Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2010

Uma frase retornável

31 de março de 2010 0

Para quem é criativo e se preocupa com o planeta, taí uma boa oportunidade. Vai até o dia 15 de maio a promoção do Carrefour, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, que escolherá as cinco melhores frases sobre os benefícios da utilização das sacolas retornáveis e sobre os 3R’s – recuse, reduza, reutilize para estampar em suas sacolas.

Em menos de 10 dias de concurso, mais de 1,5 mil frases já foram enviadas.

Além de ter a ideia estampada nas embalagens, o vencedor ganha uma viagem para Amazônia, Fernando de Noronha ou Pantanal.

Vale lembrar que a rede se lançou num grande desafio no início do mês, ao anunciar a eliminação, até 2014, das sacolas plásticas de suas lojas.

Pensou numa frase legal? Corra lá e se inscreva. Depois é só ficar imaginando:

1) Fernando de Noronha

2) Pantanal

3) Amazônia

As fotos são de Koldeway A. C. (1), André Feltes (2) e Tamara Hauck (3)

A rota correta

30 de março de 2010 0

Separar o lixo é uma coisa. Ter certeza de que ele será reciclado, outra.

A partir dessa diferença, surgiu o site Rota da Reciclagem.

Criado pela Tetra Pak, fabricante de embalagem, o espaço informa a população locais próximos da sua casa para descartar seu lixo de forma correta.

E o processo é fácil. Basta digitar seu endereço e correr com seu saco de lixo até o ponto mais perto. Os espaços de coleta estão divididos em Ponto de Entrega Voluntária (PEV), cooperativas e comércios que compram lixo reciclável. Não encontrou nenhum?

Pois o site também aceita colaborações. Você pode apontar um local que não esteja listado ainda. É tudo fácil, prático e direto.

Deve ser por isso que o Rota da Reciclagem comemora, neste mês, um ano no ar e mais de 200 mil acessos a sua rota!

Confere!

Diga sim à água da torneira

29 de março de 2010 3

A americana Annie Leonard, que ficou famosa pelo vídeo The Story of Stuff (A História das Coisas), no qual critica o ciclo de vida dos objetos e o consumismo exacerbado, aponta agora para uma nova fonte de preocupação. As garrafas plásticas de água são o foco do vídeo The Story of Bottled Water (A História da Garrafa de Água).

A água de garrafa é obrigatoriamente limpa? A água da torneira só pode ser usada para lavar louça e tomar banho? As garrafas plásticas são recicladas?

No vídeo, Annie responde essas e outras perguntas e ainda apresenta dados preocupantes.

Uma ao lado da outra, as garrafas plásticas consumidas pelos americanos em uma semana poderiam dar mais de cinco voltas ao redor da terra. Ficou preocupado?

Pois no desejo de fazer com que você diga não às garrafinhas, a americana ainda conta que a energia e o óleo usados para produzir o plástico das garrafas nos Estados Unidos poderia abastecer um milhão de carros.

A solução passa por investimento em infraestrutura pública para o tratamento da água da torneira e controle da poluição. Pensando no faça você mesmo, Annie dá a dica:

- Compre uma garrafa reutilizável (como as de alumínio) e diga sim a água da torneira.

Pouco espaço para muita comida

29 de março de 2010 2

Será que tem terra suficiente para plantar toda a comida que a humanidade consome?

Foi pensando nessa relação entre a produção de alimentos e o uso da terra que a The Why Factory – instituição holandesa que analisa o futuro das cidades – decidiu fazer um estudo usando a Ilha de Manhattan, no centro de Nova York, como exemplo.

Transformada em vídeo, a pesquisa parte de números altos para analisar o atual padrão alimentar e mostrar quanto se precisa de espaço para produzir os alimentos do nosso dia-a-dia.

Numa sociedade desenvolvida, cada pessoa comeria em média três quilos de alimentos por dia. Em um ano, são mil quilos. Entre os norte-americanos, o número ainda sobe para 1,2 mil quilos anuais.

Nessa estatística, o consumo de carne bovina é considerado um fator de riqueza, independente das diferentes dietas ao redor do mundo.

Em um país desenvolvido, como os Estados Unidos, cada pessoa come perto de 500 quilos de carne por ano. Nos países em desenvolvimento, a quantia cai para a metade.

Os números da pesquisa, que contou com a colaboração do escritório holandês de arquitetura MVRDV e da Delf University of Technology, são altos e fazem refletir sobre o quê e quanto comemos.

Para produzir a comida que a população de Manhattan – 1,8 milhão de pessoas – seria preciso uma área correspondente a 150 vezes o tamanho real da ilha.

Os alimentos de origem animal, incluindo as terras para a pastagem do gado, correspondem a mais da metade do total necessário para abastecer Manhattan. Seriam mais de 4 mil quilômetros quadrados apenas para sustentar o consumo de carne de gado.

Se colocássemos toda essa área na vertical, a torre somaria 37 quilômetros de altura. Uma torre só com os alimentos de origem animal – sem contar frango e peixes – corresponderia a uma torre de 23 quilômetros.

Espalhando essa área em todos os prédios da ilha, cada um aumentaria cerca de 200 metros.

Uma alternativa apontada pela The Why Factory são as novas técnicas que substituem a agricultura tradicional. As culturas hidropônicas, por exemplo, são mais eficientes, e a agricultura orgânica traz bem-estar para os animais e mais qualidade para os alimentos.

Mesmo assim, o estudo garante que ainda se precisaria de 46 vezes a área de Manhattan para produzir o que hoje é consumido pela população.

Fica o alerta: falta terra para tanta comida.

O e-lixo como negócio

29 de março de 2010 0

No início deste mês, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um ranking onde o Brasil apareceu como campeão de lixo eletrônico entre os países emergentes. Ao mesmo tempo, veio o alerta de que a coleta desse tipo de material nem lei tem no Brasil. O projeto até existe, mas tramita há 19 anos no Congresso Nacional.

O primeiro passo é resolver como iremos dar um destino correto ao e-lixo. Mas e o segundo? O segundo é descobrir como transformar a reciclagem dos eletroeletrônicos numa atividade rentável. A boa notícia é que tem gente se aventurando nesse mercado que já nasce com matéria-prima de sobra.

Uma das pioneiras é a Destino Certo. A empresa tem parceria com o Carrefour em São Paulo para buscar o eletrodoméstico ou eletroeletrônico na residência do consumidor. Isso, é claro, a partir de um pagamento. A ideia é que, ao comprar um produto novo, a pessoa já inclua o custo do descarte do velho.

Veja a lista abaixo:

Geladeira: R$ 139

Televisão: é dividida em duas categorias de acordo com o tamanho. Pode custar R$ 125 ou R$ 55

Celular, mp3 e ipod: R$ 9

Computador sem o monitor: R$ 76

Monitor: R$ 69

Notebook: R$ 89

Câmera digital e filmadora: R$ 39

Impressora: R$ 63

Leia a matéria completa na edição desta segunda-feira.

De bike pelo Google

29 de março de 2010 1

Que o Google sempre acha uma forma de surpreender os internautas não é lá grande novidade. A diferença é que, desta vez, a inovação veio a pedido do público. Nada menos que 50 mil assinaturas foram enviadas à empresa solicitando ao Google que criasse um mapa com ciclovias.

Pedido feito, pedido atendido. A princípio, serão mapeados os espaços destinados a ciclistas em 150 cidades norte-americanas.

Seguindo a linha colaborativa do site, o internauta poderá sugerir alteração de rotas e apontar possíveis erros nas ciclovias listadas. Tomara que a novidade chegue logo por aqui.

A foto é uma reprodução do site

Moda consciente

28 de março de 2010 1

Para os adoradores da moda, aí vão algumas novidades.

Até o dia 1º de abril, das 10h às 16h, uma exposição bacana ocupa a Agência Central do Banrisul (Rua Capitão Montanha, 177), no centro de Porto Alegre.

O Programa Reciclar é uma parceria com os alunos do curso Aprendizado Industrial em Moda do Senai.

As roupas da exposição “A Reciclagem em Moda e Design”, como o vestido aqui ao lado, são feitos com a reaproveitamento de diferentes materiais.

Em nove anos de trabalho, o Reciclar traz bons números para a gente:

-reciclou 3,7 mil toneladas de papel, o que representa cerca de 60 mil árvores.

Quer mais?

Amanhã começa o curso  Princípios do Vestir Consciente promovido pelo Instituto Ecotece em São Paulo.

O curso vai até o dia 1º de abril sempre das 19h às 22h. O objetivo?

Capacitar profissionais para a moda consciente levando possibilidades de desenvolvimento sustentável para a moda.

O curso será ministrado por Ana Cândida Zanesco, fundadora e presidente do Ecotece e assessora do concurso de moda sócio-ambiental Eco Fashion Brasil.

As inscrições ainda podem ser feitas no site e o valor é de R$360,00.

A foto é do Fábio Paranhos (Divulgação Banrisul)

Direto de Manaus

27 de março de 2010 1

O comentado  Fórum Internacional de Sustentabilidade começou ontem em Manaus.

Grandes nomes como o pesquisador americano, Thomas Lovejoy e o ex-vice-presidente dos Estados Unidos e vencedor do Prêmio Nobel, Al Gore, estavam presentes.

Sabe o que eles disseram?

Aí vai um pedacinho da conversa para quem está bem longe da Amazônia nesse momento.

Thomas Lovejoy: especialista em biodiversidade e florestas tropicais, é diretor do The H. John Heinz III Center for Science, Economics and the Environment.

Destacou a importância da Amazônia.

- A Amazônia produz metade da própria chuva e o desmatamento pode interferir nesse ciclo.

- A maior seca da história da floresta (que aconteceu em 2005) pode ser uma prévida das consequências das mudanças climáticas.

- A ideia de integrar a América do Sul (referência à rodovia Transoceânica) pode trazer consequências insustentáveis com um impacto pesado e sério.

Al Gore: ex-vice-presidente dos Estados Unidos. Vencedor do Prêmio Nobel da Paz por sua luta contra o aquecimento global e mudanças climáticas.

Destacou o uso da tecnologia.

- Sou um grande defensor do uso da internet e das novas tecnologias de informação na busca de soluções. Talvez seja a ferramenta mais poderosa que jamais tivemos nas mãos. Possibilita entender o mundo e encontrar soluções para os desafios.

- Um exemplo prático disso é a tecnologia usada para monitorar o desmatamento, que auxilia no processo de REDD (redução das emissões geradas com o desmatamento e a degradação florestal).

O visitante mais esperado de hoje, último dia do evento, é o cineasta, produtor e escritor James Cameron. Seu mais recente sucesso é o falado filme Avatar e sua palestra está marcada para as 14h35min.

O Fórum ainda deve apresentar a Carta do Amazonas, um manifesto pelo desenvolvimento sustentável da região e participar da Hora do Planeta, às 20h30min.

A foto é do fotógrafo Steffen Schmidt da agência EFE.

Bicicletas que entregam

26 de março de 2010 0

Quem disse que entregas tem de ser feitas com moto?

Bicicletas podem ser uma solução.

Pois as entregas ecológicas já chegaram a Porto Alegre.

Sem poluição sonora, nem emissão de carbono, a Pedal Express garante transportar tudo que cabe na mochila do bicicleteiro com segurança.

Interessou?

Aqui tem mais informações: http://www.pedalexpress.com.br/

A foto é do Glaicon Covre do Diário Catarinense.

Tempo de apagar a luz

25 de março de 2010 18

Você se preocupa com o aquecimento global?

Tem medo que as praias sejam engolidas pelo avanço do mar?

Ou que a água potável suma das torneiras?

Se pudesse, você diria para todo mundo que se preocupa com o futuro da Terra?

Então agora é o momento de você dizer. É facil. Basta apagar as luzes.

Neste sábado, dia 27, ocorre a quarta edição da Hora do Planeta, e é a segunda vez que o Brasil participa.

O projeto convida as pessoas a desligarem as luzes de suas casas por uma hora, a partir das 20h30min.

Ano passado, a Hora do Planeta envolveu 4 mil cidades de 88 países e, este ano, quer ultrapassar a marca de um bilhão de pessoas.

Para entrar nos cálculos da EarthHour, além de desligar as luzes, você precisa se cadastrar no site.

Depois, é só procurar diversão durante uma hora no escuro. É um bom momento para pensar no que você fará pelo planeta no resto do ano. Apenas 60 minutos por ano com as luzes apagadas não é suficiente.

Em Porto Alegre, oito espaços terão suas luzes apagadas, começando pela Estátua do Laçador. Largo dos Açorianos, Monumento à Julio de Castilhos, Monumento ao Expedicionário, Fonte Talavera, Viaduto Otávio Rocha, Estátua de Bento Gonçalves e Praça da Alfândega também ficarão no escuro.

Esta é a segunda vez que o Brasil se envolve na campanha. Entre no site www.horadoplaneta.org.br, cadastre-se e apague as luzes no sábado às 20h30min durante uma hora.

Com o cadastro, a organização conseguirá contabilizar quantas pessoas fizeram a diferença durante sessenta minutos este ano.

E aí, você vai apagar as luzes? E o que vai fazer durante 60 minutos no escuro?