clicRBS
Nova busca - outros

seca

20 jan10:44

Municípios em situação de emergência no RS começam a receber ajuda humanitária

A partir desta sexta-feira, a prefeitura de Joia, no noroeste gaúcho, terá R$ 51,9 mil para aplicar em distribuição de cestas básicas, compra de caixas d’água, filtro ou pipas de vinil ou na revitalização de poços. O município de 8,3 mil habitantes será o primeiro beneficiado com os R$ 18 milhões em ajuda humanitária, oferecidos ao Estado pela União.

Com o objetivo de facilitar o acesso aos recursos, funcionários do governo ligaram para todas as 311 prefeituras em situação de emergência. Para os interlocutores, uma mesma pergunta era feita:

— Vocês têm conhecimento de como é possível receber o recurso da ajuda humanitária para combater a estiagem?

Das 311 prefeituras contatadas, 150 estão aprontando a documentação necessária para receber o dinheiro e 64 indicaram responsáveis para centralizar as informações sobre a seca.

Hoje devem ser anunciados quantos municípios, além de Joia, poderão sacar a verba a partir da semana que vem.

>> Clique aqui para ler a matéria na íntegra em zerohora.com

Comente aqui
19 jan19:47

Chuva e vento forte em Santo Augusto

Foto: Pricila Aita, divulgação

A chuva forte que caiu nesta quinta-feira em Santo Augusto, no Noroeste, começou às 17h50min e durou cerca de uma hora. Segundo  medição do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), choveu 48,6 mm. A temperatura caiu de 34 °C para 18°C.  Apesar do vento forte, de 70 km/h, a Brigada Militar não chegou a ser comunicada sobre destelhamentos e outras ocorrências. A última chuva havia ocorrido em 14 de janeiro na cidade e havia atingido apenas 5 mm. No início deste mês, Santo Augusto já havia decretado situação de emergência em razão da seca.

Comente aqui
19 jan12:16

Giruá destinará R$ 500 mil para auxiliar agricultores prejudicados pela seca

Após decretar situação de emergência, na última sexta-feira, 13, o Governo Municipal de Giruá apresentou esta semana a produtores, Sindicatos, Emater e demais órgãos ligados ao setor agrícola do município, um Plano Estratégico para auxiliar as famílias mais prejudicadas pela estiagem que decorre há cerca de 60 dias e já acumula prejuízos superiores a R$ 30 milhões.

Serão realizadas diversas ações imediatas para atender quem mais está sofrendo com a seca. A primeira delas é a entrega de equipamentos a grupos de produtores rurais, que englobam duas carretas agrícolas e seis ensiladeiras. Na ocasião do lançamento do Plano, o prefeito autorizou ainda a liberação de mais R$ 100 mil para aquisição de mais equipamentos, um total de R$ 200 mil a beneficiar 200 famílias.

De imediato o Governo Municipal também inscrevendo os produtores mais prejudicados num prazo de 10 dias a vencer na próxima quarta-feira.

Famílias devem inscrever-se para receber benefícios

Para que sejam beneficiados com as medidas, as famílias precisam apenas comprovar perdas por meio de avaliação dos Sindicatos e Emater em suas produções de milho, leite, soj, hortigranjeiros, pastagens e outras culturas, apresentar aptidão ao Pronaf (Dap) e a inscrição no CAD Único. As inscrições podem ser feitas na Secretaria Municipal de Agricultura. Com isso, as famílias serão amparadas pelo Programa de Apoio ao Produtor Rural, que atenderá através da doação de sementes de milho para plantio de novas lavouras, para pastagens de animais, doação de ração/alimento para animais, auxílio de maquinários do Governo Municipal para abertura de novos bebedouros, cedência de maquinários e por meio da destinação do Benefício Social Rural, que é a transferência de R$ 250,00 às famílias em vulnerabilidade extrema, sendo R$ 50,00 para aquisição de gêneros alimentícios.

Conforme adianta o prefeito Fabiam Thomas, um mutirão já está sendo organizado para a construção de novas redes de água, que deverão beneficiar mais 300 famílias do interior do município, principalmente nas localidades de Rincão dos Becker, Rincão dos Ribeiros e Passo da Pedra.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Giruá

Comente aqui
18 jan13:38

Apesar da seca, produtor que antecipou plantio de milho pode ter bons resultados

Por Vanderlei Holz Lermen, agricultor no município de Boa Vista do Buricá

Estamos vivendo uma época difícil na agricultura. Já são quase dois meses sem chuva expressiva na região. Muitos municípios decretaram situação de emergência, e as perdas nas lavouras chegam a 80%, principalmente na cultura do milho.

O que eu, como jovem agricultor, tenho visto, são lavouras de milho secas, ou que ainda não chegaram na floração, e agora podem ser consideradas como perda total. Mas vejo também propriedades com milho seco, mas com espigas formadas e normais.

Então, me pergunto: os prejuízos da estiagem seriam culpa total do tempo ou a falta de planejamento das lavouras também influenciaria?

Como ando muito pelo interior do município de Boa Vista do Buricá e municípios vizinhos, vejo as diferenças contrastantes.

Onde a plantação foi feita cedo, a lavoura está com boa produção. A maioria dos produtores plantou mais tarde, devido à pastagem de inverno, e agora sofre com as perdas.

Mas, será que vale a pena esperar a pastagem de inverno terminar para plantar o milho, ou seria melhor tratar o gado algumas semanas a mais com silagem e fazer o plantio antes?

Na minha opinião, e constatação, vale a pena. E muito. Alguns dias podem fazer a diferença, entre uma boa produtividade e uma menor produtividade. Conversei com dois profissionais no assunto: o engenheiro agrônomo Adolar Ten Kathen e o técnico da Cotrimaio José Fantinel.

Kathen  afirma que as lavouras que foram plantadas no mês de agosto e até os primeiros dias de setembro têm apresentado  perdas de 50% a 60%. As demais, têm tido perdas de até 95% ou mesmo consideradas perda total. Os produtores que fizeram o plantio do milho mais cedo tiveram melhores resultados, segundo ele.

>> Clique aqui para continuar lendo em zerohora.com

Comente aqui
18 jan11:12

Com escassez de água, Horizontina decreta situação de emergência

Horizontina se juntará aos mais de 290 municípios gaúchos em situação de emergência no Estado. Os números do laudo técnico elaborado em parceria entre Secretarias Municipais de Agricultura e Meio Ambiente, de Coordenação

Danusa Widz, divulgação

e Planejamento, Emater e Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Conselho Municipal de Defesa Civil, apontam perda de 50% na soja, 40% no milho, na produção leiteira perdas de 15% em novembro, 20% em dezembro e 30% nestas primeiras semanas de janeiro de 2012.

Também há grandes perdas também na agricultura de subsistência, produção de carne bovina e na produção de peixes, além da fruticultura e horticultura. A decisão foi tomada em reunião com o Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural, que aprovou a iniciativa, nesta segunda-feira.

Agora, o município encaminha os processos burocráticos e aguarda a visita da Defesa Civil Regional. Por enquanto, o governo municipal está realizando diversas ações para amenizar a situação dos agricultores, como a distribuição de água às famílias necessitadas, e estudos de viabilidade de perfuração de novos poços.

Os moradores do interior que precisam de água potável devem se inscrever na Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente. Por meio de caminhões-pipa, ela será distribuída nas comunidades onde há demanda.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Horizontina

Municípios em situação de emergência: Cruzeiro do Sul, Fontoura Xavier, Engenho Velho, Novo Xingu, Liberato Salzano, Barra Funda, Fortaleza dos Valos, Cerro Branco, Crissiumal, São Pedro das Missões, Constantina, Rodeio Bonito, Ilópolis, Coronel Bicaco, Passo do Sobrado, Chiapetta, Santa Cruz do Sul, Frederico Westphalen, Ibirubá, Lagoão, Vila Maria, São José das Missões, Jóia, Pinhal Grande, Palmeira das Missões, Arroio do Meio, São José do Herval, Cristal do Sul, Pinhal, Jaboticaba, Boa Vista das Missões, Nova Palma, Pouso Novo, Segredo, Seberi, Doutor Ricardo, Arroio do Tigre, Colorado, Santo Augusto, Bozano, Boa Vista do Cadeado, Selbach, Pejuçara, Quinze de Novembro, Capão do Cipó, Boa Vista do Buricá, Redentora, Tupanciretã, São Paulo das Missões, Travesseiro, Boa Vista do Incra, Toropi, Nova Boa Vista, Barros Cassal, Jari, Encruzilhada do Sul, Cerro Grande, Alegria, Bom Retiro do Sul, Aurea, Estrela Velha, Tunas, Fazenda Vilanova, Progresso, Rondinha, Novo Tiradentes, Braga, Panambi, Santo Cristo, Sinimbu, União da Serra, Inhacorá, Salto do Jacuí, Gramado Xavier, Mato Leitão, Ronda Alta, Vale do Sol, Anta Gorda, Ibirapuitã, São Valério do Sul, Soledade, Montauri, Vera Cruz, Jacuizinho, Aratiba, Três Palmeiras, Ernestina, Erval Seco, Mormaço, Lajeado do Bugre, Pontão, Humaitá , São Valentim do Sul, Tapera, Lagoa dos Três Cantos, Quevedos, Ibarama, Dona Francisca, Caçapava do Sul, Novo Barreiro, Espumoso, Sagrada Família , São João do Polêsine, Alto Alegre, Campos Borges, Silveira Martins e Cachoeira do Sul, Novo Cabrais, Vista Alegre, Pareci Novo, Relvado, Faxinal do Soturno, Dois Lajeados, Boqueirão do Leão, São Martinho da Serra, Herveiras, Restinga Seca, Amaral Ferrador, Dois Irmãos das Missões, Ubiretama, Ivorá, Agudo, Itaara, Paraíso do Sul, Júlio de Castilhos, Cruz Alta, Nova Candelária, Lagoa Bonita do Sul, Mata, Candelária, Candiota, Cerro Largo, Capitão, Dilermando de Aguiar, Gramado dos Loureiros, Guaporé, Marques de Souza, Passa Sete, Santa Maria, São Nicolau, São Pedro do Butiá, Taquaruçu do Sul, Garruchos, Encantado, Trindade do Sul, Putinga, Barra do Guarita, Paulo Bento, Getulio Vargas, Forquetinha, Itacurubi, Dezesseis de Novembro, Independência, São Valentim, Mato Queimado, Jacutinga, Vespasiano Correa, Saldanha Marinho, Faxinalzinho, Nova Bréscia, Irai, Santo Antônio da Missões, Nova Ramada, Rolador, Sertão, Nova Alvorada, Canudos do Vale, Ipiranga do Sul, Santa Clara do Sul, Tio Hugo, Eugênio de Castro, Entre Ijuís, Tenente Portela, Erval Grande, Vitória das Missões, Augusto Pestana, Catuípe, Barra do Rio Azul, Itapuca, Três de Maio, Pantano Grande, Victor Graeff, Campinas do Sul, Miraguaí, Casca, Barão do Cotegipe, Não-Me-Toque, Sarandi, Coqueiros do Sul, Sobradinho, Entre Rios do Sul, Bossoroca, Cruzaltense, Ponte Preta, Rio dos Índios, Condor, São Miguel da Missões, Quatro Irmãos, Nicolau Vergueira, Três Passos, Venâncio Aires, Vale Verde, Santiago, Benjamin Constant do Sul, Arvorezinha, Cotiporã, Pinheirinho do Vale, Paim Filho, Formigueiro, São Luiz Gonzaga, Bom Princípio, Senador Salgado Filho, Tiradentes do Sul, Esperança do Sul, Salvador das Missões, Palmitinho, André da Rocha, Porto Mauá, Santa Bárbara do Sul, Campinas das Missões, São Martinho, Vicente Dutra, Guarani das Missões, Porto Vera Cruz, Almirante Tamandaré do Sul, Guabiju, Marau, Taquari, Floriano Peixoto, Mariano Moro, São Domingos do Sul, Camargo, Coqueiro Baixo, Derrubadas, Estação, General Câmara, Imigrante, São José do Inhacorá, São Leopoldo, Sede Nova, Vista Alegre do Prata, Vista Gaúcha, São Gabriel, Chapada, Centenário, Tupanci do Sul, Roca Sales, Bom Progresso, Fagundes Varela, Coronel Barros, Planalto, Campo Novo, Santa Margarida do Sul, Santo Ângelo, Colinas, Bento Gonçalves, David Canabarro, São Jerônimo, Unistalda, Piratini, Ajuricaba, Caiçara, Alpestre, Cerrito, São Sepé, Ametista do Sul, Caibaté, Parai, Doutor Maurício Cardoso, Porto Lucena, Ciríaco, Santa Rosa, Protásio Alves, Nova Esperança do Sul, Jaguari, Canguçu, São Pedro do Sul, Alecrim, Ijuí, Dom Pedrito, Marcelino Ramos, Westfalia, Tuparendi, Sete de Setembro, Novo Machado, Pedras Altas, Giruá, Cândido Godói, Coxilha, Porto Xavier, Ulha Negra, São Borja e Bagé.

Municípios que enviaram Nopreds: Erebango, Gentil, Rio Pardo, Santo Antônio do Planalto, Três Arroios, Teutônia, Aceguá, Carazinho, Roque Gonzáles, Maçambará, Pedro Osório, Arroio Grande, Herval, Nova Bassano, Severiano de Almeida e Horizontina .

Comente aqui
18 jan10:05

Governo antecipa Bolsa Família para quem vive em regiões atingidas pela seca

O governo federal antecipou o pagamento do Bolsa-Família aos beneficiários que vivem em regiões atingidas pela seca no Rio Grande do Sul e pelas enchentes em Minas Gerais. As famílias poderão sacar o benefício a partir desta quarta-feira.

O pagamento, que é feito de forma escalonada, ao longo do mês, será todo concentrado nesta quarta, em parcela única. O benefício de fevereiro também foi antecipado para o dia 14 do próximo mês.

A medida beneficiará os municípios que decretaram de situação de emergência. No Rio Grande do Sul, o governo antecipa o pagamento em 142 municípios.

>> Clique aqui para ler mais em zerohora.com

Comente aqui
17 jan10:42

Apesar da chuva, potencial produtivo da soja está comprometido

* Ruy de Araújo Pinto Jr, Engenheiro Agrônomo da Cotrijal em Almirante Tamandaré do Sul

Em Tuparendi, o desenvolvimento da soja está comprometido com a seca

Mesmo com a pouca chuva dos últimos dias, o potencial produtivo da soja está comprometido. O principal motivo está relacionado ao fato de as folhas da planta permanecerem murchas por um longo período do dia. Nos últimos dias, isso vem ocorrendo já pela manhã, por volta das 9 h.

Quanto mais horas do dia a planta permanecer murcha, maior sua perda de potencial. Do ponto de vista da fisiologia da planta, se ela está murcha, não realiza a fotossíntese, processo pelo qual ocorre a geração de massa verde, que levará à produção de grãos.

Com o processo respiratório deficiente, as folhas da parte inferior da planta começam a ficar amareladas, levando a um círculo vicioso, limitando a produção à medida que o murchamento persiste.

Outro problema sério destas lavouras murchas é que ocorre um “bronzeamento”, queimaduras da face inferior da folha até o ponto de provocar a morte parcial ou total da mesma. Esta parte da folha não possui as estruturas celulares apropriadas para receber a radiação direta do sol. Costumo dizer que a parte de baixo da folha não tem “protetor solar”.

>> Clique aqui para ler a matéria na íntegra em zerohora.com

Comente aqui
16 jan16:11

Com prejuízos em lavouras de milho e soja, Tuparendi decreta situação de emergência

Foto: Jairo Denis de Souza, divulgação

As consequencias da escassez de chuva levaram o prefeito Olavo Pawlak decretar situação de emergência em Tuparendi. Na semana passada o prefeito percorreu várias comunidades do interior de Tuparendi e constatou que algumas lavouras de milho tiveram perda total, além de prejuízos irreversíveis em algumas lavouras de soja.

A produção de leite também já está sendo afetada e, em algumas propriedades, os bebedouros estão completamente secos.

A precipitação da última semana foi insuficiente para reverter os estragos provocados pelo longo período de estiagem no município.

Além de visitar as comunidades do interior, o prefeito também elaborou um projeto de lei, aprovado pela Câmara, criando o Conselho Municipal da Defesa Civil, e se reuniu com técnicos e representantes de entidades ligadas a agricultura para tomar a decisão de ‘decretar “situação de emergência” em Tuparendi.

Segundo Olavo, a Prefeitura tem priorizado os serviços no interior do município, com as máquinas executando serviços de abertura de fontes e bebedouros.

_ É muito triste a gente ver as lavouras se perdendo, ver a tristeza nos rostos dos agricultores, e ficarmos impotentes diante do que está acontecendo. Ainda assim nós temos feito o possível para dar todo o apoio aos nossos produtores, e enquanto persistir esta situação daremos prioridades a serviços na área rural_ afirmou o prefeito.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Tuparendi

Comente aqui
16 jan14:55

Seca motiva decreto de situação de emergência em Tucunduva

Mais um município do noroeste está na lista dos que decretaram situação de emergência devido ao baixo índice de chuvas e suas implicações nas lavouras e no abastecimento de água.

Tucunduva decretou situação de emergência na manhã desta segunda-feira, 16, depois da apresentação de relatório de avaliação de danos elaborado pela comissão de Defesa Civil, Emater e Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade. De acordo com o documento, estima-se que os prejuízos com a estiagem no município chega a R$ 13, 378milhões até o momento.

A soja é a cultura mais afetada com a falta de chuva. De acordo com o parecer técnico divulgado nesta segunda, as perdas na produção atingem 45%, gerando um prejuízo de R$ 7.020 milhões. Nas lavouras de milho, a perda foi de 30%, representando um prejuízo de R$ 3.120.000,00.

A pecuária leiteira sofre um reflexo direto com a perda na produção de milho e das pastagens, com uma queda de 30% na produção de leite, o que gera um prejuízo de R$ 2.230 milhões. Em média, o rebanho de bovino de corte sofreu queda de 15% no peso, com perdas estimadas em R$ mais de 1 milhão.

A Secretaria da Agricultura já realizou a abertura de mais de 50 bebedouros de água para animais.

Comente aqui
15 jan19:09

Seca atual já supera a de 2005 no Rio Grande do Sul

Caio Cigana | caio.cigana@zerohora.com.br


A seca que se iniciou em novembro, atravessou dezembro e entra em janeiro é até agora mais severa em comparação com a que arrasou as lavouras de soja e milho na safra 2004/2005.

Nem a precipitação dos últimos dias foi capaz de emparelhar o confronto com os índices de sete anos atrás, quando o efeito em cadeia da devastação no meio rural fez o PIB gaúcho amargar um tombo histórico de 2,8%. Cotejando os números dos dois períodos de 10 cidades espalhadas pelo Rio Grande do Sul entre 1º de novembro e 10 de janeiro, o coordenador do 8° Distrito de Meteorologia do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Solismar Prestes, mostrou o drama dos gaúchos.

– Neste mesmo intervalo de 2004/2005, nestes 10 locais choveu o equivalente a 78,8% no normal. Agora, baixa para 50,42%. Mesmo com estas chuvas dos últimos dias não chega a 60% – diz Prestes.

Um levantamento semelhante transformado em um mapa da chuva – ou da seca – pelo Centro Estadual de Meteorologia (Cemet) com as precipitações até as 10h de sexta-feira atesta a constatação do Inmet.

Apesar da comparação macabra com a seca que causou os maiores prejuízos econômicos contabilizados até hoje no Estado, os meteorologistas se apressam em avisar que não há motivo para pânico. Se os prognósticos estiverem certos, o horizonte das próximas semanas é de melhores chances de chuva ante o mesmo período de 2005. Lá atrás, o mês mais abrasador, com chuvas equivalentes a apenas 42% da média, foi fevereiro, justamente o período mais crítico para a lavoura de soja. O resultado foi que a safra do grão que puxa o agronegócio gaúcho minguou para apenas 2,44 milhões de toneladas – quase cinco vezes menor do que ano anterior.

O meteorologista Flávio Varone, do Cemet, vinculado à Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), avisa que há boas chances de a chuva voltar até o final do mês, pelo menos às principais regiões produtoras de grãos.

Fevereiro apresenta perspectivas um pouco melhores. No norte gaúcho, as chuvas tendem a ser normais. Em uma faixa próxima ao centro do Estado, um pouco abaixo da média. E no Sul, a previsão mais otimista é de precipitações iguais à metade do normal.

Comente aqui