Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Geral"

Listinha: 3 lugares lindos para casar ao ar livre em Porto Alegre e região

17 de maio de 2014 5

mariana

Tcharam! Olha que linda a capa da revista Donna deste fim de semana! A matéria sobre eco wedding é assinada por tia Gabi e conta história dessa linda aí, a Mariana Duda. Super ligada em conceitos de sustentabilidade, ela fez do seu casamento um momento de celebração às boas práticas na relação com o ambiente que nos cerca.

A história da Mariana é bem peculiar e retrata bem o tipo de noiva que opta por um casamento sustentável. Depois de virar modinha lá em 2010, sobrou na onda só quem realmente acredita na coisa e pratica os conceitos na sua vida diária. Acho que vocês vão curtir a história da Mari e as boas ideias que ela teve. Eu amei!

Como casamento verde lembra fazenda, praia, lugares ao ar livre, fiz uma listinha de 5 lugares lindões para quem pensa em fazer seu casamento sob o céu azul. A Mariana Duda casou na Praia do Rosa, em Santa Catarina, um  lugar que além de ser lindo tem toda uma preocupação com o ecossistema da região (não dá para ter música alta depois da 1h da madruga, senão importuna os animais, por exemplo). Fiz uma listinha com 5 dicas baseada em lugares que fui recentemente, amei e iria de novo. Please, me ajudem a engordar a lista indicando nos comentários lugares que eu não citei.

1. Vinícola Laurentia

nathi

Fica em Barra do Ribeiro, não muito distante de Porto Alegre. Trata-se de uma vinícola que tem um jardim dos deuses e uma casa que recebe a festa ou o próprio casamento em caso de chuva. A Nathi e o Vini casaram lá e vale a pena espiar as fotos.

2. Alto da Capela

ana

Como adoro! Fica em Porto Alegre, mas leva um tempinho (uns 40 minutos do Centro) para chegar. O lugar é indescritivelmente lindo. O casamento da Ana Carolina e do André tem imagens para chorar no cantinho de amor.

3. Palazzo di Baco

baco

O bacana do Palazzo di Baco é que oferece uma estrutura para festas bem maiores (na rua ou em local coberto). Tem árvores incríveis para cerimônias sob os galhos e uma proposta bacana de reaproveitamento de água, casando com o tema de sustentabilidade da matéria de Donna.

Problema existe, mas a gente tem o poder de deixá-lo maior, menor ou do tamanho que realmente tem

24 de abril de 2014 115

Como você reage quando sabe que alguém cometeu suicídio? Tem o grupo que condena imediatamente, se perguntando o dia todo como alguém pode acabar com o dom mais precioso que um ser humano pode receber: “Tanta gente aí lutando para vencer câncer e esse babaca se mata”. Tem o grupo que foca na família e pensa no desespero de quem perdeu alguém querido (e quem já perdeu um familiar, por morte de qualquer motivo, sabe como dói a saudade). Eu faço parte do grupinho que pensa muito na pessoa que se matou. A vida é, sim, cheia de altos e baixos, mas para quase tudo tem uma saída além de cometer suicídio. Eu uso a palavra “quase” aqui para estar ciente da minha ignorância sobre a vastidão do universo. Eu não passei por todas as experiências do mundo. Eu não sei – e não tenho vergonha de admitir – se não haveria um dia algo tão insuportavelmente dolorido na minha vida que me fizesse pensa a acabar com ela precipitadamente. É por isso que penso demais na pessoa que se matou. Fico imaginando o que passou pela cabeça dela para tomar uma atitude tão extrema. Certamente, não viu luz no fim do túnel. Provavelmente, estava passando por um problema que achava que não teria solução. E isso me dói especialmente. Dos corações partidos da adolescência a demissões depois do fim de um estágio, já passei por dores que considerei por alguns momentos que nunca iriam sarar. E sararam, porque quem disse que tempo cura tudo devia ser bem sábio. Pense agora em quantos problemas “insolucionáveis” você teve na vida e como lidou com eles. Tem gente aí que até vai abrir um sorrisinho e pensar: “Uau, e naquela época eu achei que meu mundo tinha acabado”. 

Keep calm porque essa não é uma carta de suicídio online. Felizmente, nunca passei por algo tão extremo a ponto de pensar nisso. Espero nunca passar. Mas eu queria dizer que não julgo quem faz. Eu apenas lamento que a pessoa não tenha tido a clareza de perceber que talvez ainda deveriam existir pessoas que pudessem ajudar, que nem todas as alternativas teriam se esgotado. Olho esses casos de meninos jovens que se mataram com 11, 12 anos porque eram xingados na escola. A bagagem de vida deles, tão curtinha, fez com que não encontrassem outro meio de lidar com aquilo. Penso neles com grande tristeza. Vontade de estar perto, de abraçar e dizer: “Hey, eu tenho 36 anos e já passei por vários problemas cabeludos. Mas eu sempre soube que deveria existir uma solução e me foquei em procurar por ela. Tudo vai ficar bem, acredita em mim”.

Textinho sombrio para um começo de quinta, não é? Essa introdução tão forte foi feita para falar que, por mais bizarro, pecaminoso e cruel que seja a decisão de alguém, no fim das contas cada um é o responsável pela sua vida. Já te aconteceu de dar um conselho simples, claro, direto, básico e óbvio para alguém e a pessoa não seguir? Tipo um “amiga, esse cara só te trai, cai fora” e ela seguir com ele? Acontece. O julgamento final do que qual caminho pegar, no fim das contas, é dela.

Nos últimos anos eu descobri uma forma estranha de lidar com meus problemas, uma forma que nem todo mundo entende, mas que depois de tanto papo aí nos parágrafos acima, espero que pelo menos parem um instante e tentem analisar. Eu passei a escrever num blog o que acontecia comigo. Comecei com coisa boa, falando sobre meu casamento, como foi organizar tudo. Depois que ele passou, senti que tinha à minha volta uma comunidade de pessoas que me queriam bem e que já considerava amigas (com exceção de uma ou outra que me detestam, o que faz parte do jogo). Falar de um perrengue aqui e outro ali me fez ter um retorno que eu não tinha de pessoas muito próximas como meu marido, minha irmã, minhas amigas. Lembram do episódio do estresse crônico? Todo mundo que me ama estendeu a mão para me ajudar, mas eu senti mais conforto ao ler recados de pessoas que também passaram por aquilo e fizeram a gentileza de me dizer como foi e como superaram. Não tem preço. É um acalento para a alma, é um afago no coração. E é uma gentileza sem tamanho que alguém tenha parado alguns minutos em frente ao computador para confortar uma pessoa que nunca viu ao vivo. Bravo, bravo!

Me faz bem escrever sobre a minha vida. Me faz bem dizer coisas até bem particulares num fórum que está aberto aí na rede para quem quiser ler. Por que eu faço isso? Parte porque é como se tirasse um peso do coração fazendo o que mais gosto de fazer na vida (escrever, tanto que escolhi isso como profissão). Parte porque aquele tal retorno de “hey, vai ficar tudo bem” é impagável. E, finalmente, porque essa sou eu. A Gabi de 2008, que começou um blog sobre casamentos, definitivamente não é a mesma de 2014. A de 2008 achava que três ou quatro pessoas leriam suas histórias chatas obre como dobrar o guardanapo na festa de casamento. A de hoje celebra ter à sua volta gente que de vez em quando se materializa no supermercado, no parque, que te para no elevador para contar que te acompanha. E que gosta ou que divide de opiniões parecidas contigo. É como se amigos brotassem do chão como plantinhas. É por isso que adoro fazer encontros para conhecer gente, ver o rostinho de quem é meu amigo virtual. Como diria o Lulu Santos: “me faz tão bem, me faz tão bem”.

Eu consegui dar uma breve explicação de como eu sou, de como vejo a vida e porque falo abertamente num blog sobre problemas que muitas pessoas guardariam para si mesmas? Espero que sim.

Com tudo isso dito, me sinto à vontade para dividir um outro episódio da minha vida. Depois do meu casamento, muita gente começou a me cobrar para ter um bebezinho. Justo, né? Tenho 36 anos e está mais do que na hora. A chegada do pequeno está nos meus planos com o Marcelo, aqueles mesmos planos que a gente faz a longo prazo, que incluem trocar de carro ou apê, adotar mais um cachorro, largar tudo e fazer mochilão pelo mundo. Já estamos na fase “no pílula”, testando para ver quando é que Deus vai me mandar meu pacotinho. Sei que tenho a torcida de muitos para que seja em breve, mas juro, de todo meu coração, que acredito que será na hora certinha, aquele timing que só Deus sabe quando é, que às vezes a gente não entende, mas depois de um tempo descobre  porque foi tão rápido, tão demorado, tão fácil, tão doloroso, tão sei lá o que. Como é mais fácil ver a solução dos problemas uns dias depois de eles acontecerem, né?

Vou abrir mais um capítulo da minha nada interessante vida aqui. Pelo motivo que expliquei ali em cima: me faz bem. Na semana passada, eu sofri um aborto espontâneo. Foi bem na semana da chegada do meu afilhado lindo, perfeito, presente divino, amorzão da vida de sua dinda. Foi algo bem no comecinho da gestação e eu sequer sabia que estava grávida.

Respondendo uma série de questões num tiro só: é mais comum do que a gente imagina, acontece por uma série de motivos (os meus estão sendo devidamente investigados), eu posso engravidar de novo (a princípio não há nada errado comigo). O sangramento fora de hora assustou – e muito – mas como eu ia dizendo ali em cima, foi na semana na chegada do Bernardo. Eu tinha a opção de escolher entre me acabar em choro por algo que o médico já tinha dito que acontece bastante ou me concentrar em mandar boas vibrações para a Bárbara. Escolhi um misto dos dois. Abracei a tristeza por 5 minutos (era sobre isso que eu me referia no post de ontem no FB), falei claramente comigo mesma sobre como aquilo era corriqueiro e como eu deveria ficar contente por poder engravidar de novo quando quisesse. No dia seguinte, nasceu perfeito o Bernardo. Qualquer resquício de dúvida que eu tinha sobre como realmente estava me sentindo naquela semana passou quando peguei ele no colo. Senti um amor sem fim, vontade de proteger, felicidade pela minha sobrinha (gente, tem pessoas aqui perguntando se a Bárbara tem 16 anos. Hahhahaha, não, ela tem cara de piá, mas tem 24). Bazinha e Bê eram mais importantes.

Contei para minha mana só depois do netinho dela nascer feliz e bonitão, para minha mãe e para uma ou duas amigas no trabalho, que precisavam entender minha ausência. Hoje, faz uma semana do que aconteceu e me sinto tranquila para dividir aqui nesse mundão que é a internet e ouvir relatos de almas legais que queiram me contar suas experiências. É como um Alcoólicos Anônimos: ouvir histórias de gente que venceu um problema não te anima a seguir em frente? Eu venci estresse crônico e contei aqui que para tudo tem jeito. Agora, estou contando outra história de vida.

Estou bem. Mesmo. De saúde e de cabeça. Mas eu sou blogueira (não me atreveria a dizer que sou escritora), e blogueiros gostam de escrever, se sentem bem com isso. Foi essa minha motivação para colocar o note no colo e escrever esse longo post, sem nenhuma figurinha ou fotinho, antes de ir me vestir para ir trabalhar.

Todo dia a gente aprende um pouquinho, né? Eu estou vivendo um ano lotado de experiências extremamente engrandecedoras, que, boas ou ruins, me ajudam a entender o sentido da vida e escolher o caminho a tomar. É claro que, se pudesse, deletaria o aborto dessa listinha de episódios, mas ele veio para me ensinar alguma coisa. Já tenho uma leve suspeita do que, mas irei consolidando minha opinião nos próximos dias.

Não precisa fazer beiço, abraçar no corredor e chorar ao me ver (aconteceu direto quando a Bellinha morreu). Ao contrário daquela vez, eu estou realmente tranquila. Divido aqui porque sou uma mulher que conta mimimis na internet. E eu sei que existem outras Gabis por aí no mundo. Toquem aqui, gurias! Estamos juntas, acontece e a vida segue. Só ter uma vida já não é presente suficiente? Eu acho que sim.

Uma linda e abençoada quinta para vocês,
Gabi

Captura de Tela 2014-04-24 às 08.42.12

Para não dizer que não tem nenhuma fotinho nesse post. Bazinha e Bernardo mandam beijos. Estão ótimos! A Bárbara manda dizer que ser mãe é a melhor coisa do mundo.

Habemus Bernardo: parabéns, Bárbara e Renan!

19 de abril de 2014 7

A emoção de contar como é finalmente ser mãe a própria Bazinha vai registrar aqui no blog. Mas eu não podia deixar de babar como dinda e postar uma foto do pequeno, que nasceu cheio de saúde ontem à tarde no Hospital Moinhos de Vento.

BERNARDO

Renan, desculpa não te pedir permissão para te colocar no bloguinho. Mas é que tua cara de feliz e o flagra de soninho do Bernardo estão muito irresistíveis.

Mamãe, papai e bebê passam muito bem. Devem ir para o quarto ainda pela manhã e depois começar uma vida nova muito feliz com toda família babando por seu novo integrante.

Obrigada por todas as mensagens de boas vibrações que foram enviadas nos últimos dias. Deitadinha no hospital (e no maior pique, como sempre), a Bazinha manda agradecer. Se alguém quiser deixar recados, conselhos de mãe ou afins para ela, é só usar o espaço dos comentários. Vou visitar à tarde e mostro tudo para a moça, a mamãe mais feliz, preparada e apaixonada que eu já vi.

Dinda te ama, Bernardo. Ah,Bernardo,  isso aqui aqui é um blog. É um lugar onde as pessoas escrevem coisas bobas sobre as suas vidas, dividem alegrias, fotos que gostam. Tu quer ser colunista do meu? Por mim, tá empregado!

Gisele Bündchen e seu chazinho com limão desembarcam no Brasil para a SPFW

01 de abril de 2014 8

CDC_7725

CDC_7740

CDC_7722

Imagens: Caio Duran e Thiago Duran/AgNews

Ela voltou! A Gisele voltou novamente! Partiu daqui tão contente, por que razão quer voltar?

Novinhas, de forma alguma estou debochando da top, orgulho nacional e patrimônio gaúcho. A frase acima é adaptação de “A Volta do Boêmio”, de Nelson Rodrigues, música que meu pai adorava e cantava para eu dormir. Seu que não era algo muito convencional, mas durante toda a minha infância fui ninada ao som de Nelson Rodrigues e muito tango argentino. Seu Plínio é uma parada!

Gisele e sua filha mini me Vivian chegaram para o desfile da Colcci na São Paulo Fashion Week, que acontece amanhã às 21h15. É a segunda vez em sequência que a top desfila para a marca depois de uns anos de ausência das passarelas daqui. No ano passado ela esteve mais sorridente do que nunca e com aquele cabelo de matar a pessoa de inveja (neste link, o segredo do amassadinho basics da musa).

Comentei no título sobre chazinho com limão porque estou adotando esse truque da moça na minha rotina diária. Dia desses ela postou no Facebook que a primeira coisa que fazia pela manhã era tomar uma xícara de água morna com rodelas de limão. Enumerou os mesmos benefícios, muitos que a Dra. Helouse Odebrecht já tinha comentado aqui no bloguinho. Beber uma xícara ou copo em jejum ajuda, entre outras coisas, a acelerar o metabolismo (sinônimo de perder peso mais rápido), mas especialmente a dar uma limpada na máquina. É de olho neste objetivo específico que estou adotando a receita. Meus últimos exames de saúde saíram muito lindos, obrigada, mas me mostraram duas pedras da vesícula. Estamos na fase de definir se operamos ou não, mas é fato que se elas foram parar ali é porque andei relapsa com a saúde durante muito tempo.

Como espremer limão todo dia é um saco, adotei um truquezinho maravilha que indico muito. Fiz a espremação toda no fim de semana e congelei o suco com alguns cominhos numa forma de gelo. Todo dia de manhã retiro um cubo, coloco num copo, completo com um tiquinho a mais de água e coloco no micro. Saio pela casa bebendo enquanto ajeito a comida do cachorro, passo a roupa do dia, abro janelas, preparo o banho. Feito tudo isso, passou meia hora e posso tomar meu café da manhã faceira.

Valeu pela dica, Gisa! Se funcionar para ficar 0,00001% bonita como tu és, tá valendo!

Dica da vovó: compressa ou máscara gelada para amenizar olheiras

03 de março de 2014 0

saiu o donna

Vem do tempo da vovó o segredo das compressas geladas para melhorar a aparência de olheiras e fechar os poros. Há quem use algodão embebido em água gelada antes de fazer a maquiagem (truque caseiro que realmente faz com que a fixação de base e pó seja maior), há quem pressione o convexo de uma colherzinha de chá gelada na área abaixo dos olhos (o contato do metal frio com a pele estimula a circulação e ameniza olheiras).

 PILAS

Uma boa pedida para dias de descanso é apostar no poder das máscaras de gel. Colocadas na geladeira (nunca no freezer), proporcionam conforto imediato, ainda mais em dias de calorão. A Panvel vende um kit bacana que vem com máscara de gel + máscara de argila negra + esponja de esfoliação. Tratamento de beleza completo para uma tarde de folga.

Sex and the City e Trapaça: fantasias de cinema para o Carnaval

01 de março de 2014 0

fantasias

saiu o donna

Duas boas fantasias de última hora para copiar: se sair com as amigas, vasculhe o closet para montar uma versão de Sex and the City, seriado que terminou há 10 anos, mas que ainda é querido por todas.

saia

Para ser Carrie, misture estampas, adote a saia de tule esquecida dos tempos de balé, um salto muito alto e cabelo encaracolado.


charlotte
Uma Charlotte tem roupa bem básica, minimalista e certinha. Tubinho preto com salto médio é certeiro.

samantha
Para a Samantha da vez, vestido sexy e muito vermelho. Sandália dourada e óculos de sol enorme completam o look.

miranda
 Quem for Miranda vai de conjuntinho de saia e blazer ou tailleur bem cortado. Cabelo penteado para o lado e sem um fio fugindo do lugar.

Se for sozinha para a folia, incorpore Rosalyn, a personagem de Jennifer Lawrence em Trapaça. Já que este fim de semana é de Carnaval, mas também de Oscar, o look vai arrancar elogios.Para montar sua Rosalyn, escolha um vestido branco (pode ser aquele abandondado desde um rèveillon de anos atrás) e improvise uma fenda generosa. A bossa da fantasia está no cabelo. Jogue tudo para o alto num rabo de cavalo, separando uma mecha grossa junto da franja. Depois, passe muito spray e faça babyliss nas pontas. Ajeite com grampinhos para deixar os fios assentados no alto da cabeça.

jen

Vai para o Rio? Casa Ipanema inaugura nesta segunda!

22 de fevereiro de 2014 0

saiu o donna

Instalada no coração de um dos bairros mais charmosos do Rio de Janeiro, a Casa Ipanema é a nova atração do verão carioca. Lançada em soft opening nesta semana, abre as portas oficialmente na segunda, 24. A primeira loja conceito da marca de sandálias foi toda decorada com objetos de moradores do bairro, tornando o passeio pelos três andares do imóvel da Garcia D’Ávila, 77, um tour por várias épocas do Rio.

casa_ipanema_rj-1707

casa_ipanema_rj-1717

casa_ipanema_rj-1693

casa_ipanema_rj-1588

Em venda exclusiva por lá, modelos criados por esportistas e estilistas. Destaque para a sandália feita por Isabel Jobim, neta do compositor Tom Jobim, uma legítima garota de Ipanema. O modelo da moça, dona da grife Aragem, tem estampas inspiradas no mar, nas flores e nos arredores do bairro.

casa_ipanema_rj-1565

Essa aqui. Adorei! Tem venda exclusiva lá na casa!

Para combinar a sandália com uma roupa com cara de verão, Isabel montou na casa uma arara com cropped tops de neoprene e outras peças de corte impecável e jeitinho bem carioca.

casa_ipanema_rj-1752

De bolsa vermelha, dona Gabi en-lou-que-ci-da pelos cropped da Isabel. 

O mais bacana da Casa Ipanema é que não ser apenas um espaço de venda, mas de convivência para amantes do bairro. Vai ter aluguel de bicicleta, agendamento de aula de stand up paddle, exposições. Para quem tiver uma turistada marcada para os lados lá de cima, é um programa bem legal visitar.

 Imagens: Mariana Vianna, Divulgação

Bons drinks em Xangri-lá: conheça o bar itinerante Winebox

22 de fevereiro de 2014 0

saiu o donna

clericot

O clericot preparado na hora, na mesa do cliente, se tornou uma das bebidas mais pedidas do Winebox Bistrô, bar itinerante com carta de vinhos caprichada. O bar funciona dentro de um contêiner marítmo e fica no Espaço Boulevard (Avenida Paraguassu, ao lado do Aldeia Shopping), de terça a domingo, das 16h às 23h. Além do clericot, também dá para degustar vinho em taça, harmonizando com comidinhas especiais.

8

Fica a dica para quem está na praia no fim de semana!

Que Beyoncé? Obama se declara para Michelle no Dia dos Namorados

14 de fevereiro de 2014 2

Pronto. Podemos todos dormir em paz. Dois dos casais considerados mais perfeitinhos da atualidade parece que não vão se desfazer tão cedo: Barack Obama e Michelle seguem apaixonados, assim como Beyoncé e Jay-Z.

Todo mundo lembra do boato absurdo que rolou nos últimos dias sobre um caso do presidente americano com a cantora, né? Foi espalhado por um fotógrafo francês, que depois de ver a dimensão da coisa teve que pedir desculpas e voltar atrás. Apesar de ter sido afetado pela maldade, Barack Obama parece ter encontrado um jeito de rir de toda a história. Hoje, Dia dos Namorados nos Estados Unidos, tascou um beijo na esposa e postou no Twitter:

obama

“Essa é a verdade: Michelle Obama ainda é a melhor namorada”. 

Só para colocar uma pedra no assunto de uma vez por todas, reforço minha dica: assista, baixe, compre, mas dê um jeito de ver Scandal. A série é bacanérrima e conta a história de affair de uma relações públicas com o presidente dos Estados Unidos. É realmente tri!

ama

Não inspirada na nossa vida, que fique claro!

Das esquisitices da vida: base de unhas sabor caipirinha para adocicar os pés

11 de fevereiro de 2014 2

baseEu como cebola com açúcar. É estranho, né? Eu sei e não espero que vocês entendam, só que respeitem a minha esquisitice. Dito isso, queria dizer que respeito pra caramba o pessoal que tem fetiche por pés, mas pessoalmente não entendo o gosto. E por isso fiquei absolutamente chocada em saber que existe uma base para unhas com sabor caipirinha para animar a vida dos amantes de pés.

Recebi há pouco o release “Sabores do Amor lança primeira base comestível para unhas do mundo”. Achei que era voltada para o pessoal que rói unhas. Oh, no. O e-mail seguia com “disponível em diversos sabores, o produto promete dar mais calor às fantasias sexuais e também será atração na Erótika Fair 2014″. Foram necessários alguns segundos para cair a ficha e entender que a base tinha um público alvo bem diferente do que eu pensava.

Aos interessados: a base também está disponível nos sabores menta, pêssego, laranja e acerola, maçã, guaraná com açaí, chocomenta, champanhe, cereja, baunilha e morango. Diz o fabricante que basta passar três camadas, esperar 10 segundos e daí o pé está pronto para ser beijado ou…buenas, eu não sei direito o que mais.Um último alerta informado no material de divulgação: “não trata-se de um produto funcional. Não vibra, aquece ou esfria”.

Não vejo a hora de informar sobre este lançamento para o meu amigo virtual, o Rafael. Nunca nos encontramos pessoalmente, mas quase todos os dias, através do Twitter, ele pede para cheirar o meu chulé. Desculpem ser assim tão direta, mas é assim mesmo, diretaço, sem rodeios, que ele fala comigo. E não só comigo:

4

Ele manda pedidos para a ex-menina da Banheira do Gugu também…

3

Para a ex-Paquita e atual atriz da Globo…

2

…Para a vencedora da Fazenda.

Um dia eu resolvi perguntar para o Rafael porque ele passava o dia inteiro pedindo para cheirar o chulé de mulheres. Ele me concedeu uma entrevista pelo Twitter, com perguntas devidamente retuitadas para todos os meus seguidores (o cara é bem gente boa). A entrevista às avessas terminou assim:

chule

Antes disso, o Rafael me contou que sente prazer sentindo o cheiro do pé de mulheres e que até agora nunca achou ruim o aroma do pezinho das moçoilas. Me relatou ainda que já conseguiu cheirar o pé de famosas, mas não disse de quem. Ah, ô, Rafael, revela aí!

Eu com minha cebola com açúcar, o Rafael com a base de unhas sabor caipirinha. Coisas que só comprovam a máxima que gosto é gosto e não se discute: a gente tenta entender fazendo uma entrevista no Twitter.

:)