Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Celebridades"

Ainda Lutzenberger

14 de maio de 2012 0

Se você ainda não leu a reportagem especial sobre os 10 anos da morte do ambientalista José Lutzenberger, vale conferir o material especial publicado em zerohora.com.

Trata-se de um site especial. Boa leitura!

Os riscos do Pré-Sal

24 de março de 2012 0

Sylvia Earle surpreendeu: tirou foto dos jornalistas na coletiva.

A oceanógrafa americana Sylvia Earle vê riscos sérios na exploração de petróleo da camada de Pré-Sal, inclusive do ponto de vista econômico. Se esse petróleo trará benefícios financeiros, também servirá como incentivo para a continuidade do uso de combustíveis fósseis. E isso é um problema, disse ela na tarde deste sábado, em coletiva no Fórum Mundial de Sustentabilidade, em Manaus. Seria melhor, afirmou, focar no desenvolvimento de novas matrizes, como a energia solar.

Mas há outros riscos. Um dos principais, afirmou Sylvia, diz respeito a ecossistemas ainda desconhecidos e localizados na área do pré-sal – a uma profundidade média de 7 mil metros.

- O grande risco é a destruição desses ecossistemas. Não sabemos o que vamos encontrar, nem o impacto – explicou.


*O jornalista viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

Bianca Jagger fala em caminho sem volta

24 de março de 2012 0

Depois de uma manhã de workshops em Manaus, o Fórum Mundial de Sustentabilidade terá, neste sábado à tarde, as apresentações da ativista Bianca Jagger e da oceanógrafa Sylvia Earle. Bianca falou no final da manhã em entrevista coletiva. Nascida na Nicarágua e ex-mulher do Rolling Stone Mick Jagger, ela reforçou o discurso de urgência para frear o aquecimento global.

- Não é um ponto crítico em 10 anos. É um ponto de não-retorno – afirmou.

Bianca – que até se parece com Mick Jagger – também tocou no ponto das matrizes energéticas:

- Energia renovável não é só um benefício para as pessoas, mas para os governos. Criou empregos nos Estados Unidos, mesmo que o governo não a apoie.


*O jornalista viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

Sem propostas

23 de março de 2012 0

Ainda sobre FHC no Fórum, em Manaus: na avaliação da imprensa especializada, a palestra deixou a desejar. Faltaram propostas na fala do ex-presidente sobre desenvolvimento sustentável.

Foi o oposto do que aconteceu com o ex-primeiro ministro francês, Dominique de Villepin, e com a ex-primeira ministra norueguesa, Gro Brundtland, bem mais específicos nas falas.

*O jornalista viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

FHC também pede mudança de modelo

23 de março de 2012 1

Em palestra no Fórum Mundial de Sustentabilidade, em Manaus, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso traçou um panorama da evolução das discussões sobre desenvolvimento sustentável nos últimos 30 anos. Sem expor propostas práticas, FHC reafirmou a necessidade de mudança de modelo de crescimento, bem como de matriz energética.

- Temos que lutar contra o atraso. Meio ambiente é desenvolvimento – afirmou.

O ex-presidente pediu ao Brasil um papel de protagonista nas discussões ambientais, mas ponderou que dificilmente algo pode ser feito sem apoio da sociedade civil.

Perguntado sobre a construção da hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, ele disse preferir que não fosse necessária a construção.

- Preferia que tivéssemos tomado medidas (de alternativas energéticas) há mais tempo – opinou.

FHC concederá coletiva ainda hoje à tarde, mas responderá apenas a questões sobre sustentabilidade. Ele mesmo brincou com a restrição, anunciada pela organização do fórum:

- Não é para falar da eleição de São Paulo, não.


*O jornalista viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

Pessimismo francês

23 de março de 2012 0

Em entrevista coletiva na manhã de hoje, no Fórum Mundial de Sustentabilidade, o ex-primeiro ministro francês Dominique de Villepin mostrou ceticismo quanto ao sucesso da Rio+20. Em Manaus, o político avaliou que será difícil haver entendimento em meio a uma crise política e econômica – a referência é mundial.

- A melhor chance (de acontecer algo) é que as pessoas coloquem pressão – afirmou.

Villepin disse ser importante manter fóruns de discussões em aberto, mesmo sem avanços. Segundo ele, pior é perder o impulso para fazer mudanças. O problema é que, explicou, elas devem ocorrer já agora.

- Não ter discussões será perder o momento  e arcar com as consequências nas próximas décadas – salientou.


*O jornalista viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

FHC fala no segundo dia do Fórum

23 de março de 2012 1

Começaram há pouco os workshops do segundo dia do Fórum Mundial de Sustentabilidade, realizado na sempre abafada Manaus. São cinco painéis tratando de temas como saneamento, cadeia de fornecimento, consumo sustentável, construção civil e valorização dos produtos da floresta.

Às 11h30min (horário de Brasília), ocorre a entrevista coletiva do ex-primeiro ministro francês Dominique de Villepin, que palestrará à tarde. Ele falará depois do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que só chegaria a Manaus hoje. FHC discursará sobre o desafio do desenvolvimento sustentável. Sua apresentação está prevista para as 15h30min (horário de Brasília).

Também se apresentam hoje o diretor-executivo do Greenpeace internacional, Kumi Naidoo, e o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues.


*O jornalista viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

Para Gro Brundtland, não há caminho alternativo

22 de março de 2012 0

Principal palestrante da tarde de abertura do Fórum Mundial de Sustentabilidade, em Manaus, a norueguesa Gro Brundtland defendeu a adoção imediata de um caminho de desenvolvimento sustentável. Ex-primeira ministra da Noruega, ela projetou como alternativas um melhor aproveitamento energético aliado a um papel-chave das mulheres para a construção de um futuro melhor.

- A geração de energia neutra só se justifica com soluções sólidas – explicou, diante de uma plateia de 900 pessoas no salão nobre do Hotel Tropical.

Brundtland espera por uma “mudança real”, devido ao impacto sem precedentes no planeta causado pela ação humana. Ao comentar sobre a necessidade de implantação de uma economia verde, incluiu no tema uma noção mais ampla de desenvolvimento. Para ela, o conceito inclui igualdade social.

- Não há um caminho alternativo à frente – sentenciou.


*O jornalista viajou a convite do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

Começa o Fórum Mundial de Sustentabilidade

22 de março de 2012 0

Começa na tarde desta quinta-feira, em Manaus, a 3ª edição do Fórum Mundial de Sustentabilidade.

Focado em Economia Verde e Desenvolvimento Sustentável, o evento terá a presença de ex-chefes de Estado como Fernando Henrique Cardoso, Dominique de Villepin (França) e Gro Brundtland.

A norueguesa falará à tarde, após a abertura oficial – prevista para as 15h15min, horário de Brasília. Manaus, vale lembrar, está uma hora atrás em relação ao fuso oficial.

De hoje até sábado, você confere aqui no blog do Nosso Mundo a cobertura do evento.

Raí: "O eleitor poderá acompanhar o que o candidato está fazendo"

13 de fevereiro de 2012 0

Tetracampeão com a Seleção Brasileira, Raí Oliveira, 46 anos, é conhecido por seu trabalho no terceiro setor – é presidente da Fundação Gol de Letra e Atletas pela Cidadania. Seu rosto está em uma das peças publicitárias da campanha Eu Voto Sustentável, do Programa Cidades Sustentáveis. Dois dias depois de receber em Londres o prêmio Laureus, considerado o Oscar do esporte, por seu trabalho social, o ex-jogador conversou com o repórter Guilherme Mazui, do Nosso Mundo, sobre os conceitos verdes nas eleições muncipais.

Nosso Mundo – Por que você aceitou participar da campanha?
Raí Oliveira – A campanha convoca a participação dos eleitores, trabalha com transparência e uma plataforma clara. É uma campanha muito direta, que passa pela participação da população de forma democrática. Além disso, conheço as instituições envolvidas, que são muito sérias.

NM – Como é o seu voto sustentável?
Raí – Escolher um candidato que se comprometa com uma plataforma voltada para sustentabilidade já é importante, pois busca caminhos para uma plataforma de governo que busca qualidade de vida, justiça social, que melhore a vida das pessoas.

NM – Ao assinar a carta da campanha, o candidato se obriga a, caso eleito, criar um plano de meta e prestar contas. É uma ferramenta clara de avaliação?
Raí – Se existe um compromisso firmado, isso pode ser muito bom para quem foi fiel e ao mesmo tempo ruim para quem não cumpriu. O eleitor poderá acompanhar o que o candidato está fazendo, avaliando o trabalho, o que pode ser decisivo em eleições futuras.

NM – As eleições municipais facilitam ou dificultam o trabalho de difundir a sustentabilidade?
Raí – Estar próximo da governança, do poder público, auxilia o debate. Mas em um país do tamanho do Brasil a divulgação da campanha é um desafio muito grande.

NM – Falando em sustentabilidade, qual o principal problema das cidades brasileiras?
Raí – É centralização do poder, que acaba prejudicando a transparência de uma forma geral. Se você centraliza as questões, favorece a corrupção, falta de transparência. O ideial é descentralizar o poder das decisões.