clicRBS
Nova busca - outros

turismo

22 abr14:02

Ciclistas percorrem trajeto de Três Passos ao Salto do Yucumã

Álvaro Miguel Perini, leitor-repórter

Vinte e um ciclistas das cidades de Santa Rosa, Ijuí, Santo Ângelo, Três Passos e Criciumal partiram da cidade de Três Passos com destino ao maior salto longitudinal do mundo. O trajeto realizada no último sábado, dia 21, é privilegiado para quem gosta de aventuras, apreciar riquezas naturais e confraternizar com amigos.

A opinião dos aventureiros era unânime: o Salto do Yucumã, no município de Derrubadas, é o local que deveria ser conhecido por todas as pessoas que adoram a natureza. Visitar um local destes de bike se torna muito mais emocionante.

Partimos do Parque da Feicat, em Três Passos, às 10 h, com dois carros de apoio, muita água e frutas. Após três horas de pedalada chegamos no interior do parque com muita admiração pela beleza e preservação da natureza.

Após visitar os 1.800 metros dos saltos com boa visibilidade, pois o nível do rio está muito baixo, fizemos um lanche e retornamos ao ponto de origem.

No caminho, algumas baixas por cansaço e quebra das bike. Chegamos à noite em Três Passos.

Completei todo o percurso e mesmo já tendo visitado o Salto outras duas vezes, do lado argentino, fiquei admirado pela beleza do lado brasileiro.

Outros passeios estão sendo planejados pelos ciclistas da região e esperamos mais participação dos amantes do ciclismo.

O passeio em números


- 130 km pedalados no total

- Velocidade média de 18 km/h

- Velocidade máxima chegou a 57 km

- Tempo: 7 horas de pedaladas.

Comente aqui
16 abr17:33

Com baixo nível do rio Uruguai, belezas do Salto do Yucumã são reveladas

Uma cachoeira com 1.800 metros de extensão longitudinal é revelada em épocas de pouca chuva. As belezas do Salto do Yucumã, em Derrubadas, a 170 km de Santa Rosa, podem ser apreciadas com o baixo nível do Rio Uruguai que divide os territórios brasileiro e argentino. As quedas de até 15 metros de altura atraem turistas de diferentes pontos do país ao Parque Estadual do Turvo.

_ Adorei conhecer o Salto do Yucuma, pois é muito linda a paisagem. É gratificante ver que em meio a tantos desastres na natureza ainda há lugares assim, perfeitos. Pretendo voltar, pois é um lugar lindo para relaxar e passar um tempo com a família_ afirma a auxiliar administrativo Aline Jarczewski, 22 anos, de Santa Rosa.

Da entrada do Parque até o Salto são 15 km entre a mata nativa, que abriga mais de 700 espécies de plantas, em torno de 290 espécies de aves, mais de 30 espécies de mamíferos de médio e grande porte, dentre os quais espécies ameaçadas de extinção, como a anta e a onça-pintada.

_Ir ao Salto do Yucumã, mesmo que não seja pela primeira vez é sempre lindo, pois o local nos apresenta uma beleza curiosa. Posso dizer assim, pelo fato de querer entender a formação natural de um lugar, de espaços, de objetos_comenta a coordenadora de Marketing Daniele Motta, 26 anos.

Com baixo nível do rio, é possível caminhar em seu leito

Além de apreciar as belas quedas, os turistas têm a oportunidade de banhar-se nas águas do Rio Uruguai e fazer a travessia a pé em alguns pontos, em função do baixo nível do rio.

No leito rochoso do rio Uruguai há pontos que o nível de água é de apenas alguns centímetros. Próximo ao Salto, no entanto, o rio é revoltoso com profundidade de 90 a 120 metros e forte correnteza, o que impede o acesso ao banho.

Nos pontos de água rasa e tranquila, muitos banhistas arriscam o passeio a pé no leito do rio para apreciar o local. Pedras de diferentes formatos e pequenos peixes podem ser vistos facilmente na água límpida.

A visitação no Parque Estadual do Turvo está restrita ao Salto do Yucumã, sendo que não existem trilhas em meio à mata abertas à visitação.

Como não há lanchonetes em funcionamento no interior do Parque, cada visitante deve levar seu próprio lanche. Neste sentido, há uma estrutura com cerca de dez churrasqueiras.

_Se tratando de um dos principais pontos turísticos de nossa região, a estrutura é ainda pouco privilegiada. É preciso melhor estrutura de banheiros, espaço histórico no local de permanência dos visitantes, placas informativas de cada espaço visitado_ sugere Motta.

Horário de visitação


De quarta-feira a domingo

8h30min às 17h

Ingresso

Valores por veículo

Carro – R$ 11,90

Ônibus – R$ 159,80

Informações ao turista

(55) 3616-3071

Comente aqui
29 fev12:00

Apaixonados por Fusca se reúnem para conhecer belezas do Mercosul

Duas paixões em comum levam 12 proprietários de Fuscas a viajar pelo Mercosul: a adoração pelo veículo e o desejo de conhecer as belezas das terras gaúchas e de países sul-americanos.

Pela terceira vez, o grupo de Doutor Maurício Cardoso e Nova Candelária parte com seus fuscas rumo a aventuras e divulgação de sua paixão. E a iniciativa, tem até nome: é o 3º MercoFusca.

Os amantes do veículo mais popular do mundo já foram até Posadas, na Argentina, e Cidade Del Este, no Paraguai. Neste ano, o destino é Rivera, no Uruguai.

Os fuscas saíram nesta manhã de Doutor Maurício Cardoso e seguem até Itaqui. No caminho, paradas para conhecer as belezas de Roque Gonzales, São Luiz Gonzaga, São Pedro do Butiá e São Borja.

Depois de 370km, chegam a Itaqui, onde ficarão em um hotel.

_ O pessoal fica encantado quando vê o grupo. É interessante ver a admiração quando paramos em um posto de gasolina ou quando chegamos na garagem do hotel_ afirma o vice-prefeito de Nova Candelária e apaixonado por Fusca, Ari Edmundo Roehrs.

Na quinta-feira pela manhã, a aventura continua. O grupo segue viagem até Santana do Livramento e Rivera, no Uruguai.

Depois de conhecer os atrativos uruguaios, o grupo retorna com um roteiro que lhe permitirá conhecer Rosário do Sul, Cacequi, São Vicente do Sul, Mata, São Pedro do Sul e Santa Maria.

_Certamente será inesquecível e muito divertido para os 25 que se uniram ao grupo_acredita Roehrs.

Os fuscas retornam ao seu lugar de partida no próximo domingo, dia 4, com a bagagem repleta de histórias para contar e muito carinho de seus donos.

Comente aqui
10 fev16:45

Dica de Verão: Para além da praia, turistas buscam lazer em balneários

Na região noroeste, próxima à fronteira com a Argentina é possível perceber desde o início do verão um intenso fluxo de veículos argentinos que partem em direção ao litoral gaúcho e catarinense.

Assim como os hermanos, moradores da região tem buscado lazer e descanso nas regiões litorâneas. No entanto, para além da praia, os balneários também se tornaram atrativos.

A moradora de Crissiumal Vanessa Massmann comenta que se impressionou com a estrutura de um dos parques aquáticos existentes em Capão da Canoa.

- O Marina é uma ótima opção para aproveitar o verão, pois tem muitos atrativos e opções de atividade pra todos os gostos. Os brinquedos são ótimos, mas o melhor deles é o Dragon Free, um tobogã emocionante – comenta.

No parque, é possível subir na Árvore do Tarzan, um conjunto de toboáguas de 16 metros, ou entrar na Torre do Pirata, uma

descida que conta com esqueletos, piratas e o próprio Barba Negra. Com 90 graus de inclinação e 14 metros de altura, o Dragon Free é a chance de testar a própria coragem: são 38 segundos de descida íngreme e radical.

Ainda, são oferecidas atrações como piscinas, tirolesa, pedalinhos, Vale dos Dinossauros e brinquedos temáticos que despertam a imaginação em todas as idades.

Para conhecer o parque aquático, acesse www.sitedomarina.com.br.

>> Você também tem uma dica de turismo ou diversão no período de férias? Seja nosso leitor-repórter e compartilhe sua sugestão pelo e-mail participe@clicrbsnoroestemissoes.com.br

Comente aqui
27 jan13:04

Cursos de capacitação gratuitos devem fomentar turismo na região

O turismo na região será qualificado com a oferta de cursos gratuitos na área entre o mês de abril e outubro de 2012 .

Nesta quinta-feira, dia 26, o presidente do Consórcio Rota do Yucumã, prefeito de Derrubadas Almir Bagega, assinou o convênio entre o Consórcio Rota do Yucumã e a Secretaria de Turismo, para a qualificação de recursos humanos para o Turismo na região.

O ato que contou com a presença da Secretária de Turismo do RS, Abgail Pereira, formalizou o repasse de Recursos oriundos da Consulta para capacitações nos diferentes segmentos turísticos.

Estão confirmados os seguintes cursos:

- Cursos de qualificação em Turismo Rural e Agroturismo.

- Cursos de Qualificação para gestores públicos de turismo das prefeituras municipais.

- Cursos de Qualificação para profissionais para recepção e atendimento ao turista e motivação para o turismo.

- Cursos de Qualificação em Monitor de Ecoturismo.

- Cursos de organização e Planejamento do Turismo.

- Cursos de Cerimonial e protocolo em eventos oficiais.

- Curso de turismo de aventura.

Informações complementares podem ser obtidas pelo e-mail contato@amuceleiro.com.br.

1 comentário
25 jan11:17

Os desafios de um santo-angelense nas geladas montanhas bolivianas

Luís Persigo, leitor-repórter

Há 13 anos faço escaladas em rocha, tendo realizado algumas inclusive em solo sem uso de equipamento específico e com outro escalador). Mas chega um momento que se acha que falta alguma coisa: era a hora de desafiar montanhas mais altas e sentir os efeitos de grandes altitudes.

Então buscando uma escalada sem grande apoio logístico, sherpas(carregadores), vai e vem de alpinistas e todo glamour de montanhas clássicas, me deparei com as montanhas da Bolivia, mais tranquilas, igualmente desafiadoras como as mais conhecidas de Torres Del Paine, Aconcaguá ou Fitz Roy.

Os desafios estavam presentes a cada passo. Foram noites de 15 horas, com temperaturas de -2⁰ C a -25⁰ C e, durante o dia, médias de 12⁰ C. Com as baixas temperaturas, dificuldade de respirar, algumas vezes dor de cabeça, tontura e náuseas entre ventos gelados e cortantes e a qualquer hora neve.

Cinco mil metros – A escalada

Foram muitas as provas quando estive na Bolívia para escalar o monte Tarija e o Alpamayo, ambos, a mais de 5.500 metros acima nível do mar, no Parque Nacional do Condoriri.

Durante três meses fiz preparo físico na academia Vitallity, com a equipe da Vanusa Alves. Foram longas caminhadas, corridas, levantamento de peso e todo tipo de treinamento físico.

Na escalada passei cinco dias sem comunicação. Para beber água era necessário derreter a neve. A escalada iniciou à 1h com cume atingido às 11h, com rampas de gelo de 70⁰ de inclinação, de puro gelo. Mas o sucesso foi obtido.

A sensação de colocar os pés acima das nuvens… não tem palavras para descrever. Com o visual fantástico da Cordilheira blanca dos Ardes todos sacrifícios foram compensados pela enorme sensação de ter objetivo atingido, sendo o primeiro missioneiro a atingir está altitude.

Já durante a descida, parte mais perigosa de uma escalada, uma forte nevasca escondeu o caminho de retorno e o sol, mas era só mais um desafio. Mais quatro horas e meia de descida.

Alguns registros fotográficos e filmagens deixaram de serem realizados, pois as câmeras congelaram tamanho era o frio, mas muito material foi produzido.

Aclimatação

A aclimatação é necessária (período de adaptação do corpo a grandes altitudes) pois Santo Ângelo está a 313 m acima do nível do mar e La Paz a 3.800 m já no desembarque do avião. Foram 15 dias tendo que adaptar o organismo à falta de oxigênio então foi possível visitar o lago mais alto do mundo, Titikaka com cerca de 8300 km² e a 3.820m acima do nível do mar; visitar a cidade de La Paz e fazer curso de impactos ambientais em trilhas e ecológicas no Valle de La Luna que é um sitio arqueológico com rochas sedimentares; conhecer as ruínas incas de Tiwanaku e estar na estação de esqui mais alta do mundo, em Chacaltaya, a 5.420 m de altitude .

Hospitalidade

Os bolivianos são um povo muito hospitaleiro e com preços muito acessíveis: café da manhã a $ 4,00, almoçar truta com saladas a $8,00 e cerveja gelada ,algo muito difícil por lá, com um comércio convidativo nos preços que chegavam a diferença de moeda de $ 4.6 bolivianos para R$ 1,00, o que demonstra o valor de nossa moeda no exterior.

Sem falar no artesanato boliviano único e de cores muito alegres.

Por que escalar montanhas?


Tenho em mente que o prazer do risco está no controle necessário para experimentá-lo com segurança, fazendo com que o que parece ser perigoso para quem observa seja, para mim, uma simples questão de inteligência, habilidade, intuição, coordenação, ou em uma palavra: experiência.

Escalada em particular, é um passatempo paradoxalmente intelectual, mas com a seguinte diferença: você tem que pensar com seu corpo. Cada movimento tem que ser trabalhado como se você estivesse jogando xadrez com seu corpo. Se eu cometo um erro as consequências são imediatas, óbvias, embaraçosas, e provavelmente dolorosas. Por um curto período eu sou diretamente responsável pelas minhas ações. No belo e silencioso mundo das montanhas, me parece válido esse pequeno risco.

Pois o objetivo não é somente chegar no alto da montanha, se fosse isto bastaria pegar um helicóptero e subir até lá, mas o que mais interessa é o caminho que se faz para chegar ao cume.

Infelizmente são poucos os adeptos ao esporte do montanhismo no Brasil e quase ninguém na nossa região mas para aqueles que desejarem conhecer mais ou mesmo participar de uma expedição é só fazer contato. O que aliás em breve o projeto será escalar o Vulcão Sajama ( inativo) e mais alto dos Andes.

Quem desejar informações sobre escalada e montanhismo,darei com maior prazer meu email é luispersigo@yahoo.com.br.

Comente aqui
25 jan08:34

Trilha da Lua Cheia revela belezas e misticidade das Missões

Sob o luar, muitos encantos podem ser descobertos. As belezas que a noite reserva serão desbravadas durante a Trilha da Lua Cheia, que será realizada no dia 4 de fevereiro, nas Missões.

A caminhada parte de frente da Catedral Angelopolitana, às 21 h e segue até a Comunidade do Sossego, no interior de Santo Ângelo. Serão 13km de caminhada, com direito ao místico Ritual da Pitanga, café com fortaia e polenta, além de lual com artistas locais.

Um veículo de apoio e condutores especialistas em trilhas acompanharão os caminhantes.

Interessados em participar deste peculiar momento podem obter informações sobre como inscrever-se pelo fone (55) 3312-9632 ou pelo e-mail caminho@caminhodasmissoes.com.br

Comente aqui
22 jan14:31

Ciclistas de Bagé pedalam 456 Km para pagar promessa em Santo Ângelo

Foto: Eduardo Kitagawa, divulgação

Eduardo Kitagawa, leitor-repórter

Onze ciclistas bageenses partiram para encarar um desafio de 456 km’s até a região das Missões. Tudo isto para pagar uma promessa em nome da amizade. A promessa era que quando Rogério conseguisse a transferência do seu trabalho de Maringá (PR) para Santo Ângelo os amigos de Bagé fariam essa pedalada.

A saída de Bagé foi na última quinta-feira, 19, às 19h na frente à loja Ciclo Regert. O primeiro dia de pedal foi focado em “virar” a noite e a madrugada pedalando, para desbravar os 249 km’s de Bagé até Itaara em horário com temperatura mais amena. Após o almoço e “siesta”, às 19h de sexta-feira foi retomado novamente o roteiro, para pedalar os últimos 204 km’s que separam Itaara de Santo Ângelo. A chegada estava prevista para as 8h de sábado na Catedral Angelopolitana, mas devido a paradas a chegada foi às 15 h.



No total foram 27 horas pedalando, com recepção dos ciclistas da Associação Ciclo Missões (Mateus S.F.Lemos, Eduardo Kitagawa, Joelson de Oliveira,Nicolau Taborda, Dheison Castro, Rodrigo Flores, Diego Rodrigues).

Durante toda esta ciclo-viagem os ciclistas tiveram vários pontos de apoio, onde o carro de apoio (Sr. Francisco/Fronteira Turismo) aguardava com todos os aparatos para alimentação, hidratação e manutenções necessárias (Ciclo Regert).

Todos os ciclistas participantes são experientes em provas de longa distância, seguindo rigorosamente as normas de trânsito e utilizando todos os equipamentos necessários para uma viagem segura.

Os aventureiros

1- Rogério Madeira Fernandes

2- Nilton Sittoni

3- Heron Regert

4- Silvio Corrêa

5- Acimar Camargo

6- Ivo Bastos

7- Maurício dos Santos Ferreira

8- Luize Vesthfal

9- João Gabriel Gonçalves

10- Carlos Schroader

11- Arnaldo G. Antunes


Comente aqui
13 jan17:13

Rio Guarita dá mostra das belezas naturais da região

Foto: Régis Carniel, divulgação

Régis Carniel, leitor-repórter

O acesso dificultoso, em meio à mata, esconde um local paradisíaco. Vale a pena chegar às margens do Rio Guarita, interior de Vista Gaúcha, e vislumbrar as belas formas moldadas pela natureza e as cascatas que se formam em alguns pontos do rio. Em alguns locais, pequenas ilhas resguardaram árvores nativas e deixam o cenário ainda mais bonito.

Em função da escassez de chuva, o nível do rio está baixo e é possível ver o canal no meio do rio que forma um poço de água tranquila e atrativo para os banhistas.

Comente aqui
10 jan15:46

Veranistas lotam margens do Uruguai em Porto Mauá

Com temperaturas que beiram os 40ºC, muitos turistas buscam refúgio às margens do rio Uruguai, em Porto Mauá.

A 41 km de Santa Rosa, o prolongamento da ERS-344 na costa do rio, lota com pessoas que admiram as belezas naturais do local e o intercâmbio cultura, com a vizinha Argentina.

Os veículos ocupam os dois lados desta rua por quase toda sua extensão. As pessoas se espalham às margens do rio debaixo das inúmeras árvores existentes, ocupando as diversas mesas, bancos e churrasqueiras disponíveis no local.

Os afluentes do rio Uruguai como o rio Santa Rosa e Santo Cristo também recebem inúmeros banhistas nesta estação do ano. Os diversos balneários existentes ficam lotados neste período.

O rio Uruguai e afluentes estão com o nível das águas muito baixo, o que torna o banho convidativo.

Os turistas e veranistas que se deslocam ao município não necessitam trazer gêneros alimentícios, pois na cidade existem diversos mercados e açougues que ficam abertos ao público inclusive aos sábados, durante o dia todo, e aos domingos pela manhã, além de lancherias e restaurantes.

Informações: Vilson Winkler, assessor de imprensa da Prefeitura de Porto Mauá

Leia também: As belezas naturais de Porto Mauá

Comente aqui