clicRBS
Nova busca - outros

educação

29 nov09:02

FEMA lança projeto para estudantes retornarem aos estudos

Com o lançamento do projeto ‘Rede de Progresso’, as Faculdades Integradas Machado de Assis pretendem proporcionar condições àqueles alunos que tenham abandonado seus estudos de retornar a fazer um curso superior.

De acordo com o Diretor Geral das Faculdades Antonio Ternes, o projeto é para acadêmicos regulares da FEMA.

_ Os acadêmicos que conseguirem trazer outro aluno que tenha abandonado ou trancado um curso superior da FEMA ou de qualquer outra Instituição de Ensino Superior receberá um desconto de 15% no valor da mensalidade até o final do curso _ destaca Antonio.

O acadêmico em situação de abandono ou trancamento de curso que aceitar o convite de retorno aos estudos também receberá um desconto de 15% no valor da mensalidade até o final do curso.

Outras informações podem ser obtidas pelo fone (55) 3511-3800.

Informações: Assessoria de Imprensa da FEMA

Comente aqui
28 nov11:20

Professores estaduais estão em vigília em Santo Ângelo

Um grupo de professores e funcionários de escolas estaduais está desde as 6h desta segunda-feira, em frente à 14ª Coordenadoria Regional de Educação, em Santo Ângelo, nas Missões.

O objetivo é pressionar o governo a receber o comando da greve para negociar os itens que levaram à paralisação. Os professores do 9º Núcelo do CPERS simulam aulas de matemática, por exemplo, para calcular os gastos e a arrecadação com o salário atual. A manifestação é pacífica e deve continuar até que sejam definidas as próximas estratégias de reivindicação.

Comente aqui
25 nov16:14

Escola Nossa Senhora de Fátima tem alunos-repórteres

O projeto clic nas Escolas está colhendo seus primeiros frutos. Nesta quinta-feira, dia 24, a comunidade conheceu os alunos-repórteres da Escola Municipal Nossa Senhora de Fátima de Santa Rosa, que lançou oficialmente seu blog.

Os principais acontecimentos e eventos da escola do bairro Sulina, que atende 620 alunos da educação infantil a 8ª série, poderão ser conferidos nesta ferramenta de comunicação, que resultou de oficinas promovidas pelo clicRBS Noroeste Missões com os alunos.

Para conhecer o blog desenvolvido pelos alunos, acesse emefnossasenhoradefatima.blogspot.com. A comunidade também pode participar, enviando sugestões de textos, vídeos e fotos, para escnossasenhoradefatima@gmail.com.

Até 2013, pretende-se implantar blogs nas 27 escolas públicas de Santa Rosa. Durante a solenidade de lançamento do primeiro blog do projeto clic nas Escolas, a Nossa Senhora de Fátima mostrou porque merece ter seus talentos valorizados. Confira as fotos registradas pelo aluno-repórter Léo Kraszuk:

>> Clique aqui para assistir à reportagem conduzida pela aluna-repórter Ângela Teufelt, para o Jornal do Almoço

Comente aqui
24 nov11:39

MEC emite autorização para implantação do Curso de Engenharia Elétrica em Santa Rosa

Antes mesmo dos vestibulandos do curso de Engenharia Elétrica da UNIJUÍ Campus Santa Rosa realizarem a prova do Vestibular de Verão , e três meses antes do começo do primeiro semestre letivo de 2012, a Universidade recebeu a portaria de autorização de funcionamento do curso. A informação foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, 24 de novembro. Com esta publicação, os estudantes que cursarem Engenharia Elétrica em Santa Rosa também poderão ter acesso aos benefícios do Governo Federal para as IES comunitárias (FIES e PROUNI).

O Pró-Reitor da UNIJUÍ Campus Santa Rosa, professor Pedro Büttenbender destaca que este reconhecimento vem através de um esforço da Universidade em atender as demandas da região: “este curso é uma reivindicação do próprio mercado de trabalho da regional e de todo o País, que tem apontado a necessidade de profissionais de engenharia, especificamente de Engenharia Elétrica. A comunidade da região é contemplada com esta notícia”.

A partir do mês de dezembro a Universidade intensifica as atividades de instalação do curso em Santa Rosa. Estãoprevistos investimentos em laboratórios e em uma estrutura que irá compor um núcleo das engenharias, já que está consolidado o curso de Engenharia Civil em Santa Rosa, com oferta desde 2009.

Em Santa Rosa o curso de Engenharia Elétrica surge com uma trajetória de 20 anos na Universidade, projetando grandes investimentos. Serão implantados 16 laboratórios: de Eletrônica Analógica, Eletrônica Digital, Máquinas Elétricas, Eletrotécnica, Automação e Controle, Laboratório de Simulação Digital, Robótica e Laboratório de Medidas Elétricas. Serão locais de desenvolvimento de aulas práticas do curso, e de realização de pesquisas. Os acadêmicos também têm a oportunidade de realizar estágios, por meio de convênios feitos com empresas do Rio Grande do Sul e de outras regiões do país, como por exemplo, a Usina Hidrelétrica de Itaipu, do Paraná.

O curso de Engenharia Elétrica da UNIJUÍ capacita o profissional para compreender e desenvolver novas tecnologias, trabalhando com todas as formas de energia. O futuro engenheiro terá sólidos conhecimentos nas áreas de eletrônica analógica e digital.

Informações: Assessoria de Comunicação e Marketing da Unijuí

Comente aqui
24 nov11:16

FAHOR oferece 150 vagas no Vestibular

Até o dia 08 de dezembro, a FAHOR – Faculdade Horizontina – recebe inscrições para o Vestibular 2012, cujas provas serão aplicadas no dia 10 de dezembro, às 9 h, no Campus Arnoldo Schneider.

A instituição oferece 150 vagas neste processo seletivo, das quais 50 para o Curso de Ciências Econômicas, 50 para Engenharia de Produção e as outras 50 para Engenharia Mecânica. Os três cursos da FAHOR são ministrados no período noturno, com aulas de segunda à sexta, das 19 às 23 horas.

Os cursos de graduação oferecidos pela FAHOR destacam-se pelo alto índice de empregabilidade, pois a oferta de vagas nestas áreas é cada vez maior no mercado de trabalho em todo o território nacional. As inscrições podem ser efetuadas no site www.fahor.com.br. Informações pelos telefones 55 3537 6428 e 3537 1614 ou comunicacao@fahor.com.br.

Informações: Assessoria de Imprensa da FAHOR

Comente aqui
22 nov18:17

Abertas inscrições para uso do transporte escolar em Tuparendi

Estudantes que pretendem ser beneficiados com o transporte escolar em Tuparendi podem inscrever-se na Prefeitura.

O benefício é concedido a alunos que precisam se deslocar para outros municípios a fim de estudar em um curso superior, técnico ou EJA, sendo que o subsídio é concedido conforme a distância percorrido pelo aluno.

Atualmente mais de 250 alunos são beneficiados pela lei criada pelo prefeito Olavo Pawlak no início de 2010, com um investimento anual de aproximadamente R$ 45 mil por parte da Prefeitura.

Para receberem o benefício neste segundo semestre de 2011, os estudantes deverão entregar o comprovante de matrícula referente a este período, na Secretaria Municipal de Educação até o final do mês de novembro. Os estudantes que ainda não receberam o subsídio referente ao primeiro semestre, também deverão comparecer na Prefeitura a fim de regularizar a situação.

Como é feito o pagamento do benefício

O subsídio criado pela Prefeitura Municipal de Tuparendi em 2010, como forma de incentivar o aprendizado na comunidade, é concedido de acordo com a distância percorrida pelos estudantes, sendo que serão beneficiados estudantes que precisarem se deslocar no máximo 15 km para frequentar aulas do EJA, 40 km para cursos profissionalizantes e 75 km para quem cursar uma faculdade. Veja a tabela com a previsão dos pagamentos:

DESTINO VALOR R$
Tuparendi para Santa Rosa 60,00
Tuparendi para Três de Maio 150,00
Tuparendi para Horizontina 150,00
Tuparendi para Santo Ângelo 200,00

Informações: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Tuparendi

Comente aqui
22 nov16:20

Opinião: Por que as monitoras se mobilizam?

Jaqueline G. Schneider Goulart, leitora-repórter

No próximo sábado, dia 26 de novembro, haverá uma mobilização na Praça da Bandeira para chamar a atenção à luta das monitoras de escola. Portanto, mais do que nunca, se faz necessário um texto que seja direcionado à comunidade, aos pais e profissionais ligados à educação, sem linguagem formal, para que todos compreendam a seriedade, a urgência, e o caráter legítimo da mobilização das monitoras.

No surgimento do cargo de monitor a exigência era somente ter o ensino médio completo. As atribuições de um monitor eram auxiliar um professor ou executar um trabalho estritamente assistencialista, conforme o estatuto dos servidores monitores de Santa Rosa: “… cuidar, higienizar, ministrar medicamento com receita”.

Visivelmente esta não é a realidade, pois as “profes” das escolinhas infantis, as “profes” do CAS (centros de atendimento Social) inclusive as coordenadoras, maçante maioria delas, não são professoras. São monitoras, desempenhando função de professoras, brilhantemente por sinal e qualificadas para isso, mas recebendo um salário fracassante.

Desde 1995 com a vigência da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação que rege a educação de todo país, osmunicípios tiveram que se adequar às creches se tornando escolas para receber fundos da educação básica (FUNDEB), que alcançam mensalmente cifras de um milhão e meio recebido pela prefeitura. O contraturno escolar (CAS) teve de perder o caráter assistencialista e trabalhar como apoio à escola. Em contrapartida, tiveram de mudar toda dinâmica de atendimento devendo estimular e avaliar o desenvolvimento dos alunos desde o berçário fazendo inclusive a iniciação à alfabetização.

Mas o que mudou afinal? Contratou-se professores visto que é isto que a lei prevê (… ”todo profissional que trabalha diretamente com crianças precisa ser professor tendo como formação mínima curso normal, magistério”. Parâmetros Nacionais de Educação)? Não! O que mudou em Santa Rosa foi que a partir do concurso do ano de 2000, para ser MONITOR era preciso ter no mínimo magistério ou curso superior em educação e desempenhar função de professor, ou seja, mão de obra qualificada e barata. Mas o que automaticamente deveria mudar junto a estas alterações, o salário da categoria, não mudou.

Um monitor recebe para trabalhar 40 horas semanais, R$ 861,86, enquanto um professor recebe por 20 horas semanais, R$ 1.028,39. Os monitores estão querendo se igualar aos professores? Não!Eles SÃO professores, só não recebem por isso e ninguém quer executar o trabalho deles.

Se não bastasse estão criando um novo cargo previsto no novo plano de carreira do magistério, em vias de ser aprovado, o cargo de professor de Educação Infantil, com os seguintes requisitos: magistério; salário de R$ 1500,00 para 40horas semanais, ou curso superior em educação; salário de R$ 2mil para 40 horas, ou seja, nosso cargo! Porém valorizado como deveríamos ter sido desde que mudaram as exigências e as atribuições dos monitores.

Vai então o apelo apóie esta categoria minorizada, explorada há tantos anos, que já luta a outros tantos em vem agindo com diplomacia e respeito, mas não está sendo ouvida, foi retalhada por paralisar um dia para chamar atenção do Poder Público, e precisa de apoio.

>> Qual sua opinião sobre as reivindicações das monitoras? Deixe seu comentário e participe do debate

Comente aqui
22 nov10:57

Exposição sobre os 50 anos da Legalidade continua aberta na URI

Um convite para viajar pelo parlamento gaúcho no movimento da legalidade é feito a quem chega no hall do prédio 20 da URI-Santo Ângelo.

A exposição sobre os 50 anos da Legalidade continua disponível para visitação até a próxima quinta-feira, 24. A mostra é constituída por banners que relatam a participação da Assembleia Legislativa e a posição dos deputados estaduais que apoiaram as ações do então governador Leonel Brizola.

Segundo a professora Claudete Boff, a exposição é uma verdadeira aula de história, por meio de fotos, documentos e reportagens de jornais que desvendam os principais fatos da época.

Comente aqui
22 nov09:29

Região da 17ª CRE adere parcialmente à greve

Maristani Weiand, RBS TV Santa Rosa


Das 74 escolas e quatro núcleos de educação que fazem parte da 17ª CRE, 41 não aderiram à greve, 10 aderiram parcialmente e seis paralisaram totalmente.

Em Santa Rosa, no colégio Cruzeiro, 100% dos professores aderiram.

Entre as 18 escolas estaduais de Santa Rosa, 12 não aderiram ao movimento, duas aderiram totalmente e três parcialmente.

As escolas devem reavaliar a paralisação na quinta-feira, em assembleia em Porto Alegre.

Comente aqui