clicRBS
Nova busca - outros

agricultura

17 mai11:22

Grandes produtores de trigo, Paraná e Rio Grande do Sul vivem situações opostas no cultivo do cereal

Os dois Estados que mais produzem trigo no país vivem situações diferentes na região Sul. O Paraná deve ter a menor área plantada dos últimos 37 anos, segundo o Departamento de Economia Rural do Estado, com 785 mil hectares. Já no Rio Grande do Sul, a expectativa é de um aumento de 10% na área destinada ao cereal, cujo plantio começa nas próximas semanas.

Em 2011, os produtores gaúchos plantaram 932 hectares de trigo, de acordo com a Emater. O assistente técnico da empresa Alencar Rugere aponta que a preocupação é que este crescimento não seja resultado de um cenário positivo de mercado, mas da frustração provocada pela seca.

– O produtor está tentando buscar uma solução diante de um fato ocorrido anteriormente, que foi a dificuldade na soja. O que temos que ter é uma atividade com planejamento. Quer dizer, o que eu vou fazer daqui a um, dois ou três anos dentro da atividade, com rotação de cultura, com planejamento da atividade, que é onde a atividade mais peca? Talvez seja no planejamento da atividade. É onde nós deveríamos ser mais eficientes – diz.

O produtor rural João Batista da Silveira afirma que dedicará mais de 200 hectares de sua propriedade, em Passo Fundo (RS), à cultura de inverno. Segundo ele, metade de sua lavoura de soja foi perdida na última safra. A intenção é tentar reduzir o prejuízo.

– O trigo seria a maneira de recuperarmos o poder aquisitivo que perdemos com a soja. Então, o trigo realmente nos dá um alento – relata.

O engenheiro agrônomo da Embrapa Trigo Fabiano de Bona, no entanto, pontua que há boas notícias provenientes das análises de solo feitas em laboratórios. Elas mostram que, por causa da seca, a terra perdeu menos nutrientes. Desta forma, os produtores podem economizar com a adubação.

– Como tivemos uma safra de verão com uma produtividade baixa e pouca chuva, houve pouca perda dos nutrientes, de fertilidade do solo, que ele acabou aplicando – explica.

Comente aqui
10 mai10:29

Conab: safra de grãos deve ser menor, apesar de aumento da área plantada

A estimativa de área plantada com grãos no país na safra 2011/2012 é 51,68 milhões de hectares, de acordo com o oitavo levantamento feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgado nesta quinta-feira. A área é 3,6%, ou 1,81 milhão de hectares, maior do que a plantada na safra anterior, 49,87 milhões de hectares.

Apesar desse aumento, o volume colhido deve ser 160,06 milhões de toneladas, uma queda de 1,7% em relação ao ciclo 2010/2011, que atingiu o recorde de 162,8 milhões de toneladas.

Segundo a Conab, o principal motivo da queda de produção foram as condições climáticas desfavoráveis, principalmente no período entre 15 de novembro de 2011 e 15 de janeiro deste ano.

A estiagem na Região Sul e em parte do Sudeste, além do sudoeste de Mato Grosso do Sul, afetou as lavouras de milho e soja, os dois principais produtos em volume plantado.

As culturas que cresceram em área foram as de milho e soja. Arroz e feijão sofreram redução de área plantada. De acordo com a Conab, o feijão, a queda se deve a problemas de comercialização, à estiagem no Nordeste e a preços baixos. No caso do arroz, a redução ocorreu por falta de água nos reservatórios, aumento do custo de produção e também preço pouco atrativo aos produtores.

Fonte: Agência Brasil

    Comente aqui
    01 mai15:30

    Novidade na Fenasoja: Gir Leiteiro é alternativa de produção de leite a baixo custo

    Uma raça que se destaca pela rusticidade, longevidade produtiva e reprodutiva, baixo custo de mantença e versatilidade nos cruzamentos é novidade na exposição pecuária da 19ª Feira Nacional da Soja (Fenasoja) em Santa Rosa. Além das tradicionais Holandesa e Jersey, podem ser conferidos 20 animais da raça Gir Leiteiro, em exposição no Parque Municipal Alfredo Leandro Carlson.

    Quem pretende produzir leite a baixo custo tem nessa raça uma interessante alternativa. Segundo o coordenador do Núcleo Gaúcho de Criadores de Gir Leiteiro do Rio Grande do Sul, José Amaral, vale a pena apostar na criação de animais desta raça.

    _ Trata-se de um animal rústico, que tem alta capacidade de conversão alimentar. Como produz leite a pasto, seu grande diferencial é a produção de leite a baixo custo. Ainda, é resistente a parasitas_ afirma Amaral, que cria 70 cabeças da raça Gir, em sua propriedade em Caxias do Sul.

    Pela sua rusticidade, o Gir Leiteiro, originário da India, tem menor custo de alimentação, medicamentos e assistência veterinária.

    Com inserção recente no Estado, Amaral diz que a raça já apresenta crescimento na comercialização.

    _ O Estado do Rio Grande do Sul foi o segundo maior comprador de sêmen dessa raça em 2011. Ficou atrás apenas de Minas Gerais. O número de doses compradas em 2011 ultrapassa 63 mil.

    O agricultor Sandro Altair Taminski, 32 anos, se interessou nos benefícios e resolveu apostar na criação de Gir Leiteiro no ano passado. Morador de Porto Vera Cruz, no noroeste do Estado, possui 25 animais que produzem em media 15 litros já em sua primeira lactação.

    _Mesmo que seja mais comum em outras regiões do Estado é possível criar no noroeste porque o clima é o mesmo. Na primeira lactação a média de produção de leite é de 13 a 17 litros, se a alimentação for a pasto. A vaca adulta produz normalmente de 30 a 40 litros_conta Taminski.

    O Gir Leiteiro também é conhecido pelo bom temperamento que facilitam a ordenha, seja manual ou mecanizada. A docilidade da raça aliada a um bom manejo possibilitam a produção de leite em larga escala.

    A Pecuária é uma das atrações da Fenasoja, que será realizada até o dia 6 de maio, no Parque de Exposições de Santa Rosa.

    Comente aqui
    01 mai08:43

    Começa nesta terça-feira campanha de vacinação contra aftosa

    Foto: Luís Frey, especial

    Nesta terça, 1º, será dada a largada para a primeira etapa da Campanha da Vacinação contra a Aftosa no Rio Grande do Sul. Pecuaristas devem vacinar os rebanhos bovinos e bubalinos até o dia 31 de maio. Uma das novidades da campanha deste ano é a doação de vacinas para proprietários enquadrados nos critérios do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e da Pecuária Familiar, com até cem cabeças. Nas edições anteriores recebiam gratuitamente a vacina os proprietários que tinham até 50 animais. O Governo do Estado, através da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa), investiu R$ 12 milhões na aquisição de 6 milhões de doses para atender à demanda.

    A expectativa da Seapa é que nesta primeira etapa sejam imunizados 134,5 milhões de animais.

    Na região de Santa Rosa, o lançamento da campanha ocorrerá amanhã, a partir das 13h30min, na propriedade rural de Antônio Frohlich, em Santo Cristo.

    Comente aqui
    22 abr09:08

    Sistema que combina produção de árvores, pastagens e gado será apresentado durante 19ª Fenasoja

    Há poucos dias da feira, a área da Exporural aguarda com atrações tecnológicas e novidades de cultivo e manejo

    Durante a 19ª Fenasoja, em Santa Rosa, uma ampla área deve apresentar  novas alternativas de cultura e manejo, especialmente para a região que sofre frequentemente com intempéries climáticas. Com espaço ampliado, a Exporural apresenta ideias alternativas para os produtores locais. Para além da tradicional cultura de milho, soja e trigo, surge a proposta de apostar na silvicultura, em função da crescente demanda de madeira para construção e móveis.

    O sistema silvipastoril é uma forma de agregar renda em um mesmo espaço de terra.  Ao mesmo tempo que o produtor adere à silvicultura – exploração econômica da madeira – ele pode investir na pecuária e na produção de pastagens. Portanto, na mesma área pode-se produzir eucaliptos, por exemplo, e combinar com o plantio de pastagem e criação do gado.

    A combinação intencional entre árvores, pastagens e gado, além de ser benéfico para o bolso do produtor, é uma forma sustentável de

    Sistema silvopastoril combina plantio de árvores e pastagens com a criação de gado

    criação dos animais.

    _ Além da alimentação do gado, investe-se no bem estar-animal, à medida que as árvores disponibilizarão sombra durante o pastoreio. Ainda haverá proteção para o desenvolvimento da pastagem_ explica o presidente da Exporural Gabriel Augusto Weber.

    Durante o evento serão apresentados cinco cultivares de eucalipto, adequados para a produção de móveis e aplicação na construção civil. As árvores e as forrageiras que serão apresentadas durante a Fenasoja permanecerão no Parque, onde será criada uma área de produção permanente. Assim, será possível acompanhar o desenvolvimento do local nas próximas edições da feira.

    Na Exporural, os visitantes poderão conferir ainda, cultivares e tecnologias aplicadas no plantio de milho e soja, quintais orgânicos com árvores frutíferas cultivadas e nativas da Embrapa, case de aplicação de agroenergia, avicultura colonial proposta pela Emater, estandes de grandes empresas do agronegócio e palestras técnicas em diferentes áreas.

    O evento ocorrerá paralelamente à 19ª Fenasoja, de 27 de abril a 6 de maio, no Parque Municipal de Exposições de Santa Rosa.

    Valores dos ingressos

    No primeiro dia da feira, quando ocorrerá o show de Luís Carlos Borges e Careca, a entrada ao parque será franca. Nos demais dias, o ingresso será de R$ 5,00, com direito a acesso aos shows, com excessão da quarta-feira, dia 2 de maio, quando será promovido o show de Guilherme e Santiago. Nesta data, o ingresso será de R$ 5,00 até às 14h, e a partir deste horário, R$ 25,00. Também haverá venda de ingressos antecipados, a R$ 15,00.

    Comente aqui
    20 abr18:25

    Santo Cristo recebe visitantes na 3ª Mostra da Agricultura Familiar

    O Parque Municipal de Exposições José Reinoldo Steffens de Santo Cristo deve estar movimentado neste final de semana. O município abriu hoje, a programação da 3ª Mostra da Agricultura Familiar, que vai até o domingo.

    A Mostra busca divulgar as potencialidades econômicas e culturais do municípios inerentes à agricultura familiar.

    No Pavilhão da Agricultura Familiar estarão expostos produtos de agroindústrias, da agricultura familiar, artesanato, floriculturas e entidades do município. Os espaços externos do Parque de Exposições serão ocupados por instituições agropecuárias e empresas de maquinário agrícola.

    Paralelamente, no pavilhão de Indústria e Comércio será palco do Liquida Santo Cristo, com a exposição do comércio local.

    Na área da agricultura terá destaque a demonstração de diferentes culturas por parte de empresas, cooperativas, Casa Familiar Rural, Emater, Fepagro, Embrapa e Secretaria Municipal da Agricultura. Além disso, estará sendo exposto gado de corte, leiteiro e pequenos animais.

    Shows, apresentações culturais, praça de alimentação e parque de exposições também serão atrações da Mostra.

    Confira a programação deste final de semana:

    Sábado

    9h – Reunião de avaliação da 35ª Romaria da Terra (AABB)

    9h – Palestra “Antes e depois das barragens” – Centro de Geração e Renda. Promoção: ACISA

    10h – Abertura dos portões

    10h30min – Momento literário com escritores de Santo Cristo e presença do apresentador Paulo Brito

    11h – Entrega das casas da Cresol no loteamento Pôr do Sol

    12h – Almoço

    12h – Programa Loco Véio – Rádio Mais FM

    14h – Show de bandas locais

    14h – Oficina “Apresentação de culturas de diversificação”

    15h – Julgamento Gado de Corte e Mostra da Terneira

    16h – Desfile com o Bierwagen pelo Parque, com música

    22h – Show Gaúcho da Fronteira e Banda Mercosul

    Domingo

    9h – Missa Campal com o Coral Santa Cecília

    10h – Abertura dos Pavilhões

    12h – Almoço

    14h – Grupo de Danças Blumengarten, CTG Rancho da Amizade e Coral “O Som do Coração” da ELO

    15h – Show com o Grupo Vocal Sol Maior

    17h – Sorteio da Campanha “Compre Mais em Santo Cristo”

    18h às 20h – Show com o Grupo Mino e Cia

    Comente aqui
    18 abr14:53

    Porto Mauá prorroga decreto de emergência e reforça ações de combate aos efeitos da seca

    Foto: Defesa Civil de Porto Mauá, divulgação/

    Há mais de 150 dias com situação de emergência decretada pouco mudou no cenário formado pela seca no município de Porto Mauá. Com o baixo índice pluviométrico registrado a Secretaria de Obras, Agricultura e departamento de Assistência Social prorrogou o decreto de emergência por mais 30 dias, a contar de 9 de abril.

    Segundo laudo técnico elaborado por entidades locais, as perdas nos 4 mil hectares de soja cultivados no município chegam a 78% em

    Defesa Civil de Porto Mauá, divulgação

    relação à expectativa inicial.

    Além da soja, os prejuízos decorrentes da escassez de chuva puderam ser sentidos nas lavouras de milho safrinha e na produção de leite. Riachos estão abaixo do nível normal e bebedouros secaram

    _Riachos que nunca secaram, agora estão secos. Também sofremos porque a economia do município é altamente dependente do fator agrícola_ afirma o secretário executivo da Defesa Civil Adilson José da Costa.

    Diante da situação crítica, o município continua a realizar ações como limpeza de bebedouros, fornecimento de água com caminhão tanque com capacidade de 6 mil litros, visitas técnicas, cessão de uso de caixas de água, mangueiras, insumos e sementes.

    Segundo Costa, foram adquiridos equipamentos agrícolas – trator, recadeira, pulverizador, ensiladeira, canterizador e trituradores – para fortalecer a patrulha agrícola e para sessão de uso de grupos de associados.

    Os produtores rurais que necessitam de ajuda devem comunicar suas necessidades na Secretaria de Obras, Agricultura e departamento de Assistência Social. Após analise técnica e averiguação de aspecto legal são atendidas as demandas.

    Defesa Civil de Porto Mauá, divulgação

    Comente aqui
    12 abr12:06

    Manifestantes de 74 municípios participam do 2º Grito de Alerta Missões Fronteira Noroeste em Santa Rosa

    Agricultores de 74 municípios do noroeste gaúcho estão reunidos em Santa Rosa nesta quinta-feira como forma de mobilização por melhores condições de trabalho no campo. O 2º Grito de Alerta Missões Fronteira Noroeste, que conta com a participação de aproximadamente 5 mil pessoas,  busca chamar atenção da sociedade e dos governantes sobre a importância da agricultura familiar, especialmente neste momento sócio-econômico delicado em função da seca.

    De acordo com o vice-presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag) Carlos Joel da Silva, presente no evento, a luta é por condições e recursos que mantenham o jovem no campo e incentivem a prática da agricultura familiar. Entre as reivindicações estão a liberação de recursos para os atingidos pela seca; garantir os direitos já adquiridos pela agricultura familiar e que não estão sendo cumpridos; renegociação das operações de crédito fundiário, cédula da terra e banco da terra; e, entrega da semente de milho do programa troca-troca até o final de junho.

    Diante da seca que atingiu o Estado neste ano, os manifestantes pedem também seguro de um salário mínimo, durante seis meses, emcasos de perdas com evento climático através de decreto ou por laudo de comprovação de perdas emitidos por órgão oficial; e isenção de impostos para aquisição de equipamentos de proteção, irrigação e captação de água na agricultura familiar.

    O agricultor familiar Horácio Barbosa Gomes, 59 anos, percorreu em torno de 150km para participar da manifestação em Santa Rosa. Com os prejuízos da seca teve que reduzir sua criação de gado de 33 para nove unidades.

    _Precisamos nos mobilizar para ver se tem um jeito de melhorar a vida. Moramos apenas eu e minha companheira e precisamos sobreviver. Com a prorrogação de prazo dos financiamentos, teríamos chance de melhorar a situação_ afirmou o agricultor, enquanto segurava uma faixa com os dizeres “Somos um movimento de luta e de representação em busca de uma sociedade justa e igualitária”.

    A caminhada dos agricultores partiu da Praça da Independência e passará ao longo do dia em frente a instituições bancárias de Santa Rosa, com paradas para debates, uso da palavra e refeições. O evento deve se prolongar até às 16h de hoje.

    Comente aqui
    11 abr10:34

    Grito de Alerta Missões reunirá em torno de 5mil manifestantes em Santa Rosa

    Nesta quinta-feira, dia 12, mais de 5 mil pessoas são esperadas na 2º edição do Grito de Alerta Missões Fronteira Noroeste, em Santa Rosa. A proposta da mobilização é mostrar à sociedade e autoridades os principais problemas que os trabalhadores rurais enfrentam em seu dia-a-dia.

    Conforme o presidente da entidade promotora do evento, Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag) Elton Weber, a luta da agricultura familiar é por garantia de renda na atividade rural, o campo com gente trabalhando, contra o êxodo rural, o direito ao acesso à terra, pela manutenção dos direitos previdenciários e pela garantia da produção de alimentos.

    Durante a caminhada os participantes da mobilização poderão fazer uso da palavra.

    Confira a programação do evento:

    8h: Recepção das caravanas

    9h30min: Abertura oficial com pronunciamento de autoridades na Praça da Independência (próximo ao Pórtico da Xuxa)

    10h: Início da caminhada com paradas na parte da manhã na Agência da Previdência Social, Banco do Brasil, Banrisul e Caixa Econômica Federal.

    12h30min: Almoço no Parcão

    13h15min: Retorno da caminhada com parada na Agência do Sicredi e Trevo do MTG ( de acesso a Santo Cristo).

    15h45min: Previsão de encerramento com pronunciamento de autoridades no Trevo.

    Comente aqui
    10 abr15:34

    Programa de produtividade de leite garante ‘Balde Cheio’ em Três de Maio

    Foto: Ramone Pacheco, divulgação

    Em dois anos de efetivação do programa de produtividade e qualidade do setor lácteo, Balde Cheio, propriedades rurais de Três de Maio registram significativa ampliação da produtividade de leite. De acordo com o Secretário Municipal de Agricultura Valdir Ortiz, a maioria ampliou a média de sete para doze litros de leite vaca/dia.

    O Balde Cheio – resultante de convênio entre Cooperideal, Embrapa e Emater – surgiu com a meta de atender a demanda de leite de empresas do setor instaladas na região. Além de aumentar a produtividade, a finalidade é avançar na qualidade do leite e reduzir os custos da produção, mantendo o mesmo número de vacas em lactação.

    Para se alcançar estes resultados, a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente disponibiliza uma assessoria técnica para a implantação de novas tecnologias nas propriedades, com a aplicação de metodologia recomendada pela Embrapa.

    _O sucesso do Projeto foi tanto, que este processo será replicado em Três de Maio e implementado em mais quatro municípios, através de uma Unidade Demonstrativa e 20 Unidades Assistidas_destaca Ortiz.

    Independência, Horizontina, Boa Vista do Buricá e São José do Inhacorá identificaram o potencial do programa e optaram por aderir à ideia, por meio de da FUNCAP-FBB/BNDES, com apoio das prefeituras municipais, Emater e os mantenedores da Funcap.

    Além destes, o Projeto Balde Cheio despertou a curiosidade de autoridades de Santo Cristo, que foram a campo para conhecer a metodologia aplicada nas propriedades de Três de Maio.

    No distrito de Barrinha, a realidade da família Zimpel, impressiona.

    _Antes utilizávamos da pecuária leiteira apenas como complemento às atividades, e nossa produção era pouca, cerca de 123 litros de leite por dia. Mas a situação mudou, e hoje entregamos diariamente 298 litros de leite, sendo que já alcançamos a litragem de 325 em um único dia_ relata a produtora Neide Zimpel.

    A produção de leite ajudou a minimizar os efeitos financeiros negativos em virtude da seca, sendo que as perdas nas lavouras de milho e soja foram quase totais.

    Neide ressalta que nunca esperou chegar ao resultado de hoje, e que se não

    _Se continuarmos aumentando nossa produção, ano que vem iremos trabalhar apenas com o leite_comenta Zimpel.

    >> Com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Três de Maio

    Comente aqui