clicRBS
Nova busca - outros
21 jul13:45

Operação prende 17 pessoas na região Noroeste

Roberto Witter / roberto.witter@zerohora.com.br

Uma operação da Polícia Civil prendeu 17 pessoas na manhã deste sábado, em municípios do noroeste do Estado. Batizada de Redução, a investida foi contra quadrilhas que atuavam no tráfico de drogas, jogo do bicho e praticavam assaltos. Entre os presos, está um policial militar, que atuava no município de Caibaté.

A investigação começou em fevereiro deste ano. Após prender um homem suspeito de vender entorpecentes no município de Porto Xavier, na fronteira com a Argentina, o bando começou a ser descoberto. Pela manhã, dez integrantes da quadrilha foram presos.

- Carregamentos de crack e cocaína saíam de São Luiz Gonzaga e iam para Porto Xavier. Já a maconha, era daquela região. Pode ser que entre pela Argentina, e que venha de outros países, como o Paraguai – explica o delegado Afondo Stangherling, que comandou a operação.

Além disso, outra quadrilha que atuava no jogo do bicho e praticava assaltos na região foi presa. Entre os quatro integrantes estava um PM. O proprietário de uma farmácia também foi preso por receptação.

- Esta quadrilha vinha sendo investigada há menos tempo. Eles são responsáveis por assaltar uma van de medicamentos e roubar a carga. Parte dos remédios estava na farmácia em que prendemos o dono – complementa o delegado.

Ao todo, 12 mandados de prisão e 33 mandados de busca e apreensão já foram cumpridos. Até o final da tarde, mais um suspeito, com prisão preventiva decretada, deve ser capturado.

Foram 144 policiais envolvidos, em 66 viaturas. Além de policiais de delegacias da região, uma equipe do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) também integrou a operação, que contou com a ajuda de cães farejadores.

A ação ocorreu nos municípios de Porto Xavier, Caibaté, Entre-Ijuís, Santo Ângelo, Santa Rosa e Santo Cristo.

Comente aqui
21 jul11:53

Polícia irá investigar morte de 18 cavalos em fazenda de São Luiz Gonzaga

A polícia de São Miguel das Missões investiga as causas da morte de 18 cavalos em uma propriedade rural do município vizinho, São Luiz Gonzaga, nas Missões. A denúncia partiu da Associação Miguelina de Proteção aos Animais de São Miguel das Missões.

Na manhã deste sábado, policiais militares do 2° Grupo de Polícia Ambiental de São Luiz Gonzaga foram até a localidade, para conversar com o proprietário e analisar os casos.

O dono dos animais, Osmar da Silva, nega negligência no trato com os cavalos, e explica que as mortes ocorrem em função da seca.

— Vou frequentemente à fazenda. Isso é normal, reflexo da seca. Em várias propriedades também morreram muitos animais. Tentei colocá-los (os cavalos) em outras áreas, mas o pasto não cresceu pela falta de chuva — explica.

Silva afirmou ainda que uma carga de aveia está para chegar à propriedade ainda neste sábado para a alimentação dos animais.

Comente aqui
21 jul08:19

Dilma sanciona lei que autoriza genéricos para remédios veterinários

lei que estabelece o medicamento genérico de uso veterinário foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff. A lei publicada nesta sexta, dia 20, no Diário Oficial da União, que entrará em vigor em 90 dias, conceitua os novos medicamentos veterinários e define os critérios para registro e comercialização.

Pela nova legislação caberá ao Ministério da Agricultura regular a produção e o emprego desses medicamentos, “que devem ter a mesma qualidade, eficácia e segurança dos produtos convencionais”. Por meio de nota, o governo informa que “a iniciativa busca disponibilizar no mercado produtos com um custo menor, atendendo a um anseio dos produtores rurais”.

A diretora substituta do Departamento de Fiscalização de Insumos Pecuários, Angélica Ribeiro, diz que os novos medicamentos serão avaliados com os mesmos padrões de garantia de segurança e eficácia utilizados para os produtos convencionais.

Após a adequação das normas vigentes para a inserção dos produtos genéricos, o Ministério da Agricultura passará a ser responsável pelo registro das substâncias e pelo acompanhamento de todo processo, desde a fabricação até o emprego dos medicamentos.

Entre as atribuições, o Ministério da Agricultura também fará análise de fiscalização do medicamento genérico, mediante coleta de amostras do produto na indústria e no comércio, para confirmação da bioequivalência (conformidade dentro das características e uso recomendado).

Segundo a nota, também caberá ao Ministério da Agricultura editar periodicamente a relação dos produtos de uso veterinário no país, seguida dos nomes comerciais e dos respectivos fabricantes. A lei determina que o Ministério da Agricultura promova programas de apoio ao desenvolvimento técnico-científico aplicado à melhoria da qualidade dos produtos de uso veterinário e de incentivo à cooperação técnica para aferição da qualidade e da eficácia de produtos farmacêuticos de uso veterinário.

Comente aqui
20 jul10:47

Estudo sobre Ponte Internacional Brasil-Argentina ainda não saiu do papel

Roberto Witter / roberto.witter@zerohora.com.br

Décadas de planejamento, três anos de espera oficial e nenhum dia de estudo ou obra. Prometida desde o início dos anos 2000, a Ponte Internacional Brasil-Argentina ainda não tem cidade definida. O Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) sequer começou, apesar de o contrato com o consórcio que fará o trabalho ter sido assinado em fevereiro.

O problema, segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), ocorre porque empresas argentinas não apresentaram toda a documentação legalmente necessária. Além de três empresas do país vizinho, uma consultoria brasileira integra o consórcio binacional, que receberá US$ 495 mil (cerca de R$ 990 mil) para executar o estudo.

O relatório, que deverá ser entregue 230 dias após a expedição da ordem de serviço, apontará quantas pontes deverão ser construídas e em quais locais. Porto Xavier e Porto Mauá, no Noroeste, e Itaqui, na Fronteira, estão no páreo. Vencida essa etapa, duas outras licitações devem ocorrer. A primeira para a elaboração do projeto executivo. A segunda para contratar da empresa responsável pela execução.

Secretário da Comissão Pró-Ponte Porto Xavier-San Javier, Lino Pauli afirma que a demora causa descrédito:

– Mais de 30% das pessoas da região não creem que a ponte será realmente construída, tamanha demora.

Em Itaqui, o problema é semelhante. A população enxerga as tratativas com desconfiança, apesar de a prefeitura entender, em parte, a demora.

– Se uma licitação para uma obra no município leva tempo, imagina uma construção que envolve dois países? A gente compreende que demora, mas trabalha para tentar agilizar – diz a vice-prefeita, Claudete Machado.

As três cidades apostam na ligação com o país vizinho para gerar empregos e aumentar a renda da população.

– Gera emprego na própria aduana, nos postos de combustíveis, restaurantes, hotéis – afirma o presidente da Fundação Pró-construção da Ponte Internacional Alba Posse-Porto Mauá, Airton Bertol.

Comente aqui
20 jul10:46

Suinocultores do noroeste do Estado protestam contra a crise no setor

Um protesto contra a crise na suinocultura pode complicar o trânsito no entroncamento da ERS-210 com a BR-468, entre São Martinho e Três Passos na manhã desta sexta-feira. O ato está marcado para as 10h30min, no local conhecido como Esquina Boa Vista.

Cerca de mil pessoas são esperadas para o ato organizado pelas associações de municípios da Grande Santa Rosa (AMGSR), Missões (AMM), Região Celeiro do Rio Grande (Amuceleiro), Zona da Produção (Amzop) e do Planalto Médio (Amuplam)e faz parte do movimento Preço Justo para Produzir.

O objetivo é chamar a atenção para as dificuldades vividas pelos produtores, como os baixos preços pagos pelo suíno e a alta dos insumos. A venda da carne ocorre em menor quantidade devido ao embargo russo e o problema recente com a Argentina, que restringiu a compra do produto brasileiro durante três meses. Além disso, o custo de produção foi elevado devido à alta nas rações, em função do preço do milho e do farelo de soja – produtos base e que estão mais escassos por causa da estiagem.

Nesta quinta-feira, o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, anunciou a liberação de R$ 200 milhões em crédito especial para o setor. O ministério informou que as dívidas de custeio vencidas ou com vencimento até janeiro de 2013 serão prorrogadas. Já as parcelas de investimento serão adiadas por um ano após o vencimento da última mensalidade. Entretanto, os produtores não ficaram satisfeitos pois, segundo o presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador, faltou uma medida de impacto direto e imediato ao produtor.

— Estamos trabalhando com os ministérios da Agricultura e da Fazenda uma subvenção direta ao produtor, que vende o suíno por um valor abaixo do preço de produção. A proposta é que o governo pague um subsídio de até R$ 0,60 por quilo, para diminuir essa diferença — explica.

Comente aqui
19 jul11:15

Abate clandestino de ovinos chega a 92% no Brasil

Roberto Witter / roberto.witter@zerohora.com.br

A alta carga tributária e a falta de matéria-prima são os principais vilões dos frigoríficos que comercializam carne ovina no país. Com isso, cresce a clandestinidade. Segundo números da Associação Brasileira dos Criadores de Ovinos (Arco), apenas 8% dos abates feitos no Brasil ocorrem de maneira oficial.

No Rio Grande do Sul, a estatística não é tão cruel. Presidente da Arco, Paulo Schwab estima que o número de abates informais no Estado seja de 70%.

— Frente os índices nacionais, este número é considerado bom. Óbvio que o ideal é que a cadeia produtiva se organize mais para aumentar este índice. No frigorífico, fica certificado que os animais estão livres de zoonoses. Além disso, os cortes da carne também são mais definidos, bem embalados, o que aumenta o valor comercial — explica Schwab.

Apesar de os produtores demonstrarem vontade de modificar a estatística, os impostos são altos e faltam animais no mercado. A desorganização acaba beneficiando os países vizinhos.

O empresário Antônio Waihrich é um exemplo. No frigorífico que possui desde 2001 em Dom Pedrito, na região da Campanha, ele abate somente ovinos. São 500 cabeças por dia. O negócio será ampliado, só que no Uruguai.

Uma planta da empresa deverá operar a partir de outubro na cidade de San José, distante cerca de 80 km de Montevidéu. O novo empreendimento terá capacidade de abater até 2 mil animais por dia.

— Só de PIS/Cofins, a carne ovina paga 9,25% do valor em impostos, enquanto aves e suínos, por exemplo, são isentos. No Uruguai o imposto é menor. Além disso, o país está apto a exportar para Estados Unidos e União Européia. O negócio lá se torna mais rentável que aqui — afirma Waihrich.

Números do Brasil

— 85 mil toneladas de carne ovina são consumidas por ano
— 80 mil toneladas são produzidas no país. O restante é importado do Uruguai
— 6,4 mil toneladas de carne são oriundas de abate em frigoríficos
— 73,6 mil toneladas de carne ovina são abatidas na clandestinidade

Fonte: Associação Brasileira dos Criadores de Ovinos (Arco)

Comente aqui
19 jul11:13

Inquérito policial sobre adolescente grávida que sumiu deve ser enviado à Justiça em 30 dias

Carlos Wagner / carlos.wagner@zerohora.com.br

Sem encontrar indícios consistentes na investigação que há um ano apura o sumiço de Cíntia Luana Ribeiro Moraes, 14 anos, grávida de sete meses, da cidade de Três Passos, a delegada Caroline Bamberg Machado deverá enviar à Justiça o inquérito policial como um caso de desaparecimento.

O caso é acompanhado com grande interesse pela opinião pública, em especial dos moradores do Alto Uruguai, região agrícola separada pelo Rio Uruguai da Argentina.

— Aguardo um depoimento e uma perícia técnica, caso não venha aparecer nada relevante que ligue o caso a um possível homicídio, eu vou encerrar o inquérito e remetê-lo à Justiça como desaparecimento — afirmou Caroline, titular da Delegacia de Polícia Civil de Três Passos.

A previsão é que o inquérito policial seja remetido à Justiça em 30 dias. A investigação iniciou no dia em que ela desapareceu, ao entardecer de 13 de julho, depois de um encontro com jovem agricultor de 26 anos, casado, apontado como responsável pela gravidez.

Em depoimento à polícia, o agricultor admitiu que a encontrou e lhe deu R$ 10 mil para custear as despesas do parto. E para que ela ficasse longe de Três Passos, para evitar que sua mulher descobrisse a traição conjugal. Ele se tornou o principal suspeito pelo sumiço.

A investigação policial produziu um inquérito de 600 páginas, onde constam depoimentos de 62 pessoas, resultado negativo de escavações feitas em vários locais em busca do possível paradeiro dos restos mortais e informações obtidas com a quebra dos sigilos telefônicos e bancários de familiares e suspeitos.

— A minha vida foi revirada do avesso pela polícia e nada foi encontrado. Ninguém quer mais que ela seja encontrada do eu, podem apostar — afirmou, na manhã de ontem, por telefone a Zero Hora, o jovem agricultor suspeito pelo desaparecimento.

A busca

Em novembro do ano passado, o agricultor, que não teve o nome divulgado pela Polícia Civil, havia conversado com ZH. No mês passado, um dos parentes dele forneceu à Brigada Militar (BM) uma pista sobre o possível paradeiro de Luana.

Ela estaria vivendo em Colonia Aurora, município argentino de 8 mil moradores, separado pelo Rio Uruguai de Novo Machado, uma cidade agrícola gaúcha de 4,5 mil moradores. A fronteira fica a 120 quilômetros de Três Passos e o controle do vai-e-vem de pedestres entre os dois países é quase inexistente. Um dos motivos é que a maioria das pessoas que moram no município argentino é brasileira.

A pista do possível paradeiro de Luana, na Argentina, foi investigada pela BM, que esteve lá duas vezes, e por agentes da Delegacia de Polícia Civil de Três Passos, que vasculhou a área e conversou com um rapaz que seria o namorado de Luana. Ela não foi encontrada. A delegada Caroline oficializou um pedido para as autoridades argentinas ajudarem na investigação.

— Eu também estive na Argentina à procura de Luana e não encontrei nada. Não acredito que ela tenha fugido da família, o meu coração quer que ela esteja viva. Mas já se passou mais de um ano, um tempo muito longo, e já acredito no pior: ela caiu em uma armadilha e perdeu a vida — conclui Ivone Moraes, 55 anos, mãe de Luana.

A família da desaparecida vai pressionar a delegada para que o inquérito não seja concluído sem que ela seja encontrada, viva ou morta.

Comente aqui
18 jul14:26

Tucunduva elege soberanas da Festa do Músico e Feicam neste sábado

O município de Tucunduva elege neste sábado, dia 21 de julho, as soberanas da 25ª Festa do Músico e IV Feicam. O evento ocorre no salão paroquial de Tucunduva, a partir das 21h, e tem a animação do Musical Carruagem, Play Sonorizações e Dj Madruga.

As candidatas passarão por duas avaliações. A primeira já foi realizada, na terça-feira. As concorrentes foram avaliadas individualmente, através de uma entrevista que abordou conhecimentos sobre o município e a história da cidade e dos eventos.

No baile de escolha haverá desfile das candidatas, onde serão observados critérios como desenvoltura, beleza, simpatia e desempenho na passarela.

>> Conheça as candidatas


Comente aqui
18 jul14:12

Russos vão inspecionar oito frigoríficos no Rio Grande do Sul

Roberto Witter / roberto.witter@zerohora.com.br

Uma reunião entre os principais secretários do Ministério da Agricultura definiu nesta terça-feira à tarde o roteiro da visita russa a frigoríficos brasileiros. No Rio Grande do Sul, oito plantas deverão ser vistoriadas.

Segundo o superintendente do Ministério da Agricultura no Estado, Francisco Signor, o roteiro ainda poderá sofrer modificações, já que o documento será enviado ao Ministério da Agricultura da Rússia, para que seja aprovado. A comitiva irá avaliar as condições sanitárias e deve chegar ao Estado na noite da próxima segunda-feira. A previsão é de que fiquem até 2 de agosto. Nesse período, irão observar o abate de suínos, bovinos, aves e equinos.

– É uma previsão inicial. Pelo que temos até o momento, serão oito frigoríficos vistoriados – afirma Signor.

A missão é vista como válvula de escape para o produtor de suínos, já que o embargo russo, imposto em junho do ano passado a Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso, é uma das causas da crise vivida pelo setor no Estado. O país era o destino de 70 % da produção gaúcha.

– É o que compra os melhores cortes e paga mais. Outros mercados tiveram de ser encontrados, mas compram menos e exigem maior logística, o que aumenta o custo – explica o diretor executivo do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Estado, Rogério Kerber.

Para o presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul, Valdecir Folador, a reabertura do mercado russo seria uma forma de diminuir a pressão sobre os preços.

O ROTEIRO
_ Frigorífico Marfrig, abate de bovinos, Alegrete
_ Frigorífico Floresta, abate de equinos, São Gabriel
_ Frigorífico Silva, abate de bovinos, Santa Maria
_ Brasil Foods, abate de suínos, Lajeado
_ Brasil Foods, abate de aves, Lajeado
_ Frigorífico Frinal, abate de aves, Garibaldi
_ Frigorífico Alibem, abate de suínos, Santa Rosa
_ Frigorífico Alibem, abate de suínos, Santo Ângelo

Comente aqui
17 jul13:36

Santo Ângelo recebe mais 3 mil doses da vacina contra a Gripe A

Roberto Witter / roberto.witter@zerohora.com.br

O município de Santo Ângelo, nas Missões, recebeu mais 3 mil doses da vacina contra a Gripe A. As imunizações ocorrem desde as 8h, e devem se estender até as 16h. A vacinação se restringe apenas aos grupos de risco, formados por idosos, gestantes, portadores de doenças crônicas e crianças de até 10 anos.

A vacina pode ser encontrada em três locais: o Centro Social Urbano, no bairro Pippi, o Posto Ernesto Nascimento Sobrinho, na Rua 22 de Março, e a sede da secretaria Municipal de Saúde, no centro da cidade.

Veja mapa das mortes por gripe A desde 2009
Leia mais notícias sobre a gripe A

Pela manhã, o movimento foi considerado dentro da normalidade, se comparado às outras fases da campanha de vacinação. A imunização ocorre por ordem de chegada e cerca de 1,5 mil doses já foram aplicadas.

A Brigada Militar e o 1º Batalhão de Comunicações do Exército ajudam na organização das filas.

Comente aqui