Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de agosto 2010

Gelo contra a extinção

31 de agosto de 2010 0

Cientistas americanos criaram um banco de corais congelados para evitar sua extinção e preservar a grande diversidade de corais do Havaí, ilha americana no Pacífico.

Os serviços zoológicos do Instituto Smithsonian de Washington instalaram um laboratório na ilha canadense de Coconut Island, onde foram congeladas as primeiras células do coral Fungia scutaria e do coral Montipora capitata.

- As células de coral congeladas são viáveis. Será possível descongelar o material dentro de 50 ou mil anos em teoria, para recriar uma espécie ou desenvolver uma população de corais – explicou Mary Hagedorn, pesquisadora do Instito de Conservação Biológica do Smithsonian.

Por causa da atividade humana, as barreiras de coral e inúmeros animais que constituem seu habitat poderão desaparecer ao longo dos próximos 40 anos, segundo os responsáveis pela experiência.

Foto: Ann Farrell, AFP

O fim de uma cultura

30 de agosto de 2010 0

Mark Brown, The Guardian

Stephen Pax Leonard, 36 anos, em breve trocará gramados, livrarias e o primeiro time de professores da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, por três meses de escuridão, temperatura de até -40°C e caçadas a focas. Mas o pesquisador acadêmico, que deixou a Grã-Bretanha na metade deste mês, tem uma missão: aproveitar a última chance de documentar a linguagem e as tradições de uma cultura.

– Eu estou extremamente excitado, mas também apreensivo – afirmou Leonard, enquanto realizava os preparativos finais.

Leonard, um linguista antropólogo, vai passar um ano vivendo com os esquimós do noroeste da Groenlândia – os inughuit –, uma pequena comunidade cujos integrantes vivem uma rotina de caça e coleta similar a de seus ancestrais. Eles falam um dialeto, o inuktun, que nunca foi totalmente transcrito, e passam suas histórias e tradições de forma oral.

– As mudanças climáticas significam que restam a eles mais 10 ou 15 anos. Depois disso, terão de se mudar para o sul, e muitos, provavelmente, instalem-se em apartamentos modernos – disse Leonard.

Se isso acontecer, uma cultura e uma língua inteiras devem desaparecer. Não existe literatura esquimó escrita, mas um forte e “distinto patrimônio cultural imaterial”, de acordo com Leonard:

– Se a língua deles morrer, seu patrimônio e sua identidade morrerão com ela. O objetivo desse projeto é registrá-la e descrevê-la para, então, devolvê-la às comunidades, de forma que as futuras gerações possam usar e entender.

Em 12 de agosto, Leonard despediu-se da família e dos amigos. Em seguida, voou para Copenhague – “é o único lugar onde você pode comprar um dicionário gronelandês-dinamarquês” – e então para a Groenlândia. Serão outros dois voos internos para chegar ao principal assentamento inughuit em Qaanaaq, na costa noroeste do país, no norte da Baía de Baffin.

Lá, Leonard espera aprimorar suas habilidades linguísticas e construir contatos por sete ou oito meses antes de ir para o posto inughuit mais tradicional, em Siorapaluk. É onde fica o assentamento permanente mais setentrional do mundo, em que vivem cerca de 70 inughuit.

Será ali que Leonard espera ouvir a narração que está no cerne dessa cultura prestes a acabar.

Leia mais

Foto: Nei Maldaner, Divulgação

Amanhã no Nosso Mundo

29 de agosto de 2010 1

Uma cultura e uma língua que devem desaparecer em 10, no máximo 15, anos por conta das mudanças climáticas.

A urgência em documentar a história e a fala dos inughuit – os esquimós que vivem na colônia mais ao norte do mundo – levou o linguista e antropólogo Stephen Pax Leonard, 36 anos, a viver lá por oito meses.

O quê espera Leonard, um pesquisador da Universidade de Cambridge, e como ele pretende documentar o inuktun, língua falada pelos habitantes da região, é o que você vai conferir no Nosso Mundo de amanhã.

O caderno circula em Zero Hora e no Jornal de Santa Catarina.

Outra reportagem que está nas páginas do encarte desta semana é a respeito da quantidade de papel que recebemos sem pedir, como envelopes, folhetos e comprovantes de cartões de débito e crédito.

Confira isso e muito mais amanhã no Nosso Mundo.

Luxo e simplicidade

28 de agosto de 2010 0

Uma fazenda de 550 hectares na região rural do município da Lapa, no Paraná, será o cenário para um final de semana de conversas sobre simplicidade, luxo e sustentabilidade. De ontem até amanhã, a jornalista Joyce Pascowitch coordena um bate-papo sobre o tem com convidados especiais.

Hoje, serão dois encontros, às 16h e às 19h, com Eduardo Machado, diretor da Artefacto e Beach & Country, Wair de Paula, diretor da Beach & Country, Rosangela Lyra, diretora da Dior Brasil, a bióloga e socióloga Rita Mendonça e o fotógrafo Claudio Edinger. Amanhã, os participantes encerram o encontro com uma breve retrospectiva dos assuntos tratados.

Sobre a Lapinha

A Lapinha foi fundada em 1972 e é reconhecida como um dos melhores centros de saúde integral do país.

A clínica atua em regeneração e revitalização, emagrecimento e reeducação alimentar, repouso e controle do estresse, reabilitação cardíaca, desintoxicação, prevenção geriátrica, tratamentos estéticos e fitness.

Confira no site do spa o clima que cercará o debate com Joyce.

Primeiros Passos

27 de agosto de 2010 0

Números que mostram mudança de atitude.

Brasil e EUA assinaram recentemente um acordo para abater US$ 21 milhões de uma dívida brasileira com os americanos ao longo dos próximos cinco anos.

O valor, referente a um empréstimo contraído nos anos 60, será revertido para um fundo que financiará projetos de conservação dos biomas da Mata Atlântica, do Cerrado e da Caatinga.

A conversão foi possível por conta da lei americana para Conservação de Florestas Tropicais, de 1998, que destina recursos a iniciativas de conservação de áreas protegidas, manejo sustentável e apoio a comunidades que vivem da floresta.

É o 16º acordo desse tipo que os EUA assinam com outros países. A intenção é gerar cerca de US$ 239 milhões para a proteção de florestas.

O Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China anunciou o fechamento de mais de 2 mil fábricas de cimento, aço, papel, coque e alumínio por conta de sua baixa eficiência energética.

A ação integra um plano do governo chinês para cortar 20% do consumo de energia no país nos próximos cinco anos.

Mais de R$ 2 milhões serão destinados a apoiar ações de fortalecimento do manejo florestal no Brasil.

A chamada para a inscrição dos projetos foi lançada na metade deste mês pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal (FNDF), gerido pelo Serviço Florestal Brasileiro.

Os projetos podem ser de instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos. O prazo para entrega das propostas vai até 12 de setembro, e o resultado da seleção sairá em 8 de outubro.

Fotos: Porthus Junior, BD, François Mori, AP, e Pena Filho, BD

Vaga para cuidar de pandas

26 de agosto de 2010 0

Um centro chinês de proteção dos pandas lançou recentemente, no mundo inteiro, um apelo para encontrar seis candidatos a tratadores de pandas, que se ocupariam dos mamíferos durante um mês.

O Projeto Panda foi lançado pelo Centro de Chengdu, capital da província de Sichuan, e pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF). Com ele, os seis selecionados terão a possibilidade de observar a espécie protegida e de fornecer ajuda aos animais em caso de necessidade. Os cuidadores poderão, também, assistir ao nascimento de pandas.

- Esperamos que, graças ao projeto, mais e mais pessoas se somarão à missão de proteção dos pandas e compreenderão a importância da preservação do hábitat selvagem dos animais – explicou Zhang Zhihe, diretor do Centro.

Nas próximas seis semanas, os amantes dos pandas no mundo inteiro podem se candidatar no site www.pandahome.com

Há apenas 1,6 mil pandas em liberdade no mundo e 300 cativos, essencialmente na China, como parte de programas de preservação da espécie. Após terem conseguido nascimentos desses animais em cativeiro, os cientistas tentam, atualmente, introduzi-los na natureza.

A única tentativa terminou tragicamente. Xiang Xiang, deixado na floresta em 2006, foi encontrado morto, aparentemente por pandas selvagens da região.

Via AFP

50% menos energia

25 de agosto de 2010 0

Quem leu a matéria de capa dessa semana, Eficiência no chip, deve ter ficado curioso para conhecer um exemplo de produto adepto da T.I. verde.

Pois é isso que o blog traz hoje na foto. O grande desejo da nova tecnologia é usar menos energia e manter os níveis de produtividade. E o computador Eco Focus da Compujob consome 60w no máximo de seu processamento enquanto modelos normais podem alcançar os 140w. E isso representa menos da metade da energia consumida! Quando estiver hibernando, o modelo da Compujob promete reduzir o consumo a quase zero. E, melhor parte, o preço do Eco Focus promete ser até melhor do que o de outros modelos com a mesma potência.

Quem perdeu a matéria na segunda-feira, pode ler aqui.

A foto é de divulgação

Capital mundial da longevidade

24 de agosto de 2010 0

O cardiologista e geriatra Makoto Suzuki esteve, neste mês, no Brasil, para dar a receita dos habitantes de Okinawa, no Japão. A província, que detém o título de “capital mundial da longevidade“, é um conjunto de ilhas no extremo sul japonês e tem a maior concentração de habitantes que passaram dos cem anos.

Melhor do que isso: 80% dos seus idosos têm vida autônoma e dispensam cuidados hospitalares.

Genética? Segundo Suzuki, diretor do centro de pesquisas sobre longevidade de Okinawa, hereditariedade pode ajudar, mas não é o fator fundamental para a vida longa. Como prova disso, o médico afirma:

– Okinawanos que vieram para o Brasil e seus descendentes vivem, em média, 17 anos a menos do que os que estão lá.

Saiba Mais:

São quatro os pontos que, segundo Makoto Suzuki, garantem a vida longa e saudável em Okinawa:

- Bons hábitos alimentares

- Atividade física

- Autoajuda (cultivo da autonomia e da espiritualidade)

- Ajuda mútua (apoio social)

Para o cardiologista, qualquer pessoa, em qualquer país, pode seguir a receita.

– É possível mudar o estilo de vida. E funciona – diz, baseado nas provas vivas de sua terra natal.

A foto é do Luciano Moraes

Os melhores do Concurso CNN

23 de agosto de 2010 0

Na página 2 de hoje, o Nosso Mundo contou um pouco do projeto Praia para Todos, tema do vídeo campeão do Concurso Universitário de Jornalismo CNN. Produzido pelo estudante de Diego Balassiano Dominguez, o vídeo conta como a ONG Espaço Novo Ser leva pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida para a praia no Rio de Janeiro.

Agora, você pode conferir aqui o vídeo do Diego e, também, o 2º e o 3º colocados.

2º lugar: Quintal de Ana



1º Lugar: Praia para Todos



3º Lugar: Comunicação Marginal



A reinvenção da garrafinha

23 de agosto de 2010 0

Foi um grupo de apaixonados por garrafinhas de água que correu atrás da solução. Como continuar a usufruir das práticas embalagens de plástico sem causar tantos danos ao planeta? Depois de dois anos elaborando o melhor em design e engenharia, eles apresentaram a Bobble – uma garrafa que já vem com filtro de água.

Isso mesmo. Basta enchê-la com água potável, da torneira mesmo, que ela faz as vezes de filtro. Pronto. Você tem uma água fresca, sem resquícios de odor ou sabor que o sistema hidráulico de algumas cidades ainda conferem ao líquido. E ainda por cima carrega uma garrafa bonita. O site da Bobble avisa: “Nós decidimos reinventar a garrafa de água. Nós precisávamos que a nossa garrafa fosse reciclável e resiliente. Nós precisávamos manter os custos baixos. Nós nos recusamos a sacrificar estilo em favor de função.”

A Bobble tem um filtro ativado de carbono com uma leve carga eletropositiva, que atrai químicos e impurezas. Enquanto a água passa pela superfície desse filtro, os íons negativos dos contaminadores são sugados para a superfície de carbono granulado.

E ela não é a única. Começam a pipocar por aí outros modelos de garrafas com filtros. O pessoal que curte acampar já aderiu à mania.

As garrafinhas

Confira alguns dos argumentos dos criadores da Bobble:

- Os americanos gastam US$ 17 bilhões ao ano para saciar sua sede de água potável.

- A cada ano, aproximadamente 1,5 milhão de barris de óleo são usados para fabricar garrafas de plástico.

- Muitas delas são descartadas e acabam em aterros, oceanos, lixos e calçadas.

A decisão

“Nós amamos garrafas de água. De fato, somos obcecados por sua conveniência, mas, infelizmente, isso não conduz a um futuro sustentável.”

Mais no site www.waterbobble.com

A foto é de reprodução