Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

UFC 165: a análise de Jon Jones vs. Gustafsson

20 de setembro de 2013 3

Neste sábado acontecerá o UFC 165, diretamente do Air Canada Centre, em Toronto, Canada.

Acompanhe aqui uma cobertura ao vivo, com os duelos preliminares começando por volta das 19:00hs (horário de Brasília).

Siga no Instagram e Twitter : cajufreitas

O Brasil estará representado por Renan Barão, Renee Forte, Michel Prazeres e Wilson Reis.

Na luta principal, o americano Jon Jones defenderá o seu Cinturão dos meio-pesados (até 93 kg) pela sexta vez contra o sueco Alexander  Gustafsson.

Jon Jones vs. Alexander Gustafsson

Jon Jones foto divulgação ufc

 

 

 

 

 

 

 

O campeão tem 18 vitórias e apenas uma derrota, vindo de nocaute sobre Chael Sonnen no UFC 159 no dia 27 de abril de 2013. Tentará a décima vitória consecutiva. A única derrota ocorreu no dia 05 de dezembro de 2009, na final do TUF 10, quando foi desclassificado ao aplicar cotoveladas ilegais da montada sobre Matt Hamill.

Jones nasceu no dia 19 de julho de 1987. Das 18 vitórias, 9 foram por nocaute, 6 por finalização e 3 por decisão.

O campeão conquistou o seu título ao nocautear Mauricio Shogun no UFC 128 em 19 de março de 2011. Em seguida, manteve o seu título por decisão no UFC 135 em setembro de 2011, onde superou Quinton Rampage Jackson. Após, finalizou Lyoto Machida no UFC 140 em dezembro de 2011 e superou Rashad Evans por decisão unânime – na sua terceira defesa – no UFC 145 no dia 21 de abril de 2012. Após, finalizou Belfort no UFC 152 em setembro de 2012. Vem de êxito sobre Sonnen.

Jon Jones terá como tática deixar a iniciativa para Gustafsson, tendo a certeza de que quanto mais o tempo passar, mais vantagem terá, pois detém um preparo físico superior.

Jones sabe que a sua envergadura (mais de 2 metros) faz a diferença, além de demonstrar uma tremenda versatilidade, tendo as cotoveladas giratórias, joelhadas voadoras e chutes rodados como reais perigos.

 A sensação americana possui um wresting (quedas) excelente e poderá trabalhar tal estratégia nos clinches (ficar bem perto do oponente, trocando pegadas) para botar a luta para o solo, lugar onde aplica golpes com maestria.

O fator determinante da batalha será o fator psicológico. Ora, a responsabilidade está toda nas costas de Jones. Por tal razão, a sensação do UFC deverá manter o foco e não se arriscar, sem entrar na pressão de “dar show”.

Alexander Gustaffson (d) é um dos responsáveis pela expansão do MMA na Europa foto: diculgação-ufc

 

 

 

 

 

 

 

Gustafsson tem 15 vitórias e um revés, vindo de vitória sobre Mauricio Shogun no UFC on Fox 5 no dia 08 de dezembro de 2012. Tentará a sétima vitória consecutiva. A sua única derrota ocorreu no UFC 112 no dia 10 de abril de 2010, onde foi finalizado pelo americano Phil Davis.

Assim como o Jones, Gustafsson se sente muito bem na luta em pé. Tem o boxe como grande arma.Das 15 vitórias, 9 foram por nocaute, 3 por finalizção e 3 por decisão.  O sueco já disputou torneios amadores de boxe e tem demonstrado que sabe aplicar muito bem golpes de enconto, além de ter mãos pesadas. Nasceu no dia 15 de janeiro de 1987.

Alexander fará a nona luta no UFC. A estratégia do sueco deverá consistir em manter a luta em pé, tentando levar por nocaute ou por pontos. Não deverá se aventurar no solo.

 Jon Jones é o favorito e deverá por nocaute ou finalização. Jones é o favorito e deverá vencer mais uma vez, mantendo o título do UFC.

Tudo sobre o UFC 165 aqui.

Vídeo com o raio x do UFC aqui.

” Acompanhe também Caju Freitas sempre às quintas na Zero Hora, aos sábados 20hs na Rádio Atlântida e com drops diários, às segundas no TVCom Esportes e aos sábados no RBS Esporte”.

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • Rafael machado da silva diz: 21 de setembro de 2013

    parabéns pelo trabalho !! Brasil no UFC

  • Alexandre diz: 22 de setembro de 2013

    Jones não mereceu vencer, que venha a revanche!!

  • Jão diz: 22 de setembro de 2013

    Na minha modesta opinião Jon Jones venceu a luta por um round. Quero esclarecer que torci pela derrota de JJ, porque ele é um lutador que pratica o antijogo, com excesso de cotoveladas e dedos nos olhos (é um lutador sujo) e que vence sempre com este artifício, busca tirar sangue com as cotoveladas, para assim, colocar a moral do adversário pra baixo. Em termos de regras isso não é proibido mas, me desagrada profundamente. Além disso, sempre se valeu de sua superioridade de altura. Pegando, agora, um adversário mais alto 2 centímetros, mostrou ser um lutador que não era “tudo aquilo” que os comentaristas falam. Caso pegasse alguns lutadores, no auge de suas carreiras, perderia (ex. Fedor, Cro Cop, Vitor Belfort e até mesmo Wanderlei Silva). A luta, no meu ver, se definiu nos dois primeiros sounds. No primeiro, dou vitória para AG (talvez poderia ser empate), no segundo, para JJ (talvez poderia dar empate), mas, depois disso, tudo ficou claro, Terceiro round para AG e o quarto e quinto para JJ = resultado 48 para JJ e 47 para AG. Tentei ser imparcial, mesmo torcendo para Alexander Gustafsson.

Envie seu Comentário