clicRBS
Nova busca - outros
28 mar16:38

ZIUREKA: Amores que invadem a vida profissional

Edna Lautert

1) Ele (a) não lhe dá sossego. Quando você menos espera aparece para dar um ‘oizinho’ em seu local de trabalho. Ou, se não aparece pessoalmente, dá uma ‘ligadinha’ pelo celular. De hora em hora, ou 15 em 15 minutos, para perguntar se está tudo bem, e pedir um balanço do que está acontecendo ao seu redor?

2) Sua esposa aparece de repente no seu local de trabalho para lembrá-lo que o limite de seu cartão de crédito estourou? Ou, simplesmente para dizer que você é o amor da vida dela.

3) E quando você precisa realizar aquela viagem a negócios, seu parceiro (a) decide, sem te consultar, que vai ser sua companhia. E, durante a viagem, enquanto você precisa se concentrar no planejamento e no tema a serem abordados, seu parceiro (a) decide discutir a relação?

4) Ela telefona para o escritório, bem no meio daquela reunião importante com o chefe?

Haja paciência para aguentar essa invasão desenfreada não é?

Se para você fica difícil, imagina para um colega de trabalho, ou a direção da empresa onde você trabalha? Pior: imagina a situação de um cliente ao ser apresentado para o seu (ou sua) o que mesmo? Assistente pessoal? Ah, ele (a) não é seu assistente pessoal, não entende nada de sua atividade profissional? Então o que está fazendo pendurado a você em horário comercial? Se liga!

Minha parceira (ou meu parceiro) não me dá sossego no trabalho é o tema desta coluna. Que, longe de ser uma banca sentimental, ou um parágrafo de autoajuda, pretende expor apenas o lado formal e protocolar das relações pessoais e de trabalho. Não é preciso lembrar que o local define tudo: meu local de trabalho. Portanto, logo, seu local de trabalho não é sua casa. E, como tal, exige que você se comporte. E o respeite.

E lembre-se: a regra vale para o local em que você esteja trabalhando, seja interno ou externo. Seja em horário comercial, ou fora dele. E, claro, da mesma forma a regra também vale para aquela vontade que você sente de trazer seu parceiro (a) para dentro do seu local de trabalho.

Separar as relações pessoais das relações profissionais é o primeiro requisito na vida de uma pessoa que queira ser lembrada pela ética profissional. E se você não consegue, com o mínimo esforço, impor limites para sua relação, não estaria na hora de trocar as suas relações?

Quem ama deve ser preso pelo coração!

* Edna Lautert é colunista do clicRBS Noroeste Missões

Por

4 Comentários »

  • Marcia disse:

    Os homens são mais inseguros com relação ao trabalho das mulheres. Mas, geralmente elas são mais paranoicas.

  • Jonathan disse:

    Não somos inseguros. Os homens geralmente não tem paciência para aguentar uma radio patrulha…kkkk

  • Fernanda disse:

    Nem todo homem é inseguro e nem toda mulher é tresloucada. Mas que essa invasão de privacidade é uma rotina constante, isso é.

  • Iris disse:

    Imagina você chamar um taxi e vir o taxista com a esposa junto para te carregar? Essa eu já vivi na pele. Ridículo.

Comentários