clicRBS
Nova busca - outros
25 mai14:10

Animais morrem de fome e sede em Joia

Roberto Witter / roberto.witter@zerohora.com.br

No município de Joia, no noroeste do Rio Grande do Sul, os efeitos da seca sobrepõem-se à paisagem da mesma forma que os ossos dos animais se destacam no couro magro e sofrido pela falta de água e alimento.

Produtor Élvio Machado, 65 anos, alimenta o gado com farelo de aveia. Foto: Roberto Witter, Agência RBS.

Em novembro, data da última chuva regular no distrito de São João Mirim, o produtor Élvio Machado, 65 anos, contabilizava 37 cabeças de gado no campo. Quase sete meses depois, são 33. A fraqueza matou quatro animais.

– A fome do gado eu nem tenho a esperança de matar. Mas se não tratasse, tinha morrido tudo – lamenta Machado.

Com as reservas de pasto nativo totalmente esgotadas, o pecuarista recorreu a rações a base de milho, feno, farelo de soja e de aveia. Calcula ter gasto mais de R$ 3 mil.

– Eu ia comprando aos poucos, porque tinha a esperança de que se chovesse a coisa iria melhorar – conta.

Os prejuízos com a seca se aproximam dos R$ 140 milhões em Joia. Só com a soja, principal cultura do município, foram R$ 77 milhões.

– A previsão era colher uma média de 47 sacas por hectare. No último balanço que fizemos, a conta fechou em 7,5 sacas – afirma Marcos Bremm, técnico agrícola da prefeitura.

Tamanho da redução de produtividade no Rio Grande do Sul:
- Soja: 43% a menos que a previsão inicial
- Milho: 42,57% a menos que a previsão inicial
- Feijão (1ª safra): 14,82% a menos que a previsão inicial
- Arroz: 9,51 a menos que a previsão inicial

Por

Comentários