Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Hoje é o Dia Mundial Sem Carro. Participe!

22 de setembro de 2010 15

Nesta quarta-feira, dia 22 de setembro, é celebrado o Dia Mundial Sem Carro. Instituída na França na década de 1990, a proposta da data é deixar os veículos particulares em casa e assumir uma atitude mais ecológica, ajudando a reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa.

MURAL: Na sua opinião, por que as pessoas têm tanta dificuldade para deixar o automóvel em casa? Comodidade ou preocupação com o status?

Uma única pessoa deixando o carro em casa pode não mudar o planeta, mas serve de exemplo. E imagine o efeito de milhares de motoristas aderindo. Os benefícios, além da preservação ambiental, passam por um trânsito mais tranquilo e menos estresse urbano.


Existem muitos meios de participar: andando a pé ou de bicicleta – o que pode também ser bom para a saúde, pegando o velho e bom transporte coletivo, como ônibus ou trem, e ainda dando ou pedindo uma carona. Vale lembrar, automóveis têm, normalmente, cinco vagas, andar sozinho é desperdício.


Se você aderiu e deixou o carro em casa, conte sua história. E se já está no trabalho, no seu local de estudo, e hoje utilizou o carro, tudo bem: deixe o veículo em casa amanhã, depois de amanhã, e sempre que não for essencial.

O ambiente vai sentir a diferença.

Comentários (15)

  • Rafaela Kley diz: 22 de setembro de 2010

    Acho a campanha do Dia Mundial sem Carro maravilhosa, mesmo sendo tão pouco aderida e ainda tão levada na brincadeira pelos meios de comunicação. Em 2009, devido a campanha, houve uma diminuição de 15% da emissão de poluentes no país. Podem ter sido poucos carros deixados na garagem, que “pode não mudar o planeta”, mas que com certeza fez a diferença.

    Acredito que seja ótimo que a Zero Hora dissemine essa ideia, agora achei de muito mal gosto a enquete “MURAL: Na sua opinião, por que as pessoas têm tanta dificuldade para deixar o automóvel em casa? Comodidade ou preocupação com o status?”. Sinceramente, estas duas opções são revoltantes. Porque não aproveitar a data para questionar o porque que de fato as pessoas utilizam tanto o veículo particular para se locomover? Porque não falar do caos do transporte público? Não, eu não tenho dificuldade em deixar o automóvel em casa por questões tão mesquinhas. O que eu sinto é a falta de investimento em transporte público, principalmente em cidades mais distantes da capital.

  • Décio diz: 22 de setembro de 2010

    Moro em Porto Alegre e trabalho em São Leopoldo há 5 anos.

    Há 2 anos optei por vender meu carro e utilizar o transporte público, principalmente por causa da BR-116. Por medo de me envolver em acidentes, pelo trânsito (hoje em dia, chego a ir mais rápido nos dias de grande movimento) e pelo stress.

    No início foi complicado, por causa dos horários dos ônibus, que não costumam cumprir os horários da grade (sites da internet). Dependem do motorista, que “decide” antecipar o horário da saída, deixando os usuários aguardando o próximo ônibus. Existe a dificuldade do trânsito, mas isso deve ser levado em conta na montagem da grade (não deve servir como desculpa).

    Já com o Trensurb foi fácil me acostumar. Cumpre rigorosamente os horários, possui muitos trens nos horários de pico e o valor da passagem é baixo.

    Então, posso conlcuir que “graças” a BR-116 me obriguei a utilizar o transporte público e gostei. Continuo achando o atendimento dos ônibus fraco (tanto em Porto Alegre como em São Leopoldo) por causa dos motivos que relatei.

    Finalizando, creio que as empresas de Ônibus, que é meio monopolizado, não está trabalhando para fazer com que os motoristas deixem o carro em casa. O ônibus hoje em dia só serve para quem não tem condições de dirigir.

  • Régulo Franquine Ferrari diz: 22 de setembro de 2010

    Exatamente, Rafaela!

    É difícil se livrar do carro, mesmo querendo, porque nosso transporte público é caro e inadequado, as calçadas são ruins de andar e o risco de assaltos é grande, tanto na rua como nas paradas, enquanto se espera o ônibus.

    Em vez de cidades com cada vez mais espaço para os carros, precisamos de cidades em que seja agradável caminhar e viver, sistemas de transportes integrados e acessíveis, em todos os sentidos. Não se trata de demonizar o automóvel, mas de dar condições de que não sejamos tão dependentes dele.

  • Rosvita Schutz diz: 22 de setembro de 2010

    o grande problema é a espera pelo ônibus…..ha uma perda de tempo muito grande, e o carro é mais rápido…

  • Lívia Araújo diz: 22 de setembro de 2010

    Venho todos os dias trabalhar de bicicleta e vejo manifestações tanto de desrespeito quanto de cuidado por parte de outros motoristas. Grande parte do desrespeito vêm, pasmem, de alguns motoristas de ônibus, que tentam encurralar o ciclista no meio fio, pondo em risco sua vida e desrespeitando o artigo 58 do Código Brasileiro de Trânsito, que garante a presença da bicicleta nas ruas. Parte do que se vê aí é devido ao desconhecimento sobre os direitos e deveres de todos os participantes do trânsito: pedestres, ciclistas, e condutores de veículos motorizados e de tração animal. Eu não sou contra o carro, mas sou a favor de exercer o meu direito de escolha sobre o transporte que vou usar. No entanto, cabe ao poder público, democraticamente eleito, promover condições para que a mobilidade contemple o que é COLETIVO, ou seja, que beneficie a todos e não só à parcela de motoristas individuais, que apesar de serem minoria, inviabilizam (às vezes por falta de alternativas, ou pelo status ilusório, ou pelo estímulo de uma publicidade enganosa) o transporte de todos (inclusive deles mesmos) diariamente em nossas cidades.

  • marcinha diz: 22 de setembro de 2010

    É dificil se livrar dele, parece que faz parte de minha vida 12hs por dia,pois me desloco muito em Poa, e se depender de onibus meu trab. com certeza ira atrasar, por isso uso regularmente. Não posso depender da demora de onibus.

  • Fernando diz: 22 de setembro de 2010

    Vamos todos participar!!!

    Em homenagem ao Dia Mundial Sem Carro a gente criou uma tirinha muito bacana, acho que vocês vão curtir compartilhar para que mais pessoas participem dessa data tão importante.

    Deem uma olhada no link abaixo:
    http://tinyurl.com/2u775ud

    Beijos e continuem com esse trabalho incrível!
    Nando.
    Resposta: Obrigado, abraço!

  • alexandre diz: 22 de setembro de 2010

    Concordo com Livia Araujo, eu pedalo por gostar mas em Porto alegre é cada vez mais impossível de ser pedalar, motoristas não contentes em te buzinar e te xingar passam de “fininho” nos ciclistas (1 inclusive já me derrubou) para ganharem 2 a 3 segundos no trânsito e quando são questionados sobre materem distância mínima dos ciclistas riem da sua cara. è nitido saber quem pedala e dirije e somente quem dirige , pelo grau de consideração com a vida do ciclista.

    Como podemos querer retirar os carros do Trânsito se não temos alternativas, tais como ciclovias e por favor não chamem estes caminhos contruídos na Zona sul de ciclovia, está longe de ter um trajeto, dimensão ou uso correto para bicicletas e nossos motoristas (principalmente) os que deveriam ser profissionais (onibus , lotação e Taxi ) são os que mais desreipeitam o transito , com a desculpa de horários a cumprir, ok os teus horários são mais importantes que a minha vida.

    Tem que mudar tudo mas começar por uma fiscalização mais severa nos maus motoristas “profissionais”

  • Carlos Lima diz: 22 de setembro de 2010

    Bah Uma Piada atras da outra Nossa! Galera a estrutura de transporte de PoA eh muito ruim; busão: lotado+atrazado; lotação: carad+ e só aceita dindim, num aceita o trii (mancada, qm anda com dindim na mão?), trenSurb: lotado + rota limitada na região leste, norte, sul de Porto Alegre; carro: congestionamento + estacionamento carod+; bike: bah essa faltaria caracteres hehehe essa eh caixão em PoA; Ir A PÉ: eu vou mas os lugares são longe véio, mas vou curtindu um som e rindo muito dos stressadinhos(as).

  • Tiago José Fernandes diz: 22 de setembro de 2010

    O Brasil cresceu como economia,teve evolução também em outros setores,paga o ônus de ser gigante,mas como povo,continua pensando pequeno.Coisa,aliás,de todos os latinos,mas a matéria é sobre o Brasil.Bem verdade que muitos não podem abrir mão do carro,mas também é verdade que,ao contrário de muitos países europeus,no Brasil,carro é status.Pode ser um fusca,mas é status.Isso é cultural.Na Alemanha,executivos vão para o trabalho de bicicleta,outros se programam quanto as caronas,enquanto muitos usam trem e ônibus.Com certeza,se cruzarmos com um executivo indo da Av.Praia de Belas até a Borges de bicicleta,no mínimo diremos que ele está falido,que vendeu o carro ou coisa parecida.Na Holanda,na França,na Itália enfim,é comum ver, inclusive, mulheres indo ao trabalho ou mesmo às compras pedalando.Mas vá cruzar com uma moça indo com o uniforme duma empresa conhecida para o trabalho.Nem pensar.Vivemos num mundo de aparências,onde quase não há lugar para a humildade,para a modéstia e para a honestidade também.Vivemos a era do efêmero.Há agências de casamento,de garotos e garotas de programa.Já surgiu que venda a amizade,a companhia,evidentemente que duma forma dissimulada,mas valores hoje em dia servem como moeda de troca e como meio de vida.Uma estação mal termina e já se está a lançar a moda para o ano seguinte.Vive-se um consumismo exacerbado na concomitância duma miopia coletiva e nessa onda não há espaço para o saudável,para o verdadeiro,para o duradouro,para o real.Outro dia,zapeando a TV,cruzei com uma frase que me intrigou,que dizia ser a ignorância uma fonte inesgotável de felicidade.Estou refletindo nela até hoje e já cheguei à conclusão de que preciso,de fato,rever meus conceitos,pelo menos alguns deles.

  • julliano diz: 22 de setembro de 2010

    O valor das passagens dos ônibus é um absurdo de caro principalmente dentro de POA, sobre as lotações nem se fala. Estas por sua vez, são umas das principais causadoras de acidentes em POA, a qual seus motoristas fazem o que querem no trânsito. Andando perto dos 80km/h nas grandes vias, e algumas vezes não passam dos 25km/h nestas mesmas vias. Alegando que estão com sobra de horários, assim atrasando os horários de todos que estão dentro destas lotações.

  • Leandro diz: 22 de setembro de 2010

    Como passaremos um dia sem carro se o nosso transporte público é um caos? Ônibus lotados, pouca abrangência, poucos horários, TRENSURB de uma linha só… Assim fica dificil! http://caosdeportoalegre.blogspot.com/

  • Sheila diz: 22 de setembro de 2010

    Adoraria poder aderir, mas sair de casa com dois bebês, duas mochilas, bolsa, etc… Não dá né!

  • Carlos Lima diz: 22 de setembro de 2010

    Bah mas ñ é só reclamação todos os viventes de PoA q observarem como espectadores a city terá uma solução algumas serão mirabolantes outras afú!! Ex. ai vão as minhas:

    Busão: os busão deveriam usar mais a tecnologia de informação que já é realidade em nossas vidas.
    Olha só que mágica um sensor na entrada outro na saída calcularia quantos usuário estariam presentes dentro do busão e automaticamente no letreiro eletrônico avisaria os passageiros que estão preste a subir no busão que ele está lotado e já nesse mesmo letreiro informa o tempo que levará o próximo pra chegar na atual parada. Loucura? Ñ a lotações já fazem isso lotou eles ñ pegam mais ninguém só desce enton! Porque no busão ñ vale a mesma regra??

    Bikes: Criar ciclovias de grandes extensões, mas isso ñ é segredo né!! É só fazer demorou! Ah e os outros seguimentos respeitarem também, nem que pra isso seja necessário muro de 2m de altura heheheh brincadeira.

    Moto: nas grandes estradas e avenidas criar uma Motovia como já existe em outras metrópoles.

    Carro: Mais informação muito mais informação das vias rápidas de escoamento pra qualquer lado tipo, galera dos carros conscientização de rotas alternativas para o melhor fluxo, ah e se o controlador de transito falou é lei, e outra, controladores de trânsitos sempre bem informados e transparecendo confiança nas informações. Mapas ilustrativos também ajudam.

    Caminhões e carros-fortes: Rotas específicas e com horários de circulações e paradas diferenciadas para ñ trancarem a circulação.

    TrenSurb: Aumentar a cobertura dentro de PoA, mas isso acontecerá com as obras que virão, espero que a linha nova ñ pare no Beira-lago, pois a região sul/leste corresse de transporte rápido e limpo*. (energia limpa*)

    Ir a Pé: A grande maioria reclama da segurança das ruas, mas eu particularmente vejo+ paranóia no olhar das pessoas de bem do que o mal acontecendo de fato. Claro sempre haverá casos, mas é pra isso que a segurança deve estar atenta se haver maior circulação de gente de bem maior deverá ser o zelo.

    Bom acho que é isso, teremos uma city afú, bah olha que ñ entendo nada de engenharia de trafego. Ah mas posso dar pitacos no transporte aéreo e fluvial também, como a oficialização do cais do porto em ter uma plataforma de embarque/desembarque para rumo a Guaíba e arredores. Bah!!! Que locura enton assim qualquer coisa é só falar comigo.

  • Carlos Lima diz: 22 de setembro de 2010

    tá aí um dos motivos pelo qual nada vai mudar, pelo menos enquanto as atitudes continuarem iguais, has atitudes antigas, como desrespeitos nas ruas e a censura do pensamento nú e crú, ehehehe eu nem queria que fosse publicado mesmo pq depois relendo falei comigo mesmo, “Pô meu que idiotisse isso tudo, palavras obsoletas e repetitivas qual é o otário q ñ vee que estamos desabas-tecidos de engenharia viaria. valeu pela censura!
    Resposta: Carlos, o comentário anterior foi publicado : / Não era eu quem estava liberando – ou censurando (até porque o blog nem é meu) -, mas vi que tu teve um comentário publicado antes desse. Abraço!

Envie seu Comentário