diz: 24 de abril de 2014

    Oi, Gabi!
    Te acompanha há muito tempo, mas nunca tive a vontade de comentar nada por aqui, pq eu sou assim, difícil de comentar, gostando ou não. Mas esse teu post demonstra uma força muito grande dentro de ti e uma fé na vida que é difícil de explicar. Gostaria que existissem mais pessoas assim como tu :) Seja para enfrentar problemas e situações bem cabeludos ou só pra bater um papo bobo por ai.
    Parabéns! Por dividir a tua vida conosco e nos fazer ver que ela pode, sim, ser levada de uma forma BEM mais positiva.
    Beijo no coração!

  • Danessa diz: 24 de abril de 2014

    Concordo muito contigo Gabi. Temos que abraçar a tristeza e depois seguir em frente!
    Esses dias assisti o Bem Estar e falava sobre aborto espontâneo e falavam que depois dos 35 aumentam as chances de acontecer. Mas tenho certeza que tudo dará certo para vocês e logo ouviremos a boa notícia. Tô com 32 e só esperando a nomeação em um concurso público para entrar na fase “no pílula” também. Abração com carinho.

  • Luma diz: 24 de abril de 2014

    Nossa, eu não te conheço, mas fiquei com uma vontade de te abraçar, te mandar boas vibrações e dizer que a vida é assim mesmo, mas que vai passar….

  • Rafael diz: 24 de abril de 2014

    Gabi (se é que posso ter essa intimidade), meus pêsames. Mas queria aqui compartilhar um pouco dos meus problemas, espero não incomodar…

    Tenho 25 anos, fui criado por um padrasto que bebia de mais, me batia sobre a desculpa de que eu não era filho de sangue dele, no caso ele teve mais 2 filhos com a minha mãe. Mãe essa que não me ouviu quando contei o que me aconteceu.
    Apanhar faz parte da vida, mas pressão psicológica numa criança de 7 anos não é a melhor das coisas a fazer e nem de se lembrar. Umas das coisas que me lembro como se fosse hoje é: Hoje tu vai apanhar porque tu não é do meu sangue… Se tem um signo que não me dou bem é sagitário. Lhe dou uma chance de descobrir meu signo.

    Em fim contei um breve pedaço da minha infância. A pouco tempo atrás perdi uma pessoa(perde não de morte e sim de fim de relacionamento) com quem fiz planos, ta eu fiz mais do que planos. Compramos um apartamento com 4 meses de namoro, escolhemos nome dos filhos, cachorros, papagaios e tudo mais. Sim fomos imaturo, mas quem não é quando o amor bate com tamanha força?
    (Apenas colocando um parenteses nessa breve história, eu Rafael, acredito que nós amamos apenas uma vez na vida. Mas nos apaixonamos diversas vezes. Mas como sabemos, paixão queima, queima, queima mais um pouco, queima menos um pouco… até que para de queimar)
    Nós tivemos nossos desentendimentos e por fim acabamos tendo um fim doloroso, mas com algumas idas e voltas. Eu carrego esse amor comigo desde então e acredito que ela também, por me evitar, por quando nos falamos ser seco, ríspida e séria demais.
    Hoje nós dois temos nossos relacionamentos, mas como disse, paixão queima e deixa de queimar.

    No meu caso meu namoro é complicado, não consigo confiar na pessoa por completo, me falta carinho e algumas coisas a mais… Sei que parte disso é por que é apenas paixão. Mas algumas coisas essa pessoa que namoro também erra.

    Bom contei um pedaço da minha vida, quem sabe um dia te conto tudo com mínimos detalhes ;)

    Estou aberto a conselhos simples, claro, direto, básico e óbvio !!!

  • Adriana Montes diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, adoro teus posts e te sigo desde quando estava preparando meu casamento. Nunca comentei (que me lembre), mas não posso deixar de contar minha experiência.

    No início de 2012 minha vida deu uma reviravolta para o bem. Finalmente saí de um apartamento e comprei uma casa num lugar lindo que eu tanto queria; troquei de carro; e arranjei um outro emprego. Tudo em um mês. Pra coisa ficar ainda melhor, descobri que tava grávida e iria realizar o maior sonho da minha vida! Um início de ano perfeito como já mais podia imaginar! Mas a minha alegria durou pouco.
    Treze dias após descobrir a gravidez e duas horas depois da minha primeira consulta do pré-natal sofri um aborto espontâneo. Na hora soube que havia perdido o que eu mais queria no mundo e liguei pra minha médica só pra confirmar e ouvir que devia esperar praticamente imóvel por dois dias pra ver se realmente havia sido isso. E foi.
    Sempre quis ser mãe. Tudo na minha vida sempre foi feito pensando que lá na frente tinha que estar tudo bem pra eu ter um filho (por isso a alegria pela casa, pelo carro maior e pelo no emprego que me daria ainda mais estabilidade). E em razão desta imensa vontade sempre tive medo de que meu sonho não se realizasse por algum problema que eu pudesse ter sem saber ou pela vontade igualmente imensa que eu tenho de adotar uma menina (seria um sinal?). E nessa hora, quando veio o aborto, passou um filme na minha cabeça pensando nisso tudo e se não seria um sinal de que eu não tinha o dom pra ser mãe? Chorei muito, sofri muito (bem mais calada do que tu, já que só consegui falar sobre o assunto um bom tempo depois), vivi o luto necessário e detestei ainda mais quem engravida porque não se cuida e depois comete um aborto como se aquele ser já em formação fosse lixo. Enfim, dói mesmo e é preciso passar por isso pra seguir em frente. E como disse minha médica, eu só iria esquecer quando engravidasse novamente. E foi o que aconteceu.

    Quatro meses depois eu e meu marido tentamos de novo e conseguimos de primeira. Tinha decidido que da próxima vez só contaria pra ele quando o resultado do beta HCG mostrasse uma gravidez sólida (o primeiro já dava indícios de que a gravidez não seria bem sucedida, mas eu não entendia nada disso nem tinha a experiência próximo a mim, então saí contando para os mais próximos de cara!). Mas é claro que não consegui esconder dele. Quando fiz o exame de urina de manhã cedo e vi que estava positivo desabei em choro, soluçando mesmo, e tive que contar pra ele o motivo de tanta emoção. Resumindo o que já virou uma bíblia: meu filho completa 1 ano neste sábado (26/04) e hoje tenho a certeza de que a primeira gestação não deu certa porque ele ainda não tava pronto e outro bichinho passou na frente sem também não ser a hora dele. Eu não podia ser mãe de outro bebê que não ele e, ao contrário do que cheguei a imaginar, sou uma ótima mãe! Amo o meu pitoco de forma incondicional como nunca amei antes e ele é a maior alegria da minha vida. Não esqueci o que aconteceu, mas entendi que era necessário aconteceu pra que eu valorizasse ainda mais esse milagre que é o nascimento de um bebê e o que ele representa na nossa vida.

    Como te disse, te acompanho há bastante tempo e pelo que leio sei que tu também vai ser uma ótima mãe como já é do Dunga. Chora, desabafa, mas saiba que é muito comum sim (perdi a conta de quantos exemplos me aparecerem depois do que aconteceu comigo) e que há uma luz linda no fim do túnel de esperando. E quando tiver com teu bebê no colo, na hora que tiver que ser, tu vai ter a certeza de que era ele quem estava planejado desde o início pra estar contigo!

    bjs

  • Silmara diz: 24 de abril de 2014

    Gabi que bom que está tentando engravidar. Vou torcer por você e enviar vibrações positivas para que logo possamos vê-la barriguda. Um beijão.

  • Dani diz: 24 de abril de 2014

    Post maravilhoso, que faz refletir sobre a forma que levamos a nossa vida.
    Gabi, apesar de ter ficado espantada e triste com tua notícia sobre o aborto espontâneo, fico feliz que esteja bem e tranquila.. E como tu disse, Deus sabe o melhor pra cada um de nós e o motivo pelo qual passamos as mais variadas situações.
    Bjinho!

  • jana diz: 24 de abril de 2014

    lindo texto, e realmente é mais comum do que se imagina antes de começar a pensar em gravidez, e quando tua hora chegar, e vai, pode ter certeza, vão existir muitas outras coisas que são comuns e que ninguém comenta, e que mudam drasticamente de gravida para gravida, eu por exemplo, senti até o embrião se fixando no útero ( dor).
    minha bebe já está com 7 meses, linda e saudável. ontem assisti o filme ‘ o que esperar quando se está esperando” até meu marido gostou, recomendo!! abraço

  • Liliane Chiarello diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, não passei pra te abraçar e fazer cara de choro depois de ler teu ‘megapost’. Tampouco passei por nada parecido com o que tu relatou, embora a pergunta que vem logo depois do casamento é ‘cadê o bebezinho’? Para essa pergunta eu respondo a mesma coisa que tu: quando Deus achar que é a hora certa, ele manda! Mas lendo esse post deu vontade de dizer que é linda a tua maneira de enxergar a vida sempre pelo lado bom, com força e praticidade. Hoje falta nas pessoas a vontade de levantar a cada tombo (seja ele grande ou pequeno), porque o lugar de vítima é sempre mais cômodo. Pessoas com a tua atitude engrandecem nossas vidas, são estímulos para seguirmos e conquistarmos um dia de cada vez! É por isso que torcemos pela tua felicidade! Beijo

  • Gabriela diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, não passei exatamente por isso, mas por coisa parecida q também causa imensa aflição, ou pelo menos me causou. Eu e meu esposo tivemos dificuldade para engravidar, ficamos tentando muito, por um tempo razoável e sabendo q seria praticamente impossível. Me desesperei muito na época, mas no tempo de Deus lá veio ela, linda e perfeita, a minha filha tão amada. Tenha fé e acredita, seu lindo bebezinho virá e esta dor toda ficará só como lembrança de um tempo difícil e superado. Sinta-se abraçada.

  • Vivian Silveira Rocha diz: 24 de abril de 2014

    OI Gabi,

    Que bom que esta bem e que consigas esta dadiva que é ser mãe logo logo, pois pessoas queridas e boas de coração merecem isso e muito mais.
    Te admiro muito, e acho tudo que tu escreve um maximo, estou sempre ligadinha no bloguinho e no FB. Amo estes posts que tu faz contando tuuudo ou quase tudo sobre tua vida, da pra ver qur tu é gente como a gente!!kkkkkk…

    Força queridaaaaaa

    Bjuxxxxxxxxx

  • Vanessa diz: 24 de abril de 2014

    Oi Gabi! Sempre leio o blog e adoro as dicas e assuntos tratados. Sei que é um momento difícil, mas o que posso e dizer é que passa. Demora, mas passa. Tive uma gestação anembrionária no final de 2012. Sabia que não tinha mais vida, e fiquei aguardando o aborto espontâneo, mas ele não veio… Passei o Natal e o Ano Novo assim. Dizia pra minha mãe e pro meu marido falar pras pessoas não comentarem sobre o assunto comigo, pois era difícil lembrar. Em janeiro fiz uma curetagem, foi um momento muito triste, pois no estava no mesmo espaço onde outras mulheres estavam ganhando seu neném… Tivemos que esperar 3 meses para recomeçar as tentativas e em outubro de 2013 descobri que estava grávida novamente. Foi muita alegria, mas apreensão também, medo de dar errado de novo. Hoje estou com 7 meses e a Caroline está crescendo forte dentro de mim. Em junho ela chega pra nos encher de alegria! É como vocês escreveu no post, dói, mas passa. Bjos!!!

  • karoline nesello diz: 24 de abril de 2014

    Gabi!

    Faz tempo que te acompanho, mas nunca deixei nenhum comentário.
    Agora penso ser um momento oportuno.
    De uma profundidade de emocionante o teu relato. Poucas pessoas tem a coragem de compartilhar momentos tão íntimos de sua vida e fazer isso com tanta propriedade e sentimento.
    Querida, como você disse, Deus sabe o motivo de todas as coisas que acontecem conosco e o momento certo para tudo.
    A fé que temos é o que nos ajuda a lidar da melhor maneira possível com as situações que acontecem em nossa vida.
    Fica bem!
    Abraços

  • Katia diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, já leio teu blog desde 2008 e adoro. Fiquei triste com a notícia, mas desejo muita força e serenidade para passar essa fase, que se Deus quiser tudo vai dar certo! Também estou há mais de um ano “tentando”, já tive várias frustrações mas não desisto e tenho certeza de que vai acontecer! Força e tudo de bom…

  • Li Jamas Pereira diz: 24 de abril de 2014

    Gabi desde ontem vc tem me dado uma força ímpar mesmo sem saber. Coloquei a frase que vc postou ontem como meu lema pra semana e para a vida..dor não precisa ser eternizada. Estamos passando por um momento chatinho na família, mas estou certa de que vai passar e tuas palavras me ajudaram muito a ter essa certeza. Desejo que Deus continue te abençoando e que todos teus projetos e sonhos se tornem realidade (e que tudo seja feito no tempo dEle). bjos

  • Juliana Domingos diz: 24 de abril de 2014

    OH MY GOD Gabi!!!! Eu sempre leio teus posts aqui do trabalho, e tu mes escreve um assim, tão cheio de sentimentos…quer me fazer borrar a make é??? Nossa, me segurei muito para não chorar ao ler, mas os olhos marejaram muito. Não tenho como dizer que entendo que deve ser ruim, pois nunca passei por esta situação, mas imagino o susto e a dor que tu deve ter sentido ao descobrir que era um aborto. Sinto muitissimo por isso e torço muito pra que este baby venha logo logo.

    Bjaoooooooo

  • Valeria diz: 24 de abril de 2014

    Oi Gabi, excelente texto e excelente testemunho de viver!! It’s life!! Boa sorte e positive vibrations para seus projetos.

  • Débora diz: 24 de abril de 2014

    Gabi… acompanho o teu blog há alguns meses e me identifico em muitos casos. Quando eu tinha 36 anos (coincidência? ), já com um filho de quase dez anos, resolvi engravidar novamente e, com 13 semanas foi constatado que o coração não batia e que eu teria que curetar… fiquei bem triste e todos me diziam que ia passar, que eu já tinha um filho. Mas eu queria outro…. Foi analisado e descobrimosque eu tive uma mola hidatiforme. ??? Nem imaginava o que era isso. Pesquisei de mo tão na internet e e tive respostas péssimas para as minhas dúvidas… mas o que eu quero contar é que depois de 5 meses (seriam no mínimo 6 por recomendações médicas) eu já estava grávida novamente… e deu tudo certo… e agora a minha princesa Betina dorme no meu ombro, com 2 anos e 8 meses de pura gostosura… tenha fé que tudo acontece na hkra certa… e que tem algumas coisas que temos que passar, infelizmente. .. na hora certa virá o teu bebezinho lindo, saudável e perfeito como o Bernardo… Beijos virtuais. ..

  • Renata Bruciano diz: 24 de abril de 2014

    Gabi,
    Te acompanho desde sempre, acesso o blog todos os dias, vibro com cada conquista tua, tiro foto de noivas em viagens para “mandar pro blog da Gabi” e em um momento tão delicado não podia deixar de dizer que vai ficar tudo bem.
    Não sou mãe e nunca passei por algo parecido, mas tenho várias amigas que já passaram por isso e como você mesma disse, o baby veio na hora que o Papai do céu achou que era o momento ideal.
    Espero que esteja tudo bem e tenho certeza que no momento certo o teu pacotinho virá e será amado por todos que te seguem e gostam de ti.
    Beijos e acima de tudo, se cuida!

  • Renata Bruciano diz: 24 de abril de 2014

    Gabi,
    Te acompanho desde sempre, acesso o blog todos os dias, vibro com cada conquista tua, tiro foto de noivas em viagens para “mandar pro blog da Gabi” e em um momento tão delicado não podia deixar de dizer que vai ficar tudo bem.
    Não sou mãe e nunca passei por algo parecido, mas tenho várias amigas que já passaram por isso e como você mesma disse, o baby veio na hora que o Papai do céu achou que era o momento ideal.
    Espero que esteja tudo bem e tenho certeza que no momento certo o teu pacotinho virá e será amado por todos que te seguem e gostam de ti.
    Beijos e acima de tudo, se cuida!!!

  • Iara diz: 24 de abril de 2014

    Gabi sou tua fã, queria eu poder expressar com tanta clareza o que estou sentido. Tudo tem a hora certa. Bj

  • Christiane diz: 24 de abril de 2014

    Olá Gabi!
    Sinto muito pelo ocorrido, mas te garanto: Isso da gestação não “emplacar” na primeira gravidez é muitoooo mais comum do que imaginamos, comigo já também aconteceu e somente nós sabemos o quão profunda é essa dor, mas não lastime, não era pra ser dessa vez, mas em breve tu vais poder engravidar, e vais ser a mamãe mais corujaa do mundo (como eu me tornei), há e a mais preocupada e neurótica na gestação.

    Agora bola pra frente, pq eu em quatro meses depois engravidei, e contigo não será diferente!

    Bjosss te adoro!

  • Carine Nascimento diz: 24 de abril de 2014

    Nossa, Gabi! Cada vez mais admiro a mulher incrível que és.Não se preocupe teu bebêzinho vai chegar na hora certa, que Deus te abençoe.

  • Sany Souza diz: 24 de abril de 2014

    Gabi, impossível não se comover! Essa semana completo 2 meses de gravidez e engravidei no primeiro mês sem a pílula, por mais que eu quisesse, acredite, foi um susto! A gente crê que Deus sabe o que faz, e tu tens família e amigos maravilhosos e anônimos como eu para enxergar a beleza das coisas novamente! Muita força e luz pra ti, e não vejo a hora de participar de um encontrinho de gravidinhas, para compararmos as barrigas!! Bjos tudo de bom!

  • Elisa diz: 25 de abril de 2014

    Li o post com um dos meus milagres no colo. Meus gêmeos concebidos naturalmente depois de uma perda nasceram para alegrar meu mundo. Vai saber o que a vida nos reserva, né?! Parabéns pelo lindo afilhado!!

  • Andréa diz: 25 de abril de 2014

    Gabi querida, acho linda a forma “estranha” com a qual tu lida com teus problemas. Para mim resolve muito escrever também. Se te dá alívio, se te deixa com mais força para seguir em frente, é assim que deve ser e na tua comunidade todos te amam! Eu também já passei pela experiência de um aborto espontâneo, foram dias ruins e difíceis, mas é a Mãe Natureza agindo de uma forma que na hora não aceitamos, mas com o tempo entendemos as razões. E depois disso tive dois filhos lindos e perfeitos, que hoje têm 13 e 10 anos, espero que um dia possa conhecê-los, porque te conheço há tanto tempo, embora virtualmente!!!! Certamente tu tens muito amor, carinho e afeto para oferecer, e tão logo isso seja possível e o cara lá de cima determine que é o momento certo, tu terás em teus braços teu bebê tão esperado e desejado, tenha certeza disso!. Enquanto isso, curta muito teu afilhado Bernardo, teu tempo e teu amor agora são dele, é um momento também incrível este de ser dinda! Toda a felicidade do mundo para ti! mil beijokas!

  • Leticia diz: 25 de abril de 2014

    Li inteiro e chorei inteiro..
    Porque me pego pensando as mesmas coisas, sempre no suicída e sim já pensei nisso tambem e a situação se resolveu.. Chorei inteiro porque passei pela mesma situação com o aborto ano passado, mas ele levou um tico mais, levou meu ovário junto, e to aqui na luta, tentando relaxar e esquecer e tentar trazer ao mundo a noticia de que espero meu biscoitinho… E sorri porque tenho tatuado nas costas a musica do lulu!
    ainda vou contar em detalhes meu casamento pra ti, que foi super inspirado no seu blog, seguido desde 2008, casei em janeiro de 2011. Só vim aqui pra dizer pra continuares escrevendo o que pensas, porque mta gente pensa igual e eu sou uma delas e te adoro por causa disso, porque consegues colocar na tela palavras que agente aqui nao consegue… Bom find! Leticia Maurici

  • Adriana diz: 25 de abril de 2014

    Gabi, quanta coisa! Realmente, acho que assim como a maioria das gurias desse blog, estamos em comunidade, te acompanho no blog há tanto tempo que me sinto sua amiga. Realmente, a Gabi lá do início não é a mesma de hoje, a vida é assim, todos estamos em constantes mudanças.
    Também tenho passado uma barra com conflitos internos, em não saber o que será da minha vida, a expectativa intensa no outro, a expectativa de estar junto e não estar, enfim.
    Mas, sinceramente, temos de acreditar que a vida é bela, que existe um Ser superior que sabe de tudo e que as coisas que acontecem sem a gente querer, acontecem por algum motivo.
    Cabe a nós simplesmente, não pensar que pior que seja o problema, é o fim do mundo. Concordo plenamente com as suas opiniões neste post, inclusive vi muito de mim.
    Então, isso mesmo, bola para frente curta o seu afilhado lindo, são essas pequenas dádivas que nos são dadas que temos que nos apegar e acreditar, se estamos vivas ainda temos muito a realizar, basta paciência, persistência e saber que às vezes, as coisas não são como esperamos, mas nem por isso temos de pensar em desistir.
    Mais uma vez, parabéns pelo blog, continue contando com suas amigas virtuais também, estarei sempre torcendo por ti, assim como por várias pessoas do bem.
    Grande beijo.

  • Adê Valença diz: 25 de abril de 2014

    Oi Gabi,
    li teu texto e fiquei muito emocionada, passei por isso e sei bem como é. Aos 18 quando se é cheia de sonhos engravidei pela 1ª vez, tive uma gravidez difícil, minha filha nasceu com 26 semanas de gestação pesou 900gr, foi um baita susto, ficou dias e dias na U.T.I. Neo Natal da Santa casa. Até poder vir para casa com 3 meses de vida. Quando ela nasceu disseram-me que não poderia mais ter filhos. Fiquei muito triste pois sempre sonhei com uma família imensa, pois só tenho uma irmã, e gostaria de ter mais irmãos. Apesar de não ser planejada, Laura nasceu muito amada. Laura nasceu dia 18 de setembro de 1997, e dia 22 minha irmã ganhou o João, meu 1º sobrinho que amo de paixão. Imagina como é vc ver sua irmã ir para casa com o bebê e vc não, fiquei muito feliz por ela, foi o que amenizou minha dor de não poder sair dali com meu bebê.
    Cinco anos se passaram e eu sempre pensando como seria dar um maninho para Laura, mas por recomendações médicas nunca mais tentei. Tinha medo. Até que um dia friozinho na praia, vinho…. E pronto… Nos descuidamos e engravidei do meu segundo filho, o Victor. Na hora bateu um pavor, mais uma gravidez cheia de cuidados, ele também nasceu prematuro.
    Bom… como foi “meio” fácil da segunda vez, resolvemos então planejar nosso terceiro filho, só que dessa vez não deu certo, havia um surto de rubéola, e meu bebê pegou, abortei um dia depois do Natal, com 24 semanas, foi muito triste por que estávamos todos felizes por que naquele dia descobriríamos o sexo do bebê, fomos todos juntos, avó, pai, manos, enfim a família toda. Minha filha que estava com dez anos, disse que não pode ouvir a música “over the raimbow” porque lembra do silêncio da médica, e após a notícia triste da morte do maninho. Foi um drama, na hora não adianta ninguém te dizer que foi melhor assim, que seria uma criança cheia de problemas, tu não quer saber nada disso. Até porque tive que passar por um parto de onde sai sem meu bebê.
    Quando cheguei em casa meu filho que estava com 4 anos me disse “Mãe fica bem, tu tem eu e a Laura, eo maninho virá na hora certa”. Naquele momento parei para pensar em tudo que passei com eles, e agora estavam ali lindos e perfeitos. Enxuguei minhas lágrimas, e toquei em frente.
    Daí aconteceu que minha sobrinha que criei como filha, no mesmo dia que perdi meu bebê ela descobriu que estava grávida, ela sempre conta que não sabia como ia me dizer, ficou com medo que eu ficasse triste ou frustrada.
    Que nada… a noticia de que viria o Lucas (meu “neto “ de coração) foi a melhor do mundo.
    Depois de tudo disse que não tentaria mais. E seis meses depois comecei a passar mal, e achei que estava doente….
    Notícia Relâmpago…. “Adê vc está grávida”, juro que não acreditei….
    Achei que fosse brincadeira do médico. Demorou para cair a ficha. Hoje tenho o Davi que completou 05 anos dia 14/05/2014. Nasceu com 3kg. É um gostoso. aqui tem uma foto dos três.
    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200243506959571&set=a.4742281044184.187270.1509707036&type=3&theater

  • Jamile diz: 25 de abril de 2014

    Oi Gabi,
    Eu praticamente nunca comento no blog, apesar de ler ele desde 2008, mas quando tu falaste no teu post sobre ter sofrido um aborto espontâneo, tive que comentar :-)
    Eu também passei por isso, com a diferença que a gente sabia desde o primeiro dia possível de se detectar uma gravidez… Contamos pros avós e pedimos segredo, pois tem o esquema das 12 semanas (agora tu deve estar mais por dentro ainda desse intervalo de segurança) e fomos contentes fazer a primeira ecografia.
    No exame vimos que tinha alguma coisa errada. Sabíamos que tinha alguma coisa errada e num intervalo de duas semanas eu tive sangramento, fui parar na emergência do hospital, e senti uma dor de cólica horrível. Era o anjinho que tava indo embora.
    Na hora a gente sofre. Sofre muito mesmo. Fica se perguntando porque um casal com a vida toda “direitinha” não engravida e tem gente que nem tenta direito e está grávida. Parece que nunca vai passar e que a gente não vai conseguir de novo. Mas passa. E a gente consegue. Entre o aborto espontâneo que eu sofri e o outro exame positivo foram 6 meses. E Papai do Céu me presenteou com o anjo mais maravilhoso que existe (inclusive mandei minhas fotos de gestante aqui pro blog, faz bem pouco tempo).
    Minha sogra me falou uma coisa genial: que o tempo de Deus é diferente do nosso, e ela não poderia estar mais certa.
    Não vou te dizer pra não sofrer pois a gente sofre mesmo. Mas passa. E quando tu menos esperar vai estar com o teu bebê nos braços :-)
    Um grande beijo!
    P.S.: Enquanto eu escrevo esse comentário meu Bruno deu um sorrisão no meu colo. Ele tá com 2 meses e apesar de não gostar muito do barulho do teclado do computador, deixou a mamãe terminar de escrever bem comportadinho :-)

  • Mauren diz: 25 de abril de 2014

    Gabi querida, fiquei triste com a notícia, pois sei o quanto vc queria.
    Mas fico feliz em ver que vc está serena de novo.
    Tenho certeza que vai dar tudo certo, vc tem um coração de ouro e merece toda a felicidade do mundo.
    Estarei sempre torcendo por ti !
    Um beijo com todo o carinho do mundo.

  • Mauren diz: 25 de abril de 2014

    Ah esqueci – ácido fólico é recomendado para quem quer engravidar!
    fala com teu médico. bjs.

  • Camila diz: 25 de abril de 2014

    Fix you – ColdPlay

    When you try your best, but you don’t succeed,
    When you get what you want, but not what you need,
    When you feel so tired, but you can’t sleep
    Stuck in reverse!

    And the tears come streaming down your face
    When you lose something you can’t replace
    When you love someone, but it goes to waste
    Could it be worse?

    Lights will guide you home
    And ignite your bones
    And I will try, to fix you

    And high up above or down below
    When you’re to in love to let it go
    But if you never try, you’ll never know
    Just what you’re worth.

    Lights will guide you home
    And ignite your bones
    And I will try, to fix you.

    Tears stream down your face,
    When you lose something you cannot replace
    Tears stream down your face
    And I…

    Tears stream down your face
    I promise you that I’ll learn from my mistakes
    Tears stream down your face
    And I…

    Lights will guide you home
    And ignite your bones
    And I will try to fix you

  • Lúcia Adami diz: 25 de abril de 2014

    Passei exatamente por isso em 2009. Teu texto me fez muito bem. Espero que um dia tenhamos o prazer de ler teus livros. Parabéns por tudo!
    Lúcia
    Jornalista

  • Daiani diz: 25 de abril de 2014

    Gabi querida! Tocaste o coração de todas nós! Fico feliz que tenha compreendido que Deus escolhe a hora certinha para tudo, e com o baby mais aguardado que o da Katy e do Willian, não vai ser diferente! Obrigada por partilhar suas experiências! Um abraço bem apertado e beijos!

  • Valquíria Martins diz: 25 de abril de 2014

    Gabi!!!
    Te acompanho faz tempo e sou muito tua fã!!!
    As coisas acontecem no momento certo e se não foi dessa vez, uma outra hora vai ser!!!
    Admiro teu jeito de lidar com as coisas e aprendo muito com isso!!!
    Continue sempre assim!!!

  • Gabi diz: 26 de abril de 2014

    Gabi, leio teu blog desde 2009 mais ou menos, e a cada dia que passa te admiro mais e mais. Escreves muito bem, com leveza e sentimento,consegues nos fazer rir,chorar,imaginar situações,se colocar no lugar do outro. Sou tua fã.Adoro o Dunga! Tenho uma gatinha como filha.Tbm sou colorada.Temos muito em comum além do apelido( meu nome é Gabriela) e quero te dizer que torço pela tua felicidade como se fôssemos amigas de infância.
    Um bj.
    Gabi

  • Samanta diz: 28 de abril de 2014

    oi Gabi!
    Como muitas disseram: sou tua fã a cada post que publicas. O jeito que tu escreves, e o que tu escreves, a naturalidade com que tu abre o coração e nos relata o que sentes e pensas, me faz sentir como em uma conversa entre amigas queridas.
    A galera aqui de casa (eu, marido e 3 cães) adoramos você!

  • Dani diz: 28 de abril de 2014

    Gabi, tu és uma linda! Sou fã! Me emociona esse teu jeito de encarar a vida, tão entregue, tão sábia! Bjsssss

  • Ana diz: 1 de maio de 2014

    Gabi, tô aqui lendo teu post e os comentários e me lavando em lágrimas!
    Tenho 35 anos e estou casada a 1 ano. Já estamos há 1 ano e 4 meses tentando engravidar e ouvindo a toda hora a pergunta de quando o bebê virá. Já fizemos todos os exames, e a principio, não há nada de errado. Só que em setembro do ano passado sofri um aborto espontâneo com 4 semanas de gestação, pouco tempo depois te ter saído do consultório médico com a confirmação da gravidez após ter feito indução ovulatória. Sofri muito, mas continuo tentando. Sei que um dia nossa hora vai chegar, mas difícil entender e esperar pela hora de Deus. Te admiro ainda mais pela tua serenidade em enfrentar este momento, que apesar de normal, é sofrido.
    Bjs

Envie seu Comentário