clicRBS
Nova busca - outros

leitor-repórter

13 mai07:08

Mãe

Nilce Cristina Vaz Dutra, leitora-repórter

Falar de mãe é algo que emociona qualquer um. Existem muitos tipos de mães: as mães de primeira viagem, as avós que são segundas mães, as mães biológicas, mães adotivas, mães que planejam o seu filho, mães por descuido, mas enfim a palavra MÃE nos remete a muitas mulheres que talvez nunca geraram um filho, mas seu amor é infinitamente grande, ser mãe é muito mais do que carregar uma semente dentro de si  por 9 meses, muitas mulheres passam por isso, mas poucas são verdadeiramente MÃES.

A Verdadeira MÃE ama seu filho desde o primeiro dia de gravidez, jamais se arrepende de tê-lo gerado, e não importa as dificuldades que passar o seu amor continuará sendo o mesmo, ouço de muitas mulheres que ser mãe é padecer no paraíso, acho que ser mãe é conhecer o paraíso pelo lado de dentro, é viver como se o mundo sorri se pra você, também ouço de que se pudessem escolher não teriam tido filhos, na maioria das vezes ainda dizem, claro que amo meu filho, mas se fosse escolher não o teria, esta com certeza não é uma verdadeira mãe, e este amor não é tão verdadeiro assim, o amor de mãe não aceita arrependimento  ele só tem a crescer a cada dia , muitas mulheres geram filhos, mas poucas são MULHERES MÃES, a mulher mãe já nasce com esta marca  no coração e esta pode ter certeza, não importa se gerou um filho ou não, se é adotivo, se é um idoso, se é um paciente de um hospital, elas exercem sim o papel de mãe, e é destas mulheres que devemos  lembrar neste dia.

Muito se fala que nos dias atuais a correria , o consumismo, a vontade de um crescimento profissional, leva muitas mulheres a abandonarem o sonho de ser mãe,   a MULHER MÃE, jamais desiste de gerar um filho em prol de nenhum outro sonho, a MULHER MÃE, trabalha, estuda, faz ginástica, e ainda ama seu filho e cuida dele com muito amor e um belo sorriso no rosto, com o orgulho da MÃE VERDADEIRA.

Hoje minhas palavras são pra vocês MULHERES MÃES, não importa em qual destes requisitos você se enquadre, mãe geradora, mãe médica, mãe enfermeira, mãe adotiva, mãe cuidadora de idosos, mãe de lares de meninos e meninas abandonadas, a “VOCÊ VERDADEIRAMENTE MÃE “     ESTE DIA É PRA VOCÊ

Comente aqui
06 mai14:11

Super Lua em Frederico Westphalen

A dimensão e a luminosidade da lua na noite do sábado, dia 5, chamaram a atenção do leitor-repórter Márcio Brito. Em Frederico Westphalen, ele registrou a super lua que esteve especialmente iluminada e visível.

O perigeu, como é conhecido o fenômeno, ocorre uma vez por ano quando o satélite natural passa pelo ponto da sua órbita mais próximo da Terra.

Márcio Brito, arquivo pessoal

Em São Paulo das Missões, o leitor Milton Scnorr Kunst também flagrou o espetáculo à parte.

Milton Schnorr Kunst, arquivo pessoal

>> Você também registrou uma imagem da super lua? Para fazer parte da galeria de fotos do clicRBS Noroeste Missões, basta enviar sua contribuição para o e-mail participe@clcirbsnoroestemissoes.com.br

Comente aqui
06 mai10:20

Leitor-repórter registra perigeu da lua

Milton Schnorr Kunst, arquivo pessoal

Com mais visibilidade e brilho do que nos demais dias do ano, a lua deu um espetáculo à parte na noite deste sábado. O perigeu, que ocorre uma vez por ano quando o satélite natural passa pelo ponto da sua órbita mais próximo da Terra, foi registrado pelo leitor-repórter Milton Scnorr Kunst, em São Paulo das Missões.

No ano passado, o perigeu ocorreu no dia 19 de março.

>> Você também registrou uma imagem da super lua? Para fazer parte da galeria de fotos do clicRBS Noroeste Missões, basta enviar sua contribuição para o e-mail participe@clcirbsnoroestemissoes.com.br

Comente aqui
02 mai08:03

Vespeiro gigante é construído no interior de Porto Mauá

Vilson Winkler, leitor-repórter

Com aproximadamente três metros de comprimento por três de altura, um vespeiro impressiona pela sua dimensão no forro de um galpão abandonado, na localidade de Volta Grande, interior de Porto Mauá.

Na propriedade rural de Luis Engers Ribeiro da Silva, o vespeiro já é atração.

Existem vespas que vivem sozinhas e aquelas que vivem em sociedade (formadas por machos, fêmeas e operárias estéreis).

Cada colônia dura somente um ano. As rainhas que nascem na sociedade enfrentam o inverno  e na primavera seguinte, cada uma delas forma uma nova comunidade. Os machos e as operárias morrem, no final do outono.

O tamanho das vespas varia muito de acordo com cada espécie, as maiores podem medir até 5 cm e a picada do inseto pode ser fatal para pessoas com sensibilidade ao seu veneno.

Comente aqui
22 abr14:02

Ciclistas percorrem trajeto de Três Passos ao Salto do Yucumã

Álvaro Miguel Perini, leitor-repórter

Vinte e um ciclistas das cidades de Santa Rosa, Ijuí, Santo Ângelo, Três Passos e Criciumal partiram da cidade de Três Passos com destino ao maior salto longitudinal do mundo. O trajeto realizada no último sábado, dia 21, é privilegiado para quem gosta de aventuras, apreciar riquezas naturais e confraternizar com amigos.

A opinião dos aventureiros era unânime: o Salto do Yucumã, no município de Derrubadas, é o local que deveria ser conhecido por todas as pessoas que adoram a natureza. Visitar um local destes de bike se torna muito mais emocionante.

Partimos do Parque da Feicat, em Três Passos, às 10 h, com dois carros de apoio, muita água e frutas. Após três horas de pedalada chegamos no interior do parque com muita admiração pela beleza e preservação da natureza.

Após visitar os 1.800 metros dos saltos com boa visibilidade, pois o nível do rio está muito baixo, fizemos um lanche e retornamos ao ponto de origem.

No caminho, algumas baixas por cansaço e quebra das bike. Chegamos à noite em Três Passos.

Completei todo o percurso e mesmo já tendo visitado o Salto outras duas vezes, do lado argentino, fiquei admirado pela beleza do lado brasileiro.

Outros passeios estão sendo planejados pelos ciclistas da região e esperamos mais participação dos amantes do ciclismo.

O passeio em números


- 130 km pedalados no total

- Velocidade média de 18 km/h

- Velocidade máxima chegou a 57 km

- Tempo: 7 horas de pedaladas.

Comente aqui
18 abr16:35

NÃO É CÉU: Não somos salsichas!

Eduardo Matzembacher Frizzo/eduardo7frizzo@hotmail.com*

Existem mulheres e mulheres. Existem homens e homens. Se as pessoas fossem iguais, que graça teria a vida? Toda pureza é burra. Toda pretensão de superioridade é besta. Boa é a pluralidade. Boa é a diversidade. Legal é você gostar de Godard e conhecer alguém que detém vocação apenas para “Velozes e Furiosos” – e mesmo assim, por um motivo ausente de quaisquer explicações (pra quê explicar uma emoção?), sentir algo mais que empatia pela cidadã. Alguns falarão que “afinidade estética” é fundamental. Eu rebaterei: não necessariamente. Já vi casais completamente antônimos em seus gostos que se davam às mil maravilhas. Do mesmo modo, conheci casais praticamente iguais (livros, filmes, músicas, profissões, manias pra dormir: tudo, absolutamente tudo igual) que viviam em pé de guerra. A única regra da atração é a ausência de regras.

O estranho é que nos quesitos “atração” e “relacionamento”, temos uma sede e uma fome de regras e receitas que beira o ridículo. Quem nunca ouviu a seguinte frase: “homens são de Marte e mulheres são de Vênus?”. Me falaram, inclusive, que se trata do título de um livro – o qual de maneira alguma quero ler. Quem nunca folheou uma Cláudia (a revista, não as geografias corporais das “Cláudias” espalhadas pelo mundo – as quais me interessam bem mais que a revista) e leu: “o Universo Feminino blábláblá”? E quem jamais se deparou com a expressão “Universo Masculino”? Para mim, o único Universo possível é o Universo que habito. Os demais, ou são paralelos (ao melhor estilo Stephen Hawking) ou são lengalengas criadas por marqueteiros com o único intuito de encher sua cabeça de porcarias.

Mas o pior de tudo isso, é que você identifica claramente as mulheres adeptas de “práticas mulherzinhas” e os homens abobados em “discursos homezinhos” – aqueles que a VIP lança todo mês, por exemplo. O Facebook é um terreno fértil para proceder com tais pesquisas. Geralmente a moça que se filia à “mulherzinhices”, recheará seu mural com coisas como: “solteira sim!, sozinha nunca”; “homens ligam, meninos mandam mensagem”; “batatinha quando nasce se esparrama pelo chão (…) – Caio F. Abreu”; etc. (ad infinitum). Por outro lado, o rapaz que se quer “homezinho” irá abarrotar seus posts com imagens de carros, “humor troll”, fotos que dizem “olha!: pego todas!” ou trechos de músicas da seguinte estirpe: “eu bebo sim! / e tô vivendo / tem gente que não bebe / e tá morrendo – Velhas Virgens”. O que isso quer dizer? Muita coisa. Contudo, calma!: não sentarei a ripa em ninguém. “Cada um faz o que quer, pelo menos penso assim”, já falava o Xirú Missioneiro. Mas o que questiono é: por que as pessoas não buscam uma autenticidade ao invés de vestir a primeira “capa de personalidade” que lhes oferecem – e que geralmente detém matizes “fofuxas” ou “masculinérrimas”?

Tal fenômeno quem sabe tenha relação com algo que denominarei a partir da sigla VM – isto é: “Vício Manualesco”. O VM está em todos os lugares. Queremos manuais pra tudo. Quer enriquecer? Tem manual. Quer se suicidar? Tem manual. Quer reconquistar sua ex? Tem manual. A contemporaneidade traz consigo uma tendência que busca uma total “economização da vida”. “Que diacho é isso?”, perguntará algum leitor. Respondo: somos de um tempo no qual se crê que tudo pode ser medido em estatísticas e que receitas/regras para se conquistar o que quer que seja efetivamente existem e funcionam. Quem duvidar da realidade do VM, olhe a lista de livros mais vendidos da Veja (aquela revista semanal de piadas). Ou ligue a televisão e veja programas como aquele em que homens passam numa esteira (dessas de supermercado) para serem “escolhidos” por mulheres que tem de “conquistar” em alguns minutos (como se fossem caixas de sabonete ou garrafas de cerveja, os rapazes). Como o povo gosta disso? Não sei. Só sei que o resultado pode ser visualizado na “Mulher Samambaia”: a “coisificação do humano” (processo pelo qual a pessoa se torna coisa).

Por isso tudo é que a cada dia me torno mais chato. Cansa você conhecer pessoas que ao invés de buscar uma autenticidade na vida, querem apenas a segurança de uma boa profissão que lhes garanta um consumo elevadíssimo vida afora e carteira adentro. Cansa você conversar com indivíduos que não sabem debater, mas somente esgotar a garganta em monólogos que de razoáveis não tem nada. E cansa mais ainda a “tendência água com açúcar” que tentam nos enfiar goela abaixo em livros ao estilo Nicholas Sparks – como se a vida pudesse se esgotar nas “fofuras” de um romance de bordas tão adocicadas que parecem favo de mel (amor é “(500) dias com ela”, não “Querido John” – isso pra ficar nas recentes plagas cinematográficas). Então afirmo: não existe “Universo Masculino”, não existe “Universo Feminino”, não existe um manual de regras/receitas para qualquer coisa na vida, não existem pontos certos para nada. A existência repousa na diversidade, a vida só é vida na pluralidade e a certeza só é certeza na dinâmica da construção/desconstrução inscrita em cada segundo.

Temos que parar de buscar fórmulas pra tudo. Temos que parar de rotular as pessoas. Temos que buscar a autenticidade tatuada em nossos silêncios e os amores mais improváveis que cruzam conosco em cada esquina. Precisamos celebrar a incerteza. Precisamos da aventura do caos. Chega de medo. Chega de “cagaços de descer ladeira abaixo” – como aquela música do Paralamas. Não existe “mulher ideal”. Não existe “homem ideal”. O que existem são pessoas plenas de qualidades e defeitos que procuram a felicidade em todas as horas de suas vidas. A “economização da vida” e a “coisificação do humano” constituem processos totalmente ausentes de sensibilidade/humanidade e completamente apegados a sensos patéticos/reducionistas que buscam uma síntese da vida em 140 caracteres (como no Twitter). E se “filosofar é aprender a morrer”, como disse Montaigne, a única maneira de superarmos essas etiquetas que querem grudar em nossos traseiros é uma consciência plena disso.

Chega de “celebrar a estupidez humana” – como cantou Renato Russo. Busquemos algo real. Quanto mais autênticos formos, mais chances teremos de alcançar alguma felicidade. (Se a pessoa quer viver de rótulos e modismos, ótimo!: todos detêm o direito de pegar carona numa “Highway to Hell” e achar que isso é excelente. Mas que ao viver dessa forma, ao menos detenha noção do que está fazendo, pois liberdade só é liberdade com a consciência da escolha que implica.) Vamos abandonar os manuais. Percebamos que a beleza não reside apenas em “love songs” de “sertanejos new generation”, mas também nos versos da Hilda Hilst. Vivamos na busca de novos livros, novos filmes, novas canções e novos amores. Não somos salsichas!, não somos produtos nascidos em uma linha de montagem! Morte aos padrões! Morte ao VM! Abandonemos caminhos que nos disseram únicos, que nos disseram certos, que nos disseram sem retorno. E mais do que tudo, vamos abrir nossas mentes e corações para a celebração da vida e da incerteza, já que é aí e só aí que encontraremos o pulsar do Universo contido na beleza de cada instante da existência.

E como não sei de que modo findar essas linhas ranzinzas, concluo: this is it.

*  Eduardo Matzembacher Frizzo é estudante, professor universitário, advogado e Mestre em Desenvolvimento pela UNIJUÍ

Comente aqui
12 abr15:24

Baixo nível do Rio Uruguai revela belezas no interior de Alecrim

Fabiane Kolling, divulgação

Fabiane Kolling, leitora-repórter

Para além de efeitos negativos, o baixo acumulado de chuva também permite o surgimento de belos cenários naturais. Com o Rio Uruguai abaixo do nível normal é possível observar a beleza da Ilha de Pedras, que pode ser admirada  no interior do municipio de Alecrim a 500m da barranca do rio.  Simplesmente encantador!

Quando da época das cheias, essa paisagem muitas vezes fica parcialmente coberta, e se torna difícil de apreciá-la.

Comente aqui
11 abr12:50

Veado é resgatado no Rio Uruguai e recebe cuidados de família de Porto Mauá

Vilson Winkler, leitor-repórter

Com o baixo nível do rio Uruguai no noroeste gaúcho, cenas inusitadas começam a ser observadas. Em Porto Mauá, um filhote de veado foi resgatado quando tentava fazer a travessia entre Brasil e Argentina.

Alertada pela filha, a pescadora profissional Maristela da Rosa Schuller visualizou que um animal parecia estar sendo levado pelas corredeiras. Diante disso, acompanhada do marido Aris Vlademir, foram resgatá-lo.

Ao se aproximar, o casal constatou de que se tratava de um filhote de veado. Como não conseguiram contato no sábado com os órgãos ambientais competentes levaram-no para casa e cuidaram de seus ferimentos. Durante os três dias que permaneceu com a família recebeu um nome, “Bambi”, muito carinho e leite.

Na terça-feira, a Patrulha Ambiental recolheu o animal e realizou a soltura em seu hábitat natural.

Comente aqui
10 abr15:56

Com escassez de chuva, travessia de trecho do Rio Uruguai pode ser feita a pé

Foto: Vilson Winkler, divulgação

Vilson Winkler, leitor-repórter

Enquanto balsas e embarcações são normalmente necessárias para a travessia do Rio Uruguai em Porto Mauá, brasileiros e argentinos tem a possibilidade de fazê-la a pé, se assim desejarem.

Com a escassez de chuva, o nível do rio Uruguai está significativamente abaixo do normal. Na Comunidade de Volta Grande, a largura do rio em linha reta é de 770 metros, sendo possível atravessar caminhando transversalmente em torno de 1.000 metros por cima das pedras do leito do rio. O único obstáculo de travessia a pé é o canalão, que possui aproximadamente 15 metros de largura.

O baixo nível do rio também favoreceu o surgimento de pequenas piscinas naturais e formação de córregos com quedas de água. Na água quase transparente, é possível visualizar caramujos e alevinos que ficaram presos às poças de água nas rochas.

Também é comum a presença de diversas garças se alimentando dos que ficaram ilhados.

Além da estiagem, o que pode estar contribuindo com o baixo nível do rio Uruguai é a retenção de águas junto a barragem do Foz do Chapecó. A travessia de balsas continua normalmente, pois o trajeto é realizado onde o nível das águas é mais profundo.

Comente aqui
10 abr10:11

Atletas de Santo Ângelo se preparam para Copa de Jiu Jitsu em Santa Cruz do Sul

Fábio Simon, divulgação

Fábio Simon, leitor-repórter

Atletas da equipe Union Team de Santo Ângelo tem se destacado em diferentes competições do Estado. Motivados com a boa fase, santo-angelenses participarão da Copa Santa Cruz Jiu Jitsu, no dia 6 de maio, em Santa Cruz do Sul.

Os atletas santo-angelenses, Marlon Koch e Luan Escobar, também estão integrados à boa temporada. No início de abril, em Santa Maria, se destacaram no Campeonato Interno da Academia Sul Jiu-Jitsu.

Escobar, depois de quatro lutas, conseguiu subir ao pódio como segundo colocado categoria peso médio 80 kg, trazendo a medalha para a sua equipe Union Team Santo Ângelo.

Comente aqui