clicRBS
Nova busca - outros

seca

25 fev10:18

Seca: Comitiva da região Celeiro participará de audiência em Brasília

A situação de emergência decretada em todos os municípios da região Celeiro motivará uma comotiva de prefeitos, vices, vereadores e secretários a buscar auxílio junto ao Governo Federal, em Brasília. Na capital, eles participarão de uma audiência com o tema “Ações estruturantes contra à estiagem”, no próximo dia 29.

Foto: Diego-Vara

A audiência acontecerá no Gabinete da Presidência da Câmara dos Deputados, e contará com a presença do Deputado Marco Maia e dos Ministros da Integração Nacional, Fernando Coelho e do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence.

Para a audiência, a Associação dos Municípios da Região Celeiro (Amuceleiro) organizou uma comitiva de 40 pessoas que apresentarão a realidade dos municípios que vêm sofrendo com a maior seca dos últimos anos.

Os municípios com até 10mil habitantes estão pleiteando junto ao Governo Federal um recurso financeiro no valor de R$ 300mil. Já os municípios que possuem população superior a 10mil, buscam angariar R$ 500mil em recursos.

A ideia é aplicar o valor na perfuração de poços artesianos, redes d’água, construção de cisternas, aquisição de caminhões pipas para transporte de água, aquisição de sementes forrageiras para recuperação de solo, sementes para alimentação de animais, entre outras demandas.

_Nós precisamos levar ao conhecimento do Governo Federal, as consequências da maior seca que a região viveu nos últimos anos. Sobrevivemos do setor primário e mais do que nunca o Governo Federal precisa apoiar e olhar para Região Celeiro_ afirma o presidente da Amuceleiro e prefeito de Esperança do Sul, Jair Schmitt.

A Amuceleiro prevê para os próximos meses a elaboração de um projeto regional, com objetivo de prevenir os impactos causados pelas oscilações climáticas que vem ocorrendo nos últimos anos.

Comente aqui
24 fev16:19

Incêndio atinge lavoura no interior de Santo Cristo

Foto: Emerson Bernardi, divulgação

Emerson Fernando Bernardi, leitor-repórter

Na tarde desta quinta-feira (23), um foco de incêndio atingiu a propriedade de Ademar Riewe, na Vila Laranjeira, interior de Santo Cristo. O fogo se alastrou pela vegetação, árvores e plantação de cana de açúcar.

O incêndio começou por volta das 14 h e foi controlado no final da tarde pelos Bombeiros de Santa Rosa, com apoio da Brigada Militar de Santo Cristo e moradoras. Cerca de 1,5 hectares foram danificados pelas chamas.

A localidade onde ocorreu o incêndio é uma das comunidades que mais sofre com a estiagem. No domingo, quando ocorreu a última chuva, a precipitação foi de apenas 5mm segundo informações do Secretário da Coordenadoria Municipal da Defesa Civil de Santo Cristo e morador da localidade Emerson Fernando Bernardi.

A Defesa Civil do Município alerta a população que evite queimar objetos ou efetuar qualquer fogo, sendo que isso pode provocar um incêndio de proporções incalculáveis, haja vista a baixa umidade do ar, aliada a estiagem e as altas temperaturas.

Emerson Bernardi, divulgação

Emerson Bernardi, divulgação

Comente aqui
24 fev15:35

Autoridades e agricultores de Entre-Ijuís elaboram carta em busca de socorro às comunidades atingidas pela estiagem

Diante da situação crítica das culturas de verão em Entre-Ijuís, autoridades municipais e agricultores se reuniram para a elaboração de uma carta que propõe medidas de socorro às famílias atingidas pela estiagem. No município está comprovado o comprometimento de mais de 95% de perdas em lavouras de soja,feijão, hortaliças e outras culturas, além da quebra de mais de 50% na produção leiteira.

A preocupação aumenta à medida que a base da economia do município é essencialmente agrícola, sendo que grande parte dos agricultores familiares tem na atividade agropecuária – produção de grãos e pecuária leiteira – a sua única fonte de renda.

Mais de 700 plantaram suas lavouras financiadas, sendo mais de 90% por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PROFAF) e aproximadamente o mesmo número de pequenos agricultores, plantaram suas lavouras por conta própria. Estes, acumulam dívidas pendentes junto às empresas que comercializam sementes, adubos e fungicidas para lavoura.

Diante desta situação, a carta sugere medidas como:

1 – Laudo coletivo de todas as lavouras do Município de Entre-Ijuís-RS com a comprovação da perda de 100% já confirmada pelos agricultores presentes à reunião na Câmara de Vereadores;

2 – Anistia da exigência da comprovação de notas de sementes, adubos e fungicidas para agricultores que plantaram financiado e que acionarem o Pro Agro nas culturas de milho e soja;

3 – Bolsa auxílio emergencial ou cheque seca de um salário mínimo durante um ano a todos os agricultores de Entre-Ijuís;

4- Anistia ou prorrogação da parcela deste ano do financiamento do Banco da Terra;

5 – Anistia ou prorrogação da parcela anual do financiamento do PRONAF investimento em todas as suas modalidades para após a ultima parcela do contrato mantendo-se o mesmo juro, bem como dos financiamentos do Mais Alimento;

6 – Anistia ou prorrogação da parcela anual do financiamento de gado de corte e gado leiteiro para após a ultima parcela do contrato mantendo –se o mesmo juro;

7 – Doação de milho ou trigo através da Conab, para alimentação animal durante o ano;

8 – Criação de um programa permanente de armazenamento de água subsidiado pelo governo para irrigação de cinco hectares por agricultor, incluindo a tarifa de energia elétrica da irrigação e desburocratizar a questão ambiental facilitando o aproveitamento da água de represas, rios e riachos para irrigação;

9 – Concessão mínima da carência de quatro anos para o início do pagamento de todas as dívidas renegociadas;

10 – Concessão de um bônus de no mínimo 40% de adimplência para pagamento das dívidas renegociadas;

11 – Exclusão de todas as restrições que impedem novos financiamentos aos agricultores que renegociarem suas dividas;

12 – Criação de um programa a nível Federal e Estadual de troca-troca de sementes de soja, feijão e trigo;

13 – Parcelamento pelo prazo de 20 anos das dívidas já renegociadas e não pagas dos agricultores não em quadrados no PRONAF com juro máximo de 2% ano;

14 – Criação de um seguro agrícola para todos os agricultores que plantam com recursos próprios;

15 – Criação de um Programa de incentivo às pastagens de verão e inverno;

16 – Ampliação do valor da cobertura do Pro Agro;

17 – Desburocratizar as regras atuais do Pro Agro Mais;

18 – Implementar um “seguro renda” para todas as culturas não financiadas;

19 – Que sejam garantidos recursos que contemplem os agricultores atingidos pela estiagem que acessarem o SEAF- Pro Agro Mais;

20 – Garantia de preço mínimo e compra dos produtos agrícolas pelo Governo Federal;

21 – Que seja renovado e ampliado o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Comente aqui
20 fev16:47

Baixo nível do rio em Entre-Ijuís permite travessia a pé

Foto: Aline Kittlaus, divulgação

Aline Kittlaus, leitora-repórter

No local onde antes era necessário realizar a travessia a nado ou em embarcações, agora, pode-se ir de um ponto a outro caminhando. O baixo nível do rio Ijuí, em Entre-Ijuís, reflete a escassez de chuva na região.

Neste final de semana, os veranistas puderam banhar-se em águas rasas. No entanto, é necessário ficar atento à existência de poços, onde a água se acumula.

Desde novembro, a seca tem mostrado seus efeitos nos níveis de rios e açudes, além de prejudicar lavouras e o abastecimento de água em municípios do noroeste gaúcho.

Comente aqui
16 fev15:57

Na contramão da seca, Doutor Maurício Cardoso registra safra de milho acima da média

Enquanto o noroeste sofre com 47% de perdas na safra de milho e 53,2% nas lavouras de soja, um município comprova que alternativas diferenciadas – e simples – podem levar a um resultado satisfatório, mesmo em épocas de seca. Apesar da escassez de chuva no último trimestre, agricultores de Doutor Maurício Cardoso comemoram a colheita de milho, que chegou à média de 125 sacas/ha.

O número é  superior, até mesmo, que a média das safras dos últimos cinco anos, que foi de 83,93 sacas/ha no município. O plantio antecipado do milho é o maior motivo para o alto índice, de acordo com o chefe do Escritório Municipal da Emater, Alcides Arend.

_Em torno de 80% dos produtores realizaram o plantio entre 20 de julho e 15 de agosto, assim que abriu a janela do plantio. Quando a seca atingiu a região, a cultura já estava em fase avançada de formação de grãos e a falta de chuvas não interferiu significativamente nos números_ explica Arend.

Foto: Alcides Arend, divulgação// Os irmãos Vilseu e Vilson Gazzola na lavoura de soja safrinha após colheita de 164 sacas de milho por ha

Além de cultivar no início da fase do plantio, os agricultores de Doutor Maurício Cardoso mantém outras práticas importantes para o sucesso da safra.

_Desde a década de 90 incentivamos os produtores à conservação do solo e rotação de culturas que contribuem para um bom resultado, além da aplicação de tecnologia de ponta_afirma o chefe do escritório municipal da Emater.

A 47 km de Doutor Maurício Cardoso, o município de Santa Rosa contabilizou média de 71 sacas/ha nesta safra, a segunda melhor da região. Entretanto, a situação é crítica nos demais municípios da região, especialmente em Porto Xavier e Ubiretama. O primeiro, onde o plantio ocorreu em agosto, registrou uma média de 23,4 sacas/ha e em, Ubiretama, de 25,83 sacas/ha, nos últimos cinco anos.

De acordo com engenheiro agrônomo do escritório municipal da Emater de Porto Xavier, Leandro Seger, choveu 105mm durante todo o mês de novembro e 94mm em dezembro no município. No entanto, essas precipitações foram rápidas e isoladas.

_A quantidade de chuva foi menor do que o esperado e as altas temperaturas impediram o efeito desejado. As precipitações, em sua maioria, ocorreram em forma de pancadas e foram bastante esparsas, justamente em um período considerado crítico, que é o de enchimento de grãos_ explica Seger.

A preocupação agora é com a safra de soja, cuja colheita começa nos próximos meses. As perdas na área plantada já chegam a 53,2% na região.

Dados atualizados da safra de milho e soja nos municípios de abrangência da Emater/RS- Ascar Regional de Santa Rosa

Milho

Perdas – 47%

Área da região: 161.310 hectares.

Área plantada: 92%

Expectativa inicial de colheita – 4.310kg/ha, ou seja, 71,83 sacas/ha

Expectativa atual (com estiagem) – 2.537kg/ha – 42,28 sacas/ha

Soja

Perdas – 53,2%

Área da região: 653.570 hectares.

Área plantada: 100%

Expectativa inicial de colheita – 2393kg/ha, ou seja, 39,88 sacas/ha

Expectativa atual (com estiagem) – 1172kg/ha, ou seja, 19,53 sacas/ha

Perda: 53,2%

Médias históricas dos últimos cinco anos na região

Milho – 145.888 kg/ha em toda a região

Média – 1.963 kg/ha na região (kg/ha por município)

Média – 32,72 sacas/ha

Soja - 145.888 kg/ha em toda a região

Média – 3.241 kg/ha (por município – são 45 municípios)

Média – 54,03 sacas/ha

Comente aqui
16 fev13:28

Em situação de emergência, Três de Maio investe em abastecimento de água e distribuição de cestas básicas a atingidos pela seca

Após decretar situação de emergência em função da seca, Três de Maio investe em ações que minimizem os efeitos da escassez de chuva. O município foi habilitado junto à Defesa Civil do Estado a receber o valor de R$ 51.900,00, que será aplicado na aquisição de recipientes com capacidade para 20 litros de água mineral, caixas d’água de mil litros, cestas básicas, revitalização de bombas de água e combustível.

Na tarde desta quarta-feira, dia 15, a Prefeitura recebeu 790 recipientes de água mineral que serão distribuídas às famílias do interior do

Foto: Ramone Pacheco, divulgação

município que não dispõem de água potável. Até o final da semana devem chegar 120 cestas básicas. A previsão de entrega de 22 caixas d’água é para a semana que vem.

Ainda, de acordo com o secretário municipal de Agricultura Valdir Ortiz, o município já recebeu 5 mil litros de óleo diesel para abastecer a frota de maquinário que faz frente no auxílio ao combate à estiagem.

_Este combustível está sendo usado em três caminhões; uma draga; um trator esteira e três retroescavadeiras_ destaca.

O maquinário está sendo utilizado para a entrega de água, obras de abastecimento e aberturas de bebedouros.

Ortiz explica que os caminhões estão sendo utilizados na entrega de água para Barrinha, Tiradentes, Esquina União e Lajeado Cachoeirão; o trator esteira para a abertura de bebedouros em Consolata; uma retroescavadeira conclui a rede de água que beneficiará 17 famílias de Lajeado Cachoeirão; outra retroescavadeira está sendo utilizada nas localidades de Nossa Senhora de Lurdes, Navegantes, Nossa Senhora das Dores e Santo Antônio, pertencentes ao distrito de Consolata, onde estão sendo abertos bebedouros; e em Distrito Quaraim uma retroescavadeira trabalha na abertura de bebedouros e uma draga dá conta dos locais de difícil acesso.

De acordo com o prefeito em exercício, João Mella Neto, nos próximos dias, o maquinário irá se concentrar no atendimento emergencial de famílias que não dispõem mais de água nos açudes, para saciar a sede do gado.

_Se não chover logo, não iremos conseguir atender a demanda de abertura de bebedouros e de entrega de água_ pondera.

Comente aqui
13 fev08:58

Agricultores atingidos pela seca são beneficiados com recursos financeiros e equipamentos em Giruá

Cerca de 300 famílias de Giruá foram beneficiadas com equipamentos, alimentos e recursos financeiros para minimizar os impactos da seca. Após assinar o decreto de emergência, a prefeitura lançou um plano estratégico de reação imediata aos efeitos da estiagem que secou açudes e ocasionou perdas nas lavouras.

Segundo levantamentos realizados preliminarmente, os prejuízos financeiros causados pela falta de chuva são irreversíveis em se tratando das lavouras de milho e soja. A produção leiteira também tem sido fortemente afetada pela escassez de água e alimento para o gado, e o comércio sente os reflexos da diminuição do poder econômico.

As ações no município em função da estiagem vão desde a entrega de equipamentos para incrementar a produção agrícola, entrega dealimento e auxílio financeiro às famílias mais prejudicadas.

Ensiladeiras foram entregues a grupos de produtores do Rincão dos Amaral, Assentamento Giruá III, Esquina Schenkel, São Paulo das Tunas, Rincão dos Rocha, Boca da Picada.

Já agricultores do Distrito dos Mellos e Bela Vista receberam carretas agrícolas.

Segundo o prefeito, também já foi garantida a compra de mais equipamentos para outros 20 grupos, que deverão atender em breve mais de 300 famílias giruaenses.

Além disso, 100 famílias de pequenos agricultores de 36 diferentes localidades do interior do município, fortemente atingidos pela seca, foram atendidas com repasse de alimentos e auxílio financeiro.

Também estão sendo destinados recursos para a construção de novas redes d’água. Após a comunidade de Rincão dos Ribeiros, que há décadas aguardava pelo benefício, estão sendo atendidas as localidades de Passo das Pedras e Rincão dos Beck.

_Em paralelo a essas redes, garantimos recurso e autorizamos o início do processo de compra para mais três redes comunitárias: Assentamento Giruá III, aguardada há 11 anos, Rincão dos Rocha e Barra do Reginaldo_ acrescenta o prefeito.

Comente aqui
12 fev13:59

Estiagem prejudica obras e conservação das estradas em Porto Mauá

Uma nota emitida nesta semana, pela Prefeitura de Porto Mauá, solicita a compreensão da População diante da dificuldade em manter as boas condições de trafegabilidade das estradas municipais.

Além da falta de umidade, ocasionada pelo baixo índice de chuvas no município, o que dificulta o patrolamento e a compactação, há um número expressivo de servidores  em férias ou com atestado médico. Segundo a nota, “esses fatores que impedem a realização da manutenção das vias públicas de forma mais eficiente”.

Em função da seca recebem prioridades as atividades de abertura de bebedouros e o transporte de água até as propriedades com o caminhão tanque.  O produtor que necessitar destes serviços deve comunicar o mais breve possível  à Prefeitura de Porto Mauá.

Comente aqui
10 fev15:34

Comunidades indígenas da região receberão 5 mil cestas básicas

As entregas de cinco mil cestas básicas, que iniciaram no dia 6, chegaram nesta semana a comunidades indígenas e quilombolas do noroeste gaúcho. Um roteiro, que seguirá até o dia 13, entregará donativos a famílias de Giruá, Catuípe, São Valério do Sul, Redentora, Miraguaí e Tenente Portela.

Nesta quinta-feira já foram entregues cestas aos indígenas de São Miguel. O roteiro segue nesta sexta em Giruá, Catuípe e São Valério do Sul.

A proposta é diminuir os impactos da seca que atinge o Rio Grande do Sul, especialmente as populações que vivem em situação de vulnerabilidade.

_Até o domingo, as famílias indígenas em situação de vulnerabilidade receberão suas cestas na região, em função da seca_afirma o Delegado Regional do Trabalho Jacinto Antônio Rohr.

A ação é realizada por meio de uma parceria entre EMATER, Departamento da Pesca e Aquicultura (Depaq), Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Desans) da STDS, Companhia Nacional de Abastecimento e Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Os trabalhos serão coordenados pela assessoria de comunicação da STDS, representantes da STDS na região, o coordenador da Agência de Desenvolvimento Social da FGTAS, Rafael Rufino da Costa, Delegado Regional do Trabalho, região Missões, Jacinto Antônio Rohr, Delegado Regional do Trabalho, região Fronteira Noroeste, Fernando Classmann, Delegado Regional do Trabalho, região Noroeste Colonial, Paulo Gilberto Costa, representantes da Casa Civil, Secretaria de Desenvolvimento Rural/Emater e Defesa Civil, órgãos que integram a Sala de Situação da Estiagem e representantes dos municípios.

Beneficiados

São Miguel das Missões – Dia 09/02– 45 cestas

Giruá – Dia 10/02 – 06 cestas

Catuípe – Dia 10/02 – 05 cestas

São Valério do Sul – Dia 10/02 – 270 cestas

Redentora – Dia 11/02 – 650 cestas

Miraguaí – Dia 11/02 – 400 cestas

Tenente Portela 12/02 – 398 cestas

Comente aqui
08 fev09:50

Municípios gaúchos desistem de recursos contra a seca

Foto: Fernando Ramos, Agencia RBS

Joice Bacelo/joice.bacelo@zerohora.com.br

Com a publicação do terceiro decreto coletivo ontem no Diário Oficial, 339 municípios gaúchos estão em situação de emergência. Desse total, 117 já receberam os recursos a que têm direito, o que significa quase um terço dos R$ 18 milhões oferecidos pelo governo federal. De acordo com a Defesa Civil, outros 121 estão em processo de análise, mas 101 prefeituras ainda não demonstraram interesse em receber a verba.

Entre os municípios que não enviaram a documentação exigida para que o repasse seja efetuado, 60 estão na lista dos homologados ontem e 41 fazem parte dos que poderiam pleitear a verba desde 10 e 16 de janeiro — datas em que os outros dois decretos coletivos foram oficializados.

Em levantamento realizado por ZH, das 41 prefeituras aptas a receber o dinheiro, mas que ainda não solicitaram à Defesa Civil, seis desistiram de receber a verba, duas estão analisando se ainda há necessidade do dinheiro e 28 estão concluindo os trâmites burocráticos para acessar o recurso. Cinco prefeituras não se pronunciaram sobre o repasse da verba.

Prefeituras reclamam do direcionamento da verba

Entre as prefeituras que não deram continuidade ao processo de captação de recursos também há as que criticam os critérios que direcionam os gastos e ainda não sabem ao certo o que fazer com o dinheiro.  Em Doutor Maurício Cardoso, o prefeito Marino Pollo desistiu do dinheiro porque a necessidade do município não é de cestas básicas e sim de aquisição de bebedouros.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil no Estado, o tenente-coronel Oscar Moiano, o prazo para a retirada do recurso é de até 90 dias depois da data de publicação do decreto de situação de emergência no Diário Oficial, ou seja, os municípios têm até o mês de abril para encaminhar a documentação necessária e ter acesso ao recurso.

>> Clique aqui para ler a matéria na íntegra em zerohora.com

Comente aqui