Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Verde"

Marina: "Estão fazendo uma política de avestruz"

05 de dezembro de 2011 0

Segunda parte da entrevista da ex-ministra Marina Silva ao Nosso Mundo (a primeira parte está no post abaixo):

Nosso Mundo _ A Rio+20 pode ser desidratada por chefes de Estado?
Marina Silva _ Olha, existe um grupo que fica trabalhando essa ideia de baixa expectativa. Ninguém que tem um parente ou um amigo na UTI aceita baixar as expectativas, a gente faz o melhor para essa pessoa sair da enfermidade. O planeta está enfermo e as pessoas estão querendo baixar as expectativas. Os países têm o compromisso de constranger os que estão tomando essa atitude. É no momento de crise que precisamos melhorar essa agenda ambiental. Alguns países como Estados Unidos, Canadá e Índia, com uma posição retrógrada, precisam ficar desconfortáveis por se esconderem para fazer vistas grossas. É fundamental continuar fazendo o constrangimento no espaço multilateral para que os países que respondem por mais emissões se comprometam mais.

NM _ A crise econômica pode atrapalhar as negociações?
Marina _ Temos de preservar os avanços e mudar a atitude com as emissões, o descaso que países como Estados Unidos, sobretudo, têm tido com essa agenda de clima, biodiversidade. Há uma preocupação muito grande com as posições da Índia, do Canadá. Estão fazendo uma política de avestruz. A realidade não mudou e os países ricos resolveram enterrar a cabeça para não ver a realidade das suas emissões. As mudanças climáticas continuam acontecendo. Essa crise é mais grave do que a crise da economia. É incompreensível investir trilhões de dólares, bilhões de euros para salvar o sistema financeiro, o setor imobiliário, quando não se faz o mesmo para nos tirar da crise ambiental, que foi causada pela ganância de poucos e os prejuízos com certeza ficaram para todos.

NM _ A senhora viu as propostas que o Brasil enviou à ONU? Qual a sua opinião?
Marina _ Eu tenho conhecimento da proposta. Acho que ainda há muitas lacunas. Mesmo na ideia da economia verde, a questão do desenvolvimento sustentável não está contemplada. Na questão da governança não há compromisso de criar um mecanismo novo para implementar a agenda. Sem isso, qualquer compromisso será mera retórica. Principalmente na agenda dos instrumentos econômicos, não há como pensar em economia verde se não tivermos três coisas: uma base legal para induzir as mudanças _ evitar a forma inadequada de fazer e criar as certas _, recursos financeiros para a implementação da agenda e colocar isso como centro das prioridades das políticas públicas nos diferentes setores.

Marina Silva: "O Brasil tem de se colocar como potência ambiental"

05 de dezembro de 2011 0

 



Marina Silva, ex-ministra do Meio Ambiente. Foto: Antonio Cruz, Agência Brasil.



Ex-ministra do Meio Ambiente e responsável pela onda verde nas eleições presidenciais de 2010, Marina Silva espera que a Rio+20, em junho do próximo ano, defina uma agenda para implementar de vez o desenvolvimento sustentável. Ela está na reportagem de capa da edição desta segunda-feira do Nosso Mundo Sustentável. Aqui no blog, você confere a primeira parte da entrevista da ambientalista ao repórter Guilherme Mazui:

Nosso Mundo – Qual o principal desafio da Rio+20?
Marina Silva – O principal é avaliar corretamente esses 20 anos (depois da Eco 92) e assumir os compromissos necessários do ponto de vista efetivo para enfrentar o agravamento das mudanças climáticas. É preciso encarar a questão corretamente do ponto de vista da governança. O Brasil já se comprometeu em 2007, quando eu era ministra e o Celso Amorim estava na pasta das Relações Exteriores, em apoiar a França para criar no âmbito nas Nações Unidas um órgão semelhante à Organização Mundial do Comércio (OMC) com foco no meio ambiente. Infelizmente, o Brasil retrocedeu. A questão da implementação de uma agenda pós Rio+20 vai ficar à deriva. O Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) não tem estrutura financeira nem política para implementar essa agenda. É fundamental o Brasil ter posição firme na criação de um organismo social forte para agenda de meio ambiente e desenvolvimento sustentável.

NM _ Qual a expectativa da senhora sobre a atuação do Brasil?
Marina _ O Brasil não pode permitir retrocessos nas conquistas que tivemos nos últimos anos, e precisa batalhar para negociar na Rio+20 em cima de avanços. Espero que o país tenha protagonismo maior no âmbito da convenção, se distanciando das posições retrógadas do G-7 e, ao mesmo tempo, uma posição mais ousada dentro do G-20. O G-20 é responsável por 80% do PIB global. Esses países podem fazer a diferença, ainda que o acordo seja multilateral. Não se pode abrir mão dessas expectativas se o Brasil quiser fazer jus à potencia ambiental que é e ao que ele conquistou ao longo desses anos. Se ele é o anfitrião, tem a obrigação de se colocar como potência ambiental, país negociador e país importante entre os emergentes.

NM _ Passados 20 anos, o que foi implementado dos acordos da Eco 92?
Marina _ Houve baixa implementação dos acordos assumidos. Tivemos avanços significativos, houve toda uma agenda política e institucional no âmbito da ONU dos Estados nacionais, que serviu de base para medidas internas e no âmbito das convenções de desertificação, de clima e de biodiversidade. No entanto, ficou aquém do ponto de vista prático.

NM _ A senhora concorda com o foco da Rio+20 na economia verde e governança?
Marina _ Prefiro trabalhar com ideia de desenvolvimento sustentável. Suponhamos que economia verde esteja nesse contexto. Com a crise, países estão com a política de baixar as expectativas da Rio+20, o que não é aceitável. A realidade continua dramática e com o sentido de urgência que sempre teve. Só é possível enfrentar os problemas graves da mudança climática e da perda da biodiversidade pela mudança. Integrar economia e ecologia, fazer um esforço para passar no teste em vez de mudar o teste. Buscar a partir de uma nova visão novos processos, novas estruturas, novos produtos, novos materiais, uma nova base, novos conhecimentos. Assim poderemos ter uma economia próspera, que mude a vida das pessoas. Mas pelos caminhos da sustentabilidade, e não por esse modelos predatórios que vão inviabilizar no longo prazo a vida do planeta.

Time verde do eBay

03 de agosto de 2011 0

Em 2007, um grupo de funcionários do eBay começou a se movimentar em pequenas ações para mudar algumas práticas dentro da empresa.

O tempo passou, o pequeno grupo virou uma comunidade com mais de 100 mil pessoas e o eBay conta agora com uma seção toda verde, com artigos, discussões e, é claro, produtos verdes.


Cate e a energia solar

01 de agosto de 2011 0

Estrela de filmes como Elisabeth e Vida Bandida, a atriz australiana Cate Blanchett também tem seu lado, digamos, mais verde. Fã de energias renováveis e ações em prol do ambiente, Cate lançou a iniciativa Greening The Warf, na Companhia de Teatro de Sidney, da qual é uma das diretoras artísticas.

Entre as ações da campanha está a instalação de painéis solares, a redução do lixo descartado e a coleta de água da chuva.

Para manter os australianos informados, existe até um blog, o stcgreeningthewharf.posterous.com

- Eu acredito que estamos prontos para aproveitar essa oportunidade de fazer profundas mudanças ambientais para melhor - afirmou a moça.

Enciclopédia verde

26 de julho de 2011 0

www.greenpedia.greenvana.com. Anote esse endereço, pois é lá que você encontra um monte de informações bem úteis quando o tema é sustentabilidade.

O site, uma wikipedia verde, é mais um braço do Greenvana, que já encabeça iniciativas como o Greenvana EcoStore, a revista eletrônica Greenvana Style, o Prêmio Greenbest e o buscador Greengle.

Um verbete

Mercado Bamboo é um blog sobre consumo, mas não sobre consumismo. Nele a sustentabilidade se traduz em matérias-primas alternativas, processos de produção que respeitam o meio ambiente e métodos de trabalho que levam em conta a inclusão social. O interesse do blog é por produtos que são também a expressão de novas ideias, seja no design, na embalagem, no material utilizado ou no modo de fabricação – sempre de uma perspectiva sustentável.

Crescendo para sempre

24 de julho de 2011 0

Manhã de domingo poética no blog do Nosso Mundo. Se você está em casa, em um momento de preguiça, aproveite para relaxar um pouco mais assistindo o vídeo abaixo.

Filmado e editado por Jesse Rosten e com texto criado e narrado por Kallie Markle (com uma voz beeeem legal), o vídeo fala do eterno crescimento da floresta. Assista. É rápido e muito bom.

Growing is Forever from Jesse Rosten on Vimeo.

Hoje é dia da floresta

17 de julho de 2011 1


Hoje, 17 de julho, o mundo comemora o Dia de Proteção das Florestas. E, neste ano, a celebração tem de ser ainda mais especial, já que 2011 foi declarado pela ONU como o Ano Internacional das Florestas.
Você sabia que as árvores, ao crescerem, capturam grandes quantidades de dióxido de carbono (CO2), um dos principais gases do efeito estufa (GEE).
Até agora, porém, ainda não se sabia quanto CO2 as árvores absorvem em diferentes partes do planeta ou qual o total global de gases liberado na derrubada e na queima das matas.
Um estudo divulgado na revista Science mostra a capacidade de absorção em cada tipo de floresta e aponta que as árvores capturam mais de 10% do CO2 gerado por atividades humanas.
Os cientistas calcularam que as florestas dos trópicos absorveram quase 15 bilhões de toneladas de CO2 no último ano. O desmatamento, porém, gerou 10,7 bilhões de toneladas.


Jardim vertical na obra

15 de julho de 2011 1


Olha que lindo esse jardim vertical que cobre as obras do Pátio Batel, centro de compras que deve ser inaugurado em 2012 em Curitiba, no Paraná.
O muro verde fica na Avenida Batel, conhecida pelos bares, restaurantes e edifícios estilosos ao longo de sua extensão.
O jardim-tapume tem 120 metros quadrados e conta com 2,6 mil mudas. Foram utilizados seis tipos de plantas de tons, volumes e texturas diferentes para dar mais movimento ao jardim vertical.
A ideia é se alinhar ao espírito verde e social do curitibano. Também por isso os fornecedores de mudas são de Antonina e Morretes, recentemente devastadas pelas chuvas.


Uma horta para a cidade

14 de julho de 2011 1

No vídeo abaixo dá para acompanhar o passo a passo da criação de uma horta comunitária em um parque público de Bath, na Grã-Bretanha.

O pessoal escolheu o Hedgemead Park, bem visível para o pessoal que passa pela região para criar um belo jardim de vegetais.
Mais do que alimentar moradores de rua, a iniciativa ajuda a aumentar o senso de comunidade dos moradores das grandes cidades.
Será que não dá para replicar no seu bairro?



WikiFlora do Brasil

07 de julho de 2011 0


Uma enciclopédia digital da biodiversidade do Brasil. É o que prevê a WikiFlora, portal colaborativo que será criado por meio de uma parceria entre IBM e Ministério da Ciência e Tecnologia. A ideia é incentivar a cooperação entre estudantes, comunidades, educadores e cientistas.
O portal será construído com base no software IBM Lotus e contará com ferramentas de redes sociais, wiki e referências geográficas do conteúdo.
A catalogação terá início pela Reserva Experimental Adolpho Ducke, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCT) onde existe um acervo catalogado com mais de 2,5 mil espécies da Amazônia.